Literatura e Revolução
Os músicos e cantores de intervenção sofreram a
perseguição do regime do Estado Novo.

Nomes como o...
Literatura e Revolução

As suas músicas e atuações eram proibidas, de modo
que a sua voz fazia-se ouvir sorrateiramente.
M...
Literatura e Revolução
Literatura e Revolução
Literatura e Revolução
A canção «A formiga no carreiro» de Zeca Afonso foi
editada porque a fábula expressa nessa composiç...
Literatura e Revolução
A FORMIGA NO CARREIRO
A formiga no carreiro
Vinha em sentido contrário
Caiu ao Tejo
Ao pé dum septu...
Literatura e Revolução
A formiga no carreiro
Andava à roda da vida
Caiu em cima
Duma espinhela caída
Furou furou à brava
N...
Literatura e Revolução
A contestação ao Estado Novo e
o 25 de Abril foram os
momentos mais marcantes no
que diz respeito à...
Literatura e Revolução
“Grândola, Vila Morena” é
a canção emblemática da
Revolução dos Cravos e de
todos os que participar...
Literatura e Revolução
Quanto à letra da canção,
observamos que se faz o
elogio de determinados
valores e, de forma
subent...
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade
Dentro de ti, ó cidade
O povo...
Literatura e Revolução
Escrita no final de
1972, "Tourada" foi a canção
escolhida para representar
Portugal no Festival

E...
Literatura e Revolução
A canção tem uma letra que foi
claramente entendida em Portugal
como uma metáfora em que se
compara...
Literatura e Revolução
Na letra faz-se uma crítica
ao snobismo e hipocrisia
da sociedade:
Entram cavaleiros à garupa
do se...
Literatura e Revolução
Critica-se as contradições
existentes na sociedade e
os lucros de alguns:
Entram empresários morali...
Literatura e Revolução
Na letra faz-se uma alusão à
chamada Primavera
marcelista, uma pretensa
mudança efetuada no
governo...
Literatura e Revolução
Canções de resistência ou canções de protesto,
consideradas após a revolução de Abril de 1974
como ...
Literatura e Revolução

Fontes:
http://lusofonia.com.sapo.pt/literatura_portuguesa/literatura_engajada_PTsecXX.htm
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Literatura de intervenção

375 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
375
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Literatura de intervenção

  1. 1. Literatura e Revolução Os músicos e cantores de intervenção sofreram a perseguição do regime do Estado Novo. Nomes como os de Vitorino, Fausto, Adriano de Oliveira e Zeca Afonso, entre outros, foram sinónimo de contestação, oposição, luta pela liberdade. Vitorino Fausto Adriano C. Oliveira Zeca Afonso
  2. 2. Literatura e Revolução As suas músicas e atuações eram proibidas, de modo que a sua voz fazia-se ouvir sorrateiramente. Muitos deles sofreram a prisão e exílio.
  3. 3. Literatura e Revolução
  4. 4. Literatura e Revolução
  5. 5. Literatura e Revolução A canção «A formiga no carreiro» de Zeca Afonso foi editada porque a fábula expressa nessa composição parece não ter sido interpretada pelos serviços de censura.
  6. 6. Literatura e Revolução A FORMIGA NO CARREIRO A formiga no carreiro Vinha em sentido contrário Caiu ao Tejo Ao pé dum septuagenário Larpou trepou às tábuas Que flutuavam nas águas E de cima duma delas Virou-se pró formigueiro Mudem de rumo Já lá vem outro carreiro A formiga no carreiro Vinha em sentido diferente Caiu à rua No meio de toda a gente Buliu abriu as gâmbias Para trepar às varandas E de cima duma delas Virou-se pró formigueiro Mudem de rumo Já lá vem outro carreiro
  7. 7. Literatura e Revolução A formiga no carreiro Andava à roda da vida Caiu em cima Duma espinhela caída Furou furou à brava Numa cova que ali estava E de cima duma delas Virou-se pró formigueiro Mudem de rumo Já lá vem outro carreiro José Afonso, Venham mais cinco, 1973.
  8. 8. Literatura e Revolução A contestação ao Estado Novo e o 25 de Abril foram os momentos mais marcantes no que diz respeito à música de intervenção. Temas como "Grândola Vila Morena", de Zeca Afonso ou a "Tourada" de Fernando Tordo, tornaramse intemporais e fizeram história. Ary dos Santos
  9. 9. Literatura e Revolução “Grândola, Vila Morena” é a canção emblemática da Revolução dos Cravos e de todos os que participaram no Movimento das Forças Armadas (M.F.A.); é o sinal para avançar com as tropas para derrubar o regime vigente de Marcelo Caetano; é o símbolo da vitória da democracia.
  10. 10. Literatura e Revolução Quanto à letra da canção, observamos que se faz o elogio de determinados valores e, de forma subentendida, a denúncia dos desvios e aberrações das instituições políticosociais salazaristas.
  11. 11. Grândola, vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti, ó cidade Dentro de ti, ó cidade O povo é quem mais ordena Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada esquina um amigo Em cada rosto igualdade Grândola, vila morena Terra da fraternidade Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada rosto igualdade O povo é quem mais ordena À sombra duma azinheira Que já não sabia a idade Jurei ter por companheira Grândola a tua vontade Literatura e Revolução
  12. 12. Literatura e Revolução Escrita no final de 1972, "Tourada" foi a canção escolhida para representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção 1973, interpretada em português por Fernando Tordo.
  13. 13. Literatura e Revolução A canção tem uma letra que foi claramente entendida em Portugal como uma metáfora em que se comparava a tourada ao decrépito regime ditatorial do Estado Novo, a canção é uma crítica à sociedade portuguesa daquele tempo: Entram velhas doidas e turistas entram excursões entram benefícios e cronistas entram aldrabões entram marialvas e coristas entram galifões de crista.
  14. 14. Literatura e Revolução Na letra faz-se uma crítica ao snobismo e hipocrisia da sociedade: Entram cavaleiros à garupa do seu heroísmo entra aquela música maluca do passodoblismo entra a aficionada e a caduca mais o snobismo e cismo...
  15. 15. Literatura e Revolução Critica-se as contradições existentes na sociedade e os lucros de alguns: Entram empresários moralistas entram frustrações entram antiquários e fadistas e contradições e entra muito dólar muita gente que dá lucro as milhões.
  16. 16. Literatura e Revolução Na letra faz-se uma alusão à chamada Primavera marcelista, uma pretensa mudança efetuada no governo de Marcelo Caetano (mudavam os nomes, por exemplo, censura passou a ter o nome de "exame prévio", mas na prática pouco mudava): estamos na praça da Primavera.
  17. 17. Literatura e Revolução Canções de resistência ou canções de protesto, consideradas após a revolução de Abril de 1974 como canções de intervenção são constituídas por poemas e músicas de denúncia de um presente de repressão e surgem como luta por um mundo melhor.
  18. 18. Literatura e Revolução Fontes: http://lusofonia.com.sapo.pt/literatura_portuguesa/literatura_engajada_PTsecXX.htm

×