Apresentacao De Projeto

1.985 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao De Projeto

  1. 1. Curso de Especialização: Novas tecnologias na educação e a formação do professor pesquisador Disciplina: A Pesquisa como Instrumento Pedagogico I. Prof. Maria Thereza
  2. 2. Projeto de Pesquisa : <ul><li>“ MENINAS E MENINOS NA ESCOLA” </li></ul><ul><li>(As relacoes de genero e as implicacoes socio-culturais) </li></ul><ul><li>ANA LUCIA TEDESCHI </li></ul><ul><li>CINTIA C.A. MAGNUSSON </li></ul><ul><li>NIRALDO JOSE DA SILVA </li></ul>
  3. 3. INTRODUÇÃO <ul><li>Este projeto de pesquisa esta sendo desenvolvido com os alunos do 2°ano do ciclo II de alfabetização das seguintes escolas municipais de Campinas: EMEF Maria Pavanatti Fávaro e EMEF Ciro Exel Magro . </li></ul>
  4. 4. C ONSIDERACOES <ul><li>Acreditamos que a escola é um ambiente no qual travam-se relações que repassam interesses culturais, pois nela vemos a prática da reprodução cultural em que vivemos e como esta atua na constituição dos sujeitos. Neste aspecto, acontecem as reafirmações de gênero e num determinado padrão de normalidade, onde são apontados os lugares do homem e da mulher. </li></ul>
  5. 5. O QUE NOS ENCOMODA <ul><li>Ainda são evidenciadas as diferenças do que cada um pode ou não fazer, como por exemplo, nas brincadeiras e nas ações das crianças. Trata-se da reprodução do que está instituído pela sociedade como normal ou a forma “correta” de agir, mas isso não é algo que cada sujeito traz consigo, são normas de ações criadas por um padrão cultural. </li></ul>
  6. 6. A REPRODUCAO <ul><li>Temos arraigado alguns conceitos de maneira que não percebemos ou sequer questionamos o porque de repeti- los , nos surpreendemos reproduzindo falas do tipo “isso não é comportamento de menina!” ou “pare de chorar, está parecendo uma menininha”. Percebe-se, aqui o quanto é difícil e demorado livrar -nos de um processo que tem uma longa história de reprodução e de reafirmação, pois está incutido em nossas ações que o reproduzimos de forma que parece ‘ natural ’. </li></ul>
  7. 7. REVENDO CONCEITOS <ul><li>Ha quem acredite que menino brinca de carrinho e menina de boneca e que os meninos são mais agitados por isso são mais relaxados, enquanto que as meninas têm a letra mais bonita e o caderno mais caprichado por serem mais calmas. Acreditando que os meninos são inteligentes e as meninas apenas esforçadas. </li></ul>
  8. 8. OBJETIVO GERAL <ul><li>No presente trabalho temos por objetivo relatar, discutir e refletir sobre algumas observações feitas a respeito da construção identidade de gênero na escola a partir do testemunho infantil e as implicações frente a segregação de gênero vista como ‘natural’. </li></ul>
  9. 9. OBJETIVOS ESPECÍFICOS <ul><li>Desenvolver valores como respeito, solidariedade e cooperação. </li></ul><ul><li>Compreender as questões de gênero como construções culturais. </li></ul><ul><li>Problematizar as práticas sexistas. </li></ul><ul><li>Levantar hipóteses de superação e mudança. </li></ul>
  10. 10. JUSTIFICATIVA <ul><li>A ssumir a ousadia de desafiar a ordem desigual propondo acrescentar às atividades da escola, uma “análise anti-androcêntrica”, pela adoção de uma postura crítica e inovadora, trabalhando para que se constitua num espaço propício de discussão das questões de gênero, voltada para a criação de novos conceitos, pautados na equidade e na valorização humana, rompendo com o passado e se comprometendo com o futuro, organizando estratégias educativas. </li></ul>
  11. 11. PROBLEMA <ul><li>Entendendo a escola como um espaço de construção de atributos sociais que inculcam valores e papéis sociais de maneira direta e indireta na sua ação pedagógica e que acaba submetendo a conduta da criança a normas preestabelecidas, então, podemos considerar que pelo fato da criança ser mais sensível, conseqüentemente se deixa levar pelos padrões e preconceitos inculcados diante da autoridade do adulto. Diante disso, surgem algumas questões: </li></ul>
  12. 12. PROBLEMA <ul><li>Existem atividades que só os meninos podem fazer e as meninas não? E existem atividades que só as meninas podem fazer? Quais e por que? </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Meninas podem fazer tudo que os meninos fazem e vice-versa? </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>É “natural” que meninos e meninas se separem na escola para realização de atividades e brincadeiras? </li></ul>
  13. 13. PROBLEMA <ul><li>É de esperar que os desempenhos nas diferentes atividades escolares revelem as diferenças de interesse e aptidão e as características de cada gênero? </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Teríamos que avaliar essas crianças através de critérios diferentes? </li></ul>
  14. 14. PARA REFLETIR <ul><li>Educadores e educadoras aceitam que os meninos são “naturalmente” mais agitados e curiosos que as meninas? E quando ocorre uma situação oposta à esperada, ou seja, quando encontramos meninos que se dedicam a atividades mais tranqüilas e meninas que se dedicam a jogos mais agressivos devemos nos preocupar, pois isso seria indicador de que essas crianças estão apresentando “desvios” de comportamento como se fossem verdadeiros “estranhos no ninho?”. </li></ul>
  15. 15. PARA REFLETIR <ul><li>Como as crianças vêem essas ‘diferenças’ que só os adultos vêem? Haveria no ar um medo da homossexualidade? Haveria uma vigilância sobre os meninos e meninas ‘diferentes’? Essas crianças estariam supostamente ‘fora de seus lugares’? Se muitas vezes a educação propicia alguns tipos de desigualdades entre meninos e meninas, como o ensino pode ser voltado à cidadania e à construção de uma sociedade mais justa para homens e mulheres? </li></ul>
  16. 16. METODOLOGIA <ul><li>A pesquisa será desenvolvida a partir de: </li></ul><ul><li>  * pesquisa bibliográfica: literatura infantil. </li></ul><ul><li>* pesquisa de campo: observação e entrevistas. </li></ul><ul><li>A elaboração de relatório pelos alunos para compreender e descrever situações revelando seus significados, retratando o que se passa no dia-a-dia da escola e revelando a complexa rede de interações que constitui a experiência escolar. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  17. 17. INTEGRACAO DAS DISCIPLINAS <ul><li>Lingua Portuguesa : conhecimento de si - biografia: o porque de seu nome e a historia de sua vida. Linha do tempo com dados marcantes. Arvore genealogica. </li></ul><ul><li>Matematica : pesquisa de dados: quantidade de meninos e meninas na escola e contituicao de grafico. </li></ul>
  18. 18. INTEGRACAO DAS DISCIPLINAS <ul><li>Ciencias : o nosso corpo. O que e sexo. As diferencas entre meninos e meninas. </li></ul><ul><li>Historia: papeis sociais do homem e da mulher. H. e M. exercem as mesmas profissoes? </li></ul>
  19. 19. INTEGRACAO DAS DISCIPLINAS <ul><li>Geografia : Pesquisa no site do IBGE: numero de H. e M. no Brasil, analise dos dados por idades. </li></ul><ul><li>Educacao Fisica : brincadeiras de conhecimento do corpo humano e as diferencas entre meninos e meninas. </li></ul><ul><li>Educacao Artistica: releitura de obras de arte em que sao representados meninos e meninas em diferentes epocas. </li></ul>
  20. 20. LITERATURA INFANTIL <ul><li>Ceci tem pipi? Autor: Thierry Lenain.Ilustração: Delphine Durand. </li></ul><ul><li>Ceci quer ter um bebe. Autor: Thierry Lenain.Ilustração: Delphine Durand </li></ul><ul><li>  Faca sem ponta, galinha sem pe. Autor: Ruth Rocha </li></ul>
  21. 21. FILMES <ul><li>Guerra dos botoes (Inglaterra). </li></ul><ul><li>Filhos do paraiso (Ira). </li></ul><ul><li>Belissima (Italia). </li></ul><ul><li>Tempero da vida (Grecia). </li></ul><ul><li>Minha vida em cor de rosa. </li></ul><ul><li>O sorriso de Monalisa. </li></ul>

×