Gravidez na adolescência

11.649 visualizações

Publicada em

Dossiê sobre o tema polêmico Gravidez na Adolescência desenvolvido pelo 3º Ano da EE Prof. Dr. Oswaldo dos Santos Soares, São Vicente, em 2009, na matéria de DAC, pela Prof. Ana Paula R. de Oliveira, de L. Portuguesa.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
381
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gravidez na adolescência

  1. 1. GRAVIDEZ NAADOLESCÊNCIA
  2. 2. SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIAA adolescência é fase da vida em que o indivíduo é criança em seus jogos, brincadeiras, e é adulto com seu corpo, com seus novos sentimentos e suas expectativas de futuro. E é nesse turbilhão de emoções que normalmente os adolescentes começam a entrar em contato com sua sexualidade.A maior contribuição das mudanças biológicas do ponto de vista cultural, é a “transformação do estado não reprodutivo ao reprodutivo”, pois o amadurecimento do sistema reprodutivo impõe os limites para cada sexo. Neste contexto, surge a sexualidade na adolescência, sendo esta temática de relevância mundial, pois tanto dificuldades como desafios que aparecem aos adolescentes ocorrem independentemente da diversidade cultural, étnica e social.Acompanhando as alterações hormonais, o comportamento sexual do adolescente é um produto de fatores culturais no ambiente, que cada vez mais tornam eróticas as relações sociais.Assim, pode-se entender melhor o que acontece no comportamento sexual do adolescente, já que algumas vezes comportam-se por imitação, tendo como conseqüência resultado mais punitivo que reforçadoros, como por exemplo, a própria gravidez na adolescência.
  3. 3. Dessa maneira, talvez os processos educacionais também possam ser utilizados no controle da gravidez na adolescência. Embora em alguns casos, a gravidez possa trazer conseqüência reforçadora, como o casamento precoce entre adolescentes, muitas vezes traz conseqüências punitivas a curto e longo prazo, como o convívio com condições econômicas precárias devido ao despreparo social e psicológico dos adolescentes para exercerem a maternidade e o abandono aos estudosDe acordo com Wong & Melo apud Brito (2002), a crescente tendência da liberação do comportamento social, especificamente, o comportamento sexual, contribui para o aumento da gravidez na adolescência, devido a ausência de conhecimento do próprio corpo enquanto função reprodutora, vinda da falta de uma educação esclarecedora, tanto no ambiente familiar como no escolar e social.Portanto, é fundamental que tanto a família quanto a escola, assumam a responsabilidade de formar e informar os jovens para que consolidem uma visão positiva da própria sexualidade, ou seja, tornem-se capazes para tomadas de decisões maduras e responsáveis.
  4. 4. PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIAA partir da compreensão de uma gravidez planejada, e o entendimento das implicações que a mesma pode acarretar para a vida da adolescente, que poderá escolher o momento certo para dar vida a um novo ser.
  5. 5. OBJETIVO- Conhecer os fatores que podem levar a adolescente a engravidar;- Avaliar junto aos adolescentes o conhecimento quanto aos métodos contraceptivos como forma de evitar a gravidez;- Orientar quanto ao uso adequado e adesão dos métodos contraceptivos.AdolescênciaAtualmente, a adolescência se caracteriza como uma fase que ocorre entre a infância e a idade adulta, na qual há muitas transformações tanto físicas como psicológicas, possibilitando o surgimento de comportamentos irreverentes e desafiantes, o questionamento dos modelos e padrões infantis, que são necessários ao próprio crescimento.
  6. 6. A adolescência é um período da vida que merece atenção, pois esta transição entre a infância e a idade adulta pode resultar, ou não, em problemas futuros para o desenvolvimento de um determinado indivíduo.No entanto, para entender como a adolescência pode favorecer o aparecimento de problemas, dentre eles a gravidez precoce, é necessária uma breve revisão sobre este período.De acordo com a OMS “a adolescência compreende um período entre os 11 e 19 anos de idade, desencadeado por mudanças corporais e fisiológicas”.Wong (1999), descreve a adolescência como “o período de transição entre a infância e a vida adulta – um período de rápida maturação física, cognitiva, social e emocional”.Porém, Ferreira apud Gomes et al (2003), define adolescência “como o período da vida humana que sucede a infância, começa com a puberdade e se caracteriza por uma série de mudanças corporais e psicológicas”.Para Rosa apud Gomes et al (2003), “(...) o fim da adolescência são os ajustamentos normais do indivíduo aos padrões de expectativa da sociedade, com relação às populações adultas”.
  7. 7. PANORAMA DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIACerca de 20% das crianças que nascem a cada ano no Brasil são filhas de adolescentes. Comparado à década de 70, três vezes mais garotas com menos de 15 anos engravidam hoje em dia. A maioria não tem condições financeiras nem emocionais para assumir essa maternidade. Acontece em todas as classes sociais, mas a incidência é maior e mais grave em populações mais carentes. O rigor religioso e os tabus morais internos das famílias, a ausência de alternativas de lazer e de orientação sexual específica contribue para aumentar o problema. Por causa da repressão familiar, algumas adolescentes grávidas fogem de casa, abandonam os estudos e com isso, interrompem seu processo de socialização e abrem mão de sua cidadania.Quando cruzaram os resultados com fatores socioeconômicos de fecundidade, os pesquisadores encontraram resultados que mostram que quanto maior renda nominal familiar per capita ou o número de anos de educação, menor a taxa de natalidade. Em relação à educação formal, os resultados mostram que quanto mais anos de estudo tem uma mulher, menor a sua taxa de fertilidade. Psicólogos, assistentes sociais, médicos e pedagogos concordam que a liberalização da sexualidade, a desinformação sobre o tema, a desagregação familiar, a urbanização acelerada, as precariedades das condições de vida e a influência dos meios de comunicação são os maiores responsáveis pelo aumento do número de adolescentes grávidas.
  8. 8. E a comunidade médica tem alertado que as conseqüências de uma gravidez na adolescência não se resumem apenas aos fatores psicológicos ou sociais. A gravidez precoce põe em risco a vida tanto da mãe quanto do recém-nascido. Na faixa dos 14 anos, a mulher ainda não tem uma estrutura óssea e muscular adequada para o parto, e isso significa uma alta probabilidade de risco maternofetal. O resultado mais comum em uma gestação precoce é o nascimento de um bebê com peso abaixo do normal, o que exige cuidados médicos especiais de acompanhamento do recém- nascido.
  9. 9. MEDIDAS PREVENTIVASComo prevenção, exige-se do poder público que ofereça programas efetivos de orientação sexual e planejamento familiar, em contrapartida ao estímulo à sexualidade apresentado pela mídia.A camisinha é o mais popular deles, empregado por até 70% dos jovens. A razão é oferecer proteção tanto contra doenças sexualmente transmissíveis, quanto ser anticoncepcional. Esses dois motivos estão por trás do fato de os rapazes costumarem ser aqueles que tomam a iniciativa para usarem esse método. Este método anticoncepcional também conta com boa aceitação entre os responsáveis. Dos pais pesquisados, de 60% a 80% deles recomendam aos filhos usarem preservativos. As mães chegam até a comprar para os filhos.PreservativoO uso de preservativos torna-se cada vez mais necessário, sobretudo com o aumento de casos de HIV/AIDS e outras infecções sexualmente transmissíveis (DST). É preciso facilitar o acesso aos preservativos, baixar seus custos, promovê-los mais e ajudar a superar os obstáculos sociais e pessoais ao seu uso, se quisermos reduzir as enormes conseqüências e custos das DST e da gravidez indesejada.
  10. 10. Todas as pessoas que praticam relações sexuais devem sempre usar preservativo, mesmo em relações consideradas estáveis. Estima-se que 24 bilhões de preservativos deveriam ser usados a cada ano, mas o uso real é muito menor, de apenas 6 a 9 bilhões.Para evitar a AIDS, mais e mais pessoas solteiras estão mudando seu comportamento sexual. Alguns passaram a evitar o sexo completamente, enquanto outros adotaram o uso de preservativos. Nos países pesquisados, de 5 a 33% dos homens que nunca se casaram disseram que começaram a usar preservativos para evitar a AIDS.Mas muitos outros não adotaram um comportamento sexual mais seguro. Verificou-se que o índice de uso de preservativos é menor entre casados do que entre solteiros sexualmente ativos, mas muitos casais também deveriam usar preservativos, como forma de planejamento familiar e para se protegerem contra as DST.
  11. 11. CAMISINHA MASCULINATambém chamada de preservativo masculino ou condom, trata-se de um saquinho de látex fino que deve ser colocado no pênis ereto (duro) antes de qualquer contato sexual. Ele impede a passagem dos espermatozóides para o útero. Como é descartável, depois de usado uma vez, deve ser jogado no lixo.
  12. 12. IMPORTANTE A camisinha masculina evita a gravidez em até 98% quando bem colocada. A camisinha só fura ou rasga caso esteja com a data de validade vencida, ou se for usada com lubrificantes a base de óleo (como a vaselina) ou se for colocada sem que sua ponta seja apertada. Nesse caso o ar que permanece dentro ajuda ela a estourar. Oferece prevenção das DST (doenças transmitidas pelo sexo), incluindo a Aids. Pode ser usada para prevenir essas doenças na relação sexual vaginal, oral ou anal, evitando o contato entre estas mucosas e o sêmen.
  13. 13. COMO UTILIZAR: Veja se a embalagem está estufada, se a camisinha tem o símbolo N do Inmetro e se está no prazo de validade. Abra a embalagem com as mãos e nunca com os dentes. Coloque a camisinha na ponta do pênis duro, apertando a pontinha para retirar o ar de dentro. Com a outra mão, desenrole até o fim. Após a ejaculação, retire o pênis antes que fique mole e jogue a camisinha no lixo.
  14. 14. VANTAGENS E DESVANTAGENSNão faz mal à saúde e pode ser utilizado sem receita médica.· É o método mais indicado para jovens que estão iniciando a vida sexual.·Oferece proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis (DST), inclusive a AIDS e o HPV (Papiloma Vírus Humano), um dos causadores do câncer no colo do útero.·O preservativo masculino é fácil de ser encontrado em farmácias e supermercados. Muitos serviços públicos de saúde oferecem gratuitamente. No comércio, seu preço é baixo, cada embalagem adquirida contém 3 (três) preservativos. São encontrados com ou sem lubrificante / espermicida.·É prático para o transporte. A embalagem é pequena permitindo que seja levado a qualquer lugar, desde que seja preservado do calor e não seja amassado.· Contribui para que o homem divida com a mulher a responsabilidade de evitar a gravidez.· Trata-se de um método reversível, caso haja desejo de uma gravidez.·Pode ser colocado pelo (a) parceira, com prática erótica.
  15. 15. CAMISINHA FEMININATambém chamada de preservativo feminino, é um saquinho feito de poliuretano, macio e transparente para ser colocado antes da relação sexual para revestir a vagina e a parte externa da vulva, protegendo os grandes lábios. Dentro tem um anel, também em poliuretano, que fica solto e serve para facilitar a sua colocação e fixação na vagina. Como é descartável, deve ser jogada no lixo após o seu uso.
  16. 16. IMPORTANTEProtege as paredes da vagina, o colo do útero e parte da vulva do contato com o esperma, protegendo a mulher da gravidez com eficácia de 97,3% e também das D ST (doenças sexualmente transmissíveis) e Aids.
  17. 17. COMO UTILIZAR Retire da embalagem e aperte o anel interno, formando um 8. Introduza na vagina, deixando o anel aberto (externo) para fora. A penetração deve ocorrer por dentro da camisinha. Depois da relação é só torcer, puxar e jogar fora.
  18. 18. VANTAGEM Não faz mal à saúde e pode ser utilizado sem receita médica, não tem contra-indicações. · É de fácil transporte, pode ser guardado na bolsa. · Quando utilizado corretamente, oferece grande segurança para evitar a gravidez e as DST/AIDS. · Oferece maior autonomia para a mulher, garantindo sua proteção independente do parceiro. ·lgumas mulheres relatam que o anel externo estimula o clitóris facilitando a obtenção de prazer. ·Alguns homens o consideram melhor que a camisinha por “não apertar e permitir a permanência, do pênis, na vagina, após o gozo".
  19. 19. DESVANTAGEM ·Algumas pessoas podem estranhar o aspecto no início do uso.
  20. 20. OUTROS MÉTODOS: Após a menarca a adolescente deve ser consultada pelo Ginecologista, a fim de ter conhecimento dos métodos contraceptivos disponiveis: Pílulas anticoncepcionais; Hormônios injetáveis; Diafragma; DIU (cronta-indicado para adolescentes).
  21. 21. OUTROS MÉTODOS: Após a menarca a adolescente deve ser consultada pelo Ginecologista, a fim de ter conhecimento dos métodos contraceptivos disponiveis: Pílulas anticoncepcionais; Hormônios injetáveis; Diafragma; DIU (cronta-indicado para adolescentes).
  22. 22. NOMES:Ana Caroline Xavier Assunção Nº: 05Caroline de Paula e Silva Nº: 09Danielle Lira Nº: 39Série: 3º A

×