Doutrina social da igreja rcc -

4.366 visualizações

Publicada em

Vídeo faz parte da apresentação da apostila 8 do módulo basico

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
302
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doutrina social da igreja rcc -

  1. 1. DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA MINISTÉRIO DE FORMAÇÃO GIOVANI FERNANDO CARDOSO Licenciado em Filosofia. Bacharelando em Teologia. Seminarista da Diocese de Presidente Prudente
  2. 2. INTRODUÇÃO • Destinatário da Doutrina Social da Igreja: o Homem – (realidade única, integral); • Definição: Conjunto de orientações doutrinais e critérios de ação – fontes: Sagrada Escritura, Santos Padres, grandes teólogos e Magistério; Com isto, a comunidade cristã torna-se responsável pela EVANGELIZAÇÃO, LIBERTAÇÃO e PROMOÇÃO HUMANA; • Objetivo: “a dignidade da pessoa humana, imagem de Deus, e a tutela de seus direitos inalienáveis”.
  3. 3. • Finalidade: “realização da justiça, é promover a libertação total e integral do homem, em sua dimensão terrena e transcendente, contribuindo para a construção do Reino de Deus, sem confundir o progresso terreno com o crescimento do Reino de Jesus Cristo”. • Constituição: -pelos valores evangélicos; - a partir da análise da realidade; - mediante o desenvolvimento de ação que vise o resgate da dignidade da pessoa humana.
  4. 4. • Pilares: - A dignidade inalienável da pessoa humana; - A primazia do bem comum; - A destinação universal dos bens; - A primazia do trabalho sobre o capital; - O princípio da subsidiariedade; - O princípio da solidariedade;
  5. 5. PARTE 1 DOUTRINA SOCIAL E SAGRADA ESCRITURA
  6. 6. AULA 1: O Ensino Social e o Pensamento Social na Sagrada Escritura • Antigo Testamento A reflexão sobre o ensino social no Antigo Testamento nos auxilia sobre o questionamento do valor da pessoa humana diante dos poderes absolutos deste mundo: reis, machismo, escravidão, etc. “Quem conduz a história da humanidade é Deus, sendo o homem apenas seu instrumento”;
  7. 7. • Lei – uma das formas de se cumprir a justiça • Destaca-se a importância do Ensino da Lei; - A justiça praticada pelo rei é celebrada nos antigos provérbios (Pr 10, 8-13); - Justo é o que tem direito (Ex 23, 6-8); - Os livros da lei ensinam como administrar a justiça (Lv 19,15; Dt 16, 19-20); - Apresenta a justiça como uma mentalidade social (Lv 19, 32-37); - A justiça é recompensada por Deus (Dt 24,12-13)
  8. 8. • Profetas: destacam a importância do resgate do ensino da Lei, devido o distanciamento da fé javista em que se encontrava o povo de Israel. - Comportamento reto e justo; - A honra aos pais; - A moderação e a sobriedade; - A piedade e a caridade; - Amor ao próximo e o perdão àqueles que nos ofendem; - A prática da justiça cumprindo seus deveres para com Deus (Is 58,2); - A prática da justiça, levando uma vida perfeita sob todos os aspectos (Is 56,1-2);
  9. 9. - A justiça de Deus por causa da Aliança (Sf 3,5); - A justiça de Deus para com os oprimidos; - A atribuição da justiça àquele que tem direito (Is 5,23; Is 29, 20-21; Am 2,65; Am 5,12); - A justiça praticada com o órfão, com a viúva, com o inocente, com o explorado e oprimido (Jr 22, 3-4; Os 10,12); - A espera do Messias como príncipe da Justiça (Is 9,5-6; Is 11,4-5; Jr 23,5-6)
  10. 10. • O tema da Aliança: (hebraico: berith) existência de segurança nas relações; Aliança com Noé – Gn 9,8-17 Aliança com Abrão – Gn 15; 17,5b; 17,9; Is 41,8; II Cr 20,7; Ex 6,7; Lv 26,12; Dt 26,17; Ex 19,5-6 Aliança do Sinai – Ex 3,2b-12; 12,12s;25,8.22;7,12- 14; 20,3-5;23,24; 34,12-16; Dt 5, 7-9
  11. 11. • O tema da Justiça: no Antigo Testamento é vista como “fidelidade de Deus, procedendo segundo o direito e a equidade”. - Fonte de vida e glória da parte de Deus, “o justo que se salva” (Pr 21,21); - Exercício das virtudes (temperança, prudência, fortaleza e justiça) (Sb 8,7); - Santidade (Jr 12,1); - Agir moral (modo de agir, conduta, comportamento, costumes) – são normas que orientam o homem para o seu fim (Ex 20, 1-21)
  12. 12. Os três termos no Antigo Testamento para indicar JUSTIÇA: Sedeq: justiça moral – cumprimento da lei, visa o bem comum; Mischpat: justiça jurídica – sentença judicial, a fim de que o homem administre com equidade os direitos e os deveres na vida social; Hesed: justiça de misericórdia – sentido comutativo, regula o relacionamento entre as pessoas, dando a cada um o que é devido, seja de base material e/ou espiritual. Destas três surge a JUSTIÇA SOCIAL, a qual todos nós somos responsáveis, a fim de promovermos uma sociedade mais justa e fraterna, que todos possam viver com dignidade.
  13. 13. AULA 1: O Ensino Social e o Pensamento Social na Sagrada Escritura • Novo Testamento – um pensamento a partir de Jesus Cristo; • Os Evangelhos: - As atitudes de Jesus: *com as estruturas de seu tempo: Império; Religião; Pobres; Viúvas; Enfermos, etc. Tarefa de Jesus: -ajudar os homens a se sentirem livres; -desatar-lhes as amarras da consciência oprimida; -ajudar os homens a caminharem com os próprios pés, verem com os próprios olhos e escutarem com os próprios ouvidos (Lc 7, 21-23); -desaliená-los, quebrar os grilhões e as cadeias de opressão introjetada no interior da consciência do oprimido (Mc 5,1-10; Rm 6-7)
  14. 14. • Jesus compassivo e solidário: Lc 10,29-37; Mc 6,34; Lc 7,13 Solidariedade “não é um sentimento de compaixão vaga ou de enternecimento superficial pelos males sofridos por tantas pessoas próximas ou distantes. Pelo contrário, é a determinação firme e perseverante de se empenhar pelo bem comum” (Encíclica Solicitude Rei Socialis, n. 38, São João Paulo II).
  15. 15. • Ensinamentos de Jesus: -a essência da Lei é justiça, misericórdia e fé (Mt 23,27-28); -o lugar social (Lc 10,25-37); -a partilha (Lc 16, 19-31); -a riqueza (Mt 19,26-36; Lc 12,16-21); -o dinheiro (Lc 16,10-13; Lc 12 16-31); -a pobreza e o desapego das riquezas (I Cor 7,31); -a caridade (Jo 15,13);
  16. 16. • Atos dos Apóstolos: proposta da Partilha na verdade e disponibilidade; Análise de textos: At 2,44-45 e At 5 • Escritos de São Paulo – alguns temas: -o trabalho (I Ts 4,11s; II Ts 3,6-12; Rm 4,4; Ef 4,28); -a mulher (Gl 3,28; Gl 4,4); -a escravidão e o preconceito (Gl 3,26-29); -a coleta em favor dos pobres (I Cor 16,1; Rm 15,26-28; Gl 2,10b; II Cor 8,9; At 24,17); • Escritos de São Tiago e São Pedro: Tiago valoriza a misericórdia, acolhida das pessoas e defesa dos pobres (Tg 1,27; 2,1-9;5,1-6); Pedro valoriza a Justiça e o Bem como reto agir diante de Deus (I Pd 3,12-14.18; II Pd 2,5.21)
  17. 17. PARTE 2 DOUTRINA SOCIAL E HISTÓRIA DA IGREJA
  18. 18. Aula 2: O Pensamento Social na História da Igreja • Santos Padres: “Chamamos de «Padres da Igreja» (Patrística) aqueles grandes homens da Igreja, aproximadamente do século II ao século VII, que foram no Oriente e no Ocidente como que «Pais» da Igreja, no sentido de que foram eles que firmaram os conceitos da nossa fé, enfrentaram muitas heresias e, de certa forma foram responsáveis pelo que chamamos hoje de Tradição da Igreja; sem dúvida, são a sua fonte mais rica” Consulte: (http://www.ecclesia.com.br/biblioteca/pais_da_igreja/os_santos_padres.html)
  19. 19. - “O pensamento social dos Santos Padres se condensa na tese de que a riqueza pertence aos pobres; aquele que a possui é apenas seu administrador”; - Didaqué (doutrina dos Apóstolos): “não deverás repelir o indigente. Terás tudo em comum com teu irmão e não dirás que um bem é teu, porque, se partilham-se os bens imortais, quanto mais devem ser partilhados os bens passageiros”. - São Clemente (†102): “O uso comum de tudo que há nesse mundo destinava-se a todos, porém, devido a iniquidade um disse que isso era seu e o outro disse que aquilo era dele e assim fez-se a divisão entre os mortais”.
  20. 20. - São Basílio (330-369): “aquele que despoja um homem de sua roupa é um ladrão. O que não veste a nudez do indigente, quando pode fazê-lo, merecerá outro nome? O pão que guardas em tua dispensa pertence ao faminto, como pertence ao nu o agasalho que escondes em teus armários. O sapato que apodrece em tuas gavetas pertence ao descalço, ao miserável pertence a prata que ocultas”. - São João Crisóstomo (349-407): “Deus nunca fez uns ricos e outros pobres. Deu a mesma terra para todos. A terra é toda do Senhor e os frutos da terra devem ser comum a todos. As palavras ‘meu’ e ‘teu’ são motivos e causa de discórdia. A comunidade de bens é uma forma de assistência mais adequada à natureza do que a propriedade privada”. - Santo Agostinho (354-430): “se desses do que é teu, seria liberalidade; como dás do que é dele (Jesus presente no pobre) é uma simples restituição”.
  21. 21. • Escolástica (séc. IX ao séc. XVI): “é um resumo das doutrinas teológico-filosóficas dominantes na idade média caracterizadas, sobretudo pelo problema entre a fé e a razão”. - Santo Tomás de Aquino (1225-1274) é referência neste período; - Sobre o tema da Justiça em Santo Tomás: *Justiça comutativa: “define-se o direito de uma pessoa em relação à outra, pelo justo salário, pelo justo preço e pelo justo lucro. Esta justiça que regula as relações das pessoas entre si. (...) Obriga cada um dar aos outros o que lhes é devido”. *Justiça distributiva: “Consiste em distribuir os bens aos membros da comunidade, não na medida daquilo que oferecem ao mercado, seu trabalho ou suas mercadorias, mas conforme as necessidades de cada membro da sociedade, tenham ou não algo para oferecer em troca”. *Justiça geral (ou justiça legal): “visa o bem comum, cada um no âmbito de suas possibilidades, permitindo a todos os membros da sociedade a atingir níveis de vida compatíveis com sua dignidade. Ela ‘é a norma que regula a sociedade humana e a vida comum’”.
  22. 22. • Idade Moderna: contexto sócio-político europeu do século XIX -desinteresse dos católicos ricos pelas classes sociais mais pobres; -classe operária como classe inferior mantida em condições miseráveis; -proletariado e burguesia; -descobertas técnicas e científicas; -proletariado e o mal-estar social gerou uma revolta de cunho socialista. Daí burguesia recorre à Igreja para uma nova paz social; -catolicismo social: dignidade da pessoa humana; importância da família; assegurava às famílias operárias condições humanas de vida material e espiritual; -Lacordaire e Ozanam (1848): preocupação social na França; -Karl Marx e seu ideal socialista; - Liberalismo capitalista; - 2ª Revolução Industrial (1850-1870)
  23. 23. PARTE 3 DOUTRINA SOCIAL A PARTIR DAS ENCÍCLICA SOCIAIS
  24. 24. De Leão XIII ao Vaticano II Rerum Novarum (Leão XIII, 1891) Quadragesimo Anno (Pio XI, 1931) Mater et Magistra (João XXIII, 1961) Pacem in Terris (João XXIII, 1963) Constituição Pastoral Gaudium et Spes (Concílio Vaticano II, 1965 )
  25. 25. Depois do Vaticano II Populorum Progressio (Paulo VI, 1967) Octogesima Adveniens (Paulo VI, 1971) Evangelii Nuntiandi (Paulo VI, 1975) Laboren Exercens (João Paulo II, 1981) Sollicitudo Rei Socialis (João Paulo II, 1987) Centesimus Annus (João Paulo II, 1991) Caritas in Veritate (Bento XVI, 2009)
  26. 26. Aula 3: A partir da Rerum Novarum: encíclica do Papa Leão XIII (15/05/1891) • Rerum Novarum: Promulgada pelo papa Leão XIII em 15 de maio de 1891; • Esclarecimentos: -marco inicial da Doutrina Social da Igreja; -preocupações do papa: “o liberalismo, que exalta a liberdade ao preço de uma imensa iniquidade social e o coletivismo socialista que reivindica a igualdade ao preço de um sacrifício intolerável da liberdade”; -”o papa reivindicava a realização de uma política social para liberdade de organização das associações e dos sindicatos dos operários”; • Conteúdo: - o direito a propriedade, como direito natural do homem; - o repouso dominical, devido a baixa expectativa de vida e exploração trabalhista; - A limitação da jornada de trabalho; - O justo salário; - A previdência social;
  27. 27. • Quadragesimo anno: Promulgada pelo papa Pio XI em 15 de maio de 1931; • Contexto histórico: comemoração dos 40 anos da Rerum Novarum. Destruição da vida social pelo capitalismo exacerbado pelo individualismo feroz, restando apenas o indivíduo e o Estado; • Realidade: O papa Pio XI denunciava a concorrência de competição capitalista, sobretudo uma ciência econômica individualista; • Proposta: - Sem oposição de classes sociais; - Ordem social; - Corporativismo cristão: corpo social; • Octogesima Adveniens: Promulgada pelo papa Paulo VI em 14 de maio de 1971; • Contexto histórico: comemoração do 80º aniversário da Rerum Novarum. Crescente urbanização desordenada. Os desafios da juventude. O lugar da mulher na sociedade. O direito ao trabalho. Discriminação racial. Meios de comunicação social. O meio-ambiente. • Realidade: O papa faz um apelo por mais Justiça. • Proposta: levar os cristãos ao discernimento, iluminado pelo Evangelho, a fim de desempenharem autêntico papel social;
  28. 28. Aula 4: Desenvolvimento sócio-político e a construção da paz • Mater et Magistra: Promulgada pelo Papa João XXIII em 15 de maio de 1961; • Contexto histórico: crescente divisão de classes sociais. Distribuição da riqueza apenas entre a classe econômica elevada. Justiça econômica desigualitária. Continuam os problemas anteriores. • Realidade: Comemoração da encíclica leonina, Rerum Novarum. • Proposta: Superação de contrastes entre: -patrões e operários; -áreas agrícolas e industriais; -setores públicos e privados; -regiões favorecidas e regiões subdesenvolvidas; “A grande mensagem da Encíclica é a incorporação à questão social contemporânea dos contrastes das classes em torno da propriedade privada como no tempo de Leão XIII e Pio XI e dos contrastes globais entre o mundo desenvolvido e o mundo subdesenvolvido”.
  29. 29. • Pacem in terris: Promulgada pelo papa João XXIII em 11 de abril de 1963; • Contexto histórico: o grande anseio da humanidade pela paz. A brecha entre ricos e pobres e as ameaças à paz mundial. • Realidade: “A paz na terra, anseio profundo de todos os homens de todos os tempos, não se pode estabelecer nem consolidar senão no pleno respeito da ordem instituída por Deus”. • Proposta: promoção da dignidade humana, da justiça e da paz. 1- analisa a grave situação internacional: “ressalta o direito do ser humano à existência, à integridade física, aos recursos correspondentes a um digno padrão de vida”; 2- analisa as relações da pessoas entre si; 3- estudo das relações entre as comunidades políticas; 4- relações das pessoas e das nações com a comunidade mundial; 5- mobiliza os católicos para colaborarem com a construção da paz.
  30. 30. Aula 5: O Desenvolvimento solidário da humanidade • Populorum Progressio: Elaborada pelo papa Paulo VI em 26 de março de 1967; • Contexto histórico: Pós-concílio Vaticano II povos desfavorecidos. Fome. Miséria. Doenças endêmicas. Ignorância. • Realidade: “todo católico a se engajar na luta contra o subdesenvolvimento por meio da ação organizada que visa o desenvolvimento integral do homem e o desenvolvimento solidário da humanidade”.
  31. 31. • Conteúdo: - Tomada de consciência - As aspirações do homem; - A colonização e o colonialismo; - O desequilíbrio crescente; - O choque das civilizações. - Meios de contribuição - Vocação ao crescimento; - O destino universal dos bens; - Industrialização; - Programas; - Desenvolvimento solidário da humanidade; - Caridade universal; - Desenvolvimento é o novo nome da paz.
  32. 32. • Sollicitudo Rei Socialis: Promulgada pelo papa João Paulo II em 30 de dezembro de 1987; • Contexto histórico: crise de moradia. Desemprego ou subemprego. Dívida internacional, que gera a interdependência entre países desenvolvidos e os menos desenvolvidos. Corrida armamentista das grandes potências. Desintegração das famílias (problema demográfico). Fenômeno do terrorismo. Problema emergente das drogas. • Realidade: comemorar o 20º aniversário da Populorum Progressio. • Proposta: “enfoca o elo estreito entre justiça e paz e a necessidade de o Terceiro Mundo trilhar um caminho próprio de desenvolvimento, não determinado pelo confronto entre as grandes potências” (CNBB).
  33. 33. Aula 6: O Trabalho Humano e a Nova Ordem • Laborem Exercens: Promulgada pelo papa João Paulo II em 14 de setembro de 1981; • Contexto histórico: O capitalismo que faz primazia sobre o trabalho, ferindo a dignidade humana. Exploração, etc. • Realidade: comemora o 90º aniversário da Rerum Novarum. • Proposta: “o trabalho humano como a chave essencial de compreensão da questão social e proclama como exigência central de uma sociedade justa a prioridade do trabalho sobre o capital” (CNBB). -Jesus e o trabalho humano; - O Apóstolo Paulo difunde a necessidade do Trabalho; - O Trabalho Humano à Luz da Cruz e da Ressurreição de Cristo; - Fruto do Trabalho: salário; - Propriedade privada.
  34. 34. • Centesimus Annus: Promulgada pelo papa João Paulo II em 01 de maio de 1991; • Contexto histórico: o fim da guerra do Golfo Pérsico, consolidando a hegemonia do Primeiro Mundo. Implosão do Segundo Mundo. Vazio Espiritual. Ateísmo, etc. • Realidade: centenário da Rerum Novarum. • Proposta: “articula a doutrina de um direito ao progresso, baseado na possibilidade dos povos de adquirir e desenvolver conhecimento e tecnologia que lhes permitam participar da economia contemporânea” (CNBB). - Dignidade o trabalho; - Direito de todos à propriedade; - Justiça trabalhista que conceda condições de vida digna para os trabalhadores e suas famílias; - Respeito aos direitos religiosos, mediante o repouso dominical.
  35. 35. Alguns apontamentos da Doutrina Social da Igreja no Brasil e América Latina - Rio de Janeiro (1955); - Medellín (1968); - Puebla (1979); - Santo Domingo (1992); - Aparecida (2007)
  36. 36. - Rio de Janeiro (1955); - Medellín (1968): “propõe Jesus Cristo como libertador na dupla dimensão pessoal e social e na missão da Igreja de promover a justiça e a paz; - Puebla (1979): “vê a evangelização e a libertação como um todo, acentuado o papel das comunidades de base e o protagonismo dos leigos”; - Santo Domingo (1992): “mostra a vinculação entre missão evangelizadora, a promoção humana e a cultura cristã, propondo um esforço de evangelização inculturada”; - Aparecida (2007): “discípulos missionários de Jesus Cristo, para Nele nossos povos tenham vida – Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 14,6)”. (CNBB)
  37. 37. Referências: • Bíblia Sagrada • Temas da Doutrina Social da Igreja - CNBB • Compêndio de Doutrina Social da Igreja • Santos Padres (site) • Doutrina Social da Igreja: uma experiência de vida e libertação - RCC
  38. 38. Muito obrigado pela sua atenção! Continue com este zelo em vossa formação cristã! Em Cristo Jesus, Sem. Giovani Fernando Cardoso

×