2ª aula Como Falar em Público

4.739 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.739
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
112
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2ª aula Como Falar em Público

  1. 1. Ana kelly Martinez
  2. 2.  Interdependência.  Proporcionalidade.  Elucidação.
  3. 3. 1. Introdução 2.Preparação. 1 - Introdução. 3.Assunto Central 2 - Preparação. 4.Conclusão central. 3 - Assunto 4 - Conclusão.
  4. 4. “É a parte do discurso em que nos dedicamos a conquista do ouvinte.” POLITO,1999. Objetivos Conquistar a atenção dos ouvintes. Romper barreiras ou resistências Cativar sua disposição favorável. Não esqueça de ter Características docilidade e Duração. Relação com o assunto. benevolência com a platéia
  5. 5.  Vocativo - forma de chamar atenção do ouvinte. É o cumprimento ao público de forma educada.  Exórdio – a introdução propriamente dita.
  6. 6. A - Para todos os tipos de circunstâncias: Aludir à ocasião; Elogiar ou valorizar a platéia; Usar as características positivas do orador.
  7. 7. Discurso do então presidente da Bolsa Mercantil & Futuros, Manoel Pires da Costa.
  8. 8.  Frase ou informação que provoque impacto;  Fato bem humorado;  Uma história ou narrativa interessante;  Levantamento de uma reflexão;  Apresentação da utilidade, das vantagens e dos benefícios do assunto.
  9. 9. C - Para vencer a hostilidade do público: Com relação ao tema: Construir um campo de neutralidade; Com relação ao ambiente: Fazer promessa de brevidade.
  10. 10. Com relação ou orador: Pôr falta de credibilidade: demonstrar conhecimento e experiência de forma sutil; Devido a sua pouca idade ou inexperiência: fazer uma citação, transferindo para si a credibilidade do autor; Pôr ser desconhecido: aproveitar circunstâncias de pessoa, tempo ou lugar; Pôr inveja ou rivalidade: elogiar sinceramente o auditório.
  11. 11. Devemos evitar na introdução
  12. 12. 1. Contar piadas. 2.Fazer perguntas quando não desejarmos respostas. 6. Criar expectativas que não podem 3. Pedir desculpas. ser cumpridas. 4.Tomar partido de assuntos 7.Mencionar acontecimentos que polêmicos. incomodem os ouvintes. 5. Usar chavões ou frases 8. Mostrar-nos muito humilde. feitas. 9. Explicar falta de tempo para a exposição. 10. Ser muito previsível. 11. Começar com palavras inconsistentes.
  13. 13. “É a parte do discurso no qual nos dedicamos às informações que expliquem a razão da mensagem, para facilitar o entendimento do assunto central.” POLITO,1999. Elementos da preparação: A. Proposição. B. Narração. C. Divisão.
  14. 14. Informamos aos ouvintes qual é nosso assunto, e onde pretendemos chegar com ele. Pode ser suprimida quando:  O assunto contrarie o interesse do ouvinte;  O público já sabe do tema;  O assunto for controvertido.
  15. 15. É a parte em que expomos os motivos e os fatos que sustentam o desenvolvimento do assunto central. Os principais tipos são:  Exposição de problemas ou questões que se relacione com a matéria ;  Solução de problemas;  Estudo de qualquer natureza;  Retrospectos;  Levantamentos filosóficos e históricos;  Descobertas científicas.
  16. 16. Discurso de Ulysses Guimarães
  17. 17. É a parte em que informamos que segmentos do assunto serão desenvolvidos. Convém que seja muito breve, de poucas partes, e o orador deve abordar apenas um assunto de cada vez. Deve ser suprimida:  Quando o assunto tiver apenas uma parte.  Quando apresentação muito curta.  Quando as partes forem facilmente compreendidas durante a apresentação do assunto central.  Quando for interessante não revelar a seqüência da apresentação.
  18. 18. Contato: 9980-1311 www.falarte.com.br anakelly@falarte.com.br

×