LP-Tic2

441 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
441
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LP-Tic2

  1. 1. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Resumo de alguns excertos da tese de Doutoramento “Educação para a Televisão e aprendizagem do Português – Um estudo prospectivo” de Fernanda Botelho Unidade Curricular: Língua Portuguesa e Tecnologias da Informação e Comunicação Docentes: Helena Camacho e Maria do Rosário Rodrigues Ano Lectivo: 2009/2010 Curso: Licenciatura em Educação Básica Ano: 3º ano Turma: A Discentes: Ana Baptista, 070142057 Inês Graça, 070142065 3 de Dezembro de 2009
  2. 2. Media, significação e dimensões sociais  Os Media não constituem a total realidade exterior, assim necessitam ser trabalhados para que a distinção entre o real e as suas representações aconteça. É esta distinção que incorpora o fundamento principal da Educação para os Media.  Os produtos dos Media requerem compreensão, análise e avaliação nas várias formas que apresentam. A televisão é um dos Media mais presentes e significativos no nosso quotidiano, por isso é necessário que as gerações futuras trabalhem na educação e na compreensão da sua construção e mediação da realidade.  A educação para a televisão permite trabalhar aspectos concretos do quotidiano das crianças, uma vez que as mesmas edificam através da televisão a sua construção social de uma significação. O texto televisivo Características: polissemia(s) e construção de significação  O texto televisivo pode apresentar variadas significações, por isso é considerado polissémico.  A leitura de um texto de produção Media é descrita por Fiske (1992) na diferenciação de três circunstâncias: “ “dominante” ou socialmente correcto; “oposto” que interroga os aspectos ideológicos da mensagem textual; e “negociado” que permite as diferenças individuais na construção das significações”. O mesmo autor apresenta, nesta obra, o texto televisivo como uma dicotomia em que por um lado existem forças de tensão que propendem a fechar o seu universo de significações e por outro lado forças de abertura que levam o seu público a negociar a diversidade de significações. Assim, tendo em conta as diferentes características, o texto televisivo apresenta uma definição flexível.  Fiske considera três factores deveras importantes aquando a negociação dos significados propostos pela televisão: o leitor e as suas crenças e conhecimentos; os conhecimentos realizados pela televisão; e a leitura partilhada com os outros.  Também os recursos textuais são possibilitadores de várias leituras dado a sua multiplicidade de significados, assim como a variedade de espectadores.  A produção de significados, assim como a construção de conhecimentos acerca do mundo é de acesso facilitado tanto a produtores como a telespectadores. Assim há uma abertura às práticas discursivas dos últimos que, por sua vez, constituem o espírito da “democracia semiótica”.
  3. 3. A narrativa na televisão: tipos, estruturas e códigos  Os dois principais processos culturais, narrativa e linguagem, de uma qualquer sociedade, atribuem um sentido à nossa experiência do mundo real.  A estrutura da narrativa partilha muitas das características da linguagem (segundo os estruturalistas), pois relaciona-se com a paradigmática e a sintagmática.  Na televisão prevalece o género narrativo, pois é considerado um processo cultural fundamental. Os Media utilizam a narrativa para relatar os acontecimentos, como se de uma história se tratasse, construindo conflitos para uma posterior resolução.  A narrativa realista clássica possui estratégias de leitura que tentam construir um mundo consistente, coerente e semelhante ao mundo real e remete para o leitor a construção do seu próprio sentido, fora das suas características culturais. Aprendizagens sobre Televisão: aspectos essenciais  Os avanços tecnológicos na área das comunicações (computador) e o aparecimento de um vasto conjunto de canais disponíveis tornaram a televisão num mercado muito mais competitivo.  O entretenimento, a educação e a informação inserem-se no conjunto dos objectivos inerentes à Televisão. É lhe dada uma enorme credibilidade na transmissão de informação sobre os acontecimentos mundiais.  As aprendizagens realizadas pelas crianças, com a televisão, são referidas pelas mesmas aquando das aquisições de conhecimentos factuais e das aquisições pessoais e sociais acerca da forma como se lida com as pessoas ou de como lidar com situações sociais diferentes.  As aprendizagens realizadas com a televisão dependem de um conjunto de factores.  A Educação para a televisão é uma questão relevante nos dias de hoje, pois na sua grande maioria, a televisão transmite programas que constituem reflexões no âmbito da sociedade contemporânea, logo os espectadores construirão os significados baseados nessas reflexões. Por isso se conclui que a televisão tem cada vez mais capacidades para desempenhar funções como meio educativo.  Bob Hodge e David Tripp definem dez teses da relação entre as crianças e a televisão.  A primeira tese reporta-se para as capacidades activas da generalidade das crianças na descodificação da televisão, ou seja, as significações que constroem são complexas e por isso precisam de um acompanhamento porque nem todos os programas são igualmente benéficos.
  4. 4.  A segunda tese remete para a diversidade existente na preferência das crianças pelos programas televisivos  A terceira tese faz referência ao auxílio que pode ser dado pelos pais no sentido de ajudar a clarificar algumas questões sociais fundamentais para a criança e até para si próprios.  A quarta tese apresenta a relação entre a “representação da realidade na televisão e o mundo real, bem como à capacidade das crianças julgarem esta mesma relação”.  A quinta tese apresenta a preocupação dos educadores em trabalhar as mensagens e fazer com que as crianças compreendam os seus conteúdos, tornando-os cidadãos da sociedade da informação.  A sexta tese justifica a importância das crianças experimentarem programas com representações da realidade diferentes, logo, as crianças tornar-se-ão capazes de estabelecerem distinções entre os programas que visionam.  A sétima tese relaciona-se com a construção de significações da televisão através do discurso social, isto é, as interacções presentes com os adultos, e até mesmo com os pares (redefinições e novas apropriações).  A oitava tese refere-se à importância da família como agente de socialização, na sociedade contemporânea, e por isso os adultos não podem apenas preocupar-se com a quantidade ou o tipo de programas que as crianças vêem mas também procurar trabalhar toda a informação que deles provém.  Na nona tese importa referir o “papel activo da família na construção das significações da televisão”, tentando defini-las e integra-las.  A décima tese aborda a relação entre a televisão e o contexto educativo (escola). A Educação para a Televisão deveria ser integrada nos curricula, pois é uma boa forma de se tornarem cidadãos adequados à sociedade em que estão inseridos, trabalhando todos os aspectos essenciais que esta lhes oferece. Literacia televisiva e ensino-aprendizagem da Língua Portuguesa  A Educação para a Comunicação é um dos grandes objectivos da disciplina de Língua Portuguesa, assim um trabalho inovador e de qualidade na Educação para os Media em conjunção com a mesma são os grandes fundamentos para a sua inclusão no curriculum da disciplina.  Acredita-se que A Educação para os Media deve constituir uma dimensão transversal nos curricula do Ensino Básico, no entanto, com esta medida podem surgir riscos a vários
  5. 5. níveis. Assim sustenta-se que a mesma deva incorporar um curriculum, especificamente o de Língua Portuguesa.  Os objectos e finalidades do ensino da Língua Materna e os da Educação para os Media são muito semelhantes ao contrário do que muitos tentam provar. Apesar dos mesmos fazerem parte de campos académicos diferentes, ambos trabalham na mesma área e nas mesmas apreensões da linguagem.  A Educação para os Media propicia às crianças aprendizagens no âmbito da Língua, pois criam situações de interesse nas crianças que as motivam a querer aprender.  A aprendizagem da Língua Materna pode estar muito ligada aos Media desde “o que produzem” á forma como é produzido.  Os curricula da Língua Materna de alguns países incorporam a Educação para os Media, uma vez que se acredita que o ensino-aprendizagem da mesma deve proporcionar aos alunos oportunidades de utilização e investigação da linguagem em todas as suas dimensões.

×