SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
DIÁRIO DE CAMPO
Instituto de Educação
Curso Normal – Didática Geral
Ana Felicia/2013
A ela, hoje, dedicamos nossos estudos.
O Despertar
e as Inspirações
Iniciais
“É chamado de diário de campo o instrumento
mais básico de registro de dados do pesquisador.
Inspirado nos trabalhos dos primeiros
antropólogos que, ao estudar sociedades
longínquas, carregavam consigo um caderno no
qual eles escreviam todas as observações,
experiências, sentimentos, etc, [...]é um
instrumento essencial do pesquisador”.
(VÍCTORA,2000)
DIÁRIO DE CAMPO
* Consiste num Instrumento de Anotações, um caderno com
espaço suficiente para anotações, comentários e
reflexão, para uso individual do investigador no seu dia a
dia
* Nele se anotam todas as observações de fatos
concretos, fenômenos sociais, acontecimentos, relações
verificadas, experiências pessoais do investigador, suas
reflexões e comentários.
* Ele facilita criar o hábito de escrever e observar
com atenção, descrever com precisão e refletir
sobre os acontecimentos.
* Oriundo do Campo da Antropologia e amplamente utilizado em
Pesquisas Etnográficas.
REGISTRA-SE:
* Retrato dos sujeitos (aparência, maneira de vestir, modo de falar e
agir, particularidades dos indivíduos);
* As visões de mundo do observado (grau de religiosidade, valores,
elementos culturais ligados ao processo de trabalho, de saúde ...);
* Reconstrução do diálogo (palavras, gestos, expressões faciais,
pronuncias);
* Descrição espaço físico (desenho espaço, mobília);
* Comportamento do observador (aspectos que possam interferir na
coleta de dados);
* Descrição de atividades (detalhamento);
* Relatos de acontecimentos (forma como aconteceram e natureza
das ações).
* “Não há necessidade de serem
registradas apenas observações,
interpretações e conclusões individuais,
mas convém relatar individualmente
também os resultados das discussões
que venham ocorrendo [...]”
(Falkembach, 1987)
DIÁRIO DE CAMPO REFLEXIVO
“Apreende o ponto de vista do observador, suas
percepções, suas idéias e preocupações”.
* “As notas analíticas correspondem às reflexões
pessoais: idéias , percepções e sentimentos surgidos
durante a ação , nos contatos formais e informais,
registrados – ao vivo ou mais imediatamente possível
em forma de breves lembretes e posteriormente
através de anotações mais elaboradas”.
Sistematização do Diário de CampoSistematização do Diário de Campo
Diário da observaçãoDiário da observação
*anotações breves, datadas e localizadas;
*anotações de impressões e descrições
;*quem, onde, como, quando, o que aconteceu.
Diário da pesquisa
* questionamentos levantados a partir da observação e o
desenvolvimento de análises que servirão para orientar a
observação (decidir quem ou o que será observado
posteriormente) e,
sobretudo dar início ao plano de redação do relatório da pesquisa;
* questões, hipóteses, dúvidas, leituras, etc.
BEAUD, WEBER, 1998BEAUD, WEBER, 1998
Diário dos Fazeres:
* Plano de trabalho concreto refletido sobre o Diário de
Observação e de Pesquisa
* Objetivo Geral claro e definido
* Objetivos Específicos como desdobramentos do Geral (
se necessário)
* Atividades voltadas para atingir os objetivos
* Estratégias Metodológicas de acordo com as
atividades e objetivo(s)
* Avaliação no dia, nos momentos de trabalho, sobre a
aula em si, dos saberes presentes,nos desenvolvimentos
localizados, sobre atitudes pedagógicas mediadoras e
observadas
GUEDES TRINDADE, 2011.
GUEDES TRINDADE, 2011
Diário da Experiência de Saber Feito:
* Escrita livre sobre o vivido, o experimentado, o sentido, em forma
de texto descritivo, narrativo, dissertativo, prosa poética ou como
sua autoria permitir e desejar, desde que seja registrado o processo
na sua inteireza, com as reflexões mais profundas e essenciais,
interpretando o observado e desvelando os próximos desafios.
DICAS PARA O PROFESSOR-PESQUISADOR:
* não adiar a tarefa;
* registrar antes de falar para não confundir;
* escrever as anotação e em lugar sossegado e tranqüilo;
* dar-se tempo para escrever as notas;
* esboçar frases-chaves e tópicos antes de começar a
escrever;
* escrever de forma cronológica;
* deixar as conversas e acontecimentos fluírem no papel;
* acrescentar o que foi esquecido na primeira escrita;
* compreender que esse método é trabalhoso e demanda
tempo, mas traz uma riqueza ímpar para o processo
educativo.
( BOGDAN, BIKLEN, 1994)
“ [...] os fatos devem ser registrados no
Diário de Campo o quanto antes, se possível
Imediatamente depois de observados, Caso
contrário, a memória vai introduzir elementos
que se deram; e a interpretação reflexiva, não
se separa de fato concreto, virá freqüentemente
a deturpá-lo”. (FALKEMBACH, 1987)
Segundo Telma de Lima, Regina Mioto e Keli Prá, o diário:
“É um documento que apresenta tanto um “caráter descritivo analítico”, como
também um caráter “investigativo e de sínteses cada vez mais provisórias e
reflexivas”, ou seja, consiste em “uma fonte inesgotável de construção,
desconstrução e reconstrução do conhecimento profissional e do agir através de
registros quantitativos e qualitativos”. (p. 3, 2007.)
Quanto ao que deve ser anotado no diário de campo:
* a observação do processo de trabalho
* o meio físico e social,
* a descrição de como é realizado o atendimento,
* os tipos de relações geradas entre os sujeitos envolvidos no processo,
* o registro das condições técnicas, físicas e materiais,
* os conflitos e correlações de força,
* os contatos e limites institucionais, as visões de mundo que perpassam o
ambiente observado e a forma como estão organizados os grupos locais,
(estando este investigador pautado em construções teórico-metodológicas e
por um compromisso ético-político que direcione a análise e sistematização
dessa realidade.)
BIBLIOGRAFIA:
BOGDAN, R.C.; BIKLEN, S.K. Notas de campo. In BOGDAN, R.C.; BIKLEN, S.K.
Investigação qualitativa em educação - uma introdução à teorias e aos
métodos. Porto: Porto Editora, 1994. P.150-175.
FALKEMBACH, Elza Maria F. Diário de campo : um instrumento de reflexão. In:
Contexto e educação. Ijuí, RS Vol. 2, n. 7 (jul./set. 1987), p. 19-24
GERHARDT,T.E.; LOPES, M.J.M.; ROESE, A.; SOUZA, A. A construção e a
utilização do diário de campo em pesquisas científicas. International Journal of
Qualitative Methods. 2005.
GUEDES TRINDADE, Ana Felicia. Das Pontes Mediadoras de Aprendizagens aos
Diários de Aulas.SIPASE PUC/RS.2011.
LIMA, Telma Cristiane Sasso de, et al. A documentação no cotidiano da
intervenção dos assistentes sociais: algumas considerações acerca do diário de
campo. Revista Texto & Contextos. Porto Alegre v. 6 n. 1 p. 93-104. jan./jun.2007.
VÍCTORA, C,G. et al. Pesquisa Qualitativa em Saúde: introdução ao tema. Porto
Alegre: Tomo Editora, 2000
Seminário sobre Documentação e Diário de Campo, Documentação e Diário de
Campo,2010,UFRJ.
Slides diário de campo
Slides diário de campo
Slides diário de campo
Slides diário de campo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Fan Santos
 
Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletirMary Alvarenga
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Falajayarruda
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoGe Homrich
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschiSonia Nudelman
 
Diario de bordo sociologia
Diario de bordo sociologiaDiario de bordo sociologia
Diario de bordo sociologianethleide
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...Angela Albarello Tolfo
 
Leitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualLeitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualEwerton Gindri
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Fran Maciel
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoRosemary Batista
 
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyPensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyAmábile Piacentine
 
Modelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visitaModelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visitaGiovanna Ortiz
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativajlpaesjr
 

Mais procurados (20)

Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Modelo plano bimestral
Modelo plano bimestralModelo plano bimestral
Modelo plano bimestral
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletir
 
Resumo aula nota 10
Resumo   aula nota 10Resumo   aula nota 10
Resumo aula nota 10
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
 
Diario de bordo sociologia
Diario de bordo sociologiaDiario de bordo sociologia
Diario de bordo sociologia
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
 
Pesquisa de campo
Pesquisa de campoPesquisa de campo
Pesquisa de campo
 
Leitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualLeitura e Produção Textual
Leitura e Produção Textual
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyPensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
 
Modelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visitaModelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visita
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 

Semelhante a Slides diário de campo

Semelhante a Slides diário de campo (20)

Leila
LeilaLeila
Leila
 
Aula 5 diário
Aula 5 diárioAula 5 diário
Aula 5 diário
 
bogdan4a.ppt
bogdan4a.pptbogdan4a.ppt
bogdan4a.ppt
 
bogdan4a.ppt
bogdan4a.pptbogdan4a.ppt
bogdan4a.ppt
 
Observação 4a sessão 2011
Observação 4a sessão 2011Observação 4a sessão 2011
Observação 4a sessão 2011
 
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicasAnotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
 
Pesquisaeapresentaçãoempúblico
PesquisaeapresentaçãoempúblicoPesquisaeapresentaçãoempúblico
Pesquisaeapresentaçãoempúblico
 
estudo para a Elaboração de Projetos.pptx
estudo para a Elaboração de Projetos.pptxestudo para a Elaboração de Projetos.pptx
estudo para a Elaboração de Projetos.pptx
 
Manual de processamento técnico
Manual de processamento técnicoManual de processamento técnico
Manual de processamento técnico
 
Manual de Processamento Técnico
Manual de Processamento TécnicoManual de Processamento Técnico
Manual de Processamento Técnico
 
Diario de campo modelo
Diario de campo   modeloDiario de campo   modelo
Diario de campo modelo
 
SLIDES PESQUISA.pptx
SLIDES PESQUISA.pptxSLIDES PESQUISA.pptx
SLIDES PESQUISA.pptx
 
gerson.pdf
gerson.pdfgerson.pdf
gerson.pdf
 
3ª OT para PC
3ª OT para PC 3ª OT para PC
3ª OT para PC
 
Campo P Spink
Campo P SpinkCampo P Spink
Campo P Spink
 
PLANO MENSAL (7 -8 9-)1PERIODO-2024-SEG MES DE MARCO - 2 PLANO.docx
PLANO MENSAL (7 -8 9-)1PERIODO-2024-SEG MES DE MARCO - 2 PLANO.docxPLANO MENSAL (7 -8 9-)1PERIODO-2024-SEG MES DE MARCO - 2 PLANO.docx
PLANO MENSAL (7 -8 9-)1PERIODO-2024-SEG MES DE MARCO - 2 PLANO.docx
 
Literacia da informação ap12
Literacia da informação ap12 Literacia da informação ap12
Literacia da informação ap12
 
Trabalho de conclusão de Curso
Trabalho de conclusão de CursoTrabalho de conclusão de Curso
Trabalho de conclusão de Curso
 
Apostila1
Apostila1Apostila1
Apostila1
 
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestre
Planejamento de Filosofia e  arte  2º bimestrePlanejamento de Filosofia e  arte  2º bimestre
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestre
 

Último

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

Slides diário de campo

  • 1. DIÁRIO DE CAMPO Instituto de Educação Curso Normal – Didática Geral Ana Felicia/2013
  • 2. A ela, hoje, dedicamos nossos estudos.
  • 3. O Despertar e as Inspirações Iniciais
  • 4. “É chamado de diário de campo o instrumento mais básico de registro de dados do pesquisador. Inspirado nos trabalhos dos primeiros antropólogos que, ao estudar sociedades longínquas, carregavam consigo um caderno no qual eles escreviam todas as observações, experiências, sentimentos, etc, [...]é um instrumento essencial do pesquisador”. (VÍCTORA,2000)
  • 5. DIÁRIO DE CAMPO * Consiste num Instrumento de Anotações, um caderno com espaço suficiente para anotações, comentários e reflexão, para uso individual do investigador no seu dia a dia * Nele se anotam todas as observações de fatos concretos, fenômenos sociais, acontecimentos, relações verificadas, experiências pessoais do investigador, suas reflexões e comentários. * Ele facilita criar o hábito de escrever e observar com atenção, descrever com precisão e refletir sobre os acontecimentos.
  • 6. * Oriundo do Campo da Antropologia e amplamente utilizado em Pesquisas Etnográficas. REGISTRA-SE: * Retrato dos sujeitos (aparência, maneira de vestir, modo de falar e agir, particularidades dos indivíduos); * As visões de mundo do observado (grau de religiosidade, valores, elementos culturais ligados ao processo de trabalho, de saúde ...); * Reconstrução do diálogo (palavras, gestos, expressões faciais, pronuncias); * Descrição espaço físico (desenho espaço, mobília); * Comportamento do observador (aspectos que possam interferir na coleta de dados); * Descrição de atividades (detalhamento); * Relatos de acontecimentos (forma como aconteceram e natureza das ações).
  • 7. * “Não há necessidade de serem registradas apenas observações, interpretações e conclusões individuais, mas convém relatar individualmente também os resultados das discussões que venham ocorrendo [...]” (Falkembach, 1987)
  • 8. DIÁRIO DE CAMPO REFLEXIVO “Apreende o ponto de vista do observador, suas percepções, suas idéias e preocupações”. * “As notas analíticas correspondem às reflexões pessoais: idéias , percepções e sentimentos surgidos durante a ação , nos contatos formais e informais, registrados – ao vivo ou mais imediatamente possível em forma de breves lembretes e posteriormente através de anotações mais elaboradas”.
  • 9. Sistematização do Diário de CampoSistematização do Diário de Campo Diário da observaçãoDiário da observação *anotações breves, datadas e localizadas; *anotações de impressões e descrições ;*quem, onde, como, quando, o que aconteceu. Diário da pesquisa * questionamentos levantados a partir da observação e o desenvolvimento de análises que servirão para orientar a observação (decidir quem ou o que será observado posteriormente) e, sobretudo dar início ao plano de redação do relatório da pesquisa; * questões, hipóteses, dúvidas, leituras, etc. BEAUD, WEBER, 1998BEAUD, WEBER, 1998
  • 10. Diário dos Fazeres: * Plano de trabalho concreto refletido sobre o Diário de Observação e de Pesquisa * Objetivo Geral claro e definido * Objetivos Específicos como desdobramentos do Geral ( se necessário) * Atividades voltadas para atingir os objetivos * Estratégias Metodológicas de acordo com as atividades e objetivo(s) * Avaliação no dia, nos momentos de trabalho, sobre a aula em si, dos saberes presentes,nos desenvolvimentos localizados, sobre atitudes pedagógicas mediadoras e observadas GUEDES TRINDADE, 2011.
  • 11. GUEDES TRINDADE, 2011 Diário da Experiência de Saber Feito: * Escrita livre sobre o vivido, o experimentado, o sentido, em forma de texto descritivo, narrativo, dissertativo, prosa poética ou como sua autoria permitir e desejar, desde que seja registrado o processo na sua inteireza, com as reflexões mais profundas e essenciais, interpretando o observado e desvelando os próximos desafios.
  • 12. DICAS PARA O PROFESSOR-PESQUISADOR: * não adiar a tarefa; * registrar antes de falar para não confundir; * escrever as anotação e em lugar sossegado e tranqüilo; * dar-se tempo para escrever as notas; * esboçar frases-chaves e tópicos antes de começar a escrever; * escrever de forma cronológica; * deixar as conversas e acontecimentos fluírem no papel; * acrescentar o que foi esquecido na primeira escrita; * compreender que esse método é trabalhoso e demanda tempo, mas traz uma riqueza ímpar para o processo educativo. ( BOGDAN, BIKLEN, 1994)
  • 13. “ [...] os fatos devem ser registrados no Diário de Campo o quanto antes, se possível Imediatamente depois de observados, Caso contrário, a memória vai introduzir elementos que se deram; e a interpretação reflexiva, não se separa de fato concreto, virá freqüentemente a deturpá-lo”. (FALKEMBACH, 1987)
  • 14. Segundo Telma de Lima, Regina Mioto e Keli Prá, o diário: “É um documento que apresenta tanto um “caráter descritivo analítico”, como também um caráter “investigativo e de sínteses cada vez mais provisórias e reflexivas”, ou seja, consiste em “uma fonte inesgotável de construção, desconstrução e reconstrução do conhecimento profissional e do agir através de registros quantitativos e qualitativos”. (p. 3, 2007.) Quanto ao que deve ser anotado no diário de campo: * a observação do processo de trabalho * o meio físico e social, * a descrição de como é realizado o atendimento, * os tipos de relações geradas entre os sujeitos envolvidos no processo, * o registro das condições técnicas, físicas e materiais, * os conflitos e correlações de força, * os contatos e limites institucionais, as visões de mundo que perpassam o ambiente observado e a forma como estão organizados os grupos locais, (estando este investigador pautado em construções teórico-metodológicas e por um compromisso ético-político que direcione a análise e sistematização dessa realidade.)
  • 15. BIBLIOGRAFIA: BOGDAN, R.C.; BIKLEN, S.K. Notas de campo. In BOGDAN, R.C.; BIKLEN, S.K. Investigação qualitativa em educação - uma introdução à teorias e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994. P.150-175. FALKEMBACH, Elza Maria F. Diário de campo : um instrumento de reflexão. In: Contexto e educação. Ijuí, RS Vol. 2, n. 7 (jul./set. 1987), p. 19-24 GERHARDT,T.E.; LOPES, M.J.M.; ROESE, A.; SOUZA, A. A construção e a utilização do diário de campo em pesquisas científicas. International Journal of Qualitative Methods. 2005. GUEDES TRINDADE, Ana Felicia. Das Pontes Mediadoras de Aprendizagens aos Diários de Aulas.SIPASE PUC/RS.2011. LIMA, Telma Cristiane Sasso de, et al. A documentação no cotidiano da intervenção dos assistentes sociais: algumas considerações acerca do diário de campo. Revista Texto & Contextos. Porto Alegre v. 6 n. 1 p. 93-104. jan./jun.2007. VÍCTORA, C,G. et al. Pesquisa Qualitativa em Saúde: introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo Editora, 2000 Seminário sobre Documentação e Diário de Campo, Documentação e Diário de Campo,2010,UFRJ.