Tarefa1 reflexao anafarrajota

1.057 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Estou a fazer formação com a mesma temática e adorei a reflexão. Vai certamente ser-me útil para construir a minha.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tarefa1 reflexao anafarrajota

  1. 1. Bibliotecas Escolares e a Web 2.0 Sessão 3 A Web 2.0: Potencialidades para as Bibliotecas Escolares Reflexão Que passos poderiam dar as nossas bibliotecas (tenha em conta a realidade da sua escola) para se aproximarem de um modelo de biblioteca 2.0? Hoje em dia, as bibliotecas escolares começam a perceber que, para responder às necessidades actuais e futuras dos seus utilizadores, têm de mudar. Esta mudança exige, principalmente, o alargamento das literacias da informação na construção do conhecimento, sendo a tarefa do Professor Bibliotecário a de preparar os seus utilizadores para as literacias necessárias ao acesso e uso da informação em ambientes digitais. Ultrapassada que está a era Web 1.0, a Web 2.0 revela-nos um utilizador que passa de um mero consumidor de informação (passivo), para se tornar em produtor (pro-activo), visto que disponibiliza os seus próprios conteúdos ou acrescenta informação ao que encontra na rede. Na minha opinião, a Web 2.0, mais do que um serviço, é uma questão de “atitude”, no sentido em que não se pode estagnar, tem de se acompanhar e estar onde estão os utilizadores, aproveitando-se a sua inteligência colectiva, estando abertos às suas contribuições. Assim sendo, os próprios serviços oferecidos pela biblioteca escolar também terão de mudar, deixando esta de ser encarada como um mero centro de recurso (CRE), mas sim como um serviço que promove o conhecimento, facilitando e trabalhando transversalmente a literacia da informação associada ao currículo e às aprendizagens dos alunos. Maness aponta 4 características que definem a Biblioteca 2.0: Centrada no utilizador; Disponibiliza uma experiência multimédia; Socialmente rica e Inovadora ao serviço da comunidade. É claro que este serviço não pode ser só desenvolvido por “máquinas”. Tal como referem alguns textos da unidade, “As máquinas somos nós”, o que significa que mais do que uma questão tecnológica, é necessário termos Professores Bibliotecários motivados, dinâmicos e qualificados. Relativamente a infra-estruturas tecnológicas, elas já existem. O PTE interliga de forma integrada e coerente a infra-estruturação tecnológica das escolas, na disponibilização de conteúdos e serviços em linha e no reforço das competências TIC de alunos, docentes e não docentes. Assim sendo, o primeiro passo será a escolha de uma equipa muito dinâmica, ousada e inovadora, com um Professor Bibliotecário que exerça uma forte liderança. Ele deve ser capaz de atrair todas as estruturas de supervisão pedagógica e de coordenação educativa da escola para que a BE seja, efectivamente, o grande recurso da escola. É necessário que esta equipa tenha formação e que apresente um plano de acção com objectivos bem Ana Marta Farrajota 05/2010
  2. 2. Bibliotecas Escolares e a Web 2.0 Sessão 3 A Web 2.0: Potencialidades para as Bibliotecas Escolares definidos. Como por exemplo: melhorar os serviços actuais, para que respondam às autênticas necessidades dos utilizadores; comunicar de forma mais fácil com os utilizadores; explorar serviços alternativos que possam motivar potenciais utilizadores; partilhar conhecimento de forma mais eficiente. O segundo passo, e para que estes objectivos se concretizem, é o de terem ao serviço dos utilizadores da BE, uma série de ferramentas que a Web 2.0 lhes proporciona. Por exemplo:  Blogue, uma página Web, gratuita, que pode ser actualizada com grande frequência, através da colocação de mensagens. É uma espécie de “Diário da BE”, onde se anunciam as actividades desenvolvidas ou que se irão desenvolver. Estas mensagens/artigos podem ser comentados pelos utilizadores, gerando interactividade. São óptimos para indexar e classificar conteúdos de outros blogues, dando pistas de pesquisa e de acesso rápido à informação. O blogue tem a possibilidade de disponibilizar conteúdos armazenados noutros locais como o Slideshare, Scribd ou o Flickr.  Twitter, um serviço de Micro-blogging que só permite a introdução de 140 caracteres. É muito fácil de usar, a actualização é permanente, fala-se do que se está a fazer no momento, as perguntas são respondidas na hora, e é ideal para partilhar as novidades da BE. Permite construir uma comunidade à volta da BE e um contacto directo com os utilizadores.  WIKI, um sítio web colaborativo que pode ser editado por vários utilizadores. Os utilizadores de um wiki podem criar, editar, apagar ou modificar o conteúdo da página Web. Pode ser usado para escrita colaborativa, nomeadamente para projectos de dinamização da leitura recreativa e da escrita, estabelecendo outras formas de interacção entre os seus utilizadores.  Agregadores de conteúdos, o RSS permite a agregação de notícias e outras informações contidas em páginas Web. Com o RSS é possível distribuir pelos utilizadores, de forma automática, notícias e novidades relacionadas com as actividades e eventos organizados pela biblioteca.  Redes Sociais, Hi5 ou Facebook, formadas por grupos de pessoas com objectivos comuns. São muito utilizados por jovens e crianças, sendo uma boa forma partilhar informação, participar em discussões sobre temas variados. É uma boa ferramenta para a BE, visto que lhe dá visibilidade, permite dinamizar actividades, partilhar informação e integrar ferramentas da Web 2.0. Podem ser lá colocadas uma série de aplicações como: vídeos (Youtube), fotos, Feeds RSS, … Ana Marta Farrajota 05/2010
  3. 3. Bibliotecas Escolares e a Web 2.0 Sessão 3 A Web 2.0: Potencialidades para as Bibliotecas Escolares Em suma, a utilização da Web 2.0 pelas BE pode promover o envolvimento da comunidade, pois põe ao dispor dos seus utilizadores ferramentas de trabalho colaborativo e proporciona às bibliotecas um poderoso meio de promoção das literacias da informação, média, tecnológica e digital, “fora de quatro paredes”. No entanto, “Web 2.0 is a massive social experiment, and like any experiment worth trying, it could fail”. Referências Bibliográficas MANESS, Jack M. (2006) Library 2.0 Theory: Web 2.0 and Its Implications for Libraries. http://www.webology.ir/2006/v3n2/a25.html. Pedagogia 2.0 ou e-learning baseado na Web 2.0. http://www.slideshare.net/marinhos/pedagogia-20-ou-elearning-baseado-na-web20. Teoria da Biblioteca 2.0: Web 2.0 e suas implicações para as Bibliotecas. http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/831. Web 2.0 – hype or helpful? http://forumbibliotecas.rbe.min- edu.pt/mod/resource/view.php?id=12120. Web 2.0 in the classroom an introduction. http://www.slideshare.net/talandisjr/web-20- in-the-elt-classroom-an-introduction. Web 2.0: where will it take libraries? http://www.oclc.org/nextspace/002/3.htm . What is Web 2.0? Ideas, technologies and implications for education. http://www.oclc.org/nextspace/002/3.htm. Ana Marta Farrajota 05/2010

×