Aula 1 – Alfabetização nas escolas públicas -  Grande desafio<br />
Alfabetizar todo dia!<br />E não há tempo a perder. No início do ano, a tarefa essencial é descobrir quais as hipóteses de...
Estratégias para o Aprendizado<br />Da mesma forma, organizar a rotina é imprescindível. Uma distribuição de atividades de...
Considerar Saberes<br />Sabe-se, já há algum tempo, que as crianças começam a pensar na escrita muito antes de ingressar n...
No livro Aprender a Ler e a Escrever, as educadoras Ana Teberosky e Teresa Colomer apontam que o desenvolvimento do aluno ...
E no Planejamento?<br />Em todos, os planos deve transparece a necessidade de abrir espaço para que a turma debata o que p...
 E, nas atividades de produção de texto, a intervenção do professor é vital para negociar a passagem da linguagem oral, ma...
"FERREIRO oferece-nos um instrumental de possibilidades de ver a criança no seu processo de aquisição da escrita, de verif...
"...a aprendizagem da leitura e da escrita não se dá espontaneamente; ao contrário, exige uma ação deliberada do professor...
A solução da questão do analfabetismo e do fracasso escolar, no Brasil, ficou atrasada por causa de pistas falsas, entre a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alfabetização nas escolas públicas o grande desafio

23.022 visualizações

Publicada em

Slides sobre alfabetização nas escolas públicas, letramento

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.022
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19.619
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alfabetização nas escolas públicas o grande desafio

  1. 1. Aula 1 – Alfabetização nas escolas públicas - Grande desafio<br />
  2. 2. Alfabetizar todo dia!<br />E não há tempo a perder. No início do ano, a tarefa essencial é descobrir quais as hipóteses de escrita das crianças, mesmo antes que saibam ler e escrever convencionalmente. Assim, fica mais fácil acompanhar, durante o ano, a evolução individual para planejar as intervenções necessárias que permitam que todos efetivamente avancem. Essa sondagem inicial influi na distribuição da turma em <br />grupos produtivos de trabalho.<br />
  3. 3. Estratégias para o Aprendizado<br />Da mesma forma, organizar a rotina é imprescindível. Uma distribuição de atividades deve ser estabelecida com antecedência, contemplando trabalhos diários, sequências com prazos determinados e projetos que durem várias semanas ou meses. <br />Ao montar essa programação, cabe ao professor abrir espaço para as quatro situações didáticas que, segundo as pesquisas, são essenciais para o sucesso na alfabetização:<br />ler para os alunos, fazer com que eles leiam mesmo antes de saber ler, assumir a função de escriba para textos que a turma produz oralmente e promover situações que permitam a cada um deles escrever até que todos dominem de fato o sistema de escrita<br />
  4. 4. Considerar Saberes<br />Sabe-se, já há algum tempo, que as crianças começam a pensar na escrita muito antes de ingressar na escola. Por isso, precisam ter a oportunidade de colocar em prática esse saber, o que deve ser feito em atividades que estimulem a reflexão sobre o sistema alfabético. <br />
  5. 5. No livro Aprender a Ler e a Escrever, as educadoras Ana Teberosky e Teresa Colomer apontam que o desenvolvimento do aluno se dá "por reconstruções de conhecimentos anteriores, que dão lugar a novos saberes".<br />
  6. 6. E no Planejamento?<br />Em todos, os planos deve transparece a necessidade de abrir espaço para que a turma debata o que produz, permitindo que a reflexão leve a avanços nas hipóteses iniciais de cada estudante.<br />É fundamental levar para a escola as muitas fontes de texto que nos cercam no cotidiano, como livros, revistas, jornais, gibis, enciclopédias etc. Variedade é realmente fundamental para os alfabetizadores, que devem ainda abordar todos os gêneros de escrita (textos informativos, listas, contos e muito mais). <br />
  7. 7. E, nas atividades de produção de texto, a intervenção do professor é vital para negociar a passagem da linguagem oral, mais informal, à linguagem escrita.<br />
  8. 8. "FERREIRO oferece-nos um instrumental de possibilidades de ver a criança no seu processo de aquisição da escrita, de verificar o que ela sabe e o que ela não sabe, porque é no que ela ainda não sabe, no que ela pode e tem condições de fazer com ajuda, com interferência do adulto, que o professor vai atuar. Nesse sentido, a descrição evolutiva ultrapassa o nível do diagnóstico e da avaliação inicial e contribui efetivamente para informar o desenho de situações deensino/aprendizagem."<br />
  9. 9. "...a aprendizagem da leitura e da escrita não se dá espontaneamente; ao contrário, exige uma ação deliberada do professor e, portanto, uma qualificação de quem ensina. Exige planejamento e decisões a respeito do tipo, freqüência, diversidade, seqüência das atividades de aprendizagem. Mas essas decisões são tomadas em função do que se considera como papel do aluno e do professor nesse processo; por exemplo, as experiências que a criança teve ou não em relação à leitura e à escrita. Incluem, também, os critérios que definem o estar alfabetizado no contexto de uma cultura."<br /> <br />
  10. 10. A solução da questão do analfabetismo e do fracasso escolar, no Brasil, ficou atrasada por causa de pistas falsas, entre as mais freqüentes, estão:<br />· os alunos não possuem prontidão;<br />· os pais não colaboram;<br />· os alunos provêm de ambientes não letrados;<br />· a escola não possui professores alfabetizadores;<br />· a escola não possui materiais didáticos adequados;<br />· a escola não possui biblioteca.<br />Estas pistas dominaram o pensamento educacional, sendo que a escola pode transformar em pistas de superação.<br />

×