O que esperar numa terapia

768 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
768
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que esperar numa terapia

  1. 1. O QUE ESPERAR NUMA TERAPIA -e alguns sinais de alerta- Ana Dias – Psicoterapia e Terapia de Casal I www.anadiaspsicologia.com Traduzido e adaptado de Good Therapy
  2. 2. O QUE ESPERAR NUMA TERAPIA… Uma boa terapia ocorre num contexto de profissionalismo, transparência e respeito. O terapeuta e o cliente estão ligados um ao outro, mas os limites entre ambos são claros. O terapeuta transmite ao cliente competência e, simultaneamente, abertura e equilíbrio na forma como comunica com este. Uma boa terapia é, contudo, imperfeita – como em qualquer outra relação, surgem dificuldades, e a forma como são resolvidas pode até melhorar a qualidade da relação. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  3. 3. … E ALGUNS SINAIS DE ALERTA No contexto de uma terapia, algumas caraterísticas podem constituir sinais de alerta, e devem suscitar uma conversa com o terapeuta ou mesmo uma reavaliação da terapia. Diferentes sinais tem diferentes graus de gravidade: • Alguns relacionam-se com a frequência com que ocorrem. Ex: o terapeuta atrasa-se… ocasionalmente? ou sempre? • Outros relacionam-se com o contexto. Ex: o terapeuta conhece o cliente de outro contexto (ambos frequentam um mesmo local, etc)… não é desejável mas, em comunidades pequenas, é difícil de evitar. • Outros são muito graves, independentemente da frequência e do contexto. Ex: o terapeuta procura iniciar uma relação sexual com o cliente. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  4. 4. Profissionalismo O terapeuta respeita as marcações das sessões. Não se permite distrações durante as sessões. Prepara-se antecipadamente revendo apontamentos das sessões anteriores. Presta atenção e demonstra-o ativamente. Alguns sinais de alerta… O terapeuta falta, cancela ou atrasa-se frequentemente para as sessões. Atende o telefone ou consulta o e-mail durante as sessões. Não recorda o nome do cliente ou os temas abordados de uma sessão para a seguinte. Não presta atenção ou não demonstra que está a ouvir. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  5. 5. Transparência O terapeuta explica o processo terapêutico, de que forma o cliente pode beneficiar dele, e como o cliente saberá que está a fazer progressos. Transmite toda a informação necessária a um consentimento informado e responde às questões que o cliente tenha sobre estes aspetos. Alguns sinais de alerta… O terapeuta não quer ou não consegue explicar de que forma pode ajudar o cliente, nem de que forma este vai saber que está a fazer progressos. Não lhe faculta a informação necessária a um consentimento informado. Oferece garantias ou faz promessas de que «tudo vai ficar bem». www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  6. 6. Respeito O terapeuta trata o cliente como um igual. O cliente sente que o terapeuta acredita em si. O terapeuta é cuidadoso naquilo que diz e na forma como o diz. Avalia regularmente com o cliente os seus progressos em relação aos seus objetivos. Reconhece que não tem todas as respostas e que a ajuda que pode dar tem limites. Assume os erros que comete, agradece o feedback do cliente, e utiliza-os para melhorar o seu trabalho. Alguns sinais de alerta… O terapeuta trata o cliente como se este fosse inferior. Mostra-se crítico em relação aos problemas do cliente, aos seus comportamentos ou estilo de vida. Comporta-se de forma agressiva. Não se mostra interessado nos objetivos do cliente para a terapia. Age como se tivesse todas as respostas ou soluções, toma decisões pelo cliente, diz-lhe o que fazer e oferece frequentemente conselhos não solicitados. Não aceita feedback nem admite erros. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  7. 7. Limites O terapeuta fala sobre si próprio apenas quando essa revelação tenha valor terapêutico. O terapeuta poderá interagir com o cliente de forma amistosa, mas nunca descreve a relação entre ambos como sendo «de amizade». É claro para ambos que o único objetivo do terapeuta é ajudar o cliente. O terapeuta mantém a confidencialidade. O terapeuta nunca dirá nada que possa tornar possível a identificação de outros clientes. Alguns sinais de alerta… O terapeuta fala excessivamente sobre si próprio, sem objetivo terapêutico aparente. O terapeuta tenta ser amigo do cliente. O terapeuta solicita a ajuda do cliente para algo não relacionado com a terapia. O terapeuta toca no cliente (por exemplo, abraça-o) sem o seu consentimento, ou procura iniciar uma relação romântica ou sexual com este. O terapeuta revela informação que identifica o cliente sem a sua autorização ou mandato, ou revela-lhe a identidade de outros dos seus clientes. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  8. 8. Competência O terapeuta recebeu formação adequada, e mostra-se suficientemente competente e experiente para ajudar o cliente. O terapeuta é ativo na comunidade terapêutica e interage regularmente com outros terapeutas, o que contribui para que se mantenha atualizado. O terapeuta teve a experiência de terapia enquanto cliente, e compreende a terapia também dessa perspetiva. Alguns sinais de alerta… O terapeuta não possui a formação ou a experiência adequada para abordar o problema do cliente. O terapeuta não se encontra em contacto com outros terapeutas. O terapeuta nunca esteve em terapia enquanto cliente. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  9. 9. Abertura O terapeuta compreende e comunica ao cliente que existem muitas abordagens eficazes à terapia, e que nenhuma responde às necessidades de todos os clientes. Trabalha alternadamente na necessidade de gerir os sintomas no dia- a-dia, e na necessidade de os compreender. O terapeuta aborda de forma equilibrada emoções, sensações e pensamentos sem negligenciar nem diminuir nenhuma destas dimensões. Alguns sinais de alerta… O terapeuta acredita que apenas a sua abordagem à terapia é eficaz e ridiculariza outras abordagens. Intervém apenas ao nível da compreensão dos problemas (sem os procurar resolver) ou apenas ao nível da resolução dos problemas (sem os procurar compreender). Interessa-se apenas pelas emoções e sensações do cliente (ignorando os seus pensamentos) ou apenas pelos seus pensamentos (ignorando as suas emoções e sensações). www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy
  10. 10. Equilíbrio O terapeuta não fala nem demais nem de menos, usa termos que o cliente compreende e explica aqueles que poderão ser confusos. O terapeuta expressa emoções durante a sessão, de forma equilibrada e adequada. O terapeuta ajuda o cliente a trabalhar temas dolorosos de uma forma e num momento em que este sinta que é seguro fazê-lo. Alguns sinais de alerta… O terapeuta fala demais, não fala de todo, ou utiliza frequentemente termos técnicos complexos que deixam o cliente confuso. O terapeuta não é empático (parece frio) ou é demasiado empático (parece esmagado pelos problemas do cliente). O terapeuta «empurra» o cliente para falar de temas muito dolorosos ou, pelo contrário, «foge» de abordar os temas muito dolorosos. www.anadiaspsicologia.com I Traduzido e adaptado de Good Therapy

×