SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
CONCEITO
CLASSIFICAÇÃO
EXEMPLOS
DIFERENÇA DE RESULTADOS
NEGATIVOS
Problemas Relacionados aos Medicamentos
PRM
“...qualquer evento indesejável experimentado pelo paciente que envolve
ou é suspeito de envolver a farmacoterapia e que interfere, de fato ou
potencialmente, com um resultado desejado para o paciente”.
Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical
Care Practice, 1998
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Segurança do medicamento = potencial risco inerente a sua
utilização /uso racional
Prescrição adequada (escolha terapêutica, dose, posologia e
duração do tratamento, administração e aquisição de
produtos de qualidade, somado a estratégias para promover
a adesão ao tratamento).
WANNMACHER, L. Obesidade: Evidências e Fantasias. Uso
Racional de Medicamentos, v.1, n. 3, p. 1-6, 2004.
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Os erros de medicação, embora evitáveis, são
mundialmente freqüentes, possuem causas
multifatoriais, que envolvem desde o paciente,
profissionais de saúde e as políticas de saúde de cada
país.
Em muitas situações, os erros não ocorrem por
negligência ou por um ato deliberado, mas sim
pela ausência de conhecimento ou pela má
interpretação de determinada situação.
Problemas Relacionados aos Medicamentos
“A falta de informação correta e completa aos pacientes
também condiciona a erros de emprego, submetendo
os usuários a riscos potenciais. ..
... Onde não há informação, sobra espaço para antigos
erros se repetirem”
WANNMACHER, L. Erros: evitar o evitável. Uso Racional de
Medicamentos:Temas Selecionados, v.2, n. 7, p. 1-6, 2005.
1 – Indicações não tratadas
2 – Seleção de medicamento inadequado
3 – Doses subterapêuticas
4 – O paciente não recebe o medicamento
Problemas Relacionados aos Medicamentos
HEPLER & STRAND, 90
5 - Sobredosificação
6 – Reações adversas a medicamentos (RAM)
7 – Interações medicamentosas
8 – Emprego de medicamentos sem indicação
Problemas Relacionados aos Medicamentos
HEPLER & STRAND, 90
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Em 1998, Cipolle, Strand e Morley ( Pharmaceutical Care
Practice), propuseram um alteração na classificação dos
PRMs e os categorizaram em:
A - PRM de Indicação
B – PRM de efetividade
C – PRM de segurança
D – PRM de cumprimento
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical
Care Practice, 1998.
INDICAÇÃO
1. O paciente tem uma condição médica que requer o início de
uma farmacoterapia NOVA OU ADICIONAL
2. O paciente está tomando farmacoterapia que é
DESNECESSÁRIA para sua presente condição.
EFETIVIDADE
3. O paciente tem uma condição médica para qual o
MEDICAMENTO INCORRETO está sendo tomado.
4. O paciente tem uma condição médica para qual MUITO
POUCO DO MEDICAMENTO correto está sendo tomado.
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical
Care Practice, 1998.
SEGURANÇA
5. O paciente tem uma condição médica resultante de uma REAÇÃO
ADVERSA ao medicamento.
6. O paciente tem uma condição médica para a qual um EXCESSO de
medicamento correto está sendo tomado
ADESAO
7. O paciente tem uma condição médica resultante de NÃO
TOMAR O MEDICAMENTO APROPRIADAMENTE.
Necessidades
farmacoterapêuticas Categorias de PRM
 INDICAÇÃO
 EFETIVIDADE
 SEGURANÇA
 ADESÃO
1. Medicamentos desnecessários
2. Necessidade de medicamentos
3. Medicamento não efetivo
4. Baixa dosagem
5. Reação adversa
6. Dosagem elevada
7. Não adesão
Problemas Relacionados aos Medicamentos
Hepler e Strand, 1990.
RESOLVER E PREVENIR PRMs é resultado do
desenho, execução e seguimento de um plano
terapêutico, que na visão do farmacêutico,
cumprira otimamente o objetivo terapêutico.
Para alcançar a estes objetivos, a Atenção
Farmacêutica deve integrar-se aos outros
elementos da assistência a saúde.
Resultados negativos da
“medicação”
(farmacoterapia)
Categorias de RNM
A - NECESIDADE
B - EFETIVIDADE
C - SEGURANÇA
1. Problema de saúde não tratado
2. Efeito de Medicamento
Desnecessário
3. Inefetividade não quantitativa
4. Inefetividade quantitativa
5. Insegurança não quantitativa
6. Insegurança quantitativa.
Classificação dos Resultados Negativos Associados aos Medicamentos
A
Necessidade
• Problema de saúde não tratado
O paciente sofre um problema de saúde associado por não receber
o(s) medicamento(s) que necessita;
• Efeito de Medicamento Desnecessário
O paciente sofre um problema de saúde associado por receber o(s)
medicamento(s) de que não necessita;
B
Efetividade
• Inefetividade não quantitativa
O paciente sofre um problema de saúde associado a uma
Inefetividade não quantitativa.
• Inefetividade quantitativa
O paciente sofre um problema de saúde associado a uma
Inefetividade quantitativa.
C
Segurança
• Insegurança não quantitativa
O paciente sofre um problema de saúde associado a uma
insegurança não quantitativa.
• Insegurança quantitativa
O paciente sofre um problema de saúde associado a uma
insegurança quantitativa.
III Consenso de Granada – 2007
A proposta de Resultados negativos da “medicação
(farmacoterapia), apresenta as seguintes diferenças com relação
a classificação de PRM do II Consenso de Granada
-Desaparece o termo PRM
- Desaparecem os números que se associam a cada tipo de
PRM
- O enunciado dos resultados negativos associados a
farmacoterapia, o termo conseqüência é substituído por
associado, para evitar-se uma relação causal direta
Que padrões seguir ?
Hepler e Strand, 1990.
I. Compromisso com a AtenFar
II. Intercambio entre profissionais
III. Métodos adequados para reconhecer e avaliar a AtenFar
IV. Ambiente organizacional interno que permita aos
profissionais concentrarem-se nos pacientes
individualmente e que permita uma fácil comunicação
V. Uma aproximação da AtenFar racional e consistente, que
integre a dispensação e a tomada de decisões.
PWDT e DADER
Pharmacist’s Workup of Drug Therapy
Universidade de Minnesota - EUA
Pensar como um profissional – Pharmacotherapy Workup
Agir como um profissional – Prática padronizada
Falar como um profissional – Vocabulário da prática
“ Este procedimento, dirige as decisões do farmacêutico
sobre o uso de medicamentos e demonstra como o
conceito de Atenção Farmacêutica pode realmente ser
aplicado a qualquer paciente em qualquer cenário de
pratica.
O PWDT auxilia o farmacêutico a avaliar seu êxito e a
identificar e resolver problemas do paciente relacionados
com os medicamentos”.
Hepler e Strand, 1990.
1. INFORMAÇÕES - Recolher e interpretar a informação relevante
do paciente, para determinar se este paciente possui PRM
2. TEM PRM? - Identificar PRMs
3. METAS? - Descobrir as metas terapêuticas desejadas
4. ALTERNATIVAS - Descobrir as alternativas terapêuticas factíveis
5. INDIVIDUALIZAR - Selecionar e individualizar o regime
terapêutico mais apropriado
6. DECIDIR - Implementar as decisões sobre o uso dos
medicamentos
7. PLANO TERAPÊUTICO - Desenhar um plano de seguimento para
alcançar as metas terapêuticas desejadas Hepler e Strand, 1990.
Hepler e Strand, 1990.
INDICAÇÃO: problema de saúde
EFETIVIDADE: dose, posologia, uso real, resposta
SEGURANÇA: RAM, alergias ou sobre dose
ADESÃO AO TRATAMENTO
PHARMACEUTICAL CARE
Escola da Florida
HEPLER e cols.
Escola de Minnesota
STRAND e cols.
“uma patologia
de cada vez”
“um paciente
de cada vez”
Objetivo comum: O beneficio do paciente
1990 – Grupo de investigação em atenção farmacêutica da
Universidade de Granada
Um novo conceito:
-Pratica orientada ao paciente
- Atenção individualizada
-Pratica documentada
Metodologia Básica Pratica
-DISPENSAÇÃO ATIVA
-INDICAÇÃO FARMACÊUTICA
-SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
“Serviço profissional que tem como objetivo a detecção de
Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM), para a
prevenção e resolução de Resultados Negativos associados a
Medicação (RNM)...
“Estes serviço implica um COMPROMISSO e dever ser
fornecido de forma continuada, sistematizada e
documentada, em colaboração com o próprio paciente e com
os demais profissionais de saúde, com o fim de alcaNçar
resultados concretos que melhorem a qualidade de vida do
paciente”.
SFT
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
Pratica profissional
Detectar PRM para prevenir e resolver resultados negativos
associados a medicação
Implica um compromisso
De forma continuada, sistematizada e documentada
Colaboração com o paciente e o resto da equipe de saúde
Alcançar resultados concretos que melhorem a qualidade de
vida dos pacientes
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
Como qualquer profissional que intervém em uma atividade
assistencial, o farmacêutico deve cumprir os deveres de
informação e documentação clinica.
-Motivos que levaram o paciente a procurar atendimento
-Problemas de saúde e efeitos ou resultados do uso de medicamentos
- Farmacoterapia do paciente
-Historia farmacêutica
-Planificação, evolução e resultado das intervenções farmacêuticas
realizadas para melhorar ou preservar os resultados da farmacoterapia
-Consentimento informado, informes ao médico ou outros profis.
-Dados de contato do paciente
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
- Historia farmacoterapêutica
-Folhas de entrevista farmacêutica
-Estado de situação
-Folhas de plano de ação
-Folhas de entrevistas sucessivas
-Folhas de intervenção
AVALIAÇÃO INICIAL
Assegurar que a farmacoterapia
está indicada, é efetiva
e segura,
e que o paciente pode
seguir as instruções.
Identificar PRM
PLANO DE ATENÇÃO
Resolver PRM
Assumir metas terapêuticas
Prevenir PRM
AVALIAÇÕES SUCESSIVAS
Recopilar resultados atuais.
Avaliar status e progresso
das metas terapêuticas
Avaliar novos problemas
Avaliação do Processo Terapêutico
Seguimento continuado ao longo do tempo.
www.farmacoterapiasocial.es
M. MACHUCA, 08
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
O programa DADER de SEGUIMENTO
FARMACOTERAPÊUTICO (SFT)
Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia
(Medicacion)
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
2° Consenso de Granada: RNAF são resultados (clínicos) negativos, não
devendo serem confundidos com aquelas falhas ou problemas que podem
aparecer durante o processo de uso dos medicamentos, que poderiam ser
causas (PRM).
O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) –
Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia
(Medicacion)
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
Os RNM são problemas de saude, mudanças
não desejadas no estado de saude do
paciente, atribuidas ao uso (não uso) dos
medicamentos.
O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) –
Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia
(Medicacion)
Para medi-los se utiliza uma variavel clinica
(sintoma, sinal, evento clinico, medição
metabolica ou fisiologica, morte), que não
cumpre com os objetivos terapêuticos
estabelecidos para o paciente.
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
PRM - aquelas circunstâncias que causam ou
podem causar o aparecimento de um
resultado negativo associado ao uso dos
medicamentos.
O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) –
Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia
(Medicacion)
Assim, os PRM passam a ser todas aquelas
circunstâncias que predispõem o usuário de
medicamento um maior risco de sofrer um
RNM.
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
Intervenção
O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) –
Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia
(Medicacion)
Elementos do processo de
uso dos medicamentos
Resultados do uso dos
medicamentos
medicamento
Dose do medicamento
Consideração das precauções
e contra-indicações
Presença de interações
Necessária e correta
precr./indicação do medic
Cumprimento das normas de
uso e adm
Aderência ao tratamento
Duplicidade
Etc ...
Positivos
Negativos
RNM
Sintomas
Sinais
Eventos
clínicos
Medições
fisiológicas e
metabólicas
morte
Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007
Proposição de uma lista (não excludente ou exaustiva) de
PRM que podem ser assinalados como possíveis causas de
RNM:
- Erros de dispensação
- Erros de prescrição
- Falta de adesão
- Interações
- Adm errônea do medicamento
- Características pessoais
- Conservação inadequada
- Contra-indicação
- Duplicidade
- Dose, posologia e/ou duração inadequada
- Outros problemas de saúde que afetam o tratamento
- Probabilidade de eventos adversos
- Problema de saúde insuficientemente tratado
- etc ...
« As atividades profissionais somente
são recompensadas quando satisfazem
uma necessidade social especifica,
mediante a aplicação de conhecimentos
e habilidades para prestar um serviço
que permita abordar os problemas dos
indivíduos.»
CIPOLLE, STRAND & MORLEY, 99

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologiamarigrace23
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoCassyano Correr
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaFarmacêutico Digital
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosangelitamelo
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticasClick Farma
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaCassyano Correr
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosMaria Luiza
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Farmacêutico Digital
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoMarcelo Polacow Bisson
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasLuis Antonio Cezar Junior
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosProqualis
 

Mais procurados (20)

2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
 

Semelhante a PRM e RNM: classificações e padrões de atuação

Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra CrfMarcelo Polacow Bisson
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Mabi Almeida
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxAlineRibeiro648347
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxAlineRibeiro648347
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfNaidilene Aguilar
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfProfYasminBlanco
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...martinsfmf
 
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreiraAcompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreiraRinaldo Ferreira
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadofarmaefarma
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfMarcioCruz62
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxNayara921526
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarRodrigo Xavier
 
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.pptReconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.pptOdilonCalian1
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceuticaARNON ANDRADE
 

Semelhante a PRM e RNM: classificações e padrões de atuação (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 
Metododader
MetododaderMetododader
Metododader
 
Metododader
MetododaderMetododader
Metododader
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
 
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptxatenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
atenofarmacutica-aulai-121219111500-phpapp02.pptx
 
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
Af
AfAf
Af
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
 
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreiraAcompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
 
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.pptReconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 

PRM e RNM: classificações e padrões de atuação

  • 2. Problemas Relacionados aos Medicamentos PRM “...qualquer evento indesejável experimentado pelo paciente que envolve ou é suspeito de envolver a farmacoterapia e que interfere, de fato ou potencialmente, com um resultado desejado para o paciente”. Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical Care Practice, 1998
  • 3. Problemas Relacionados aos Medicamentos Segurança do medicamento = potencial risco inerente a sua utilização /uso racional Prescrição adequada (escolha terapêutica, dose, posologia e duração do tratamento, administração e aquisição de produtos de qualidade, somado a estratégias para promover a adesão ao tratamento). WANNMACHER, L. Obesidade: Evidências e Fantasias. Uso Racional de Medicamentos, v.1, n. 3, p. 1-6, 2004.
  • 4. Problemas Relacionados aos Medicamentos Os erros de medicação, embora evitáveis, são mundialmente freqüentes, possuem causas multifatoriais, que envolvem desde o paciente, profissionais de saúde e as políticas de saúde de cada país. Em muitas situações, os erros não ocorrem por negligência ou por um ato deliberado, mas sim pela ausência de conhecimento ou pela má interpretação de determinada situação.
  • 5. Problemas Relacionados aos Medicamentos “A falta de informação correta e completa aos pacientes também condiciona a erros de emprego, submetendo os usuários a riscos potenciais. .. ... Onde não há informação, sobra espaço para antigos erros se repetirem” WANNMACHER, L. Erros: evitar o evitável. Uso Racional de Medicamentos:Temas Selecionados, v.2, n. 7, p. 1-6, 2005.
  • 6. 1 – Indicações não tratadas 2 – Seleção de medicamento inadequado 3 – Doses subterapêuticas 4 – O paciente não recebe o medicamento Problemas Relacionados aos Medicamentos HEPLER & STRAND, 90
  • 7. 5 - Sobredosificação 6 – Reações adversas a medicamentos (RAM) 7 – Interações medicamentosas 8 – Emprego de medicamentos sem indicação Problemas Relacionados aos Medicamentos HEPLER & STRAND, 90
  • 8. Problemas Relacionados aos Medicamentos Em 1998, Cipolle, Strand e Morley ( Pharmaceutical Care Practice), propuseram um alteração na classificação dos PRMs e os categorizaram em: A - PRM de Indicação B – PRM de efetividade C – PRM de segurança D – PRM de cumprimento
  • 9. Problemas Relacionados aos Medicamentos Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical Care Practice, 1998. INDICAÇÃO 1. O paciente tem uma condição médica que requer o início de uma farmacoterapia NOVA OU ADICIONAL 2. O paciente está tomando farmacoterapia que é DESNECESSÁRIA para sua presente condição. EFETIVIDADE 3. O paciente tem uma condição médica para qual o MEDICAMENTO INCORRETO está sendo tomado. 4. O paciente tem uma condição médica para qual MUITO POUCO DO MEDICAMENTO correto está sendo tomado.
  • 10. Problemas Relacionados aos Medicamentos Cipolle, Strand e Morley. Pharmaceutical Care Practice, 1998. SEGURANÇA 5. O paciente tem uma condição médica resultante de uma REAÇÃO ADVERSA ao medicamento. 6. O paciente tem uma condição médica para a qual um EXCESSO de medicamento correto está sendo tomado ADESAO 7. O paciente tem uma condição médica resultante de NÃO TOMAR O MEDICAMENTO APROPRIADAMENTE.
  • 11. Necessidades farmacoterapêuticas Categorias de PRM  INDICAÇÃO  EFETIVIDADE  SEGURANÇA  ADESÃO 1. Medicamentos desnecessários 2. Necessidade de medicamentos 3. Medicamento não efetivo 4. Baixa dosagem 5. Reação adversa 6. Dosagem elevada 7. Não adesão
  • 12. Problemas Relacionados aos Medicamentos Hepler e Strand, 1990. RESOLVER E PREVENIR PRMs é resultado do desenho, execução e seguimento de um plano terapêutico, que na visão do farmacêutico, cumprira otimamente o objetivo terapêutico. Para alcançar a estes objetivos, a Atenção Farmacêutica deve integrar-se aos outros elementos da assistência a saúde.
  • 13. Resultados negativos da “medicação” (farmacoterapia) Categorias de RNM A - NECESIDADE B - EFETIVIDADE C - SEGURANÇA 1. Problema de saúde não tratado 2. Efeito de Medicamento Desnecessário 3. Inefetividade não quantitativa 4. Inefetividade quantitativa 5. Insegurança não quantitativa 6. Insegurança quantitativa.
  • 14. Classificação dos Resultados Negativos Associados aos Medicamentos A Necessidade • Problema de saúde não tratado O paciente sofre um problema de saúde associado por não receber o(s) medicamento(s) que necessita; • Efeito de Medicamento Desnecessário O paciente sofre um problema de saúde associado por receber o(s) medicamento(s) de que não necessita; B Efetividade • Inefetividade não quantitativa O paciente sofre um problema de saúde associado a uma Inefetividade não quantitativa. • Inefetividade quantitativa O paciente sofre um problema de saúde associado a uma Inefetividade quantitativa. C Segurança • Insegurança não quantitativa O paciente sofre um problema de saúde associado a uma insegurança não quantitativa. • Insegurança quantitativa O paciente sofre um problema de saúde associado a uma insegurança quantitativa. III Consenso de Granada – 2007
  • 15. A proposta de Resultados negativos da “medicação (farmacoterapia), apresenta as seguintes diferenças com relação a classificação de PRM do II Consenso de Granada -Desaparece o termo PRM - Desaparecem os números que se associam a cada tipo de PRM - O enunciado dos resultados negativos associados a farmacoterapia, o termo conseqüência é substituído por associado, para evitar-se uma relação causal direta
  • 16. Que padrões seguir ? Hepler e Strand, 1990. I. Compromisso com a AtenFar II. Intercambio entre profissionais III. Métodos adequados para reconhecer e avaliar a AtenFar IV. Ambiente organizacional interno que permita aos profissionais concentrarem-se nos pacientes individualmente e que permita uma fácil comunicação V. Uma aproximação da AtenFar racional e consistente, que integre a dispensação e a tomada de decisões.
  • 18. Pharmacist’s Workup of Drug Therapy Universidade de Minnesota - EUA
  • 19. Pensar como um profissional – Pharmacotherapy Workup Agir como um profissional – Prática padronizada Falar como um profissional – Vocabulário da prática
  • 20. “ Este procedimento, dirige as decisões do farmacêutico sobre o uso de medicamentos e demonstra como o conceito de Atenção Farmacêutica pode realmente ser aplicado a qualquer paciente em qualquer cenário de pratica. O PWDT auxilia o farmacêutico a avaliar seu êxito e a identificar e resolver problemas do paciente relacionados com os medicamentos”. Hepler e Strand, 1990.
  • 21. 1. INFORMAÇÕES - Recolher e interpretar a informação relevante do paciente, para determinar se este paciente possui PRM 2. TEM PRM? - Identificar PRMs 3. METAS? - Descobrir as metas terapêuticas desejadas 4. ALTERNATIVAS - Descobrir as alternativas terapêuticas factíveis 5. INDIVIDUALIZAR - Selecionar e individualizar o regime terapêutico mais apropriado 6. DECIDIR - Implementar as decisões sobre o uso dos medicamentos 7. PLANO TERAPÊUTICO - Desenhar um plano de seguimento para alcançar as metas terapêuticas desejadas Hepler e Strand, 1990.
  • 22. Hepler e Strand, 1990. INDICAÇÃO: problema de saúde EFETIVIDADE: dose, posologia, uso real, resposta SEGURANÇA: RAM, alergias ou sobre dose ADESÃO AO TRATAMENTO
  • 23.
  • 24. PHARMACEUTICAL CARE Escola da Florida HEPLER e cols. Escola de Minnesota STRAND e cols. “uma patologia de cada vez” “um paciente de cada vez” Objetivo comum: O beneficio do paciente
  • 25. 1990 – Grupo de investigação em atenção farmacêutica da Universidade de Granada Um novo conceito: -Pratica orientada ao paciente - Atenção individualizada -Pratica documentada
  • 26. Metodologia Básica Pratica -DISPENSAÇÃO ATIVA -INDICAÇÃO FARMACÊUTICA -SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
  • 27. “Serviço profissional que tem como objetivo a detecção de Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM), para a prevenção e resolução de Resultados Negativos associados a Medicação (RNM)... “Estes serviço implica um COMPROMISSO e dever ser fornecido de forma continuada, sistematizada e documentada, em colaboração com o próprio paciente e com os demais profissionais de saúde, com o fim de alcaNçar resultados concretos que melhorem a qualidade de vida do paciente”. SFT
  • 28. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 Pratica profissional Detectar PRM para prevenir e resolver resultados negativos associados a medicação Implica um compromisso De forma continuada, sistematizada e documentada Colaboração com o paciente e o resto da equipe de saúde Alcançar resultados concretos que melhorem a qualidade de vida dos pacientes
  • 29. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 Como qualquer profissional que intervém em uma atividade assistencial, o farmacêutico deve cumprir os deveres de informação e documentação clinica. -Motivos que levaram o paciente a procurar atendimento -Problemas de saúde e efeitos ou resultados do uso de medicamentos - Farmacoterapia do paciente -Historia farmacêutica -Planificação, evolução e resultado das intervenções farmacêuticas realizadas para melhorar ou preservar os resultados da farmacoterapia -Consentimento informado, informes ao médico ou outros profis. -Dados de contato do paciente
  • 30. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 - Historia farmacoterapêutica -Folhas de entrevista farmacêutica -Estado de situação -Folhas de plano de ação -Folhas de entrevistas sucessivas -Folhas de intervenção
  • 31. AVALIAÇÃO INICIAL Assegurar que a farmacoterapia está indicada, é efetiva e segura, e que o paciente pode seguir as instruções. Identificar PRM PLANO DE ATENÇÃO Resolver PRM Assumir metas terapêuticas Prevenir PRM AVALIAÇÕES SUCESSIVAS Recopilar resultados atuais. Avaliar status e progresso das metas terapêuticas Avaliar novos problemas Avaliação do Processo Terapêutico Seguimento continuado ao longo do tempo. www.farmacoterapiasocial.es M. MACHUCA, 08
  • 32. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia (Medicacion)
  • 33. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 2° Consenso de Granada: RNAF são resultados (clínicos) negativos, não devendo serem confundidos com aquelas falhas ou problemas que podem aparecer durante o processo de uso dos medicamentos, que poderiam ser causas (PRM). O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) – Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia (Medicacion)
  • 34. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 Os RNM são problemas de saude, mudanças não desejadas no estado de saude do paciente, atribuidas ao uso (não uso) dos medicamentos. O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) – Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia (Medicacion) Para medi-los se utiliza uma variavel clinica (sintoma, sinal, evento clinico, medição metabolica ou fisiologica, morte), que não cumpre com os objetivos terapêuticos estabelecidos para o paciente.
  • 35. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 PRM - aquelas circunstâncias que causam ou podem causar o aparecimento de um resultado negativo associado ao uso dos medicamentos. O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) – Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia (Medicacion) Assim, os PRM passam a ser todas aquelas circunstâncias que predispõem o usuário de medicamento um maior risco de sofrer um RNM.
  • 36. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 Intervenção O programa DADER de SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO (SFT) – Resultados Negativos Associados a Farmacoterapia (Medicacion) Elementos do processo de uso dos medicamentos Resultados do uso dos medicamentos medicamento Dose do medicamento Consideração das precauções e contra-indicações Presença de interações Necessária e correta precr./indicação do medic Cumprimento das normas de uso e adm Aderência ao tratamento Duplicidade Etc ... Positivos Negativos RNM Sintomas Sinais Eventos clínicos Medições fisiológicas e metabólicas morte
  • 37. Tercer Consenso de Granada sobre PRM y RNM. 2007 Proposição de uma lista (não excludente ou exaustiva) de PRM que podem ser assinalados como possíveis causas de RNM: - Erros de dispensação - Erros de prescrição - Falta de adesão - Interações - Adm errônea do medicamento - Características pessoais - Conservação inadequada - Contra-indicação - Duplicidade - Dose, posologia e/ou duração inadequada - Outros problemas de saúde que afetam o tratamento - Probabilidade de eventos adversos - Problema de saúde insuficientemente tratado - etc ...
  • 38. « As atividades profissionais somente são recompensadas quando satisfazem uma necessidade social especifica, mediante a aplicação de conhecimentos e habilidades para prestar um serviço que permita abordar os problemas dos indivíduos.» CIPOLLE, STRAND & MORLEY, 99