A Poesia Marginal, também conhecida como Geração Mimeógrafo, 
surge na década de 70 no Brasil, de forma a representar o mo...
A partir desse movimento revolucionário literário, a produção poética “fora do sistema” 
era divulgada pelos próprios poet...
Rápido e Rasteiro - Chacal 
Vai ter uma festa 
que eu vou dançar 
até o sapato pedir pra parar. 
aí eu paro 
tiro o sapato...
Bem no fundo – Paulo Leminski 
No fundo, no fundo, 
bem lá no fundo, 
a gente gostaria 
de ver nossos problemas 
resolvido...
Tropicália, Tropicalismo ou Movimento tropicalista foi um movimento 
cultural brasileiro que surgiu sob a influência das c...
Tropicalia – Caetano Veloso 
Sobre a cabeça os aviões 
Sob os meus pés, os caminhões 
Aponta contra os chapadões, meu nari...
Da lama ao caos – Nação Zumbi 
Posso sair daqui para me organizar 
Posso sair daqui para desorganizar 
Posso sair daqui pa...
BONNICI, Thomas, ZOLIN Lúcia Osana. Teoria Literária: abordagens históricas e 
tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: ...
Poesias pós-modernas: Poesia Marginal e Tropicalismo
Poesias pós-modernas: Poesia Marginal e Tropicalismo
Poesias pós-modernas: Poesia Marginal e Tropicalismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poesias pós-modernas: Poesia Marginal e Tropicalismo

1.364 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado na disciplina de Literatura Brasileira II vinculada ao curso de Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
91
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesias pós-modernas: Poesia Marginal e Tropicalismo

  1. 1. A Poesia Marginal, também conhecida como Geração Mimeógrafo, surge na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes (música, cinema, teatro, artes plásticas) sobretudo, a literatura, e influenciou diretamente na produção cultural do país. Desta forma, esse movimento chamado "marginal", absorveu o grito silenciado pela Ditadura Militar e, portanto, a união de artistas em geral, agitadores culturais, educadores e professores, fez com que buscassem uma forma de divulgação da arte e da cultura brasileira, reprimida pelo sistema totalitário que vigorava no país. Para tanto, inspirado nos movimentos de contracultura, a denominação “Geração Mimeógrafo” remete justamente à sua principal característica, ou seja, a substituição dos meios tradicionais de circulação de obras para os meios alternativos de divulgação empregados pelos artistas independentes ou os “representantes da cultura marginal”, os quais sentiram a necessidade de se expressarem e, sobretudo, divulgarem suas ideias.
  2. 2. A partir desse movimento revolucionário literário, a produção poética “fora do sistema” era divulgada pelos próprios poetas a partir de pequenas tiragens de cópias, que realizam nos toscos folhetos mimeografados, os quais vendiam sua arte a baixo custo, nos bares, praças, teatros, cinemas, universidades, dentre outros. Numa das vertentes desse movimento sociocultural e artístico, surge notadamente a “Poesia Marginal”, aquela que abrolha do cerne da periferia, representando a voz da minoria. Nesse ínterim, os poetas marginais recusam qualquer modelo literário, de forma que não se “encaixam” em nenhuma escola ou tradição literária. A poesia marginal é formada, em sua maioria, por pequenos textos, alguns com apelo visual (fotos, quadrinhos, etc.), absorvidos por uma linguagem coloquial (traços da oralidade), espontânea, inconsciente, a partir de temática cotidiana e erótica, permeadas de sarcasmo, humor, ironia, palavrões e gírias da periferia. Desse movimento marginal surgem poetas que se destacaram como Chacal, Cacaso, Paulo Leminki e Torquato Neto. No campo musical, destacam-se Tom Zé, Jorge Mautner, Luiz Melodia e nas artes plásticas Lygia Clark e Hélio Oiticica se identificam com o movimento. Uma das frases mais conhecidas do artista Hélio Oiticica demostra sua proximidade com a Geração Mimeógrafo: “Seja Marginal Seja Herói”.
  3. 3. Rápido e Rasteiro - Chacal Vai ter uma festa que eu vou dançar até o sapato pedir pra parar. aí eu paro tiro o sapato e danço o resto da vida.
  4. 4. Bem no fundo – Paulo Leminski No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gente gostaria de ver nossos problemas resolvidos por decreto a partir desta data, aquela mágoa sem remédio é considerada nula e sobre ela — silêncio perpétuo extinto por lei todo o remorso, maldito seja quem olhar pra trás, lá pra trás não há nada, e nada mais mas problemas não se resolvem, problemas têm família grande, e aos domingos saem todos a passear o problema, sua senhora e outros pequenos probleminhas.
  5. 5. Tropicália, Tropicalismo ou Movimento tropicalista foi um movimento cultural brasileiro que surgiu sob a influência das correntes artísticas da vanguarda e da cultura pop nacional e estrangeira; misturou manifestações tradicionais da cultura brasileira a inovações estéticas radicais. Tinha objetivos comportamentais, que encontraram eco em boa parte da sociedade, sob o regime militar, no final da década de 1960. O movimento manifestou-se principalmente na música (cujos maiores representantes foram Caetano Veloso, Gilberto Gil, Torquato Neto, Os Mutantes e Tom Zé), as letras das canções possuíam um tom poético, elaborando críticas sociais e abordando temas do cotidiano de uma forma inovadora e criativa; o movimento também influenciou outras manifestações artísticas diversas, como as artes plásticas (destaque para a figura de Hélio Oiticica), o cinema (o movimento sofreu influências e influenciou o Cinema novo de Gláuber Rocha) e o teatro brasileiro (sobretudo nas peças anárquicas de José Celso Martinez Corrêa).
  6. 6. Tropicalia – Caetano Veloso Sobre a cabeça os aviões Sob os meus pés, os caminhões Aponta contra os chapadões, meu nariz Eu organizo o movimento Eu oriento o carnaval Eu inauguro o monumento No planalto central do país Viva a bossa, sa, sa Viva a palhoça, ça, ça, ça, ça O monumento é de papel crepom e prata Os olhos verdes da mulata A cabeleira esconde atrás da verde mata O luar do sertão O monumento não tem porta A entrada é uma rua antiga, Estreita e torta E no joelho uma criança sorridente, Feia e morta, Estende a mão (...)
  7. 7. Da lama ao caos – Nação Zumbi Posso sair daqui para me organizar Posso sair daqui para desorganizar Posso sair daqui para me organizar Posso sair daqui para desorganizar Da lama ao caos, do caos à lama Um homem roubado nunca se engana Da lama ao caos, do caos à lama Um homem roubado nunca se engana O sol queimou, queimou a lama do rio Eu ví um chié andando devagar E um aratu pra lá e pra cá E um caranguejo andando pro sul Saiu do mangue, virou gabiru Ô Josué, eu nunca vi tamanha desgraça Quanto mais miséria tem, mais urubu ameaça Peguei um balaio, fui na feira roubar tomate e cebola Ia passando uma véia, pegou a minha cenoura "Aí minha véia, deixa a cenoura aqui Com a barriga vazia não consigo dormir" E com o bucho mais cheio comecei a pensar Que eu me organizando posso desorganizar (...)
  8. 8. BONNICI, Thomas, ZOLIN Lúcia Osana. Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem , 2009. Poesia Marginal Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo339/manifesto-antropofago Tropicalia Disponível em: http://tropicalia.com.br/ Tropicalismo Disponível em : http://www.mundoeducacao.com/historiadobrasil/tropicalismo.htm Manifesto Antropófago Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo339/manifesto-antropofago Acessos em Novembro de 2014.

×