SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO
CONVERSA EM FAMÍLIA
Professora: Joana Ormundo Matéria: Teorias do Texto
Maio 2013
Ana Carolina Polo da Cruz Felício RA: B621EE-4
Déa Dilma Dias Corrêa de Souza RA: B804AB-8
Fátima Cristiane M. da Silva RA: B7878F-3
Nelson Chanquini de Lima Filho RA: B821IH-7
Sônia Sara de Oliveira Gomes RA: B7246F7
ÍNDICE
Apresentação.....................................................................................................................1
Transcrição da Conversa...................................................................................................2
Autorização........................................................................................................................4
Análise da Conversação.....................................................................................................5
Questões sobre o trabalho (pré-projeto feito em sala de aula)..........................................8
Bibliografia......................................................................................................................10
APRESENTAÇÃO
Como diria Luiz Antônio Marcuschi, “a conversação é a prática social mais comum no
dia-a-dia das pessoas”. É através dela que podemos observar a nossa língua na prática, a
nossa pontuação, a nossa habilidade de nos comunicarmos com o outro (ou com os
outros) de maneira clara e objetiva, fazendo com que sejamos compreendidos. Em
segundo plano, a análise da conversação nos disponibiliza a construção de identidades
sociais no contexto real, sem artifícios ou correções – é a nossa naturalidade como
falante que domina.
Mas, para realizarmos tal tarefa, é necessária uma enorme coordenação de ações que
vão além da simples habilidade linguística do falante, preocupando-se com os
conhecimentos paralinguísticos (gestos, por exemplo) e sócio-culturais (região,
educação, renda, entre outros), que ultrapassam a visão de uma análise estrutural,
passando para uma interpretação individual de cada integrante da conversa.
Cada falante é único. Cada falante usa a sua língua de uma maneira diferente, sendo o
contexto um dos principais fatores de análise dessa atividade social.“A rigor, a Análise
da Conversação (aqui, tratada constantemente como AC), é uma tentativa de responder
a questões do tipo: como é que as pessoas se entendem ao conversar? Como sabem que
estão se entendendo? Como sabem que estão agindo coordenada e cooperativamente?
Como usam seus conhecimentos linguísticos e outros para criar condições adequadas à
compreensão mútua? Como criam, desenvolvem resolvem conflitos interacionais?”¹
A partir dos conhecimentos adquiridos com a leitura do livro Análise da Conversação,
de Luiz Antônio Marcuschi, e do conhecimento adquirido em sala de aula, buscamos,
neste trabalho, analisar uma conversa de caráter familiar.
¹MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007.
TRANSCRIÇÃO DA CONVERSA
São Paulo - 2013
(Contexto: S está conversando com N sobre a compra de um celular novo quando M
coloca na mesa uma tigela de chouriço que oferece ao J.)
S: Paga mais os... só de taxa, ce deve tá paganu uns quarenta e cinco: : :
M: Olha Joaquim
S: Esse telefone dela é estranho Nelson
M: [[eu naum sei ce gosta ein
N: Eu vou comprá um quivendi ali na Lapa dois chipi
S: Dois chifri não são dois chipis. Que isso”
J: É uma delícia exprementa pra vê qui gostoso que é
S: [[o churiço”
M: É a coisa melhor dibãoqui tem
S: [[ é churiço”
M: É
S: Eu comia isso quando era piquena
N: [[é assado Joaquim”
S: [[am”
M: Ai é muito bão
N: É assado, frito, como que é”
S: É cru
M: [[nããão é cru
S: É os bofi do boi
J: Não é cozido, tá feito, tá feito, é o sangui
M:[[é naaada é o sangui
S: É o sangui do boi tó
M: [[magina o sangue do boi
S: Ce num toma sangue di boi? Comi o sangue di boi ((risada))
N: O boi eu sei qui é gostoso
J: [[muito gostoso
M: Aii eu adoru
(+)
S:Qui horror
J: [[podi frita também mas eu achuqui ele frito ele perde o gosto
N: [[é deixo xo pegar uma... uma latinha
S: [[AHHHHH
J: Issu me faz lembrá o arroz cum...
N: [[meu irmão foi buscá sem álcool puce Joaquim
pera aí
J: Eli faz lembráuuu... o arroz ao molho pardo qui é...
M: [é né”
N: Fedi”
(+)
S: É horrível
J: É, o sangui de galinha qui é uma delícia
M: Ai Joaquim, para
J: Nossa eu... eu não vejo a hora difri
M: [[comi cuca, faisbem
S: [[ai não, naumqueru isso não
AUTORIZAÇÃO
As autorizações foram feitas separadamente numa folha impressa, entregue para a
professora Joana Ormundo.
Eu, Maria Aparecida Polo, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de
maio de dois mil treze,às treze horas.
ASSINATURA: ______________________________________________
Eu, Nelson Henrique Polo, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de
maio de dois mil treze, às treze horas.
ASSINATURA: ______________________________________________
Eu, Silvia Regina Polo da Cruz Felício, autorizo a utilização da gravação de voz feita no
dia doze de maio de dois mil treze, às treze horas.
ASSINATURA: ______________________________________________
Eu, Joaquim Carlos da Cruz Felício, autorizo a utilização da gravação de voz feita no
dia doze de maio de dois mil treze, às treze horas.
ASSINATURA: ______________________________________________
ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO
Esta conversa foi gravada no dia doze de maio de dois mil e treze, por volta das treze
horas, quando a M estava preparando o almoço em comemoração ao dia das mães.
Todos (J, S e N) estavam sentados diante de uma mesa redonda, S estava conversando
com N sobre o celular de uma outra pessoa que não participou do diálogo, enquanto M
estava conversando com J e subitamente, abriu a geladeira e tirou um pote contendo
chouriço e pediu para que J experimentasse.
Logo, a conversa ficou em torno do alimento diferente que M tinha colocado na mesa e
que S e N não estavam muito certos de que conheciam o chouriço e de que era gostoso.
Podemos observar, no decorrer do diálogo, que por diversas vezes os participantes
“atropelam” uns aos outros, querendo tomar o turno, o que nos faz lembrar uma regra
geral básica que Marcuschi citou em seu livro: fala um de cada vez. Se esse esquema
não for seguido, pode acontecer de um falante não entender o outro, formando lacunas
(como aconteceu diversas vezes com o J, que não conseguia terminar a frase) e breves
interrupções que aos olhos dos outros, pode soar como algo grosseiro. Nesse caso, para
evitar esse conflito, é necessário que os falantes observem quem tem a palavra e
quando, respeitando o turno (aqui entendido como aquilo que um falante faz ou diz
enquanto tem a palavra, incluindo aí a possibilidade do silêncio).
Além disso, podemos notar a sobreposição de vozes, ou seja, o turno é realizado desde
seu início por várias pessoas ao mesmo tempo. No momento em que isso ocorre, como
por exemplo:
S: [[o churiço?
M: É a coisa melhor dibãoqui tem
S: [[ é churiço?
M: É
No caso, o S teve que perguntar duas vezes, pois ele não conseguiu atingir a sua meta na
primeira tentativa de perguntar a M o que continha dentro do pote, pois M estava se
dirigindo a todos os falantes e não especificamente a S. Outro exemplo de
simultaneidade:
N: [[é assado Joaquim?
S: [[am?
M: Ai é muito bão
N: É assado, frito, como que é?
S: É cru
M: [[nããão é cru
S: É os bofi do boi
J: Não é cozido, tá feito, tá feito, é o sangui
N também teve de fazer a sua pergunta duas vezes, pois na primeira ele não conseguiu
obter a resposta de J, já que S e M tomaram o turno e responderam por ele. Apenas
quando S concluiu a sua resposta que J pôde responder a N que o chouriço é cozido.
J: Issu me faz lembrá o arroz cum...
N: [[meu irmão foi buscá sem álcool puce Joaquim
pera aí
J: Eli faz lembráuuu... o arroz ao molho pardo qui é...
M: [é né”
J não conseguiu completar a sua frase, pois enquanto estava tentando recordar o
acompanhamento do arroz, N tomou o seu turno e desviou completamente a conversa,
avisando ao J de que o irmão de N foi buscar cerveja sem álcool para J, assunto que não
estava em pauta.
M: Ai Joaquim, para
J: Nossa eu... eu não vejo a hora difri
M: [[comi cuca, faisbem
Mais uma vez, J não conseguiu terminar a sua frase, pois M tomou o seu turno quando
foi se direcionar para outro falante.
Outra observação que pode ser feita em nossa análise é a questão das pausas, hesitações
e o silêncio que ocorreram durante o diálogo.
S: Paga mais os... só de taxa, ce deve tá paganu uns quarenta e cinco: : :
Nessa fala, S tenta se recordar da quantia exata do preço do celular, necessitando de um
tempo para que possa se lembrar do valor, S utiliza de uma técnica chamada
reduplicação de artigo, com a utilização da vogal “o” da palavra “cinco”. Às vezes, essa
técnica funciona para o ouvinte como um pedido de socorro, ou seja, como se ela
tivesse dito “me ajudem a lembrar do valor do celular”.
Em outra situação da conversa, há um breve silêncio:
N: Fedi”
(+)
S: É horrível
Este silêncio pode significar que nenhum dos outros falantes (S, J e M) optou por tomar
o turno, deixando o N sem resposta. Após a pausa, S toma a palavra e responde a
pergunta.
QUESTÕES SOBRE O TRABALHO
(PRÉ-PROJETO FEITO EM SALA DE AULA)
1) Introdução:
Após a leitura do livro Análise da Conversação, de Luiz Antônio Marcuschi, e dos
debates realizados em sala de aula, a professora Joana desenvolveu conosco a criação de
um trabalho onde deveríamos gravar ou filmar uma conversa natural entre no mínimo
dois falantes, transcrevê-la (levando em consideração todos os desvios naturais e
individuais dos falantes) e por fim, analisá-la em seus aspectos linguísticos,
paralinguísticos e sócio-culturais. O trabalho será apresentado em sala de aula para os
colegas e uma versão impressa deve ser entregue para a professora.
2) Objetivos:
Ampliar os nossos conhecimentos sobre a conversação - a prática social mais comum no
dia-a-dia de qualquer falante, reconhecer os marcadores conversacionais presentes na
fala e como eles podem ser transcritos, identificar a noção de turno e a maneira como
ele é distribuído na construção da conversa, discorrer sobre como ocorre à organização
da conversa e como os interlocutores se relacionam, interpretar as pausas, as hesitações,
as entonações e o que elas significam, dialogar com as teorias relacionadas a essa
pesquisa, como linguística textual, sociolinguística, pragmática, análise do discurso,
entre outros.
3) Justificativa:
O trabalho abordou temas que foram além da matéria Teorias do Texto, passando por
outras disciplinas, como: semiótica, filosofia da linguagem, antropologia, história,
sociologia, entre outras. Essa atividade nos trouxe uma nova perspectiva
interdisciplinar, estabelecendo relações com a situação da língua enquanto fala e como
ela se materializa (exterioridade da linguagem), sendo assim, desenvolver a capacidade
de separar a materialidade da língua e seus contextos de produção. Foi uma forma de
investigarmos, como alunos do curso de Letras, os aspectos da organização do texto
conversacional e claro, os fenômenos que ocorrem durante o diálogo.
Outros pontos que observamos através da realização deste trabalho, foram:
Como ocorre a organização da conversa;
O que é o turno e como ele funciona;
Quais são e para que servem os marcadores conversacionais;
Como os falantes sabem que estão se entendendo e como eles se corrigem;
Como eles usam seus conhecimentos linguísticos e outros conhecimentos para
serem compreendidos;
Todos esses tópicos nos ajudaram na compreensão da prática social mais comum no
dia-a-dia: a conversação, e claro, como estudantes de Letras, ampliou a nossa percepção
de língua, de linguagem e da forma como fazemos uso delas na prática. Por mais que
cada falante seja único, todos os falantes buscam um único objetivo: serem capazes de
se comunicar com os outros, se fazendo entender e compreender o que o outro tem a lhe
dizer. É por isso que esse trabalho foi tão importante, pois nos fez compreender como
essa atividade, tão corriqueira em nossas vidas, se realiza e o que ela representa para
todos nós, comunicadores.
4) Metodologia:
A gravação foi feita num almoço em família no dia das mães. Todos estavam reunidos
diante de uma mesa redonda, quando um dos integrantes do grupo colocou o celular na
mesa e começou a gravar, sem que ninguém percebesse. Foram feitos vários “testes”,
pois muitas conversas foram iniciadas, mas terminaram sem uma conclusão, já que
todos estavam falando ao mesmo tempo e quase sempre se desentendiam.
Depois que a conversa foi realizada, foi solicitado a autorização dos participantes da
conversação para que o grupo pudesse fazer uso da gravação no trabalho.
Em seguida foi feita a primeira transcrição, levando em consideração apenas as falas.
Depois de uma correção, iniciamos com a colocação dos marcadores conversacionais e
identificamos os interlocutores do diálogo, colocando os turnos.
Terminada a transcrição, partimos para a organização estrutural do projeto (capa, índice,
apresentação, etc), para depois, desenvolver a análise da conversação.
A última parte foi a impressão do trabalho e a criação do mesmo no PowerPoint para
visualização do projeto em sala de aula.
5) Cronograma:
A gravação foi realizada dia doze de maio de dois mil e treze, por volta das treze horas e
as autorizações foram assinadas aproximadamente trinta minutos depois. A primeira
transcrição foi feita no mesmo dia,às vinte horas. Na terça-feira, começamos a segunda
transcrição e a organização estrutural do projeto foi feita no domingo, dia dezenove de
maio de dois mil e treze, por volta das dezenove e trinta.
Resumidamente, disponibilizamos de uma semana para realizar todo o projeto.
6) Bibliografia:
Leitura do livro:
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007.
7) Anexos:
CD contendo a gravação da conversação.
BIBLIOGRAFIA
Leitura do livro:
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007.
Site consultado:
http://www.coladaweb.com/como-fazer/bibliografia visitado no dia 19/05/13 às
19h50min.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Gêneros textuais orais e escritos
Gêneros textuais orais e escritosGêneros textuais orais e escritos
Gêneros textuais orais e escritos
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Advérbios 7 ano
Advérbios 7 anoAdvérbios 7 ano
Advérbios 7 ano
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
Literatura afrobrasileira
Literatura afrobrasileiraLiteratura afrobrasileira
Literatura afrobrasileira
 
Encontros vocálicos
Encontros vocálicosEncontros vocálicos
Encontros vocálicos
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Discurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livreDiscurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livre
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
Pressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendidoPressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendido
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 

Destaque

Análise da conversação power point
Análise da conversação   power pointAnálise da conversação   power point
Análise da conversação power pointDaniele Lopes Lopes
 
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certo
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certoApresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certo
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certolanahana
 
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticos
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticosTrabalho de portugues- analise de artigos jornalisticos
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticosRodrigo Moraes
 
Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosAna Cristina Ramos
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Biblioteca FEAUSP
 
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosAtividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosaldreatrindade
 
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamentalProposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamentalRosemary Batista
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaRayane Paula
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetizaçãoLeitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetizaçãoLorena Lopes
 
Texto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoTexto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoSilvânia Silveira
 

Destaque (14)

Análise da conversação power point
Análise da conversação   power pointAnálise da conversação   power point
Análise da conversação power point
 
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certo
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certoApresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certo
Apresentaã§ã£o completa trancriã§ã£o slide certo
 
Aula vi introdução á análise da conversação
Aula vi   introdução á análise da conversaçãoAula vi   introdução á análise da conversação
Aula vi introdução á análise da conversação
 
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticos
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticosTrabalho de portugues- analise de artigos jornalisticos
Trabalho de portugues- analise de artigos jornalisticos
 
Lições de lp para o 5º ano
Lições de lp para o 5º anoLições de lp para o 5º ano
Lições de lp para o 5º ano
 
Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticos
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
 
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosAtividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
 
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamentalProposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 4º e 5º ano do ensino fundamental
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
 
Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetizaçãoLeitura e interpretação de texto para alfabetização
Leitura e interpretação de texto para alfabetização
 
Texto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoTexto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º ano
 

Semelhante a Trabalho de Análise da Conversação - Teorias do Texto

Estudo de gramática 6°ano – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos
Estudo de gramática   6°ano  – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos Estudo de gramática   6°ano  – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos
Estudo de gramática 6°ano – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos Luiza Collet
 
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdfRaiana Lima
 
Paulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naoPaulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naotonyesther
 
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano efAlex Santos
 

Semelhante a Trabalho de Análise da Conversação - Teorias do Texto (9)

Estudo de gramática 6°ano – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos
Estudo de gramática   6°ano  – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos Estudo de gramática   6°ano  – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos
Estudo de gramática 6°ano – 2°trimestre – maio profa. vanessa dos santos
 
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf
15.-Por-uma-Pedagogia-da-Pergunta-Paulo-Freire.pdf
 
Paulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia naoPaulo freire professora sim tia nao
Paulo freire professora sim tia nao
 
A escutatória.pdf
A escutatória.pdfA escutatória.pdf
A escutatória.pdf
 
Entretecendo fios entre fala e escrita
Entretecendo fios entre fala e escritaEntretecendo fios entre fala e escrita
Entretecendo fios entre fala e escrita
 
521183 (1).pptx
521183 (1).pptx521183 (1).pptx
521183 (1).pptx
 
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
 
Livrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completoLivrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completo
 
Professora sim, tia não
Professora sim, tia nãoProfessora sim, tia não
Professora sim, tia não
 

Mais de Ana Polo

Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishAna Polo
 
Pós modernidade
Pós modernidadePós modernidade
Pós modernidadeAna Polo
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Ana Polo
 
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel BandeiraLibertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel BandeiraAna Polo
 
Análise de imagens - Semiótica Social Visual
Análise de imagens - Semiótica Social VisualAnálise de imagens - Semiótica Social Visual
Análise de imagens - Semiótica Social VisualAna Polo
 
Análise da Revista Tititi para a disciplina de Morfossintaxe
Análise da Revista Tititi para a disciplina de MorfossintaxeAnálise da Revista Tititi para a disciplina de Morfossintaxe
Análise da Revista Tititi para a disciplina de MorfossintaxeAna Polo
 
PLANO DE AULA Fome Come LP/Artes
PLANO DE AULA Fome Come LP/ArtesPLANO DE AULA Fome Come LP/Artes
PLANO DE AULA Fome Come LP/ArtesAna Polo
 
Análise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAnálise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAna Polo
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAna Polo
 
Análise das categorias de Atos de Fala
Análise das categorias de Atos de FalaAnálise das categorias de Atos de Fala
Análise das categorias de Atos de FalaAna Polo
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreAna Polo
 
Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13Ana Polo
 

Mais de Ana Polo (12)

Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
 
Pós modernidade
Pós modernidadePós modernidade
Pós modernidade
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro"
 
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel BandeiraLibertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
 
Análise de imagens - Semiótica Social Visual
Análise de imagens - Semiótica Social VisualAnálise de imagens - Semiótica Social Visual
Análise de imagens - Semiótica Social Visual
 
Análise da Revista Tititi para a disciplina de Morfossintaxe
Análise da Revista Tititi para a disciplina de MorfossintaxeAnálise da Revista Tititi para a disciplina de Morfossintaxe
Análise da Revista Tititi para a disciplina de Morfossintaxe
 
PLANO DE AULA Fome Come LP/Artes
PLANO DE AULA Fome Come LP/ArtesPLANO DE AULA Fome Come LP/Artes
PLANO DE AULA Fome Come LP/Artes
 
Análise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAnálise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneo
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um Apólogo
 
Análise das categorias de Atos de Fala
Análise das categorias de Atos de FalaAnálise das categorias de Atos de Fala
Análise das categorias de Atos de Fala
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
 
Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13
 

Último

ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 

Último (20)

ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 

Trabalho de Análise da Conversação - Teorias do Texto

  • 1. ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO CONVERSA EM FAMÍLIA Professora: Joana Ormundo Matéria: Teorias do Texto Maio 2013 Ana Carolina Polo da Cruz Felício RA: B621EE-4 Déa Dilma Dias Corrêa de Souza RA: B804AB-8 Fátima Cristiane M. da Silva RA: B7878F-3 Nelson Chanquini de Lima Filho RA: B821IH-7 Sônia Sara de Oliveira Gomes RA: B7246F7
  • 2. ÍNDICE Apresentação.....................................................................................................................1 Transcrição da Conversa...................................................................................................2 Autorização........................................................................................................................4 Análise da Conversação.....................................................................................................5 Questões sobre o trabalho (pré-projeto feito em sala de aula)..........................................8 Bibliografia......................................................................................................................10
  • 3. APRESENTAÇÃO Como diria Luiz Antônio Marcuschi, “a conversação é a prática social mais comum no dia-a-dia das pessoas”. É através dela que podemos observar a nossa língua na prática, a nossa pontuação, a nossa habilidade de nos comunicarmos com o outro (ou com os outros) de maneira clara e objetiva, fazendo com que sejamos compreendidos. Em segundo plano, a análise da conversação nos disponibiliza a construção de identidades sociais no contexto real, sem artifícios ou correções – é a nossa naturalidade como falante que domina. Mas, para realizarmos tal tarefa, é necessária uma enorme coordenação de ações que vão além da simples habilidade linguística do falante, preocupando-se com os conhecimentos paralinguísticos (gestos, por exemplo) e sócio-culturais (região, educação, renda, entre outros), que ultrapassam a visão de uma análise estrutural, passando para uma interpretação individual de cada integrante da conversa. Cada falante é único. Cada falante usa a sua língua de uma maneira diferente, sendo o contexto um dos principais fatores de análise dessa atividade social.“A rigor, a Análise da Conversação (aqui, tratada constantemente como AC), é uma tentativa de responder a questões do tipo: como é que as pessoas se entendem ao conversar? Como sabem que estão se entendendo? Como sabem que estão agindo coordenada e cooperativamente? Como usam seus conhecimentos linguísticos e outros para criar condições adequadas à compreensão mútua? Como criam, desenvolvem resolvem conflitos interacionais?”¹ A partir dos conhecimentos adquiridos com a leitura do livro Análise da Conversação, de Luiz Antônio Marcuschi, e do conhecimento adquirido em sala de aula, buscamos, neste trabalho, analisar uma conversa de caráter familiar. ¹MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007.
  • 4. TRANSCRIÇÃO DA CONVERSA São Paulo - 2013 (Contexto: S está conversando com N sobre a compra de um celular novo quando M coloca na mesa uma tigela de chouriço que oferece ao J.) S: Paga mais os... só de taxa, ce deve tá paganu uns quarenta e cinco: : : M: Olha Joaquim S: Esse telefone dela é estranho Nelson M: [[eu naum sei ce gosta ein N: Eu vou comprá um quivendi ali na Lapa dois chipi S: Dois chifri não são dois chipis. Que isso” J: É uma delícia exprementa pra vê qui gostoso que é S: [[o churiço” M: É a coisa melhor dibãoqui tem S: [[ é churiço” M: É S: Eu comia isso quando era piquena N: [[é assado Joaquim” S: [[am” M: Ai é muito bão N: É assado, frito, como que é” S: É cru M: [[nããão é cru S: É os bofi do boi J: Não é cozido, tá feito, tá feito, é o sangui M:[[é naaada é o sangui S: É o sangui do boi tó
  • 5. M: [[magina o sangue do boi S: Ce num toma sangue di boi? Comi o sangue di boi ((risada)) N: O boi eu sei qui é gostoso J: [[muito gostoso M: Aii eu adoru (+) S:Qui horror J: [[podi frita também mas eu achuqui ele frito ele perde o gosto N: [[é deixo xo pegar uma... uma latinha S: [[AHHHHH J: Issu me faz lembrá o arroz cum... N: [[meu irmão foi buscá sem álcool puce Joaquim pera aí J: Eli faz lembráuuu... o arroz ao molho pardo qui é... M: [é né” N: Fedi” (+) S: É horrível J: É, o sangui de galinha qui é uma delícia M: Ai Joaquim, para J: Nossa eu... eu não vejo a hora difri M: [[comi cuca, faisbem S: [[ai não, naumqueru isso não
  • 6. AUTORIZAÇÃO As autorizações foram feitas separadamente numa folha impressa, entregue para a professora Joana Ormundo. Eu, Maria Aparecida Polo, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de maio de dois mil treze,às treze horas. ASSINATURA: ______________________________________________ Eu, Nelson Henrique Polo, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de maio de dois mil treze, às treze horas. ASSINATURA: ______________________________________________ Eu, Silvia Regina Polo da Cruz Felício, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de maio de dois mil treze, às treze horas. ASSINATURA: ______________________________________________ Eu, Joaquim Carlos da Cruz Felício, autorizo a utilização da gravação de voz feita no dia doze de maio de dois mil treze, às treze horas. ASSINATURA: ______________________________________________
  • 7. ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO Esta conversa foi gravada no dia doze de maio de dois mil e treze, por volta das treze horas, quando a M estava preparando o almoço em comemoração ao dia das mães. Todos (J, S e N) estavam sentados diante de uma mesa redonda, S estava conversando com N sobre o celular de uma outra pessoa que não participou do diálogo, enquanto M estava conversando com J e subitamente, abriu a geladeira e tirou um pote contendo chouriço e pediu para que J experimentasse. Logo, a conversa ficou em torno do alimento diferente que M tinha colocado na mesa e que S e N não estavam muito certos de que conheciam o chouriço e de que era gostoso. Podemos observar, no decorrer do diálogo, que por diversas vezes os participantes “atropelam” uns aos outros, querendo tomar o turno, o que nos faz lembrar uma regra geral básica que Marcuschi citou em seu livro: fala um de cada vez. Se esse esquema não for seguido, pode acontecer de um falante não entender o outro, formando lacunas (como aconteceu diversas vezes com o J, que não conseguia terminar a frase) e breves interrupções que aos olhos dos outros, pode soar como algo grosseiro. Nesse caso, para evitar esse conflito, é necessário que os falantes observem quem tem a palavra e quando, respeitando o turno (aqui entendido como aquilo que um falante faz ou diz enquanto tem a palavra, incluindo aí a possibilidade do silêncio). Além disso, podemos notar a sobreposição de vozes, ou seja, o turno é realizado desde seu início por várias pessoas ao mesmo tempo. No momento em que isso ocorre, como por exemplo: S: [[o churiço? M: É a coisa melhor dibãoqui tem S: [[ é churiço? M: É No caso, o S teve que perguntar duas vezes, pois ele não conseguiu atingir a sua meta na primeira tentativa de perguntar a M o que continha dentro do pote, pois M estava se dirigindo a todos os falantes e não especificamente a S. Outro exemplo de simultaneidade: N: [[é assado Joaquim? S: [[am? M: Ai é muito bão N: É assado, frito, como que é?
  • 8. S: É cru M: [[nããão é cru S: É os bofi do boi J: Não é cozido, tá feito, tá feito, é o sangui N também teve de fazer a sua pergunta duas vezes, pois na primeira ele não conseguiu obter a resposta de J, já que S e M tomaram o turno e responderam por ele. Apenas quando S concluiu a sua resposta que J pôde responder a N que o chouriço é cozido. J: Issu me faz lembrá o arroz cum... N: [[meu irmão foi buscá sem álcool puce Joaquim pera aí J: Eli faz lembráuuu... o arroz ao molho pardo qui é... M: [é né” J não conseguiu completar a sua frase, pois enquanto estava tentando recordar o acompanhamento do arroz, N tomou o seu turno e desviou completamente a conversa, avisando ao J de que o irmão de N foi buscar cerveja sem álcool para J, assunto que não estava em pauta. M: Ai Joaquim, para J: Nossa eu... eu não vejo a hora difri M: [[comi cuca, faisbem Mais uma vez, J não conseguiu terminar a sua frase, pois M tomou o seu turno quando foi se direcionar para outro falante. Outra observação que pode ser feita em nossa análise é a questão das pausas, hesitações e o silêncio que ocorreram durante o diálogo. S: Paga mais os... só de taxa, ce deve tá paganu uns quarenta e cinco: : : Nessa fala, S tenta se recordar da quantia exata do preço do celular, necessitando de um tempo para que possa se lembrar do valor, S utiliza de uma técnica chamada reduplicação de artigo, com a utilização da vogal “o” da palavra “cinco”. Às vezes, essa técnica funciona para o ouvinte como um pedido de socorro, ou seja, como se ela tivesse dito “me ajudem a lembrar do valor do celular”. Em outra situação da conversa, há um breve silêncio:
  • 9. N: Fedi” (+) S: É horrível Este silêncio pode significar que nenhum dos outros falantes (S, J e M) optou por tomar o turno, deixando o N sem resposta. Após a pausa, S toma a palavra e responde a pergunta.
  • 10. QUESTÕES SOBRE O TRABALHO (PRÉ-PROJETO FEITO EM SALA DE AULA) 1) Introdução: Após a leitura do livro Análise da Conversação, de Luiz Antônio Marcuschi, e dos debates realizados em sala de aula, a professora Joana desenvolveu conosco a criação de um trabalho onde deveríamos gravar ou filmar uma conversa natural entre no mínimo dois falantes, transcrevê-la (levando em consideração todos os desvios naturais e individuais dos falantes) e por fim, analisá-la em seus aspectos linguísticos, paralinguísticos e sócio-culturais. O trabalho será apresentado em sala de aula para os colegas e uma versão impressa deve ser entregue para a professora. 2) Objetivos: Ampliar os nossos conhecimentos sobre a conversação - a prática social mais comum no dia-a-dia de qualquer falante, reconhecer os marcadores conversacionais presentes na fala e como eles podem ser transcritos, identificar a noção de turno e a maneira como ele é distribuído na construção da conversa, discorrer sobre como ocorre à organização da conversa e como os interlocutores se relacionam, interpretar as pausas, as hesitações, as entonações e o que elas significam, dialogar com as teorias relacionadas a essa pesquisa, como linguística textual, sociolinguística, pragmática, análise do discurso, entre outros. 3) Justificativa: O trabalho abordou temas que foram além da matéria Teorias do Texto, passando por outras disciplinas, como: semiótica, filosofia da linguagem, antropologia, história, sociologia, entre outras. Essa atividade nos trouxe uma nova perspectiva interdisciplinar, estabelecendo relações com a situação da língua enquanto fala e como ela se materializa (exterioridade da linguagem), sendo assim, desenvolver a capacidade de separar a materialidade da língua e seus contextos de produção. Foi uma forma de investigarmos, como alunos do curso de Letras, os aspectos da organização do texto conversacional e claro, os fenômenos que ocorrem durante o diálogo. Outros pontos que observamos através da realização deste trabalho, foram: Como ocorre a organização da conversa; O que é o turno e como ele funciona; Quais são e para que servem os marcadores conversacionais; Como os falantes sabem que estão se entendendo e como eles se corrigem; Como eles usam seus conhecimentos linguísticos e outros conhecimentos para serem compreendidos; Todos esses tópicos nos ajudaram na compreensão da prática social mais comum no dia-a-dia: a conversação, e claro, como estudantes de Letras, ampliou a nossa percepção de língua, de linguagem e da forma como fazemos uso delas na prática. Por mais que cada falante seja único, todos os falantes buscam um único objetivo: serem capazes de se comunicar com os outros, se fazendo entender e compreender o que o outro tem a lhe
  • 11. dizer. É por isso que esse trabalho foi tão importante, pois nos fez compreender como essa atividade, tão corriqueira em nossas vidas, se realiza e o que ela representa para todos nós, comunicadores. 4) Metodologia: A gravação foi feita num almoço em família no dia das mães. Todos estavam reunidos diante de uma mesa redonda, quando um dos integrantes do grupo colocou o celular na mesa e começou a gravar, sem que ninguém percebesse. Foram feitos vários “testes”, pois muitas conversas foram iniciadas, mas terminaram sem uma conclusão, já que todos estavam falando ao mesmo tempo e quase sempre se desentendiam. Depois que a conversa foi realizada, foi solicitado a autorização dos participantes da conversação para que o grupo pudesse fazer uso da gravação no trabalho. Em seguida foi feita a primeira transcrição, levando em consideração apenas as falas. Depois de uma correção, iniciamos com a colocação dos marcadores conversacionais e identificamos os interlocutores do diálogo, colocando os turnos. Terminada a transcrição, partimos para a organização estrutural do projeto (capa, índice, apresentação, etc), para depois, desenvolver a análise da conversação. A última parte foi a impressão do trabalho e a criação do mesmo no PowerPoint para visualização do projeto em sala de aula. 5) Cronograma: A gravação foi realizada dia doze de maio de dois mil e treze, por volta das treze horas e as autorizações foram assinadas aproximadamente trinta minutos depois. A primeira transcrição foi feita no mesmo dia,às vinte horas. Na terça-feira, começamos a segunda transcrição e a organização estrutural do projeto foi feita no domingo, dia dezenove de maio de dois mil e treze, por volta das dezenove e trinta. Resumidamente, disponibilizamos de uma semana para realizar todo o projeto. 6) Bibliografia: Leitura do livro: MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007. 7) Anexos: CD contendo a gravação da conversação.
  • 12. BIBLIOGRAFIA Leitura do livro: MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. 6 ed. São Paulo: Ática, 2007. Site consultado: http://www.coladaweb.com/como-fazer/bibliografia visitado no dia 19/05/13 às 19h50min.