The Lovers
Disciplina: História
Trabalho realizado por:
Ana Canteiro
Índice
Obra
Opinião Pessoal
Autor
Outras Obras
Obra
Obra
“The Lovers” é uma das obras mais conhecidas de Rene
Magritte concluída em 1928, criada em Paris, França.
De momento ...
Opinião Pessoal
A frase “o amor é cego ” foi uma das
primeiras a surgir-me na minha
cabeça.
Creio também que esse quadro
p...
Autor
René François Ghislain Magritte, nasceu em
Lessines, Bélgica, dia 21 de Novembro de 1898,
filho de Léopold e Régina ...
Obras e Características
René Magritte praticava o surrealismo realista, ou
“realismo mágico”. Começou imitando a vanguarda...
Le jockey perdu (Outras Obras)
Em 1926, Magritte
produziu sua primeira
pintura surrealista, Le
jockey perdu, tendo
sua pri...
A Queda (Outras Obras)
Magritte tinha espírito travesso,
e, em A queda, seus homens
de chapéus-coco
bizarros despencam do ...
Bibliografia
http://www.maati.tv/wp-content/uploads/2012/11/Rene+Magrit
http://3.bp.blogspot.com/_tQqY6WH-2p8/S7lw0IFj6a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

The lovers

330 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

The lovers

  1. 1. The Lovers Disciplina: História Trabalho realizado por: Ana Canteiro
  2. 2. Índice Obra Opinião Pessoal Autor Outras Obras
  3. 3. Obra
  4. 4. Obra “The Lovers” é uma das obras mais conhecidas de Rene Magritte concluída em 1928, criada em Paris, França. De momento está exposta no Museu de Arte Moderna de Nova York,EUA. Esta pintura tem 54 X 73,4 cm, o seu estilo é o Surrealismo onde a pintura traz um valor simbólico. Esta, não traz qualquer significado concebido pelo artista. Apesar de ser algo não normal, dois amantes se beijarem com as cabeças envolvidas por tecido, a obra não me causa estranheza. Talvez seja pela forma como as relações são levadas hoje em dia, á maioria de forma leviana e superficial.
  5. 5. Opinião Pessoal A frase “o amor é cego ” foi uma das primeiras a surgir-me na minha cabeça. Creio também que esse quadro pode ser a expressão da falta de comunicação na ilusão da própria comunicação, a conexão da modernidade líquida contrapondo a relação das velhas sociedades ditas, baseada numa responsabilidade mútua. Notei, apesar do quadro mostrar um casal se beijando, o beijo, a relação firmada, é evitada, pelos sacos de pano na cabeça de cada amante. São amantes que não querem o obstáculo do outro para obstruir seus rios tão ávidos por movimento.
  6. 6. Autor René François Ghislain Magritte, nasceu em Lessines, Bélgica, dia 21 de Novembro de 1898, filho de Léopold e Régina Magritte. Em 1916, entrou na Académie Royale des Beaux- Arts, em Bruxelas, onde estudou por dois anos. Foi durante esse período que ele conheceu Georgette Berger, com quem se casou em 1922. René trabalhou em uma fábrica de papel de Parede, e foi designer de cartazes e anúncios até 1926, quando conseguiu um contrato com a Galerie la Centaure, na capital belga, fez da pintura sua principal atividade. Quando a Galerie la Centaure fechou e seu contrato encerrou, Magritte retornou a Bruxelas, permanecendo na cidade mesmo durante a ocupação alemã, na Segunda Guerra Mundial. Seu trabalho foi exposto em 1936 na cidade de Nova York, Estados Unidos, e em mais duas exposições retrospectivas nessa mesma cidade, uma no Museu de Arte Moderna, em 1965, e outra no Metropolitan Museum of Art, em 1992. Magritte morreu de cancro e foi enterrado no Cemitério Schaarbeek, em Bruxelas.
  7. 7. Obras e Características René Magritte praticava o surrealismo realista, ou “realismo mágico”. Começou imitando a vanguarda, mas precisava realmente de uma linguagem mais poética e viu-se influenciado pela pintura metafísica de Giorgio de Chirico. Pintor de imagens insólitas, às quais deu tratamento rigorosamente realista, utilizou-se de processos ilusionistas, sempre à procura do contraste entre o tratamento realista dos objetos e a atmosfera irreal dos conjuntos. Suas obras são metáforas que se apresentam como representações realistas, através da justaposição de objetos comuns, e símbolos recorrentes em sua obra, tais como o torso feminino, o chapéu côco, o castelo, a rocha e a janela, entre outros mais, porém de um modo impossível de ser encontrado na vida real.
  8. 8. Le jockey perdu (Outras Obras) Em 1926, Magritte produziu sua primeira pintura surrealista, Le jockey perdu, tendo sua primeira exposição apresentada no ano seguinte.
  9. 9. A Queda (Outras Obras) Magritte tinha espírito travesso, e, em A queda, seus homens de chapéus-coco bizarros despencam do céu absolutamente serenos, expressando algo da vida como conhecemos. Sua arte, pintada com tal nitidez que parece muitíssimo realista, caracteriza o amor surrealista aos paradoxos visuais: embora as coisas possam dar a impressão de serem normais, existem anormalias por toda a parte: A Queda tem uma estranha exatidão, e o surrealismo atrai justamente porque explora nossa compreensão oculta da esquisitice terrena.
  10. 10. Bibliografia http://www.maati.tv/wp-content/uploads/2012/11/Rene+Magrit http://3.bp.blogspot.com/_tQqY6WH-2p8/S7lw0IFj6aI/AAAAA http://imgc.artprintimages.com/images/art-print/rene- magritte-les-amants-lovers-_i-G-51-5141-8SSEG00Z.jpg http://www.interiors.intendo.net/magritte/golconde.jpg http://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%A9_Magritte http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Magritte675.jpg

×