Rvcc – NíVel SecundáRio

10.048 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

Rvcc – NíVel SecundáRio

  1. 1. RVCC – Nível Secundário Histórias de Vida Balanço de Competências Histórias de Vida - Balanço de Competências - PRA
  2. 2. Histórias de Vida <ul><li>O adulto, ao relatar a sua História de Vida, torna-se o centro deste processo de aprendizagem. </li></ul><ul><li>Identifica-se, relatando as suas experiências, reflecte sobre a sua vivência, relacionando-a com o seu meio de trabalho, o meio familiar e com o meio social e seus grupos de pertença. </li></ul><ul><li>As Histórias de Vida são simultaneamente conteúdo e método de aprendizagem. </li></ul>
  3. 3. Histórias de Vida <ul><li>Importam as experiências ligadas às responsabilidades familiares, responsabilidades profissionais, cívicas e até políticas. </li></ul><ul><li>Retorno a aprendizagens consolidadas num trajecto de vida, ou seja, a aprendizagem como que se constrói sobre projectos e experiências do percurso de vida. </li></ul><ul><li>Pode utilizar materiais biográficos adicionais como documentos pessoais que revelem actividades, práticas e testemunhos – diários, documentos oficiais, fotografias, materiais gráficos de ordem vária, cartas, respostas a questionários e entrevistas, textos diversos da autoria dos candidatos, etc. </li></ul>
  4. 4. Histórias de Vida <ul><li>Para que uma experiência seja verdadeiramente formadora é necessário realçar a perspectiva e o ângulo de aprendizagem: </li></ul><ul><li>- Qual a minha formação? </li></ul><ul><li>- Como é que me formei? </li></ul><ul><li>- O que é que senti? </li></ul><ul><li>Trabalho de reflexividade sobre a sua identidade, necessidades, escolhas, decisões e sobre as próprias ideias. </li></ul>
  5. 5. Histórias de Vida <ul><li>Aprendizagem formal : «aprendizagem tradicionalmente dispensada por um estabelecimento de ensino ou de formação, estruturada (em termos de objectivos, duração e recursos), conducente à certificação. É intencional do ponto de vista do aprendente.» </li></ul><ul><li>Aprendizagem não formal: «aprendizagem não dispensada por um estabelecimento de ensino ou de formação e que não conduz, tradicionalmente, à certificação. É, todavia estruturada (em termos de objectivos, duração e recursos). É intencional do ponto de vista do aprendente.» </li></ul><ul><li>Aprendizagem informal: «decorrente das actividades da vida quotidiana, relacionadas com o trabalho, a família ou o lazer. Não é estruturada (em termos de objectivos, duração e recursos) e não conduz, tradicionalmente, à certificação. Pode ser intencional, mas, na maior parte dos casos, é não intencional (carácter fortuito/aleatório) do ponto de vista do aprendente.» </li></ul>
  6. 6. Balanço de Competências <ul><li>Diagnóstico e avaliação de competências mobilizadas ou desenvolvidas com os adquiridos na vida de cada um, evidenciando as interacções das competências em várias esferas da vida do ser humano: </li></ul><ul><li>a) conceptual, </li></ul><ul><li>b) de relacionamento e comportamento humano, </li></ul><ul><li>c) práticas concretas. </li></ul>
  7. 7. Balanço de Competências <ul><li>Auto e hetero-avaliação que faz emergir uma representação de si revelada nas dimensões de vida pessoal, social e profissional de cada adulto. </li></ul><ul><li>Forte envolvimento dos implicados na construção e monitorização do seu desenvolvimento. </li></ul><ul><li>Olhar sobre as experiências vividas, (re)dizê-las para se apropriar delas. </li></ul><ul><li>Reconhecimento dos saberes práticos, dos conhecimentos tácitos adquiridos por experiência. </li></ul>
  8. 8. Balanço de Competências <ul><li>Implica o sujeito na constituição de uma carteira pessoal dos saberes em acção, coligindo evidências desse itinerário, procurando formas (reconhecidas) de validar essas competências, valorizando explicitamente percursos trilhados e potenciando a motivação necessária para desenvolver voluntariamente novas aprendizagens. </li></ul><ul><li>Exploração, análise de saberes, expondo competências na perspectiva da construção de projectos de vida pessoais e profissionais seu no percurso singular. </li></ul>
  9. 9. Histórias de Vida - Balanço de Competências - PRA <ul><li>Se as Histórias de Vida conduzem ao Balanço de Competências, o Balanço de Competências, por sua vez, é materializado no Portefólio Reflexivo de Aprendizagens (PRA). </li></ul><ul><li>O PRA é um documento que se articula e decorre das Histórias de Vida e do Balanço de Competências. </li></ul><ul><li>Combinatória de vários documentos (de natureza textual ou não) que revela o desenvolvimento e progresso na aprendizagem, explicitando os esforços relevantes realizados para alcançar os objectivos acordados </li></ul>
  10. 10. Histórias de Vida - Balanço de Competências - PRA <ul><li>Representativo do processo e do produto de aprendizagem. </li></ul><ul><li>Documenta experiências significativas e é fruto de uma selecção pessoal. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de um perfil de competências meta-cognitivas e meta-reflexivas, sobre o próprio conhecimento, que nele se procura evidenciar, demonstrar. </li></ul>

×