Introdução    Tudo começou no dia 5 de dezembro quando comemoramos, no nosso agrupamento, o DiaInternacional da Pessoa com...
A história começou…                      2
No Centro Escolar de Louredo os professores juntaram-se e contaram em fantoches a história do Dragão e da Princesa aos alu...
O tempo de terror e humilhação já era passado e o Dragão agora era feliz. E a felicidade que ele sentia devia-se ao facto ...
Na aldeia morava um menino muito distraído, que andava sempre com a cabeça na lua à procura deborboletas. Um dia, distraíd...
O Pedro não aparecia e a Princesa adoeceu com as                                                            saudades que s...
O médico chegou perto da Princesa para fazer o             seu melhor, mas no ar pairava um silêncio quase             ass...
E um novo caminho ganhou…                            8
A Princesa queria fazer novos amigos, decidiu então enviar um postal para várias escolas. No postaldizia assim:         Ca...
O Carlos do 1º ano teve uma ideia:       - Temos de ir à caverna onde moram os dragões!       Então alguns meninos foram a...
Os meninos da escola de Gião também responderam ao convite da Princesa.Olá Princesa,    És muito bonita e tens um amigo mu...
Os meninos do 4ºB da escola de Gião ficaram ansiosos pela festa e pela surpresa e exclamaram:    - A melhor surpresa seria...
As crianças do Jardim de Infância de Gião, da sala B, ficaram eufóricas com o convite da Princesa.Todas as crianças transm...
A dona da “Doçuras Açucaradas” era a dona Matilde, uma senhora com cerca de sessenta anos,cabelos brancos e com um rosto o...
Todas as crianças brincaram com a Princesa e o Dragão! O salão era muito grande e estava enfeitadocom balões, desenhos e l...
Mas logo outro se atravessou…                            16
A Princesa vivia feliz na sua aldeia mas queria conhecer mais e mais pessoas e, com a ajuda do Dragãoe de todos os seus am...
- Isso é um caso muito complicado! Não vos posso ajudar porque não sei ler Braille, mas sei de umapessoa que talvez vos po...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho final escola + humana 2012

1.956 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Trabalho final escola + humana 2012

  1. 1. Introdução Tudo começou no dia 5 de dezembro quando comemoramos, no nosso agrupamento, o DiaInternacional da Pessoa com Deficiência, com a dinamização de diversas atividades de sensibilização para adeficiência, numa perspetiva positiva, focalizada não nas incapacidades, mas nas potencialidades de cadaum. Acreditamos que o olhar sobre aquilo de que cada um é capaz, gera uma outra atitude, em que há lugarpara ultrapassar barreiras, em que há lugar para acreditar que é possível… Apostando nesta perspetiva, um grupo de jovens da Cercigaia dinamizou a história O Dragão e aPrincesa, que nos fala de uma princesa muito especial. Partindo desta história, o grupo de EducaçãoEspecial lançou o desafio “Imaginar + além”, em que os alunos deveriam dar continuidade a esta narrativaenternecedora, que sensibiliza para a inclusão da diferença, para os direitos das Pessoas Especiais. Em cada escola, foram traçados novos caminhos. As turmas do 4º e 3º anos da EB1 do Candal, 1ºA,2ºB e 4ºB do Centro Escolar de Lobão, Pré, 3º e 4ºB da EB1 de Gião e Centro Escolar de Louredo,abraçaram este desafio e deram largas à imaginação alongando a história, que ganhou novas personagens,novos tramas e novos cenários.Com a criatividade dos alunos, a história continuou, mas ainda não acabou…No final, deixamos o convite a todos os que leram este trabalho para novos rumos a esta história dar. 1
  2. 2. A história começou… 2
  3. 3. No Centro Escolar de Louredo os professores juntaram-se e contaram em fantoches a história do Dragão e da Princesa aos alunos. Assim começou a narração da história O Dragão e a Princesa… Era uma vez um Dragão que, apesar do seu enorme tamanho, tinha medo dos homens e fugia deles. Tudo porque, quando era mais novo e pequeno, foi capturado pelos homens e feito prisioneiro num circo. Nesse circo, ele era maltratado e preso a uma corrente o tempo todo. Apenas lha retiravam quando começava o espetáculo em que era obrigado a fazer papel de mau. Então aí era mais mal tratado e humilhado,obrigado a fazer coisas más só para espantar eassustar as pessoas. E assim foi durante anos sempre o mesmo a serepetir, com o dragão cansado, farto e desejoso defugir! Mas, num momento de distração, sem ninguém se aperceber, pôs-se em fuga o Dragão para nunca mais aparecer… 3
  4. 4. O tempo de terror e humilhação já era passado e o Dragão agora era feliz. E a felicidade que ele sentia devia-se ao facto de, ao longo da sua caminhada, ter encontrado uma menina. Uma menina que nasceu diferente e, devido à sua diferença, fora abandonada pelos homens no meio do mato. Esteve quase, quase a ser comida pelos lobos, não fosse a coragem do Dragão para a salvar. Era uma alcateia de lobos ferozes e famintos, capazes de comer a princesa, o Dragão e quem mais aparecesse. O Dragão, corajoso e sem nada a temer, socorreu a menina e com ela quis viver. O Dragão vagueava pelo mundo com a sua menina, escondido dos homens, para não lhe fazerem mal. Foi então que encontrou um castelo abandonado, o qual se dizia já há muito tempo que era habitado por fantasmas. Mas como o Dragão sabia que não existiam fantasmas, fez dele o seu lar. Chamou a menina de Princesa e decidiu que seria muito feliz ali. Toda a pessoa que se aproximava do castelo, ele assustava soprando fogo pelas ventas, pois as pessoas tinham sido muito más para ele e para a Princesa. As pessoas das redondezas não queriam passar pertonem ouvir falar do assombrado castelo com fantasmas,monstros e dragões, e isso era o que o Dragão queria paranão fazerem mal à sua menina. Estava assim o Dragãosossegado e concentrado na educação do melhor serhumano do mundo, a sua Princesa, que estava protegida elonge do contacto com as pessoas más. Os anos foram passando, a Princesa crescendo etornando-se cada vez mais curiosa! Olhava para a aldeiadistante e perguntava: - Quem são aquelas pequenas pessoas que vivem lá embaixo? - Lá no fundo naquele vale, vivem pessoas muito más. Sónos querem fazer mal. Peço-te que nunca lá vás! 4
  5. 5. Na aldeia morava um menino muito distraído, que andava sempre com a cabeça na lua à procura deborboletas. Um dia, distraído atrás de uma borboleta, começou a subir o monte em direção ao castelo.Subiu…subiu… Estava muito habituado e treinado a perseguir borboletas, por isso conseguia andar por entre osarbustos em silêncio. Ele não as queria assustar, pois com o barulho, as borboletas fugiam. O menino gostava muito de apreciar os animais em liberdade, pois achava que eles eram mais bonitos efelizes sendo livres. Enquanto a borboleta passeava de folha para ramo, de ramo para flor, de flor para erva, o menino continuavaatrás dela e, sem se aperceber, aproximava-se perigosamente do castelo. Até que, inesperadamente, comenorme surpresa, a borboleta pousou no cabelo da linda Princesa. Frente a frente, olhando um para o outro,disseram ao mesmo tempo: - Que coisa tão linda! - Quem? A borboleta? - Não, tu! Nunca vi nada tão belo!... A Princesa, contente, ao menino agradeceu, mas logo de repente sabem quem apareceu? O Dragão, a soltarfogo pelas ventas. - Quem és tu? Que fazes por aqui? Que queres à Princesa? Como foi que não te vi? - Nada, nada! Vim só atrás de uma borboleta. Gosto de apreciar animais em liberdade porque se sentemfelizes e não nos fazem mal. - E como posso acreditar em tal? - É verdade, é verdade, podes acreditar! Olha aqui a borboleta pousada no meu cabelo! - Isso que me dizes é difícil de acreditar! E agora, com o meu bafo, em cinzas vou-te deixar! - Nesse preciso momento a borboleta levanta voo e foi pousar na cabeça do menino e este logo disse: - Não queres com certeza destruir tão bela criatura da mãe Natureza! - Eu vou acreditar em ti, mas antes que mude de ideias, desaparece daqui! - Quando o menino se preparava para desatar a correr monte abaixo, o seu nome a Princesa quis saber: - Alto lá, não vás a correr! Primeiro o teu nome tens de me dizer! - Pedro, Princesa. - Fica mais um pouco. Se gostas tanto de animais não podes ser mau. Pois não? - És capaz de ter razão…Mas meu menino, atenção! Se fazes algum disparate, transformo-te em cinza emando-te para Marte! E assim o Pedro passou a visitar a Princesa regularmente para com ela brincar. Tudo corria bem, nãofosse…Passou um dia, dois, três… 5
  6. 6. O Pedro não aparecia e a Princesa adoeceu com as saudades que sentia. Sim, é verdade! Pois pode-se adoecer de saudade. O Dragão, assustado, não sabia o que fazer, e a Princesa piorava, podendo mesmo morrer. Precisava urgentemente de um médico. Mas médico só encontraria na aldeia onde vivem os homens, esses seres cruéis que abandonaram uma linda menina e maltrataram o Dragão. E os homens, decerto, também iriam pensar que o Dragão era grande e mau, que os iria magoar. - E agora o que vou fazer? Aqui não posso ficar! Se for à aldeia, posso morrer, mas a Princesa terei de salvar. O Dragão pegou na Princesa e, decidido, desata monte abaixo em direção à aldeia. As pessoas da aldeia, quando viram o Dragão aproximar-se, começaram a correr apavoradas, com medo a gritar! - Socorro, venham todos ajudar! O Dragão vem-nos atacar! -E traz com ele uma criança, o maldito, lá no ar! Já deve ter-lhefeito mal. Venham todos para o matar! A multidão reuniu-se no meio da aldeia com paus e pedras.A coisa estava mesmo feia. O Dragão não teve medo, pois o mais importante era salvara Princesa, mesmo que para isso ele tivesse de morrer. Nadamais interessava, pois a Princesa era a única coisa que eletinha no mundo! Quando os homens se preparavam paracomeçar a bater-lhe, imaginem quem foi que acabou poraparecer! O Pedro com certeza! O amigo do Dragão e da Princesa! E logo o menino gritou alto e a bom som: - Não, o Dragão é bom! Só fingiu que era mau para ninguém se aproximar do castelo, com medo que fizessem mal à Princesa. - A sério? De verdade? Então temos de os ajudar! Que aconteceu à Princesa? - A minha princesa está doente. Preciso da vossa ajuda, é muito urgente! Toda a gente da aldeia decidiu ajudar, pois era preciso rapidamente um médico encontrar. - Um médico!... Um médico!... 6
  7. 7. O médico chegou perto da Princesa para fazer o seu melhor, mas no ar pairava um silêncio quase assustador… De repente, o médico deu um salto e conseguiu assustar toda a gente. Mas eis que a Princesa despertou de novo para o dia e o médico deu um salto, um salto de alegria! - A Princesa está curada, era falta de companhia! - A Princesa ficou boa, o Dragão contente, o Pedro feliz, assim como toda a gente! A partir desse dia, tudo foi diferente! O Dragão e a Princesa ficaram a morar na aldeia e as pessoas da aldeia aprenderam a aceitar, a conviver em harmonia e qualquer que fosse a diferença, ali não existia!Luís Baião, O Dragão e a Princesa (texto adaptado), Cercigaia 7
  8. 8. E um novo caminho ganhou… 8
  9. 9. A Princesa queria fazer novos amigos, decidiu então enviar um postal para várias escolas. No postaldizia assim: Caras crianças, Desejava ter a vossa amizade para nos conhecermos melhor. Vou fazer uma festa e gostaria de contar com a vossa presença! Moro em Santa Maria da Feira e a festa realiza-se no dia 26 de fevereiro. Princesa Os meninos do Candal foram os primeiros a responder. Cara Princesa, Gostamos muito do teu convite, mas temos medo do dragão! Os meninos do Candal A Princesa tratou logo de responder aos meninos do Candal … Meus queridos amigos da escola do Candal, Não tenham medo do dragão porque ele é muito meu amigo e não faz mal a nenhuma criança. Ele tem um coração de ouro. De certeza que vão ficar muito amigos dele! Princesa Os meninos do Centro Escolar de Lobão acharam a ideia do convite muito boa e todos resolveram fazerum presente para o Dragão. Depois de muita conversa e de várias sugestões, o Tomás do 4º B achoumelhor pedir ajuda a um familiar do Dragão… Mas onde será que o vamos encontrar? !... 9
  10. 10. O Carlos do 1º ano teve uma ideia: - Temos de ir à caverna onde moram os dragões! Então alguns meninos foram até à caverna. Lá encontraram o pai Dragão, a mãe Dragão e os bebés dragões. Os meninos disseram: - Deve ser o pai, a mãe e os irmãos do Dragão! Os dragões foram muito simpáticos e quando viramos meninos convidaram-os logo para jantar. Durante ojantar, os meninos deram notícias do Dragão, que viviacom a Princesa e explicaram toda a sua história. Os paisficaram muito contentes por ele agora viver feliz com aPrincesa. Os meninos aproveitaram para perguntar aospais o que ele gostava, pois queriam oferecer-lhe umpresente. O pai e a mãe Dragão logo responderam: - O nosso filho gosta muito de desenhos! As crianças ficaram muito felizes com a resposta e agradeceram por terem sido tão bem recebidos. Regressaram a casa e, no dia seguinte, contaram a todos os meninos a sua aventura. Pensaram e resolveram fazer um cartaz gigante com muitos desenhos. Cada um imaginou um desenho para o Dragão. O Francisco disse: - Vou desenhar uma princesa! - E eu vou desenhar um dragão! – acrescentou o Carlos. 10
  11. 11. Os meninos da escola de Gião também responderam ao convite da Princesa.Olá Princesa, És muito bonita e tens um amigo muito bondoso que é o Dragão. Nós gostamos muito dejogar computador. E tu jogas com o Dragão no computador? Na tua festa vai havercomputadores? Sim  Não  Se não tiveres computador nós levamos os nossos, pois queremos brincar convosco! Como podes ver, queremos muito ir à tua festa e agradecemos o teu convite. Os meninos de Gião A Princesa recebeu a carta, leu-a, guardou-a com carinho e logo começou a escrever a resposta. Olá meninos de Gião, Obrigada pela vossa resposta. Tiveram uma grande ideia! Não tinha pensado fazeruma festa com computadores. Como só tenho um, peço-vos que tragam os vossos. Tenhouma surpresa doce para partilhar com todos. Cá vos espero! Beijinhos da Princesa Os meninos de Gião gostaram da resposta da Princesa e ficaram muito curiosos em relação à surpresa.Cada um pensou numa possibilidade. A Suse disse: - Serão rebuçados?! O Miguel comentou: - Serão chupas?! - Acho que são chicletes! - disse a Tatiana. 11
  12. 12. Os meninos do 4ºB da escola de Gião ficaram ansiosos pela festa e pela surpresa e exclamaram: - A melhor surpresa seria a amizade e o carinho entre todos os presentes da festa. Esse sim, é omelhor doce que pode haver! Ficamos muito agradecidos e ansiosos, que chegue esse grande dia! Os outros meninos do Centro Escolar de Lobão decidiram desenhar muitos meninos e meninas à voltado Dragão e da Princesa. Mas não só, desenharam também casas, flores, borboletas, o céu, o sol, árvores,relva… Assim ficou um desenho muito bonito. Depois de pronto, a Gabriela embrulhou o presente com a ajudada professora. Também os meninos da sala A do Pré-escolar de Gião enviaram um cartão que dizia: Olá Princesa! Gostamos muito de ti e do teu amigo Dragão e queremos participar da tua festa. Junto, mandamos muitos desenhos giros que fizemos para enfeitar a tua festa. Esperamos que gostem! Terminamos mandando muitos beijinhos… e até à festa! 12
  13. 13. As crianças do Jardim de Infância de Gião, da sala B, ficaram eufóricas com o convite da Princesa.Todas as crianças transmitiram aos pais vontade de ir à festa e estes alugaram um autocarro. - Ah! Mas temos de fazer uma prenda para a Princesa e outra para o Dragão! – disseram os meninos. - Podemos fazer um porta-moedas com pacotes de leite – sugeriu uma das meninas. - Temos de comprar papel, um laço e fita-cola para embrulhar – acrescentou outro. - Temos de por um cartão a dizer quem oferece a prenda e agradecer por nos terem convidado! –concluiu uma das crianças. Depois de receber a confirmação dos seus convidados, a Princesa iniciou os preparativos para a grandefesta. Ela montou no seu Dragão verde e voaram até ao mercado, para escolherem os doces para a festa. Aterraram no parque de estacionamento para dragões, um terreno enorme feito de relva macia. APrincesa desceu do Dragão com a ajuda do Pedro, o seu melhor amigo, e foram à pastelaria DoçurasAçucaradas. 13
  14. 14. A dona da “Doçuras Açucaradas” era a dona Matilde, uma senhora com cerca de sessenta anos,cabelos brancos e com um rosto onde se podiam ver algumas rugas. Ela era uma senhora gentil e meiga, deestatura baixa e sempre disponível para ajudar os seus clientes na difícil tarefa de escolher entre os seusdeliciosos doces. Depois de alguma escolha, a Princesa lá se decidiu pelos melhores doces: chupa-chupas com sabor aCoca-cola amarga, gomas de baleia azul, chicletes com a forma de espinhas de atum, rebuçados de rabo deporco e gelados de dragão negro. Antes de sair, a Princesa pagou a despesa com uma nota de vinte euros e ainda recebeu de troco umasmoeditas castanhas de pouco valor. A Princesa saiu da loja despedindo-se da dona Matilde e foi para o parque de estacionamento dedragões, onde a aguardava pacientemente o seu querido amigo Dragão. No dia da festa, de manhã, todos os meninos tomaram banho para irem cheirosos, vestiram roupasnovas e foram assim todos pimpões! Uma camioneta veio buscá-los à escola e levou-os à festa. Ao chegarem, o Dragão e a Princesaestavam à espera de todos os meninos que agradeceram o convite. No salão, já estavam os meninos deGião. Só depois apareceram os meninos de Canedo, que vieram numa camioneta azul. A Princesa e o Dragão estavam à espera deles e disseram: - Olá meninos! Entrem e sentem-se para lanchar, que de seguida vamos todos brincar! 14
  15. 15. Todas as crianças brincaram com a Princesa e o Dragão! O salão era muito grande e estava enfeitadocom balões, desenhos e luzes coloridas. Havia uma mesa com pacotinhos de doces, outra com um bolo gigante,decorado com a Princesa e o Dragão em miniatura. Um palhaço fazia malabarismos e brincadeiras com balões, animando todos os presentes. Seguiu-se o baile de máscaras. Havia baús com roupas e adereços para todos se fantasiarem. Enquanto isso, os meninos que não gostavam de máscaras, jogaram nos computadores. No final da festa realizou-se uma pinhata, que o Dragão conseguiu rebentar com a sua longa cauda. Osmeninos apanharam as guloseimas. Antes de irem embora, trocaram presentes. A Princesa agradeceu apresença de todos e distribuiu pacotinhos de doces por todas as crianças. Todos se divertiram e ficaramamigos! 15
  16. 16. Mas logo outro se atravessou… 16
  17. 17. A Princesa vivia feliz na sua aldeia mas queria conhecer mais e mais pessoas e, com a ajuda do Dragãoe de todos os seus amigos, organizou uma festa e enviou convites para os quatro cantos do mundo. Osconvites viajaram para a Austrália, a África do Sul, o México, a Guiné – Bissau, a Argentina, a China, o Egito,a Colômbia, a Ucrânia, a Holanda, o Canadá, … Enviados os convites, a Princesa, o Pedro, o Dragão e a população da aldeia iniciaram com entusiasmo,alegria e empenho, os preparativos para a grandiosa e tão esperada festa. O Pedro lembrou que deveriam aguardar as confirmações dos convidados. Passados alguns dias acaixa do correio da Princesa estava a abarrotar! Ao ler as respostas dos seus convites verificaram que alguns convidados eram especiais. No meio de tantas respostas existiam algumas que logo chamaram a atenção por serem de meninosespeciais. A primeira vinha num envelope azul celeste. Quando a Princesa o foi abrir, verificou que apenas haviaum papel branco com muitos “piquinhos”. ……… …. .. … .. .. … .. .. . . .. … .. .. … .. .. … .. . . … . … … .. . … …… .. … … … . … - Que estranho! - disse a Princesa. - Quem terá mandado esta resposta? Será brincadeira? – acrescentou o Pedro. O Dragão sorriu e disse: - Isto é Braille. O Pedro e a Princesa olharam um para o outro, não percebendo nada do que se estava a passar...Então o Dragão explicou-lhes que Braille era a linguagem dos cegos, e como tal, o menino que enviou essaresposta só poderia ser um menino cego. O Pedro e a Princesa ficaram muito preocupados porque não sabiam ler aquela mensagem. Comopoderiam resolver este problema? A Princesa sugeriu que fossem procurar o Doutor Florindo Botica, pois era a pessoa mais sábia daaldeia. Assim foi...quando lá chegaram explicaram o problema ao Doutor. Este coçou a cabeça e disse: 17
  18. 18. - Isso é um caso muito complicado! Não vos posso ajudar porque não sei ler Braille, mas sei de umapessoa que talvez vos possa ajudar….No fundo da aldeia, vive uma senhora muito velhinha que é invisual,vão lá e talvez ela vos ajude. Quando lá chegaram, a dita senhora leu a mensagem e disse-lhes que era um menino invisual que tinhaum cão guia. O menino também dizia, que iria estar na festa e que levaria o seu amigo cão. Um problema já estava resolvido. Abriram então a segunda carta e mal a leram a Princesa disse: - Oh não… mais uma situação complicada … e agora como a vamos resolver? A solução está na tua participação! Usa a imaginação e continua a história da Princesa e do Dragão… 18

×