SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Dito e Feito, 6.º ano




                Cooperação e cortesia




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                       Cooperação e cortesia
                       Cooperação e cortesia
                Princípio de cooperação




                                          Jerry Scott e Jim Borgman, “Zits” in Jornal de Notícias




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                       Cooperação e cortesia
                       Cooperação e cortesia
                Princípio de cooperação




                                     Bil Watterson, “Calvin & Hobbes” (Trad. Helena Gubernatis) in Público, 7 de julho de 2007




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                       Cooperação e cortesia
                       Cooperação e cortesia
                Princípio de cooperação

             Quando há interações verbais entre falantes (diálogos,
         conversas), cada um deles deve contribuir para o discurso de
         forma colaborativa. Só assim o diálogo pode atingir o objetivo
         pretendido.


            Nos exemplos, os rapazes não respeitaram algumas
        regras de cooperação fundamentais: não forneceram as
        informações essenciais nem referiram nada de relevante
        para as situações.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                       Cooperação e cortesia
                       Cooperação e cortesia
                Princípio de cooperação

              Para que o diálogo se desenvolva adequadamente, os
          interlocutores      deverão   respeitar  algumas      regras
          discursivas:
              • referir a informação necessária;
              • afirmar apenas o que é verdadeiro;
              • mencionar aspetos relevantes;
              • apresentar a informação de forma clara, breve e
          ordenada.


Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                          Cooperação e cortesia
                          Cooperação e cortesia
                   Princípio de cortesia


            Tendo em conta a situação em que se encontram, os
        falantes procuram formas de tornar o seu discurso mais
        cuidado e menos ofensivo para evitarem conflitos.


                Evitam interrupções, insultos ou acusações.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                     Cooperação e cortesia
                     Cooperação e cortesia
                Princípio de cortesia

           Substituem, por exemplo, ordens por pedidos, solicitando
       as suas pretensões indiretamente.




                                           Jerry Scott e Jim Borgman, “Zits” in Jornal de Notícias, 23 de julho de 2007



Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                      Cooperação e cortesia
                      Cooperação e cortesia
                Princípio de cortesia

              Associadas a este princípio estão as formas de
          tratamento       que     utilizamos   em      determinadas
          circunstâncias, tendo em conta a relação/proximidade com
          o nosso interlocutor. Podemos recorrer a um tratamento:
              •familiar: na relação com amigos, colegas ou familiares
          que tratamos sem formalidade (tu, amigo…)
              •honorífico: para pessoas com cargos importantes
          (senhor ministro, senhor diretor…)
              •académico: para pessoas com grau académico
          superior (senhor doutor…)
Porto Editora

Mais conteúdo relacionado

Destaque (12)

Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Ppt verbo
Ppt verboPpt verbo
Ppt verbo
 
Aula 5 Noções de etiqueta social
Aula 5   Noções de etiqueta socialAula 5   Noções de etiqueta social
Aula 5 Noções de etiqueta social
 
Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla soaresLuisa ducla soares
Luisa ducla soares
 
Df6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticosDf6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticos
 
Articulacao entre frases
Articulacao entre frasesArticulacao entre frases
Articulacao entre frases
 
Ficha de trabalho classes de palavras pronome
Ficha de trabalho classes de palavras   pronomeFicha de trabalho classes de palavras   pronome
Ficha de trabalho classes de palavras pronome
 
verbo
 verbo verbo
verbo
 
Verbos - parte 1
Verbos - parte 1Verbos - parte 1
Verbos - parte 1
 
Relacoes entre palavras
Relacoes entre palavrasRelacoes entre palavras
Relacoes entre palavras
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 

Mais de Ana Arminda Moreira (17)

PAP_doc.docx
PAP_doc.docxPAP_doc.docx
PAP_doc.docx
 
Cartaz outubro
Cartaz outubroCartaz outubro
Cartaz outubro
 
Trabalho raquel luisa ducla
Trabalho raquel  luisa duclaTrabalho raquel  luisa ducla
Trabalho raquel luisa ducla
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla  soaresLuisa ducla  soares
Luisa ducla soares
 
Biografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soaresBiografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soares
 
A luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografiaA luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografia
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Estatuto do aluno
Estatuto do alunoEstatuto do aluno
Estatuto do aluno
 
Novo acordo ortografico_texto
Novo acordo ortografico_textoNovo acordo ortografico_texto
Novo acordo ortografico_texto
 
Descubra o acordo
Descubra o acordo Descubra o acordo
Descubra o acordo
 
Metas curriculares de português. 5º 6ºdocx
Metas curriculares de português. 5º 6ºdocxMetas curriculares de português. 5º 6ºdocx
Metas curriculares de português. 5º 6ºdocx
 
leitura autónoma_6 º ano_
leitura autónoma_6 º ano_leitura autónoma_6 º ano_
leitura autónoma_6 º ano_
 
Os três reis do oriente
Os três reis do orienteOs três reis do oriente
Os três reis do oriente
 
A minha escola é muito louca
A minha escola é muito loucaA minha escola é muito louca
A minha escola é muito louca
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Df6 cdr ppt_coop_cortesia

  • 1. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Porto Editora
  • 2. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cooperação Jerry Scott e Jim Borgman, “Zits” in Jornal de Notícias Porto Editora
  • 3. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cooperação Bil Watterson, “Calvin & Hobbes” (Trad. Helena Gubernatis) in Público, 7 de julho de 2007 Porto Editora
  • 4. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cooperação Quando há interações verbais entre falantes (diálogos, conversas), cada um deles deve contribuir para o discurso de forma colaborativa. Só assim o diálogo pode atingir o objetivo pretendido. Nos exemplos, os rapazes não respeitaram algumas regras de cooperação fundamentais: não forneceram as informações essenciais nem referiram nada de relevante para as situações. Porto Editora
  • 5. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cooperação Para que o diálogo se desenvolva adequadamente, os interlocutores deverão respeitar algumas regras discursivas: • referir a informação necessária; • afirmar apenas o que é verdadeiro; • mencionar aspetos relevantes; • apresentar a informação de forma clara, breve e ordenada. Porto Editora
  • 6. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cortesia Tendo em conta a situação em que se encontram, os falantes procuram formas de tornar o seu discurso mais cuidado e menos ofensivo para evitarem conflitos. Evitam interrupções, insultos ou acusações. Porto Editora
  • 7. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cortesia Substituem, por exemplo, ordens por pedidos, solicitando as suas pretensões indiretamente. Jerry Scott e Jim Borgman, “Zits” in Jornal de Notícias, 23 de julho de 2007 Porto Editora
  • 8. Dito e Feito, 6.º ano Cooperação e cortesia Cooperação e cortesia Princípio de cortesia Associadas a este princípio estão as formas de tratamento que utilizamos em determinadas circunstâncias, tendo em conta a relação/proximidade com o nosso interlocutor. Podemos recorrer a um tratamento: •familiar: na relação com amigos, colegas ou familiares que tratamos sem formalidade (tu, amigo…) •honorífico: para pessoas com cargos importantes (senhor ministro, senhor diretor…) •académico: para pessoas com grau académico superior (senhor doutor…) Porto Editora