e-Saúde - conceito, evolução e aplicações móveis

2.803 visualizações

Publicada em

Slides de palestra proferida por Álvaro Rocha na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico da Guarda, em 28 de Janeiro de 2012, no contexto do Ciclo de Seminários do Mestrado em Computação Móvel.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.803
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

e-Saúde - conceito, evolução e aplicações móveis

  1. 1. e-Saúde Conceito, Evolução e Aplicações Móveis Álvaro Rocha amrocha@ufp.edu.pt Universidade Fernando Pessoa GIMED – Grupo de I&D em Informática Médica http://gimed.ufp.ptE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 1
  2. 2. Agenda • E-Saúde • Evolução dos Sistemas de Informação • Maturidade dos Sistemas de Informação • Contexto, Problemas e Estratégias • Aplicações MóveisE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 2
  3. 3. Contexto das Decisões na Saúde Fonte: camaralenta.blogs.sapo.ptE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 3
  4. 4. Erros? • Erros podem ocorrer sobretudo devido ao enorme volume de dados; • O relatório do IOM “To Err is Human" indica que 17,7% dos erros que ocorrem nas UCI levam à morte ou invalidez dos pacientes e 46% levam a eventos adversos. Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS, Eds. (1999), To Err is Human: Building a Safer Health System, Institute of Medicine. National Academy Press, Washington, DC, 1999.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012
  5. 5. Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) ? • Hardware, software e comunicações • Têm potencialidades para ajudar a racionalizar e a melhorar a qualidade dos serviços de saúde, através de melhores SIE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 5
  6. 6. e-Saúde (1) Tecnologias Domínio de Informação da e-Saúde e Saúde ComunicaçãoE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 6
  7. 7. E-Saúde (2) • Consiste na aplicação de TIC em todo o espectro de funções que afetam o sector da saúde • Pode melhorar o acesso aos cuidados de saúde e aumentar a qualidade e a eficácia dos serviços prestados (eHealth Plan 2004) • É o sector da saúde que mais cresce e contribui para a criação de empregos e de inovação da economia europeia (EU 2020 Strategy)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 7
  8. 8. Vantagens das TIC na Saúde (1) • Prestação de serviços de saúde on-line para profissionais, empregadores, utentes, fornecedores e reguladores; • Economia de tempo; • Contenção da espiral dos custos da saúde; • Redução de erros administrativos;E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 8
  9. 9. Vantagens das TIC na Saúde (2) • Aceleração da gestão do ciclo de receita por meio de tecnologia de pagamento eletrónico; • Melhoria da experiência/satisfação do utente; • Diminuição da incidência de erros médicos; • Diminuição de fraudes.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 9
  10. 10. Sistema de Informação (SI) com TICE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 10
  11. 11. Outro exemplo de SI com TICE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 11
  12. 12. Evolução dos SI na Saúde (1) • Mudança para um tratamento e armazenamento generalizado baseado em computador, assim como um aumento do processamento de dados; • Mudança de uma arquitectura local de sistemas de informação para uma arquitectura global; • Uso de dados não só para fins administrativos e de prestação de cuidados de saúde mas também para planeamento da saúde e investigação clínica;E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 12
  13. 13. 3. Evolução dos SI na Saúde Evolução dos SI na Saúde (2) • Mudança de foco desde problemas principalmente técnicos para problemas de gestão da mudança bem como de gestão estratégica da informação; • Mudança desde dados predominantemente alfanuméricos para imagens clínicas e também dados de nível molecular; • Aumento constante de novas tecnologias a serem incluídas com a finalidade de permitirem um acompanhamento permanente do estado de saúde dos pacientes.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 13
  14. 14. Maturidade dos SI na Saúde • Teoria de Estádios • Factores de influência • Progressão • Avaliação • RecomendaçãoE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 14
  15. 15. Hospital IT Maturity Model Stage 3 Stage 5 Stage 2 Stage 4 Stage 1 Advanced Digital Advanced Digital Basic HIS HIS Core Virtual HIS Hospital Clinicals Enterprise • Patient Registration • Electronic Claims • Laboratory • Patient • Secure Email / Inpatient Submission Information System Appointment (Provider-Provider/ Admission • Electronic Payment • RIS/Radiology Scheduling Provider-Patient) Discharge & Processing Results Reporting • Computerized • Clinical Data Transfer • Inventory, Supply • PACS Physician Order Repository/ Data • Patient Billing and Requisitioning and • Pharmacy Entry Warehouse Accounts Distribution • Nursing • Participation in Receivable • Operating Room • Basic Order Scheduling and Documentation Regionalized • HRIS / Payroll Communications Management • Emergency Patient CDR • General Ledger / • Email Department • Home Health Case Financial Reporting • Internet Access Management Management • Purchasing / • Intranet • Physician Portal • Remote Patient Accounts Payable • Patient Portal Monitoring/ • Wireless Telemedicine Infrastructure • Inpatient Electronic Medical Record (EMR) • Ambulatory EMR • Enterprise Master Patient Index • Location-based services Source: IDC Health Industry Insights (2007)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 15
  16. 16. Hospital IT Maturity in Western Europe Stage 3 Stage 5 Stage 2 Stage 4 Stage 1 Advanced Digital Advanced Digital Basic HIS HIS Core Virtual HIS Hospital Clinicals Enterprise UK Switzerland Germany Norway France Greece Italy Spain Denmark Portugal PORtuGAL 2007 2010 Austria Sweden Ireland Belgium Netherlands Finland Source: IDC Health Industry Insights (2007)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 16
  17. 17. Contexto Social e Económico • Aumento na demanda de serviços de saúde (envelhecimento da população, etc.) • Aumento das expectativas/exigências dos cidadãos • Aumento da mobilidade de pacientes e profissionais de saúde (atendimento no estrangeiro, pandemias) • Necessidade de acesso seguro, atempado e usável a informação de saúde • Pressão para optimização de recursos Orçamento com a saúde não pode continuar a aumentar (+/- 11%), mas a QUALIDADE dos serviços de saúde PODE e DEVE!...E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 17
  18. 18. Problemas (1) • Existência de algumas aplicações informáticas antiquadas e não padronizadas • Grande dependência dos fornecedores • Problemas de interoperabilidade • Nem sempre há uma visão integrada e coesa para os SI das unidades de saúde • Sistemas focados nos departamentos e não nas necessidades do pacienteE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 18
  19. 19. Problemas (2) • SI vistos como tecnologia e não como ferramentas organizacionais • SI inter-unidades praticamente inexistentes • Poucos especialistas de SI nas unidades de saúde. • Baixa literacia informática dos profissionais de saúde • Despertar tardio para I&D e Educação no domínio dos SI em Saúde.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 19
  20. 20. Estratégias Globais • Planeamento do SI da saúde (arquitectura de informação, tecnológica e de interface entre instituições) ao nível regional e nacional e torná-lo “lei” • Implementação do SI de acordo com a “lei”, incluindo a presença das instituições na Web com possibilidade de agendamento, pagamentos, acesso a histórico clínico, etc. • Aumentar os profissionais de SI nas Unidades de Saúde assim como as suas qualificações • Solidificar a educação e I&D no domínio dos SI em SaúdeE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 20
  21. 21. Estratégias Específicas (1) Conceber e implementar o RSE - Registo de Saúde Eletrónico > Até final de 2012: Resumido e de contexto nacional > Até final de 2015: Completo e contexto europeuE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 21
  22. 22. Estratégias Específicas (2) Adoptar transversalmente padrões comuns de nomenclatura, estruturação e comunicação de informação • CIPE/ICNP • SNOMED • ICD-10 • HL7 • DICOM • Etc.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 22
  23. 23. Estratégias Específicas (3) Padrões para Registo Clínico Portátil: estrutura e comunicação da informação • Soluções em SmartCards • Em Pens • Em TelemóveisE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 23
  24. 24. Estratégias Específicas (4) Portal do Utente: informação de educação e de prevenção da saúde, e sobretudo com serviços on-line: • Registo e alteração como utente do SNS • Agendamento de actos de saúde • Listas de espera • Consulta de histórico clínico (resultados de exames, diagnósticos, etc.) • Chat e vídeo-conferência para esclarecimento de dúvidas, ajuda, triagem, encaminhamento, etc. • Fornecimento de dados de saúde (temperatura, tensão, reacções, etc.) • Feedback sobre experiências com entidades de saúdeE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 24
  25. 25. Estratégias Específicas (5) • Ligação do SI do INEM ao SI da urgência do hospital.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 25
  26. 26. Estratégias Específicas (6) Prescrição Electrónica integrada com RSE e farmácias • Sugestão de medicamentos por ordem ascendente de preço • Alertas de incompatibilidades entre medicamentos • Identificação de contra-indicações pelo histórico do paciente • Eliminação dos erros de leitura/interpretação • Diminuição da fraude e dos abusosE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 26
  27. 27. Estratégias Específicas (7) Monitorização remota de pessoas com necessidades de acompanhamento • Frequência cardíaca • Temperatura • Variáveis ambientais • Actividades • Posições do corpo • Localização espacial • OutrosE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 27
  28. 28. Estratégias Específicas (8) Agendamento e alertas de actos de saúde (consultas, exames, etc.) por telemóvel. • Alertas por SMS podem diminuir até 11% as faltas [Costa et al. 2008]E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 28
  29. 29. Estratégias Específicas (9) Soluções móveis que orientem e ajudem os pacientes no cumprimento dos planos de tomas de medicamentos e/ou facilitem a interacção com os profissionais de saúde • Nos EUA, a polimedicação é responsável por 28% dos internamentos hospitalares e, se fosse contabilizada como tal, seria apontada como a 5ª causa de morte. Fonte: United Nations Foundation (2008)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 29
  30. 30. Estratégias Específicas (10) Adopção de tecnologia RFID • Evita erros de identificação (pacientes, medicamentos, equipamentos) • Monitorização em tempo real (recém- nascidos, doentes com Alzheimer e de psiquiatria, equipamento, etc.) • Controlo da assiduidade • LogísticaE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 30
  31. 31. Estratégias Específicas (11) Cuidar da segurança e Privacidade da informação [ISO 27799: 2008] • Níveis de acesso • Procedimentos • Legislação • Etc.E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 31
  32. 32. Estratégias Específicas (12) • Cuidar dos processos de desenvolvimento de software • Cuidar dos processos da prestação de serviços de TIE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 32
  33. 33. Estratégias Específicas (13) Cuidar da Gestão da Mudança • Problema em: • Unidades de Saúde • SoftwareHouses • Requisitos • Ambiente do utilizador • Ambiente organizacional • Sucesso dos SIsE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 33
  34. 34. Aplicações Móveis (1): Exemplo de integração de aplicação móvel com o RSEE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 34
  35. 35. Aplicações Móveis (2): Medindo sinais vitais…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 35
  36. 36. Aplicações Móveis (3): Medindo sinais vitais com vestuário… • Efectuar um ECG de longa duração • Despiste de arritmias assertivo • Realizar exercícios de reabilitação cardíaca • Monitorização durante a prática de desporto • Maior conforto para o paciente • Possibilidade de monitorização remota • Monitorização em tempo realE-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 36
  37. 37. Aplicações Móveis (4): Na prática da medicina…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 37
  38. 38. Aplicações Móveis (5): Na imagem médica…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 38
  39. 39. Aplicações Móveis (6): Na telemedicina… “Tarado inventava cancros para despir mulheres por telefone” (JN, 28-11-2011)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 39
  40. 40. Aplicações Móveis (7): Na monitorização remota…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 40
  41. 41. Aplicações Móveis (8): Monitorizando com tecnologia GPS…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 41
  42. 42. Aplicações Móveis (9): Crescimento esperado…E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 42
  43. 43. Livro Informática de Saúde (2007)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 43
  44. 44. Livro STI na Saúde (2011)E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 44
  45. 45. E-Saúde, Álvaro Rocha, IPG, 28 de Janeiro de 2012 45

×