OBSERVATÓRIO URBANO DE
SÃO PAULO
ANTONIO BRUNO FERNANDES MARCELINO;
PAULO VICTOR MACIEL DA COSTA;
SUSIANE DA SILVA BEZERRA.
Características
 Trata-se de uma ferramenta de gestão pública, de gerenciamento
dinâmico, para acesso pela internet, dese...
Objetivos
 O Observatório Urbano foi criado para permitir a avaliação objetiva
e transparente de processos, resultados e ...
 O Observatório Urbano da Cidade de São Paulo,
coordenado pela Secretaria Municipal de Relações
Internacionais (SMRI), fo...
 O Observatório Urbano Global foi constituído com a finalidade de
monitorar as tendências mundiais no âmbito das cidades ...
 O Observatório Urbano da Cidade de São Paulo agrega o
trabalho desenvolvido por nove secretarias municipais:
Habitação, ...
Índice do Bem-Estar Urbano (IBEU)
 Esse índice varia de 0 (zero) a 1 (um). Quanto mais
próximo de 1, melhor é o bem-estar...
 O Indicador de atendimento de serviços coletivos
considerou os domicílios atendidos adequadamente por
água, esgotamento ...
 A melhoria do IBEU ao longo da década se deveu,
principalmente, à expansão do atendimento de serviços
coletivos, sobretu...
 O atendimento dos serviços de água e de lixo não apresentou
expansão contínua ao longo da década, pois demonstrou
oscila...
O indicador de condições habitacionais foi o que apresentou
melhor desempenho na primeira década do século. Isso se
deveu,...
 O indicador de mobilidade urbana foi o que mais contribuiu
para que o índice não apresentasse aumento tão expressivo,
um...
 Na comparação entre as regiões metropolitanas do Brasil,
observamos diferenças importantes com relação ao Bem-
Estar Urb...
 De modo geral, observamos que as regiões metropolitanas
do Norte e Nordeste apresentam os piores resultados de
bem-estar...
 O indicador de atendimento de serviços coletivos
demonstra que as regiões metropolitanas do Norte e
Nordeste são as que ...
O indicador de condições habitacionais mostra que
Belém, Fortaleza, São Paulo e Salvador, nesta ordem,
são as regiões met...
 Porto Alegre voltou a ocupar a primeira posição, como era
em 2001, e Curitiba passou a se configurar como a
segunda regi...
 O indicador de atendimento de serviços coletivos apresentou
melhoria para a maioria das regiões metropolitanas. Somente
...
 Todas as regiões metropolitanas apresentaram desempenho positivo
no indicador de condições habitacionais. O que mais con...
OBRIGADO!
Observatório urbano de são paulo
Observatório urbano de são paulo
Observatório urbano de são paulo
Observatório urbano de são paulo
Observatório urbano de são paulo
Observatório urbano de são paulo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Observatório urbano de são paulo

212 visualizações

Publicada em

Uuca 2015 - Observatório urbano de são paulo - Materia: Regional e Urbana

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Observatório urbano de são paulo

  1. 1. OBSERVATÓRIO URBANO DE SÃO PAULO ANTONIO BRUNO FERNANDES MARCELINO; PAULO VICTOR MACIEL DA COSTA; SUSIANE DA SILVA BEZERRA.
  2. 2. Características  Trata-se de uma ferramenta de gestão pública, de gerenciamento dinâmico, para acesso pela internet, desenvolvida para monitoramento e análise de indicadores. Permite gerenciar, analisar e divulgar séries históricas e análises comparativas de indicadores de desenvolvimento humano, saúde, educação, meio ambiente, trabalho e renda, mobilidade urbana, cultura, esporte e lazer, habitação, infraestrutura, orçamento e finanças, violência e outros, da cidade, suas regiões e bairros. Pode ser territorializado para estados, regiões e municípios, com os respectivos mapas.
  3. 3. Objetivos  O Observatório Urbano foi criado para permitir a avaliação objetiva e transparente de processos, resultados e impactos de políticas públicas, programas e projetos sociais, econômicos e ambientais. Seu uso torna simples e transparentes as avaliações mais complexas, permitindo que políticas públicas, programas e projetos possam ser melhor aferidos, e que eventuais deficiências possam ser corrigidas e as metas atingidas. Também ajuda a promover a transparência e participação cidadã.
  4. 4.  O Observatório Urbano da Cidade de São Paulo, coordenado pela Secretaria Municipal de Relações Internacionais (SMRI), foi certificado pelo UNHabitat (Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos). "Isso significa o reconhecimento pela ONU do padrão de qualidade do Observatório criado pela Prefeitura de São Paulo”.
  5. 5.  O Observatório Urbano Global foi constituído com a finalidade de monitorar as tendências mundiais no âmbito das cidades e dos poderes locais. Essa iniciativa da ONU contempla a necessidade urgente de intercambiar experiências e informações, bem como a de assessorar governos e organizações da sociedade civil a desenvolver políticas públicas socialmente comprometidas, como forma de sustentar a tomada de decisões democráticas e tecnicamente esclarecidas. Para implementar mundialmente essa função de monitoramento, o Observatório Urbano Global deve valerse de observatórios urbanos locais e nacionais.
  6. 6.  O Observatório Urbano da Cidade de São Paulo agrega o trabalho desenvolvido por nove secretarias municipais: Habitação, Saúde, Educação, Meio Ambiente, Assistência Social, Governo, Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade e Planejamento Urbano, além das Subprefeituras.
  7. 7. Índice do Bem-Estar Urbano (IBEU)  Esse índice varia de 0 (zero) a 1 (um). Quanto mais próximo de 1, melhor é o bem-estar urbano. O IBEU é composto por três dimensões (ou indicadores):  i. Indicador de atendimento de serviços coletivos;  ii. Indicador de condições habitacionais;  iii. Indicador de mobilidade urbana.
  8. 8.  O Indicador de atendimento de serviços coletivos considerou os domicílios atendidos adequadamente por água, esgotamento sanitário e lixo. O indicador de condições habitacionais considerou a quantidade de pessoas que moram em aglomerados subnormais e a densidade domiciliar. O indicador de mobilidade urbana considerou o tempo de deslocamento casa-trabalho das pessoas.
  9. 9.  A melhoria do IBEU ao longo da década se deveu, principalmente, à expansão do atendimento de serviços coletivos, sobretudo, à ampliação do atendimento de esgotamento sanitário.
  10. 10.  O atendimento dos serviços de água e de lixo não apresentou expansão contínua ao longo da década, pois demonstrou oscilação nesse período.
  11. 11. O indicador de condições habitacionais foi o que apresentou melhor desempenho na primeira década do século. Isso se deveu, principalmente, pela melhoria da densidade domiciliar, já que o percentual de pessoas que vivem em aglomerado subnormal não sofreu grande variação nesse período.
  12. 12.  O indicador de mobilidade urbana foi o que mais contribuiu para que o índice não apresentasse aumento tão expressivo, uma vez que as condições de mobilidade avaliadas pelo tempo de deslocamento casa-trabalho pioraram nas regiões metropolitanas brasileiras, apesar de em 2009 o indicador de mobilidade urbana ter apresentado sinais de recuperação.
  13. 13.  Na comparação entre as regiões metropolitanas do Brasil, observamos diferenças importantes com relação ao Bem- Estar Urbano.  Em 2001, a região metropolitana de Porto Alegre foi a que apresentou o melhor desempenho em bem-estar urbano, com 0,899. Por outro lado, a região metropolitana de Belém foi a que apresentou o pior resultado, registrando 0,714.
  14. 14.  De modo geral, observamos que as regiões metropolitanas do Norte e Nordeste apresentam os piores resultados de bem-estar urbano. E as regiões metropolitanas do Sul, Sudeste e Centro-Oeste mostram resultados melhores, apesar de as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e de São Paulo apresentarem desempenho inferior ao verificado no conjunto das regiões metropolitanas.
  15. 15.  O indicador de atendimento de serviços coletivos demonstra que as regiões metropolitanas do Norte e Nordeste são as que apresentam os piores resultados, no ano de 2001, sendo as únicas que ficam abaixo da média do conjunto das regiões metropolitanas. Importante destacar, por outro lado, que São Paulo é a região metropolitana com o melhor desempenho nesse indicador, decorrente, sobretudo, do atendimento de abastecimento de água e de coleta de lixo.
  16. 16. O indicador de condições habitacionais mostra que Belém, Fortaleza, São Paulo e Salvador, nesta ordem, são as regiões metropolitanas com os piores resultados, em 2001, e as únicas que ficam abaixo da média das regiões metropolitanas brasileiras. Por outro lado, a região metropolitana de Curitiba é a que apresenta o melhor desempenho nesse indicador, seguida de Porto Alegre e Brasília.
  17. 17.  Porto Alegre voltou a ocupar a primeira posição, como era em 2001, e Curitiba passou a se configurar como a segunda região metropolitana com o melhor índice de bem-estar urbano. Além disso, Recife ganhou posição em relação à Fortaleza, mesmo assim continuaram como as piores metrópoles em termos de bem-estar urbano, ganhando apenas de Belém.
  18. 18.  O indicador de atendimento de serviços coletivos apresentou melhoria para a maioria das regiões metropolitanas. Somente Recife, Curitiba e Porto Alegre tiveram redução nesse indicador. Recife reduz o indicador de serviços coletivos porque piorou o abastecimento de água e o esgotamento sanitário. Curitiba e Porto Alegre também apresentaram redução nas condições de esgotamento sanitário, o que colabou para a redução do indicador de atendimento de serviços coletivos.
  19. 19.  Todas as regiões metropolitanas apresentaram desempenho positivo no indicador de condições habitacionais. O que mais contribuiu para a melhoria desse indicador foi a densidade domiciliar, já que na maioria das regiões metropolitanas a proporção de pessoas vivendo em aglomerado subnormal quase não se alterou. O indicador de mobilidade urbana apresentou desempenho positivo, apesar de pequeno, para as regiões metropolitanas de Belém, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Para as demais regiões metropolitanas a mobilidade urbana piorou, são os casos de: Fortaleza, Salvador, São Paulo, Curitiba e Brasília.
  20. 20. OBRIGADO!

×