Esde 1

4.125 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
125
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
141
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esde 1

  1. 1. O Conhecimento Espírita e sua importância na tarefa do ESDE
  2. 2. CONHECIMENTO O QUE É? ONDE E COMO ADQUIRIR?
  3. 3. “ TÚ ÉS MESTRE EM ISRAEL E DESCONHECES ESTAS COISAS?” JESUS João, cap.III, 1-12
  4. 4. CONHECIMENTO <ul><li>IDÉIA; NOÇÃO; INFORMAÇÃO; NOTÍCIA, EXPERIÊNCIA; DISCERNIMENTO. </li></ul><ul><li>CONSCIÊNCIA DA PRÓPRIA EXISTÊNCIA. </li></ul>Dicionário Caldas Aulete
  5. 5. CONHECIMENTO TODO O MEU SABER CONSISTE EM SABER QUE NADA SEI! Sócrates, 470 – 300 a.C CONHECE-TE A TI MESMO Santo Agostinho, L E - 919
  6. 6. - É dado ao homem conhecer o princípio das coisas? “ Não. Deus não permite que ao homem tudo seja revelado neste mundo.” - Penetrará o homem um dia o mistério das coisas que lhe estão veladas? “ O véu se levanta a seus olhos, à medida que ele se depura.” (O Livro dos Espíritos – perg. 17 e 18)
  7. 7. “ ...., à medida que o Espírito desenvolve todo o seu potencial, não apenas intelectual, mas também moralmente, tem mais possibilidades de avançar no conheciment o. Se não pode chegar à essência absoluta das coisas porque não tem instrumentos adequados a este tipo de inquirição, pelo menos adquire uma visão mais lúcida e cada vez mais profunda e ampliada.” (AMORIM, Deolindo. Análises Espíritas-pág.178)
  8. 8. Conhecimento ... É fruto de longa paciência, de ardorosa boa vontade e de profunda meditação. (DEJEAN, Georges. A Nova Luz). O conhecimento real não é construção de alguns dias. É obra do tempo. (XAVIER, Francisco Cândido. Agenda Cristã.)
  9. 9. Incorporação de novas experiências Mudança interior
  10. 10. Matérias Primas do Processo Evolutivo “ Manufatura” da Etapa Evolutiva Representação Esquemática do Processo Evolutivo EXPERIÊNCIAS VIVÊNCIAS APRENDIZADO PRÁTICA EVOLUÇÃO
  11. 11. <ul><li>Por que a Doutrina Espírita amplia o conceito de conhecimento? </li></ul>
  12. 12. “ O conhecimento espírita é orientação para a vida essencial e profunda do ser. .....a evolução é lei para todas as criaturas, mas o Espiritismo intervém no plano da consciência,...” André Luiz Entre Irmãos de Outras Terras – Item 5 XAVIER, Francisco Cândido, VIEIRA,Waldo Conhecimento Espírita
  13. 13. “ O conhecimento é progressivo, o que significa, em última análise, que se enriquece de experiências do passado e aquisições do presente. ....em cada época se aplicam reflexões novas ou se aduzem elementos renovadores. É o enriquecimento , de etapa em etapa.” (AMORIM, Deolindo. Análises Espíritas-pág.182 )
  14. 14. Conhecimento Espírita “ ....constitui o repositório de sabedoria que ampara o indivíduo e o impulsiona montanha acima, no rumo dos acumes.” (FRANCO, Divaldo P. Loucura e Obsessão)
  15. 15. “ O Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador Prometido : conhecimento das coisas , fazendo com que o homem saiba de onde vem, para onde vai e por que está na terra; atrai para os verdadeiros princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança“ ALLAN kARDEC (EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO (CAP. VI – 4)
  16. 16. “ A humanidade progride pelos indivíduos que se aperfeiçoam, pouco a pouco, e se esclarecem. Então, quando estes se impõem pelo número, tomam a frente e arrastam os outros...” Questão 789 O Livro dos Espíritos COMPROMISSO DE TODOS NÓS
  17. 17. <ul><li>A necessidade de um curso sistematizado e regular de Espiritismo foi previsto por Alan Kardec: </li></ul>&quot;Um curso regular de Espiritismo seria professado com o fim de desenvolver os princípios da ciência e difundir o gosto pelos estudos sérios (...). Considero esse curso como de natureza a exercer capital influência sobre o futuro do Espiritismo e suas conseqüências.” Obras Póstumas- Projeto 1868.
  18. 18. “ Recentemente formaram-se alguns grupos especiais, cuja multiplicação jamais deixaríamos de encorajar: sãos os denominados grupos de ensino . Neles, ocupam-se pouco ou quase nada das manifestações, mas, sim, da leitura e da explicação de O Livro dos Espíritos, de O Livro dos Médiuns e de artigos da Revista Espírita. KARDEC Viagem Espírita – 1862 – Instruções Particulares – Item, X
  19. 19. Algumas pessoas devotadas reúnem com esse objetivo certo número de ouvintes, suprindo para eles as dificuldades de ler e estudar por si mesmos. Aplaudimos de todo o coração essa iniciativa que, esperamos, terá imitadores e não poderá, em se desenvolvendo, deixar de produzir os mais felizes resultados.”
  20. 20. <ul><li>O grande afluxo de pessoas às Casas Espíritas, no Brasil, definiu a urgência de se organizar um estudo </li></ul><ul><li>metódico do Espiritismo visando o esclarecimento e o apoio moral oferecido pela Doutrina Espírita. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>A Campanha do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita - ESDE, lançada na reunião do Conselho Federativo Nacional de 1983, em Brasília, representou avanço significativo no trabalho de Unificação do Movimento Espírita. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>são núcleos de estudo, de fraternidade, de oração e de trabalho (....) </li></ul><ul><li>são escolas de formação espiritual e moral (...) </li></ul><ul><li>são Casas onde as crianças, os jovens, os adultos e os idosos têm oportunidade de conviver, estudar e trabalhar, (...) </li></ul>O que são os Centros Espíritas?
  23. 23. Os 4 Pilares da Educação para o Século XXI <ul><li>Delors, Jacques (org.) Comissão internacional sobre educação para o século XXI. Educação: um tesouro a descobrir. </li></ul><ul><li>Citado por </li></ul><ul><ul><li>Pereira, Sandra Borba. Reflexões pedagógicas à luz do Evangelho. Paraná: Federação Espírita do Paraná, 2009. </li></ul></ul><ul><ul><li>Joanna de Ângelis/DPF. A Pedagogia de Jesus, in Diretrizes para o êxito, Salvador: LEAL, 2004. </li></ul></ul>
  24. 24. Os 4 Pilares da Educação Relatório Delors / UNESCO <ul><ul><li>Aprender a conhecer </li></ul></ul><ul><ul><li>Aprender a fazer </li></ul></ul><ul><ul><li>Aprender a viver juntos </li></ul></ul><ul><ul><li>Aprender a ser </li></ul></ul>
  25. 25. A categorização da ES.PE.RE ES cola de PE rdão e RE conciliação 4 dimensões do ser humano a daptado de Blaney e Boonen ( 2009). <ul><li>O pensar </li></ul><ul><li>O sentir </li></ul><ul><li>O atuar </li></ul><ul><li>O transcender </li></ul>
  26. 26. Qual o objetivo da Educação? <ul><li>“ Não basta desenvolver as inteligências, é necessário formar caracteres , fortalecer as almas e as consciências . Os conhecimentos devem ser completados por noções que esclareçam o futuro e indiquem o destino do ser . Para renovar uma sociedade, são necessários homens novos e melhores” </li></ul>Léon Denis - Cristianismo e Espiritismo
  27. 27. ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
  28. 28. OBJETIVO FUNDAMENTAL DO ESDE <ul><li>Proporcionar condições para estudar o Espiritismo de forma séria, regular e contínua, tendo como base as obras codificadas por Allan Kardec e o Evangelho de Jesus. </li></ul>
  29. 29. FILOSOFIA DE TRABALHO DO ESDE <ul><li>COOPERAÇÃO </li></ul><ul><li>TRABALHO GRUPAL </li></ul><ul><li>Participação de todos </li></ul><ul><li>Desenvolvimento dos seres humanos </li></ul>
  30. 30. PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS UTILIZADOS NO ESDE <ul><li>“ O que caracteriza um estudo sério é a continuidade que se lhe dá (...). Quem deseje tornar-se versado numa ciência tem que estudar metodicamente, começando pelo princípio e acompanhando o encadeamento e o desenvolvimento das idéias.” </li></ul><ul><li>Allan Kardec: O Livro dos Espíritos. </li></ul><ul><li>Introdução VIII. </li></ul>
  31. 31. OBJETIVOS METODOLÓGICOS Substituir Desenvolver A passividade pela atividade a inteligência O individualismo pela cooperação a fraternidade A coletivização pela individualização a personalidade
  32. 32. “ O Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita constitui o mais eficiente método pedagógico para a educação de todos aqueles que se candidatam à auto-iluminação.” Angel Aguarod - Reformador – março 2008
  33. 33. CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO OU AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE ESTUDO
  34. 34. <ul><li>Kardec adota o método intuitivo - racional na codificação do Espiritismo, considerando o valor da análise experimental, através da observação, e o uso do raciocínio na descoberta da verdade; </li></ul><ul><li>sustenta a necessidade de proceder do simples para o complexo, do particular para o geral; </li></ul><ul><li>consegue, por meio de perguntas e respostas, estabelecer as bases da Codificação Espírita, obtendo pela organização e sabedoria das perguntas, a excelência das respostas. </li></ul>MÉTODO UTILIZADO POR KARDEC
  35. 35. CARACTERÍSTICAS DO MÉTODO EXPERIMENTAL UTILIZADO POR KARDEC NA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA Observação 1 Registros das observações 2 Comparação de dados 3 Análise dos dados 4 Sistematização dos dados 5 Conclusões 6 Publicação de resultados 7
  36. 36. “ Tendo-me as circunstâncias posto em relação com vários médiuns, toda vez que se oferecia ocasião, eu a aproveitava para propor algumas das questões que me pareciam mais melindrosas. Foi assim que mais de dez médiuns prestaram seu concurso a esse trabalho. E foi da comparação e da fusão de toda essas respostas,coordenadas, classificadas e muitas vezes refeitas no silêncio de meditação, que formei a primeira edição de O Livro dos Espíritos, em 18 de abril de 1857.”
  37. 37. <ul><li>UNIVERSALIDADE </li></ul><ul><li>CONCORDÂNCIA </li></ul><ul><li>LINGUAGEM </li></ul><ul><li>LÓGICA </li></ul><ul><li>BOM SENSO </li></ul>CRITÉRIOS
  38. 38. Fidelidade doutrinária Continuidade Aprofunda -mento temático Bom senso Escolha do temário Bibliografia Critérios doutrinários
  39. 39. Clientela Afetivo- cognitivo Vivência dos conhecimentos adquiridos Metodologia Integração horizontal/ vertical Unidade Continuidade Flexibilidade Critérios Psico- pedagógicos

×