VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS

Amarildo César
Amarildo CésarPós Graduação Latu Sensu em Centro Universitário de Caratinga UNEC
08/08/2013 1
CARBOIDRATOS
08/08/2013 2
08/08/2013 3
08/08/2013 4
08/08/2013 5
08/08/2013 6
– Gliconeogênese:
• Síntese de glicose, principalmente no fígado, apartir de
resíduos de carbono de outros compostos(aminoácido,
Piruvato lactato)
– Após a absorção a glicose pode:
• Se tornar energia para fonte metabolismo celular;
• Formar glicogênio para ser armazenado no fígado ou
musculo;
• Se transformar em gordura (triacilglicerol) estoque de
energia.
08/08/2013 7
08/08/2013 8
– Oligossacarídeos → poucos de 2 a 10
monossacarídeos
• Dissacarídeos ou açucares duplos
– Sacarose → glicose + frutose → ocorre
naturalmente na maioria dos alimentos → cana-de-
açucar, beterraba, açúcar mascavo e mel.
– Lactose → glicose + galactose → existe na forma
natural no leite quando processado
individualmente é muito calórico.
– Maltose → glicose + glicose → açúcar do malte→
beterraba, cereais para o desjejum, semente em
germinação.
08/08/2013 9
• Açucares complexo: Polissacarídeos
– União de milhares de moléculas de açúcar.
– Formado a partir da síntese por desidratação uma
reação com perda de água forma uma molécula
mais complexa.
– Polissacarídeos vegetais: amido e fibras
08/08/2013 10
08/08/2013 11
– Amido:
• Armazenado nas plantas
• Ocorre nas sementes → milho, grão do pão, cereais,
massas e produtos de pastelarias
• Existem em grande quantidade nas ervilhas, feijões,
batatas e raízes
• Funciona como reserva de energia para futuras
utilizações
• Existem em duas formas:
– Amilose – cadeia espiral helicoidal – absorção lenta -
– Amilopectina – cadeia ramificada – absorção rápida –
08/08/2013 12
• Fibras
– Celulose: plantas, folhas, caules, sementes e cascas.
• Mais abundante na terra
• Resistente ao fracionamento químico por partes das nossas
enzimas digestivas.
• Uma parte pequena é fermentada por bactérias intestinais e
acaba participando de reações metabólicas.
– Deficiência de fibras:
• Está associada á ocorrência de obesidade, diabetes, distúrbios
digestivos incluindo canceres de boca, faringe, esôfago e
estomago
• Ajudam na raspagem das paredes intestinais
• Fixam substancias químicas que prejudicam nosso organismo
08/08/2013 13
– Polissacarídeo animal:
• Glicogênio
– Armazenamento peculiar (reserva) nos músculos e
fígado.
– Formado como um grande polímero polissacarídico
a partir de um processo de glicogênese (enzima
glicogênio sintase) aproximadamente 30.000
moléculas de glicose unidas.
– Glicogênio intramuscular – principal fonte de
energética na forma de carboidrato; o hepático que
transformado rapidamente em glicose e é lançado
no sangue (Glicogenólise)
08/08/2013 14
08/08/2013 15
79%
20%
1%
Carboidratos totais pessoa 80kg (503g / 2012kcal)
Glicogênio Muscular
400g/1.600kcal
Glicogênio Hépatico
100g/400kcal
Glicose plasmática
3g/12kcal
• PAPEL DOS CARBOIDRATOS
– Fonte de energia – principal combustível
energético principalmente em exercícios
de alta intensidade
– Preservação das proteínas – sua
preservação é essencial para:
• Manutenção tecidual no reparo e
crescimento;
– Ativador metabólico – funciona com um
substrato ativador no metabolismo das
gorduras.
– Combustível para o SNC.
08/08/2013 16
• Dinâmica dos carboidratos:
– Fatores como intensidade, aptidão, estado
nutricional determinam a mistura dos
combustíveis utilizados durante a exercícios.
– Fígado libera glicose afim de ativar o músculo a
medida que o exercício progride de baixa para alta
intensidade;
– O glicogênio muscular representa a fonte
energética predominante, na forma de
carboidrato nos estágios iniciais a quando A
intensidade aumenta;
08/08/2013 17
– Nos exercícios aeróbicos de alta intensidade os carboidratos
tem preferencia na utilização pois fornecem ATP
rapidamente graças ao processo oxidativo.
– Nos exercícios anaeróbicos o carboidrato constitui o único
macronutrientes que contribui com ATP.
– A concentração sanguínea de glicose funciona como
feedback para produção no fígado.
– A disponibilidade de carboidrato durante o exercício ajuda a
regular a mobilização de gordura. Ex: ingerir carboidrato de
alto índice glicêmico inibe a oxidação de AG de cadeia
longa e a liberação de AGL do tecido adiposo.
08/08/2013 18
– Exercício intenso
• Nos exercícios vigorosos fatores neuro-
humorais aumenta a produção de
adrenalina, noradrenalina e glucagon e
reduzem a liberação de insulina. (ativa
enzima Glicogênio fosfotilase)
• Facilita da conversão glicogênio-glicose
(Glicogenólise) no fígado e músculos ativos.
• O glicogênio muscular fornece energia sem
oxigênio importante nos minutos iniciais do
exercício quando o oxigênio não consegue
atender a demanda.
• A medida que o exercício vigoroso prossegue
a glicose carreada aumenta sua contribuição.
08/08/2013 19
08/08/2013 20
–Exercício Moderado e prolongado
• O glicogênio armazenado fornece
energia da transição do repouso para
o exercício moderado.
• Durante 20 minutos iniciais o
glicogênio hepático supre 40 a 50%
da demanda energética o restante é
proporcionado pelo metabolismo das
gorduras e sua utilização limitada
pela proteína.
08/08/2013 21
– No exercício leve a gordura é o principal
substrato energético.
– A mistura dos nutrientes (CHO e lipídios)
depende da intensidade relativa do
exercício.
– Com prosseguimento do exercício leve e
a diminuição do glicogênio muscular a
glicose sanguínea passa a ser a principal
fonte de energia derivada dos CHO
enquanto o catabolismo das gorduras
fornece um percentual cada vez maior
de energia
08/08/2013 22
LÍPIDIOS
08/08/2013 23
FÓRMULA → CHO, mais especificamente a relação de H
e O ultrapassa consideravelmente o C.
Carboidratos Lipídios
glicose
𝐶6 𝐻12 𝑂6 → (𝐶𝐻20) 𝑛 → relação H:O = 2:1
Amido
𝐶6 𝐻10 𝑂5
Frutose
𝐶6 𝐻12 𝑂6
Lactose
𝐶12 𝐻22 𝑂11
ESTEARINA (ÁCIDO ESTEÁRICO)
Lipídio comum, componente de alguns
sabonetes
𝐶57 𝐻110 𝑂6→ relação H:O = 18,3:1
TRIAGLICERÍDEO – glicerol + 3 ácidos
graxos
𝐶55 𝐻98 𝑂6 → relação H:O = 16,3:1
08/08/2013 24
• TIPOS E FONTES -
– TIPOS: Simples
• Triacilglicerol → glicerol + 3 ácidos graxos
• Ácidos graxos saturados → contem
ligações covalentes simples → estão
associados as doenças cardiovasculares →
carne bovina, de porco, gema de ovo,
manteiga
• Ácidos graxos insaturados → contem
ligações duplas ou nas ligações da cadeia
(monoinsaturados e poliinsaturados) –
são mais saudáveis → óleo de soja,
canola, girassol, milho
08/08/2013 25
26
Ácido graxo saturado Ácido graxo
insaturado
Esterificação
08/08/2013 27
– Formação → chamado de esterificação → ácido graxo +
Coezima A forma a acil-CoA adiposa é transferida ao
glicerol, em seguida mais 2 Acil-CoA se unem formando o
triacilglicerol.
– Fracionamento do triacilglicerol → lipólise →catabolismo
do triacilglicerol e produz glicerol e ácidos graxo esse se
predomina em condições:
• Exercício baixo a moderado;
• Dieta pobre em calorias;
• Estresse induzido pelo frio; - (inverno e emagrecimento)
• E exercícios prolongados que depledam as reservas de
glicogênio.
08/08/2013 28
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
–Tanto a esterificação quanto a
lipólise ocorrem no citosol do
adipócito.
–Os ácidos graxos liberados na
lipólise podem:
• 1. Serem reesterificados,
• 2. Sair do adipócito, combinar
com a albumina e e circular pelo
corpo na forma de Acido graxo
livre. Fica claro uma das funções
da albumina no emagrecimento.
08/08/2013 30
• COMPOSTOS
– Fosfolipídios – membranas celulares, coagulação
sanguinea e isolante das fibras nervosas
– Glicolipídios – ácidos graxos ligados com CHO e
nitrogênio.
– Lipoproteínas
• HDL – colesterol bom
• LDL – colesterol ruim
• VLDL – produtor de LDL
08/08/2013 31
• DERIVADOS
– Colesterol
• Construção das membranas celulares
• Precursor da síntese de vitamina D e hormônios sexuais
estrogênio, androgênio e progesterona
• Emulsificar os lipídios na digestão
• Formação de tecidos
• Formação fetal
08/08/2013 32
• PAPEL DOS LIPIDIOS
– Fontes e reservas de energia
– Proteção dos órgão vitais
– Isolante térmico
– Carreador de vitaminas lipossolúveis
– Depressor da fome.
08/08/2013 33
• DINAMICA NO EXERCICIO
– AGL + triacilglicerol intramuscular e plasmático
(VLDL) supre de 30 a 80% de energia da
atividade física dependendo do estado
nutricional, aptidão, intensidade e duração do
exercício.
08/08/2013 34
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
Proteínas
• Combinação de aminoácidos;
• Adulto → 10 a 12 kg → 60 a 75% do músculo;
• Ser humano ingere 10 a 15% de proteína;
• Na digestão a proteína é hidrolisada em
aminoácidos afim e serem absorvidos no
intestino.
• Conteúdo proteico é estável não existindo
“reservas” de aminoácidos.
• O conteúdo não utilizado na síntese proteica
ou hormônios são utilizado no metabolismo
energético (gliconeogênese) ou na forma
triacilglicerol para armazenamento no
adipócitos.
Proteínas
Estrutura
Grupo Amina
Ácido orgânico → grupo carboxila → COOH
Grupo R – cadeia lateral
}
20 aminoácidos
permite um grande
numero de
combinações
Ex: Combinações com 3 aminoácidos
203 = 8000 proteínas
Proteínas
• Tipos aminoácidos:
– Essenciais – organismo NÃO consegue sintetizar
• Ex: Leucina, Isoleucina e Valina - BCAA
– Não essenciais – crescimento e reparo.
Proteínas
• Tipos proteínas:
– Proteína completa – alta
qualidade com todos os
aminoácidos essenciais
– Proteína incompleta – baixa
qualidade que pode levar à
desnutrição proteica.
• Fontes: ovos, leite, carnes,
peixe e aves.
Proteínas
• Alta qualidade: soro do leite, colostro, caseína,
proteína do leite e ovos → representam a mistura
ideal de aminoácidos essenciais.
VALOR BIOLÓGICO
Animais
ALTO VALOR
BIOLÓGICO
Vegetais
BAIXO VALOR
BIOLÓGICO
Feijão, lentilha, ervilha
e cereais.
Ingesta recomendada
Massa muscular não aumenta apenas pela
ingesta excessiva de proteína.(MCARDLE,2008)
44%
24%
19%
13% Carne, peixe, aves e ovos
Laticínios
Cereais
Frutas, vegetais, feijões,
gorduras e óleos
Ingesta recomendada
• Atletas (endurance ou resistência)
– ↑ 2 a 3 x na ingesta
• Proteína excessiva → após a desaminação
pode → energia ou gordura
Papel das proteínas
• Fontes corporais
– Plasma
– Tecido visceral
– Músculos
Papel das proteínas
• Estrutura tecidual
• Componentes do metabolismo, transporte e hormonal
• Conteúdo proteico no músculo
• Componentes sanguíneo: plasma, coagulação e carreador de
oxigênio.
• Hormônios → adrenalina, serotonina, etc
• Ativador de vitaminas reguladoras do metabolismo e
fisiológicos
• Crescimento
• Reparo tecidual
• Componentes da membrana celular e núcleo (RNA, DNA)
• Controle do pH → tamponamento → Ex: exercício vigoroso.
Hemácia
Oxihemoglobina – HbO2
Carboxihemoglobina – HbCO2
08/08/2013
Fisiologia Respiratória - Profº
Amarildo César
45
CO2
𝐶𝑂2 + 𝐻𝑏𝑂2 − 𝑁𝐻2
O2
 Hb − NHCOO− + O2 + H+
𝐶𝑂2 + 𝐻2 𝑂  H2CO3  HCO3 + H+
ANIDRASE
CARBÔNICA
HCO3
HbO2 → HHB + 02
H2O
H2O
Hematose – Troca gasosa
08/08/2013
Fisiologia Respiratória - Profº
Amarildo César
46
Dinâmica das proteínas
• No catabolismo
– Proteína é degradada
– Aminoácido → desaminação no
fígado (NH2)→ ureia
– Novo aminoácido
• Energia → carboidrato → glicose
• Gordura → ácido graxo
Proteínas no exercício
EXERCÍCIO
↑ INTENSIDADE
↑CO2 → PROVENIENTE AMINOÁCIDOS.
↑ URÉIA PLASMÁTICA
↑ N → SUOR
↓ RESERVAS DE
GLICOGÊNIO
GLICONEOGÊNESE – FÍGADO
MANUTENÇÃO GLICOSE SANGUINEA.
Glicogênio
↓
↓
Glicose
↓
Piruvato
↓
↑
Aminoácido
NH2 →
↑
PiruvatoNH2 
↓
URÉIA
↑
Glicose Glicogênio
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
1 de 50

Recomendados

Alimentação, nutrição e saúdeAlimentação, nutrição e saúde
Alimentação, nutrição e saúdefabriciosv
5.4K visualizações14 slides
Alimentos e nutrientesAlimentos e nutrientes
Alimentos e nutrientesAna Beatriz Gonçalves
3.1K visualizações15 slides
Pirâmide dos alimentosPirâmide dos alimentos
Pirâmide dos alimentos7f14_15
5K visualizações11 slides
Saúde - nutrição e nutrientes 4Saúde - nutrição e nutrientes 4
Saúde - nutrição e nutrientes 4Helena Rocha
2.9K visualizações18 slides
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãothayscler
31.9K visualizações35 slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutriçãoLuciana Foerstnow
2.9K visualizações110 slides
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação SaudávelLeanir
2.2K visualizações8 slides
 Nutriçao.. esportiva Nutriçao.. esportiva
Nutriçao.. esportivaelcinho
6.2K visualizações21 slides
NutrientesNutrientes
Nutrientescn2012
12.8K visualizações16 slides
vitaminas vitaminas
vitaminas divadias
2.7K visualizações60 slides

Mais procurados(20)

Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutrição
Luciana Foerstnow2.9K visualizações
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
Leanir2.2K visualizações
 Nutriçao.. esportiva Nutriçao.. esportiva
Nutriçao.. esportiva
elcinho6.2K visualizações
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
Katiucia Ferreira1.8K visualizações
NutrientesNutrientes
Nutrientes
cn201212.8K visualizações
vitaminas vitaminas
vitaminas
divadias2.7K visualizações
Suplementos AlimentaresSuplementos Alimentares
Suplementos Alimentares
Vitor Morais2.3K visualizações
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientes
Maria Pontes109.5K visualizações
 Alimentação saudável.pptx_ Alimentação saudável.pptx_
Alimentação saudável.pptx_
Risoleta Montez8K visualizações
NutriçãoNutrição
Nutrição
Eduarda Cortina7K visualizações
A Saúde   A Nutrição & Os Nutrientes 4A Saúde   A Nutrição & Os Nutrientes 4
A Saúde A Nutrição & Os Nutrientes 4
Helena Rocha9.4K visualizações
Alimentos FuncionaisAlimentos Funcionais
Alimentos Funcionais
Marcel Thomas25.4K visualizações
Aula lipidiosAula lipidios
Aula lipidios
ftprimo2.7K visualizações
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
Catarina Calçada6.9K visualizações
Cardápio dieta brandaCardápio dieta branda
Cardápio dieta branda
Janaíra Alves29.4K visualizações
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
Professor Robson4.9K visualizações
Alimentos, nutrientes e saúdeAlimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúde
Cristiane Koch62.4K visualizações
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelHábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Alimentação Saudável50.1K visualizações
Alimentação saudavel 2013Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013
Meire de Fatima43.8K visualizações
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
themis dovera6.2K visualizações

Destaque

Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Sergio Câmara
7.9K visualizações39 slides
áCidos graxosáCidos graxos
áCidos graxosDagno Salvador
2.9K visualizações38 slides
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fspMessias Miranda
1.9K visualizações43 slides

Destaque(20)

Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2
Sergio Câmara7.9K visualizações
Atividade avaliativa   calorias nos alimentosAtividade avaliativa   calorias nos alimentos
Atividade avaliativa calorias nos alimentos
Escola Pública/Particular11.9K visualizações
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Diogo Santos11.4K visualizações
Atividade de reposição. 2 a 2b e 2cAtividade de reposição. 2 a 2b e 2c
Atividade de reposição. 2 a 2b e 2c
Glaucia Perez2.8K visualizações
áCidos graxosáCidos graxos
áCidos graxos
Dagno Salvador2.9K visualizações
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
Messias Miranda1.9K visualizações
Acídos graxosAcídos graxos
Acídos graxos
Dagno Salvador2.8K visualizações
Proteínas essenciais e metabolismo do choProteínas essenciais e metabolismo do cho
Proteínas essenciais e metabolismo do cho
PhoenixSportFitness472 visualizações
Processos de obtenção de energia - Parte IIProcessos de obtenção de energia - Parte II
Processos de obtenção de energia - Parte II
Larissa Yamazaki14.9K visualizações
Controle de metabolismo Controle de metabolismo
Controle de metabolismo
Emanuel Fraca1.8K visualizações
Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Alpha Colégio e Vestibulares1.8K visualizações
Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15
Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15
Alpha Colégio e Vestibulares1.6K visualizações
Nutrientes e energiaNutrientes e energia
Nutrientes e energia
spondias1.4K visualizações
Proteinas daniProteinas dani
Proteinas dani
Sarahy Pazos1.2K visualizações
Gliconeog..Gliconeog..
Gliconeog..
Janio Silva Vieira660 visualizações
Tipos de ácidos graxosTipos de ácidos graxos
Tipos de ácidos graxos
Carlos Kramer8.6K visualizações
Metabolismo de proteínas famedMetabolismo de proteínas famed
Metabolismo de proteínas famed
Rhomelio Anderson3.3K visualizações
Ácidos graxos e gordurasÁcidos graxos e gorduras
Ácidos graxos e gorduras
FlavianaRibeiro11.8K visualizações
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
farmaefarma11K visualizações

Similar a VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS

Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposoTalita Dezidério
8.3K visualizações10 slides
Bases de nutrição Bases de nutrição
Bases de nutrição Jacqueline Alvarez-Leite
4.2K visualizações41 slides
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético Viviane Vasconcelos
14K visualizações25 slides
Glicídios.Glicídios.
Glicídios.Lara Lídia
2.7K visualizações11 slides

Similar a VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS(20)

Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Eric Liberato7.8K visualizações
Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposo
Talita Dezidério8.3K visualizações
Carboidratos por Marco Antônio M. MenezesCarboidratos por Marco Antônio M. Menezes
Carboidratos por Marco Antônio M. Menezes
somemarco656 visualizações
Bases de nutrição Bases de nutrição
Bases de nutrição
Jacqueline Alvarez-Leite4.2K visualizações
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético
Viviane Vasconcelos14K visualizações
Glicídios.Glicídios.
Glicídios.
Lara Lídia2.7K visualizações
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda8.7K visualizações
NUTRIÇÃO APLICADA A MUSCULAÇÃONUTRIÇÃO APLICADA A MUSCULAÇÃO
NUTRIÇÃO APLICADA A MUSCULAÇÃO
marcostrainer719.3K visualizações
Os carboidratos de reserva e os lipídiosOs carboidratos de reserva e os lipídios
Os carboidratos de reserva e os lipídios
Alpha Colégio e Vestibulares7.9K visualizações
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Prefeitura Municipal de Bandeirantes,PR174 visualizações
CARBOIDRATOS.pdfCARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdf
SilvioMattos316 visualizações
Glúcidos e Glicemia.pptxGlúcidos e Glicemia.pptx
Glúcidos e Glicemia.pptx
Unidade local de saude de Castelo Branco25 visualizações
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
Seleste Mendes Pereira1.6K visualizações
Metabolismo de Carboidratos: Exercício Físico e DietaMetabolismo de Carboidratos: Exercício Físico e Dieta
Metabolismo de Carboidratos: Exercício Físico e Dieta
Diversas instituições190 visualizações
Slides pss ii alimentos e nutrientesSlides pss ii alimentos e nutrientes
Slides pss ii alimentos e nutrientes
Evenilson Silvestre da Luz117 visualizações
Slides pss ii alimentos e nutrientesSlides pss ii alimentos e nutrientes
Slides pss ii alimentos e nutrientes
Evenilson Silvestre da Luz972 visualizações
Slides pss ii alimentos e nutrientesSlides pss ii alimentos e nutrientes
Slides pss ii alimentos e nutrientes
Evenilson Silvestre da Luz883 visualizações
Nh   2.3 - lipídeosNh   2.3 - lipídeos
Nh 2.3 - lipídeos
Eric Liberato5.9K visualizações
Nutrição e atividade físicaNutrição e atividade física
Nutrição e atividade física
Andre Rui Dorta4.3K visualizações

Mais de Amarildo César(19)

AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdfAULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
Amarildo César21 visualizações
SLIDE DESMAIO.pdfSLIDE DESMAIO.pdf
SLIDE DESMAIO.pdf
Amarildo César173 visualizações
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptxGRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
Amarildo César191 visualizações
PilatesPilates
Pilates
Amarildo César255 visualizações
Ficha de musculação para ciclistaFicha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclista
Amarildo César18.8K visualizações
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César30K visualizações
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e físicainstrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
Amarildo César15.1K visualizações
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
Amarildo César12.3K visualizações
1   aula transferencia1   aula transferencia
1 aula transferencia
Amarildo César1.3K visualizações
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
Amarildo César24.7K visualizações
FlexibilidadeFlexibilidade
Flexibilidade
Amarildo César13.7K visualizações
ANTROPOMETRIAANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIA
Amarildo César40.4K visualizações
Anamnese & Fatores de Risco DACAnamnese & Fatores de Risco DAC
Anamnese & Fatores de Risco DAC
Amarildo César4.8K visualizações
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Amarildo César20.3K visualizações
Avaliação física masterAvaliação física master
Avaliação física master
Amarildo César845 visualizações
Livros escaneados - Avaliação da composição corporalLivros escaneados - Avaliação da composição corporal
Livros escaneados - Avaliação da composição corporal
Amarildo César1.7K visualizações
Trabalho de cinesiologia_correTrabalho de cinesiologia_corre
Trabalho de cinesiologia_corre
Amarildo César7.1K visualizações

Último(20)

Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docxTecnologia Hanak Anacona Ayala.docx
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docx
HanaAnaconaAyala12 visualizações
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptxSEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
profesfrancleite28 visualizações
Santa Cecília - Padroeira dos MúsicosSanta Cecília - Padroeira dos Músicos
Santa Cecília - Padroeira dos Músicos
bibliotecaCMP77 visualizações
Concurso da Sardinha .pptxConcurso da Sardinha .pptx
Concurso da Sardinha .pptx
BibliotecaLavra19 visualizações
Feliz Ano NovoFeliz Ano Novo
Feliz Ano Novo
Lucas Araujo20 visualizações
Poemas de Natal Poemas de Natal
Poemas de Natal
Mary Alvarenga56 visualizações
Reflexió personal.pdfReflexió personal.pdf
Reflexió personal.pdf
RaulGomez82256128 visualizações

VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS

  • 7. – Gliconeogênese: • Síntese de glicose, principalmente no fígado, apartir de resíduos de carbono de outros compostos(aminoácido, Piruvato lactato) – Após a absorção a glicose pode: • Se tornar energia para fonte metabolismo celular; • Formar glicogênio para ser armazenado no fígado ou musculo; • Se transformar em gordura (triacilglicerol) estoque de energia. 08/08/2013 7
  • 9. – Oligossacarídeos → poucos de 2 a 10 monossacarídeos • Dissacarídeos ou açucares duplos – Sacarose → glicose + frutose → ocorre naturalmente na maioria dos alimentos → cana-de- açucar, beterraba, açúcar mascavo e mel. – Lactose → glicose + galactose → existe na forma natural no leite quando processado individualmente é muito calórico. – Maltose → glicose + glicose → açúcar do malte→ beterraba, cereais para o desjejum, semente em germinação. 08/08/2013 9
  • 10. • Açucares complexo: Polissacarídeos – União de milhares de moléculas de açúcar. – Formado a partir da síntese por desidratação uma reação com perda de água forma uma molécula mais complexa. – Polissacarídeos vegetais: amido e fibras 08/08/2013 10
  • 12. – Amido: • Armazenado nas plantas • Ocorre nas sementes → milho, grão do pão, cereais, massas e produtos de pastelarias • Existem em grande quantidade nas ervilhas, feijões, batatas e raízes • Funciona como reserva de energia para futuras utilizações • Existem em duas formas: – Amilose – cadeia espiral helicoidal – absorção lenta - – Amilopectina – cadeia ramificada – absorção rápida – 08/08/2013 12
  • 13. • Fibras – Celulose: plantas, folhas, caules, sementes e cascas. • Mais abundante na terra • Resistente ao fracionamento químico por partes das nossas enzimas digestivas. • Uma parte pequena é fermentada por bactérias intestinais e acaba participando de reações metabólicas. – Deficiência de fibras: • Está associada á ocorrência de obesidade, diabetes, distúrbios digestivos incluindo canceres de boca, faringe, esôfago e estomago • Ajudam na raspagem das paredes intestinais • Fixam substancias químicas que prejudicam nosso organismo 08/08/2013 13
  • 14. – Polissacarídeo animal: • Glicogênio – Armazenamento peculiar (reserva) nos músculos e fígado. – Formado como um grande polímero polissacarídico a partir de um processo de glicogênese (enzima glicogênio sintase) aproximadamente 30.000 moléculas de glicose unidas. – Glicogênio intramuscular – principal fonte de energética na forma de carboidrato; o hepático que transformado rapidamente em glicose e é lançado no sangue (Glicogenólise) 08/08/2013 14
  • 15. 08/08/2013 15 79% 20% 1% Carboidratos totais pessoa 80kg (503g / 2012kcal) Glicogênio Muscular 400g/1.600kcal Glicogênio Hépatico 100g/400kcal Glicose plasmática 3g/12kcal
  • 16. • PAPEL DOS CARBOIDRATOS – Fonte de energia – principal combustível energético principalmente em exercícios de alta intensidade – Preservação das proteínas – sua preservação é essencial para: • Manutenção tecidual no reparo e crescimento; – Ativador metabólico – funciona com um substrato ativador no metabolismo das gorduras. – Combustível para o SNC. 08/08/2013 16
  • 17. • Dinâmica dos carboidratos: – Fatores como intensidade, aptidão, estado nutricional determinam a mistura dos combustíveis utilizados durante a exercícios. – Fígado libera glicose afim de ativar o músculo a medida que o exercício progride de baixa para alta intensidade; – O glicogênio muscular representa a fonte energética predominante, na forma de carboidrato nos estágios iniciais a quando A intensidade aumenta; 08/08/2013 17
  • 18. – Nos exercícios aeróbicos de alta intensidade os carboidratos tem preferencia na utilização pois fornecem ATP rapidamente graças ao processo oxidativo. – Nos exercícios anaeróbicos o carboidrato constitui o único macronutrientes que contribui com ATP. – A concentração sanguínea de glicose funciona como feedback para produção no fígado. – A disponibilidade de carboidrato durante o exercício ajuda a regular a mobilização de gordura. Ex: ingerir carboidrato de alto índice glicêmico inibe a oxidação de AG de cadeia longa e a liberação de AGL do tecido adiposo. 08/08/2013 18
  • 19. – Exercício intenso • Nos exercícios vigorosos fatores neuro- humorais aumenta a produção de adrenalina, noradrenalina e glucagon e reduzem a liberação de insulina. (ativa enzima Glicogênio fosfotilase) • Facilita da conversão glicogênio-glicose (Glicogenólise) no fígado e músculos ativos. • O glicogênio muscular fornece energia sem oxigênio importante nos minutos iniciais do exercício quando o oxigênio não consegue atender a demanda. • A medida que o exercício vigoroso prossegue a glicose carreada aumenta sua contribuição. 08/08/2013 19
  • 21. –Exercício Moderado e prolongado • O glicogênio armazenado fornece energia da transição do repouso para o exercício moderado. • Durante 20 minutos iniciais o glicogênio hepático supre 40 a 50% da demanda energética o restante é proporcionado pelo metabolismo das gorduras e sua utilização limitada pela proteína. 08/08/2013 21
  • 22. – No exercício leve a gordura é o principal substrato energético. – A mistura dos nutrientes (CHO e lipídios) depende da intensidade relativa do exercício. – Com prosseguimento do exercício leve e a diminuição do glicogênio muscular a glicose sanguínea passa a ser a principal fonte de energia derivada dos CHO enquanto o catabolismo das gorduras fornece um percentual cada vez maior de energia 08/08/2013 22
  • 24. FÓRMULA → CHO, mais especificamente a relação de H e O ultrapassa consideravelmente o C. Carboidratos Lipídios glicose 𝐶6 𝐻12 𝑂6 → (𝐶𝐻20) 𝑛 → relação H:O = 2:1 Amido 𝐶6 𝐻10 𝑂5 Frutose 𝐶6 𝐻12 𝑂6 Lactose 𝐶12 𝐻22 𝑂11 ESTEARINA (ÁCIDO ESTEÁRICO) Lipídio comum, componente de alguns sabonetes 𝐶57 𝐻110 𝑂6→ relação H:O = 18,3:1 TRIAGLICERÍDEO – glicerol + 3 ácidos graxos 𝐶55 𝐻98 𝑂6 → relação H:O = 16,3:1 08/08/2013 24
  • 25. • TIPOS E FONTES - – TIPOS: Simples • Triacilglicerol → glicerol + 3 ácidos graxos • Ácidos graxos saturados → contem ligações covalentes simples → estão associados as doenças cardiovasculares → carne bovina, de porco, gema de ovo, manteiga • Ácidos graxos insaturados → contem ligações duplas ou nas ligações da cadeia (monoinsaturados e poliinsaturados) – são mais saudáveis → óleo de soja, canola, girassol, milho 08/08/2013 25
  • 26. 26 Ácido graxo saturado Ácido graxo insaturado
  • 28. – Formação → chamado de esterificação → ácido graxo + Coezima A forma a acil-CoA adiposa é transferida ao glicerol, em seguida mais 2 Acil-CoA se unem formando o triacilglicerol. – Fracionamento do triacilglicerol → lipólise →catabolismo do triacilglicerol e produz glicerol e ácidos graxo esse se predomina em condições: • Exercício baixo a moderado; • Dieta pobre em calorias; • Estresse induzido pelo frio; - (inverno e emagrecimento) • E exercícios prolongados que depledam as reservas de glicogênio. 08/08/2013 28
  • 30. –Tanto a esterificação quanto a lipólise ocorrem no citosol do adipócito. –Os ácidos graxos liberados na lipólise podem: • 1. Serem reesterificados, • 2. Sair do adipócito, combinar com a albumina e e circular pelo corpo na forma de Acido graxo livre. Fica claro uma das funções da albumina no emagrecimento. 08/08/2013 30
  • 31. • COMPOSTOS – Fosfolipídios – membranas celulares, coagulação sanguinea e isolante das fibras nervosas – Glicolipídios – ácidos graxos ligados com CHO e nitrogênio. – Lipoproteínas • HDL – colesterol bom • LDL – colesterol ruim • VLDL – produtor de LDL 08/08/2013 31
  • 32. • DERIVADOS – Colesterol • Construção das membranas celulares • Precursor da síntese de vitamina D e hormônios sexuais estrogênio, androgênio e progesterona • Emulsificar os lipídios na digestão • Formação de tecidos • Formação fetal 08/08/2013 32
  • 33. • PAPEL DOS LIPIDIOS – Fontes e reservas de energia – Proteção dos órgão vitais – Isolante térmico – Carreador de vitaminas lipossolúveis – Depressor da fome. 08/08/2013 33
  • 34. • DINAMICA NO EXERCICIO – AGL + triacilglicerol intramuscular e plasmático (VLDL) supre de 30 a 80% de energia da atividade física dependendo do estado nutricional, aptidão, intensidade e duração do exercício. 08/08/2013 34
  • 36. Proteínas • Combinação de aminoácidos; • Adulto → 10 a 12 kg → 60 a 75% do músculo; • Ser humano ingere 10 a 15% de proteína; • Na digestão a proteína é hidrolisada em aminoácidos afim e serem absorvidos no intestino. • Conteúdo proteico é estável não existindo “reservas” de aminoácidos. • O conteúdo não utilizado na síntese proteica ou hormônios são utilizado no metabolismo energético (gliconeogênese) ou na forma triacilglicerol para armazenamento no adipócitos.
  • 37. Proteínas Estrutura Grupo Amina Ácido orgânico → grupo carboxila → COOH Grupo R – cadeia lateral } 20 aminoácidos permite um grande numero de combinações Ex: Combinações com 3 aminoácidos 203 = 8000 proteínas
  • 38. Proteínas • Tipos aminoácidos: – Essenciais – organismo NÃO consegue sintetizar • Ex: Leucina, Isoleucina e Valina - BCAA – Não essenciais – crescimento e reparo.
  • 39. Proteínas • Tipos proteínas: – Proteína completa – alta qualidade com todos os aminoácidos essenciais – Proteína incompleta – baixa qualidade que pode levar à desnutrição proteica. • Fontes: ovos, leite, carnes, peixe e aves.
  • 40. Proteínas • Alta qualidade: soro do leite, colostro, caseína, proteína do leite e ovos → representam a mistura ideal de aminoácidos essenciais. VALOR BIOLÓGICO Animais ALTO VALOR BIOLÓGICO Vegetais BAIXO VALOR BIOLÓGICO Feijão, lentilha, ervilha e cereais.
  • 41. Ingesta recomendada Massa muscular não aumenta apenas pela ingesta excessiva de proteína.(MCARDLE,2008) 44% 24% 19% 13% Carne, peixe, aves e ovos Laticínios Cereais Frutas, vegetais, feijões, gorduras e óleos
  • 42. Ingesta recomendada • Atletas (endurance ou resistência) – ↑ 2 a 3 x na ingesta • Proteína excessiva → após a desaminação pode → energia ou gordura
  • 43. Papel das proteínas • Fontes corporais – Plasma – Tecido visceral – Músculos
  • 44. Papel das proteínas • Estrutura tecidual • Componentes do metabolismo, transporte e hormonal • Conteúdo proteico no músculo • Componentes sanguíneo: plasma, coagulação e carreador de oxigênio. • Hormônios → adrenalina, serotonina, etc • Ativador de vitaminas reguladoras do metabolismo e fisiológicos • Crescimento • Reparo tecidual • Componentes da membrana celular e núcleo (RNA, DNA) • Controle do pH → tamponamento → Ex: exercício vigoroso.
  • 45. Hemácia Oxihemoglobina – HbO2 Carboxihemoglobina – HbCO2 08/08/2013 Fisiologia Respiratória - Profº Amarildo César 45
  • 46. CO2 𝐶𝑂2 + 𝐻𝑏𝑂2 − 𝑁𝐻2 O2  Hb − NHCOO− + O2 + H+ 𝐶𝑂2 + 𝐻2 𝑂  H2CO3  HCO3 + H+ ANIDRASE CARBÔNICA HCO3 HbO2 → HHB + 02 H2O H2O Hematose – Troca gasosa 08/08/2013 Fisiologia Respiratória - Profº Amarildo César 46
  • 47. Dinâmica das proteínas • No catabolismo – Proteína é degradada – Aminoácido → desaminação no fígado (NH2)→ ureia – Novo aminoácido • Energia → carboidrato → glicose • Gordura → ácido graxo
  • 48. Proteínas no exercício EXERCÍCIO ↑ INTENSIDADE ↑CO2 → PROVENIENTE AMINOÁCIDOS. ↑ URÉIA PLASMÁTICA ↑ N → SUOR ↓ RESERVAS DE GLICOGÊNIO GLICONEOGÊNESE – FÍGADO MANUTENÇÃO GLICOSE SANGUINEA.