Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)

17.653 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.653
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
517
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)

  1. 1. CINEANTROPOMETRIADisciplina de Medidas e Avaliação em Educação Física Prof. Amarildo César
  2. 2. NENHUM TESTE OU MEDIDA É PERFEITODEVE SEMPRE HAVER O RETESTEPARA QUE POSSAMOS AVALIAR O DESEMPENHO
  3. 3. CINEANTROPOMETRIAKINEIN: O sufixo significa “movimento” e refleteo estudo do movimento, das trocas que ocorremno homem. É o símbolo da vida, da evolução e dodesenvolvimento do ser humano.ANTHROPOS: O tema central cujo significado é“homem” o qual vamos medir, o objeto principaldo nosso estudo.METREIN: O sufixo que tem um significado defácil compreensão, “medida”.
  4. 4. CINEANTROPOMETRIAPalavra de origem grega que significa:“MEDIR O HOMEM EM MOVIMENTO”
  5. 5. HISTÓRICO Sem sombra de dúvida, o fenômeno quemais tem captado a atenção do ser humanoatravés da sua história, tem sido o própriohomem, e tão complexo é analisar suatotalidade que se faz necessário dividi-lo, euma destas divisões, é a cineantropometria.
  6. 6. HISTÓRICO• 400 a.C. Hipócrates faz as primeiras referências ao conceito de estrutura humana, foi um dos primeiros a classificar os indivíduos segundo sua morfologia em tísicos ou delgados e apopléticos ou musculosos.• Século XVII Elsholtz emprega pela 1ª vez o termo “antropometria” em uma série de estudos morfológicos realizados na Universidade de Pádua.
  7. 7. Hipócrates (460-377 a.C.)
  8. 8. J. S. Elsholtz (1623-1688)
  9. 9. HISTÓRICO• 1930 desenvolve-se um “compasso”, similar a uma pinça que permite medir a gordura em determinadas partes do corpo.• 1972 pela primeira vez usa-se o termo “cineantropometria” num artigo de Willian Ross na revista científica belga Kinanthropologie.
  10. 10. HISTÓRICO 1976 no Congresso Científico Olímpico(Montreal 1976). A cineantropometria foiapresentada pela primeira vez como umaespecialidade emergente e de grandeaplicabilidade na área da atividade física,nutrição e alto rendimento. 1978 acontece o 1o Congresso Mundial deCineantropometria. Até 1990 haveriam outrostrês. A cineantropometria é reconhecidacomo ciência.
  11. 11. HISTÓRICO No final dos anos 70 início dos 80desenvolvem-se os principais métodos demensuração e avaliação da composiçãocorporal: Ultra-som, Tomografia computado-rizada, Bio-Impedância, etc. Mais a frente em1987 surge o DEXA. 1939 BRASIL. É introduzido o ensino daBiometria nas Escolas de Educação Física.Em 1984 é lançado o primeiro livro queiniciou o estudo da Cineantropometria
  12. 12. 12 12/08/2011
  13. 13. MEDIDA É uma determinação de grandeza e se constitui no 1o instrumento para se obter informação sobre algum dado pesquisado, geralmente expressam um resultado em forma numérica. Ex. X kilogramas / Y segundos / Z metros. 13 12/08/2011Fonte: FARINATTI & MONTEIRO, 2000; FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004.
  14. 14. MEDIDAPara perfeita aplicação da medida, deve-se conhecer aresposta para três questões básicas:• O que medir? Ex. % gordura;• Porque medir? Ex. Prescrição de programa deemagrecimento;• Como medir? Ex. Dobras cutâneas. 14 12/08/2011Fonte: FARINATTI & MONTEIRO, 2000; FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004.
  15. 15. TESTE É um instrumento, uma ferramenta utilizadapara se obter as medidas, determinando-lhes umvalor numérico.Obs: Para que haja um teste, há necessidade dequestionamentos:Qual é a estatura? / Qual é o peso? / etc. 15 12/08/2011Fonte: FARINATTI & MONTEIRO, 2000; FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004.
  16. 16. AVALIAÇÃO•Processo continuo realizado através do julgamento,interpretação e classificação de medidas previamenteobtidas;• Determina a importância ou o valor da informaçãocoletada, classifica os testados, reflete o progresso,indica se os objetivos estão ou não sendo atingidos,indica se o sistema de ensino esta sendo satisfatórioentre outros; 16 12/08/2011
  17. 17. AVALIAÇÃO• Deve refletir a filosofia, as metas e os objetivos doprofissional;• Faz comparação com algum padrão;• Analisa as atividades ou os meios necessários paraguiar, documentar ou julgar os esforços despendidosna realização dos planos de trabalho. 17 12/08/2011Fonte: FARINATTI & MONTEIRO, 2000; FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004.
  18. 18. TIPOS DE AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO DIAGNOSTICA: Usada antes de secomeçar qualquer trabalho, meta, treinamento, períodoletivo, etc. Onde o objetivo será conhecer as condiçõesiniciais do avaliado, para a partir daí serem traçados osobjetivos iniciais, intermediários e finais do cliente,aluno ou atleta (MARINS & GIANNICHI, 2003;PITANGA, 2004). 18 12/08/2011
  19. 19. TIPOS DE AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO FORMATIVA: Usada durante o períodode aulas ou treinamento, através do qual é possívelverificar o andamento do seu trabalho, ou como esta odesempenho do aluno, enquanto houver tempo defazer modificações (MARINS & GIANNICHI, 2003;PITANGA, 2004). 19 12/08/2011
  20. 20. TIPOS DE AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO SOMATIVA: Determina a aprovação oureprovação do aluno através de notas ou conceitos,em função de um padrão mínimo de rendimento,normalmente feita ao final do ano letivo ou doperíodo de treinamento(MARINS & GIANNICHI,2003; KISS, 2003; PITANGA, 2004). 20 12/08/2011
  21. 21. OBJETIVOS GERAIS DA MEDIDAS E AVALIAÇÃO Obter informações quanto ao  Servir como feedback durante estado de saúde do avaliado; o processo de treinamento; Diagnosticar potenciais  Servir como processo deficiências referentes às valências físicas relevantes educacional, para o aluno para pratica do treinamento; compreender melhor seu corpo, o treinamento e ao desempenho; Orientar o trabalho individualizado.  Motivar o aluno. 21 12/08/2011
  22. 22. CRITÉRIOS PARA VALIDAÇÃO DE TESTES DE APTIDÃO FÍSICA EM MEDIDAS E AVALIAÇÃO Conceitos básicos fundamentais para que asavaliações de aptidão física sejam feitas com o mínimo de erro possível. 22 12/08/2011
  23. 23. VALIDADE É a habilidade do teste para mensurarprecisamente, com o mínimo de erros, o componentede aptidão física ESPECÍFICO que o mesmo pretendemedir.Ex. Testes de medidas diretas oferecem critériosreferenciais para validação dos protocolos indiretos. Fonte: FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004. 23 12/08/2011
  24. 24. CONFIANÇA OU FIDEDIGNIDADE É a habilidade do teste em produzir medidassemelhante, tomadas pelo mesmo avaliador, emdiferentes ocasiões. Fonte: FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004. 24 12/08/2011
  25. 25. OBJETIVIDADE É a habilidade do teste em produzir escoressimilares para dado individuo, quando o mesmo teste éadministrado por diferentes avaliadores. Fonte: FERNANDES FILHO, 2003; PITANGA, 2004. 25 12/08/2011
  26. 26. NORMA Padrão ao qual um resultado obtido emdeterminado teste pode ser comparado, ou seja refere-se ao desempenho médio ou às médias de um grupoem relação aos escores obtidos em determinado teste. Fonte: PITANGA, 2004. 26 12/08/2011
  27. 27. PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA ADMINISTRAÇÃO DOS TESTES• Roupas e tênis confortáveis e • Dormir de 6 a 8 horas no dia apropriados ao exercício; anterior ao teste;• Não fumar, tomar café ou • Considerar provável ansiedade ingerir alimentos pesados três horas antes do teste; do cliente ao se realizar os testes;• Não ingerir bebida alcoólica no dia anterior ao teste; • Proporcionar um ambiente• Não realizar exercícios confortável e relaxante ao vigorosos no dia do teste. avalido durante a aplicação 27 dos testes. 12/08/2011 Fonte: PITANGA, 2004.
  28. 28. ETAPAS BÁSICAS DA AVALIAÇÃO• Formação dos objetivos e definição de atributos, ou seja: O QUE MEDIR?• Seleção de procedimentos ou técnicas de medidasusadas em função da situação, ou seja: COMO MEDIR?• Interpretação dos resultados individuais ou do grupo, deacordo com o tipo de avaliação, ou seja: COMO COMPARARCOM O REFERENCIAL ESCOLHIDO? 28 12/08/2011
  29. 29. ETAPAS BÁSICAS DA AVALIAÇÃO• Objetivos: O que será treinado, considerando idade,sexo, modalidade, período ou etapa do treinamento;•Procedimentos: Escolha dos tipos de técnicas einstrumentos, que devem ser feitas em função dosobjetivos e do grau de precisão que se deseja;• Interpretação dos resultados: Etapa após a coleta dedados, depende de critérios ou referenciais escolhidos. 29 12/08/2011
  30. 30. ORGANIZAÇÃO DA BATERIA DE TESTESAPTIDÃO FÍSICA PARA O ALTO APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA RENDIMENTO À SAÚDE• Anamnese; • Anamnese;• Antropometria; • Medidas de PA e FC em• Coordenação, Equilíbrio e repouso; Flexibilidade; • Composição corporal;• Anaeróbios: ATP-CP e Glicolítico; • Capacidade aeróbia;• Velocidade, Tempo de reação, • Força e resistência muscular; Agilidade e Potência; • Flexibilidade.• Força muscular e resistência anaeróbia;• Resistência aeróbia. 30 12/08/2011 Fonte: PITANGA, 2004.
  31. 31. THE END

×