SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Teste Abdominal
       (Pollock e Wilmore, 1993)
• Deitado de costas;
• Dedos das mão entrelaçados na nuca;
• Joelhos flexionados;
• Pés em contato com o solo (30,5 cm das
  nádegas) e abertos na largura dos ombros;
• Marca-se o número de repetições durante 1
  minuto.
Testes abdominais - Homens
Idade   Excelente   Bom     Médio   Regular   Fraco
15-19     >=48      42-47   38-41   33-37     <=32
20-29     >=43      37-42   33-36   29-32     <=28
30-39     >=36      31-35   27-30   22-26     <=21
40-49     >=31      26-30   22-25   17-21     <=16
50-59     >=26      22-25   18-21   13-17     <=12
60-69     >=23      11-22   12-16   07-11     <=06
Testes abdominais - Mulheres
Idade   Excelente   Bom     Médio   Regular   Fraco

15-19     >=42      36-41   32-35   27-31     <=26

20-29     >=36      31-35   25-30   21-24     <=20
30-39     >=29      24-28   20-23   15-19     <=14
40-49     >=25      20-24   15-19   07-14     <=06
50-59     >=19      12-18   05-11   03-04     <=02
60-69     >=16      12-15   04-11   02-03     <=01
Salto Vertical - Sargent Jump Test
• Posição inicial é com o pé
  junto a uma linha, a 30 cm
  da tábua de marcação;
• Calcanhares em contato
  com o solo;
• Faz-se uma marca na tábua
  com os dedos na posição
  inicial, agacha-se e salta,
  fazendo nova marca com os
  dedos na tábua, no ponto
  mais alto que conseguir
  alcançar
• São permitidas 3 tentativas
SALTO VERTICAL
      Desempenho                   Homens         Mulheres
             %                        cm            cm
            90                        64            36
            80                        61            33
            70                        58            30
            60                        48            25
            50                        41            20
            40                        33            15
            30                        23            10
            20                        20            05
            10                        05            2,5
Fonte: Modified from H.J. Montaye, p. 53, 1998.
Fernandes Filho, 1999
Teste de Impulsão Horizontal - Celafiscs (1987)

• Coloca-se com os pés
  paralelos no ponto de
  partida, a linha zero da fita
  métrica fixada no solo;
• Saltar no sentido horizontal,
  com impulsão simultânea
  das pernas , objetivando
  atingir o ponto mais distante
  da fita métrica;
• Serão realizadas 3 tentativas
Classificação dos resultados do Teste de Salto Horizontal (Lancetta, 1988,
apud Marins e Giannichi, 2003)
Sexo    Idade    Excelente    Muito Bom        Bom        Regular      Fraco
        11-12     >=2,10       2,09-2,00    1,99-1,90    1,89-1,80    <=1,79
        13-14     >=2,46       2,45-2,32    2,31-2,21    2,20-2,07    <=2,06
 M

        15-16     >=2,71       2,70-2,57    2,56-2,43    2,42-2,09    <=2,08


        11-12     >=2,02       2,01-1,94    1,93-1,86    1,85-1,78    <=1,77

  F     13-14     >=2,06       2,07-1,96    1,95-1,88    1,87-1,83    <=1,82


        15-16     >=2,23       2,12-2,06    2,05-1,99    1,98-1,92    <=1,91
Teste de Flexão de Braços
                (Homens)
• Executado com aluno no
  chão.
• Braços estendidos à largura
  dos ombros.
• O peito deve tocar o solo a
  cada movimento e os braços
  devem se estender na volta.
• As costas dever ficar retas
• O exercícios dever ser
  executado até a exaustão
• Contar numero de repetições
Teste de Flexão de Braços
                   (Mulheres)
•   De barriga para baixo e pernas
    unidas;
•   Fazer um ângulo reto entre joelhos-
    ombros e ombros-mãos.
•   Apoiar no chão: mãos, joelhos e
    ponta dos pés.
•   O peso deve ser sustentado pelos
    braços e joelhos.
•   Pernas e cintura não tocam o chão.
•   O corpo deve fazer um linha reta
    entre cabeça-joelho.
•   Dobrar os braços até o peito tocar no
    chão.
•   Contar numero de repetições.
Tabela de Flexão de Braços - Homens
                 (Pollock e Wilmore, 1993)
Idade   Excelente Bom          Médio      Regular   Fraco

15-19   >=39        29-38     23-28      18-22      <=17
20-29   >=36        29-35     22-28      17-21      <=16
30-39   >=30        22-29     17-21      12-18      <=11
40-49   >=22        17-21     13-16      10-12      <=09
50-59   >=21        13-20     10-12      07-09      <=08
60-69   >=18        11-17     08-10      05-07      <=04
Tabela de Flexão de Braços - Mulheres
               (Pollock e Wilmore, 1993)

Idade   Excelente   Bom       Médio     Regular   Fraco

15-19     >=33      25-32     18-24      12-17    <=11

20-29     >=30      21-29     15-20      10-14    <=09

30-39     >=27      20-26     13-19      08-12    <=07

40-49     >=24      15-23     11-14      05-10    <=04

50-59     >=21      11-20     07-10      02-06    <=01

60-69     >=17      12-16     05-11      01-04    <=01
MEDIDA DA AGILIDADE
             Teste de Shuttle Run
•  Objetivo - Avaliação da agilidade
•  Material - 2 blocos de madeira (5 cm x 5 cm x 10 cm).
•  1 cronômetro
•  Traçar duas linhas paralelas traçadas no solo distantes 9,14 metros,
   medidos a partir de suas bordas externas.
1. Os 2 blocos de madeira serão colocados a 10 cm da linha externa e
    separados entre si por um espaço de 30 cm e estes devem ocupar uma
    posição simétrica em relação á margem externa.
2. Requer ainda espaço plano e livre de obstáculos, solo com atrito
    suficiente para evitar o deslize do tênis do avaliado.
3. O avaliado coloca-se em afastamento ântero-posterior das pernas, com o
pé anterior o mais próximo possível da linha de saída.
4.   Com a voz de comando: Atenção! Já!! o avaliador inicia o teste acionando
     concomitantemente o cronômetro.
5.   O avaliado em ação simultânea corre a máxima velocidade até os blocos,
     pega um deles e retorna ao ponto de onde partiu depositando esse bloco
     atrás da linha de partida.
6.   Em seguida, sem interromper a corrida, vai em busca do segundo bloco,
     procedendo da mesma forma.
7.   O cronômetro é parado quando o avaliado coloca o último bloco no solo
     e ultrapassa com pelo menos um dos pés a linha final.
8.   Ao pegar ou deixar o bloco, o avaliado terá que cumprir a uma regra
     básica do teste, ou seja, transpor com pelo menos um dos pés as linhas
     que limitam o espaço demarcado.
9.   O bloco não deve ser jogado, mas colocado no solo. Sempre que houver
     erros na execução, o teste deverá ser repetido. Cada avaliado deverá
     realizar duas tentativas com um intervalo mínimo de dois minutos,
     permitindo assim a recomposição do ATP - CP. O resultado será o tempo
     de percurso na melhor das duas tentativas.
Teste para coordenação
               Burpee
• Tem como objetivo de
  medir a coordenação
  motora de pessoas dos
  10 anos até a idade
  universitária.
• Pode ser aplicado em
  ambos os sexos.
• Movimento é divido
  em:
1. Partindo da posição em pé;                    2. Flexione os joelhos e tronco,
                                                 apoiando as mãos no chão
                                                 em frente aos pés;




                                3.Lançar as pernas para trás, assumindo a
                                posição de apoio facial,
                                com os braços entendidos.



      4. Retorne à posição
      do tópico 2.
                                               5. Finalize voltando à posição
                                               em pé.
• Resultados:
  – É dados em termos do número de partes
    executadas em 10 segundos.
• Penalidade:
  – 1 ponto para as faltas:
     • Pés moverem para atrás antes que as mãos toquem o
       solo.
     • Curvatura excessiva do tronco quando assumir a
       posição de apoio facial com braços estendidos.
     • Retirar as mãos do chão antes que assuma a posição
       agachada.
     • Se a posição em pé não for ereta.
• NÃO TEM TABELA DE CLASSIFICAÇÃO
Avaliação Neuromuscular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralPaulo Costa Amaral
 
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Ginástica aeróbica
Ginástica aeróbicaGinástica aeróbica
Ginástica aeróbicaDeaaSouza
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscularlcinfo
 
Avaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporalAvaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporalJoao P. Dubas
 
Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancasWando Pagani
 
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIA
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIAMEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIA
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIAgodesimoes
 
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bacharelado
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bachareladoPreparação física lutas-intermitencia-aerobio-bacharelado
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bachareladofabricioboscolo
 
SúMula de Futsal 2009
SúMula de Futsal 2009SúMula de Futsal 2009
SúMula de Futsal 2009Suzy Santana
 

Mais procurados (20)

Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
 
Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
 
Principios do-treinamento-desportivo1
Principios do-treinamento-desportivo1Principios do-treinamento-desportivo1
Principios do-treinamento-desportivo1
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
 
Ginástica aeróbica
Ginástica aeróbicaGinástica aeróbica
Ginástica aeróbica
 
Alongamento
AlongamentoAlongamento
Alongamento
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
 
Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)
 
Avaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporalAvaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporal
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancas
 
Testes anaerobios
Testes anaerobiosTestes anaerobios
Testes anaerobios
 
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIA
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIAMEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIA
MEDIDAS E AVALIAÇÃO ANTROPOMETRIA
 
7 vo2 máx
7   vo2 máx7   vo2 máx
7 vo2 máx
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
 
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bacharelado
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bachareladoPreparação física lutas-intermitencia-aerobio-bacharelado
Preparação física lutas-intermitencia-aerobio-bacharelado
 
SúMula de Futsal 2009
SúMula de Futsal 2009SúMula de Futsal 2009
SúMula de Futsal 2009
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
 

Destaque

Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoFernando Farias
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAline Villa Nova Bacurau
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresFernando Valentim
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Marilia Coutinho
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolRodrigo Saffi Mello
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscularClaudio Pereira
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholopstec25
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasMiguel Loureiro
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaPaulo Pinheiro
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasRodrigo Saffi Mello
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaPaulo Sousa
 
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaDanielly Santos
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...Adriano Vretaros
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoEquipePrecision
 

Destaque (20)

Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
Aptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vidaAptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vida
 
Adaptações musculares ao treinamento
Adaptações musculares ao treinamentoAdaptações musculares ao treinamento
Adaptações musculares ao treinamento
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebol
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
 
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular   alimentos e suplementosHipertrofia muscular   alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolista
 
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
 

Mais de Amarildo César

AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdfAULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdfAmarildo César
 
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptxGRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptxAmarildo César
 
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...Amarildo César
 
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício Transferência de energia em repouso e em condições de exercício
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício Amarildo César
 
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSVALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSAmarildo César
 
Ficha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclistaFicha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclistaAmarildo César
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAmarildo César
 
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e físicainstrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e físicaAmarildo César
 
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!Amarildo César
 
Anamnese & Fatores de Risco DAC
Anamnese & Fatores de Risco DACAnamnese & Fatores de Risco DAC
Anamnese & Fatores de Risco DACAmarildo César
 
Avaliação física master
Avaliação física masterAvaliação física master
Avaliação física masterAmarildo César
 
Livros escaneados - Avaliação da composição corporal
Livros escaneados - Avaliação da composição corporalLivros escaneados - Avaliação da composição corporal
Livros escaneados - Avaliação da composição corporalAmarildo César
 
Trabalho de cinesiologia_corre
Trabalho de cinesiologia_correTrabalho de cinesiologia_corre
Trabalho de cinesiologia_correAmarildo César
 

Mais de Amarildo César (18)

AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdfAULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
AULA 003 - ANTROPOMETRIA.pdf
 
SLIDE DESMAIO.pdf
SLIDE DESMAIO.pdfSLIDE DESMAIO.pdf
SLIDE DESMAIO.pdf
 
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptxGRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
GRUPO 15 - Convulsões e Desmaios.pptx
 
Pilates
PilatesPilates
Pilates
 
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...
PROGRAMA DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SUPERVISIONADO NA FASE IV NA REA...
 
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício Transferência de energia em repouso e em condições de exercício
Transferência de energia em repouso e em condições de exercício
 
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSVALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
 
Ficha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclistaFicha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclista
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e físicainstrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
instrumentos e técnicas nas medidas motoras e física
 
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
 
1 aula transferencia
1   aula transferencia1   aula transferencia
1 aula transferencia
 
Flexibilidade
FlexibilidadeFlexibilidade
Flexibilidade
 
ANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIAANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIA
 
Anamnese & Fatores de Risco DAC
Anamnese & Fatores de Risco DACAnamnese & Fatores de Risco DAC
Anamnese & Fatores de Risco DAC
 
Avaliação física master
Avaliação física masterAvaliação física master
Avaliação física master
 
Livros escaneados - Avaliação da composição corporal
Livros escaneados - Avaliação da composição corporalLivros escaneados - Avaliação da composição corporal
Livros escaneados - Avaliação da composição corporal
 
Trabalho de cinesiologia_corre
Trabalho de cinesiologia_correTrabalho de cinesiologia_corre
Trabalho de cinesiologia_corre
 

Último

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 

Último (8)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Avaliação Neuromuscular

  • 1.
  • 2. Teste Abdominal (Pollock e Wilmore, 1993) • Deitado de costas; • Dedos das mão entrelaçados na nuca; • Joelhos flexionados; • Pés em contato com o solo (30,5 cm das nádegas) e abertos na largura dos ombros; • Marca-se o número de repetições durante 1 minuto.
  • 3. Testes abdominais - Homens Idade Excelente Bom Médio Regular Fraco 15-19 >=48 42-47 38-41 33-37 <=32 20-29 >=43 37-42 33-36 29-32 <=28 30-39 >=36 31-35 27-30 22-26 <=21 40-49 >=31 26-30 22-25 17-21 <=16 50-59 >=26 22-25 18-21 13-17 <=12 60-69 >=23 11-22 12-16 07-11 <=06
  • 4. Testes abdominais - Mulheres Idade Excelente Bom Médio Regular Fraco 15-19 >=42 36-41 32-35 27-31 <=26 20-29 >=36 31-35 25-30 21-24 <=20 30-39 >=29 24-28 20-23 15-19 <=14 40-49 >=25 20-24 15-19 07-14 <=06 50-59 >=19 12-18 05-11 03-04 <=02 60-69 >=16 12-15 04-11 02-03 <=01
  • 5. Salto Vertical - Sargent Jump Test • Posição inicial é com o pé junto a uma linha, a 30 cm da tábua de marcação; • Calcanhares em contato com o solo; • Faz-se uma marca na tábua com os dedos na posição inicial, agacha-se e salta, fazendo nova marca com os dedos na tábua, no ponto mais alto que conseguir alcançar • São permitidas 3 tentativas
  • 6. SALTO VERTICAL Desempenho Homens Mulheres % cm cm 90 64 36 80 61 33 70 58 30 60 48 25 50 41 20 40 33 15 30 23 10 20 20 05 10 05 2,5 Fonte: Modified from H.J. Montaye, p. 53, 1998. Fernandes Filho, 1999
  • 7. Teste de Impulsão Horizontal - Celafiscs (1987) • Coloca-se com os pés paralelos no ponto de partida, a linha zero da fita métrica fixada no solo; • Saltar no sentido horizontal, com impulsão simultânea das pernas , objetivando atingir o ponto mais distante da fita métrica; • Serão realizadas 3 tentativas
  • 8. Classificação dos resultados do Teste de Salto Horizontal (Lancetta, 1988, apud Marins e Giannichi, 2003) Sexo Idade Excelente Muito Bom Bom Regular Fraco 11-12 >=2,10 2,09-2,00 1,99-1,90 1,89-1,80 <=1,79 13-14 >=2,46 2,45-2,32 2,31-2,21 2,20-2,07 <=2,06 M 15-16 >=2,71 2,70-2,57 2,56-2,43 2,42-2,09 <=2,08 11-12 >=2,02 2,01-1,94 1,93-1,86 1,85-1,78 <=1,77 F 13-14 >=2,06 2,07-1,96 1,95-1,88 1,87-1,83 <=1,82 15-16 >=2,23 2,12-2,06 2,05-1,99 1,98-1,92 <=1,91
  • 9. Teste de Flexão de Braços (Homens) • Executado com aluno no chão. • Braços estendidos à largura dos ombros. • O peito deve tocar o solo a cada movimento e os braços devem se estender na volta. • As costas dever ficar retas • O exercícios dever ser executado até a exaustão • Contar numero de repetições
  • 10. Teste de Flexão de Braços (Mulheres) • De barriga para baixo e pernas unidas; • Fazer um ângulo reto entre joelhos- ombros e ombros-mãos. • Apoiar no chão: mãos, joelhos e ponta dos pés. • O peso deve ser sustentado pelos braços e joelhos. • Pernas e cintura não tocam o chão. • O corpo deve fazer um linha reta entre cabeça-joelho. • Dobrar os braços até o peito tocar no chão. • Contar numero de repetições.
  • 11. Tabela de Flexão de Braços - Homens (Pollock e Wilmore, 1993) Idade Excelente Bom Médio Regular Fraco 15-19 >=39 29-38 23-28 18-22 <=17 20-29 >=36 29-35 22-28 17-21 <=16 30-39 >=30 22-29 17-21 12-18 <=11 40-49 >=22 17-21 13-16 10-12 <=09 50-59 >=21 13-20 10-12 07-09 <=08 60-69 >=18 11-17 08-10 05-07 <=04
  • 12. Tabela de Flexão de Braços - Mulheres (Pollock e Wilmore, 1993) Idade Excelente Bom Médio Regular Fraco 15-19 >=33 25-32 18-24 12-17 <=11 20-29 >=30 21-29 15-20 10-14 <=09 30-39 >=27 20-26 13-19 08-12 <=07 40-49 >=24 15-23 11-14 05-10 <=04 50-59 >=21 11-20 07-10 02-06 <=01 60-69 >=17 12-16 05-11 01-04 <=01
  • 13. MEDIDA DA AGILIDADE Teste de Shuttle Run • Objetivo - Avaliação da agilidade • Material - 2 blocos de madeira (5 cm x 5 cm x 10 cm). • 1 cronômetro • Traçar duas linhas paralelas traçadas no solo distantes 9,14 metros, medidos a partir de suas bordas externas. 1. Os 2 blocos de madeira serão colocados a 10 cm da linha externa e separados entre si por um espaço de 30 cm e estes devem ocupar uma posição simétrica em relação á margem externa. 2. Requer ainda espaço plano e livre de obstáculos, solo com atrito suficiente para evitar o deslize do tênis do avaliado. 3. O avaliado coloca-se em afastamento ântero-posterior das pernas, com o pé anterior o mais próximo possível da linha de saída.
  • 14. 4. Com a voz de comando: Atenção! Já!! o avaliador inicia o teste acionando concomitantemente o cronômetro. 5. O avaliado em ação simultânea corre a máxima velocidade até os blocos, pega um deles e retorna ao ponto de onde partiu depositando esse bloco atrás da linha de partida. 6. Em seguida, sem interromper a corrida, vai em busca do segundo bloco, procedendo da mesma forma. 7. O cronômetro é parado quando o avaliado coloca o último bloco no solo e ultrapassa com pelo menos um dos pés a linha final. 8. Ao pegar ou deixar o bloco, o avaliado terá que cumprir a uma regra básica do teste, ou seja, transpor com pelo menos um dos pés as linhas que limitam o espaço demarcado. 9. O bloco não deve ser jogado, mas colocado no solo. Sempre que houver erros na execução, o teste deverá ser repetido. Cada avaliado deverá realizar duas tentativas com um intervalo mínimo de dois minutos, permitindo assim a recomposição do ATP - CP. O resultado será o tempo de percurso na melhor das duas tentativas.
  • 15.
  • 16. Teste para coordenação Burpee • Tem como objetivo de medir a coordenação motora de pessoas dos 10 anos até a idade universitária. • Pode ser aplicado em ambos os sexos. • Movimento é divido em:
  • 17. 1. Partindo da posição em pé; 2. Flexione os joelhos e tronco, apoiando as mãos no chão em frente aos pés; 3.Lançar as pernas para trás, assumindo a posição de apoio facial, com os braços entendidos. 4. Retorne à posição do tópico 2. 5. Finalize voltando à posição em pé.
  • 18.
  • 19. • Resultados: – É dados em termos do número de partes executadas em 10 segundos. • Penalidade: – 1 ponto para as faltas: • Pés moverem para atrás antes que as mãos toquem o solo. • Curvatura excessiva do tronco quando assumir a posição de apoio facial com braços estendidos. • Retirar as mãos do chão antes que assuma a posição agachada. • Se a posição em pé não for ereta. • NÃO TEM TABELA DE CLASSIFICAÇÃO