Sustentabilidade

45 visualizações

Publicada em

Sustentabilidade

Publicada em: Aperfeiçoamento pessoal
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
45
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sustentabilidade

  1. 1. P á g i n a | 1
  2. 2. CADERNOS PEDAGÓGICOS DE FORMAÇÃO GERAL Série: SUSTENTABILIDADE REITOR Arody Cordeiro Herdy PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA Carlos de Oliveira Varella PRÓ-REITOR DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Emilio Antonio Francischetti PRÓ-REITORA COMUNITÁRIA E DE EXTENSÃO Sônia Regina Mendes PRÓ-REITOR ADMINISTRATIVO José Luiz Rosa Lordello INOVA NÚCLEO INOVADOR Unigranrio – INOVA Coordenadora: Maria Rita Resende Martins da Costa Braz ESCOLA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS, LETRAS, ARTES E HUMANIDADES P á g i n a | 2
  3. 3. Diretora: Haydéa Maria Marino de Sant anna Reis ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS Diretor: Carlos Cesar Ferreira Vargas ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Diretor: Herbert Gomes Martins ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Diretora: Hulda Cordeiro Herdy Ramin INSTITUTO DE ESTUDOS FUNDAMENTAIS I Diretora: Lúcia Inês Kronemberger Andrade INSTITUTO DE ESTUDOS FUNDAMENTAIS II Diretor: Lindonor Gaspar de Siqueira NÚCLEO ALÉM DA SALA DE AULA Benjamin Salgado Quintans Frederico Adolfo Schiffer Junior Haydéa Maria Marino de Sant’anna Reis Herbert Gomes Martins Hulda Cordeiro Herdy Carmim José Luiz Rosa Lordello Sonia Regina Mendes NÚCLEO DE APOIO METODOLÓGICO - NAM Anna Paula Soares Lemos Carlos de Oliveira Varella José Luiz Rosa Lordello Lindonor Gaspar de Siqueira Lúcia Inês Kronemberger Andrade Maria Rita Resende Martins da Costa Braz P á g i n a | 3
  4. 4. NÚCLEO DE FORMAÇÃO GERAL Anna Paula Soares Lemos Edeusa de Souza Pereira Joaquim Humberto Coelho de Oliveira Lucimar Levenhagen Alarcon da Fonseca Tania Maria da Silva Amaro de Almeida NÚCLEO DE MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO INSTITUCIONAL Tania Maria da Silva Amaro de Almeida NÚCLEO DE PRÁTICAS INCLUSIVAS Lucimar Levenhagen Alarcon da Fonseca ORGANIZAÇÃO / REVISÃO / DIAGRAMAÇÃO DESTE MATERIAL: NÚCLEO DE FORMAÇÃO GERAL e MZ – AGÊNCIA MARCO ZERO Professores (as): Alessandro de Santana Rafael Deolindo Pereira DESIGN INSTRUCIONAL Lucimar Levenhagen FICHA DE UNIDADE DE APRENDIZAGEM P á g i n a | 4
  5. 5. Atividade: TAI 003 Unidade Nº: 3 (três) Título: Trabalhabilidade e Novas Tecnologias Objetivos de aprendizagem: Demonstrar ao aluno como a tecnologia vem contribuindo para as mudanças no mundo do trabalho na economia do conhecimento, criando a figura do trabalhador multiqualificado e fazendo com que o trabalho ganhe novas dimensões em tempo e espaço. Tópicos abordados: Trabalhabilidade e novas tecnologias Um pouco de história e a passagem para a nova economia do conhecimento Novas formas de trabalho multiqualificado A potencialidade dos home offices P á g i n a | 5
  6. 6. Introdução: Existe uma relação bastante estreita entre as questões de trabalhabilidade e evolução tecnológica nos dias de hoje, haja visto que boa parte dos pilares dessa temática estão relacionados a capacidade de buscar e desenvolver competências e habilidades que permitam desempenhar as tarefas que são demandadas, buscando recursos de conhecimento para desenvolver as melhores soluções possíveis, do ponto de vista de viabilidade técnica e financeira. A tecnologia surge nesse cenário como um desafio a mais, uma vez que a maior parte dos negócios praticados hoje em dia está atrelada a algum mecanismo que potencializa o trabalho humano, fazendo com que as empresas e indivíduos tenham que se atualizar a uma velocidade cada vez maior, seja na busca de diferenciais competitivos, ou mesmo para a simples sobrevivência no mercado. Nessa unidade iremos abordar a temática da trabalhabilidade e novas tecnologias, procurando traçar uma análise sobre os novos processos e oportunidades de trabalho que surgem no mesmo compasso da evolução das ferramentas tecnológicas, em resposta à nova perspectiva da chamada economia do conhecimento. Iremos explorar esse cenário desenhado a partir de uma visão histórica da influência tecnológica sobre os processos de trabalho até os dias de hoje, com os novos formatos de negócio nos quais o trabalho a rompeu as barreiras de tempo e espaço, eliminando a necessidade de recursos, e gerando desde corporações virtuais até a possibilidade de trabalhar em casa. P á g i n a | 6
  7. 7. Conteúdo: UM POUCO DE HISTÓRIA E A PASSAGEM PARA A NOVA ECONOMIA DO CONHECIMENTO Ao longo da história o surgimento de novas tecnologias sempre influenciou diretamente a relação do homem com a forma de execução do seu trabalho. Desde os primórdios da humanidade os grupos que possuíam a tecnologia mais avançada acabavam prevalecendo sobre os demais. Um exemplo dessa visão está na evolução das armas de combate; os grupos que desenvolveram tecnologia para produzir armas de metal ao invés de madeira possuíam uma grande vantagem sobre os demais povos, vantagem essa que veio a ser superada com a pólvora e o domínio da tecnologia sobre as armas de fogo. Figura 1: A Evolução da tecnologia e seus impactos no trabalho Fonte: http://2.bp.blogspot.com acesso em Dezembro de 2013. Com a Revolução Industrial esse princípio ficou ainda mais acentuado com as empresas buscando diferenciais competitivos através de investimentos em grandes estruturas tecnológicas que permitiam produzir em grande escala, com custos menores e preços mais P á g i n a | 7
  8. 8. acessíveis. Esse período representou uma transformação na relação do homem com o seu trabalho, inserindo no contexto as máquinas e a tecnologia. Naquele tempo o homem, embora visto em diversas vertentes como mais uma peça da grande engrenagem chamada empresa, precisava se adequar às exigências tecnológicas e aprender a utilizar as máquinas envolvidas em seu trabalho, senão fatalmente estaria fora do mercado, tendência observada até hoje em diversos segmentos. Figura 2: O Homem e os impactos da tecnologia do trabalho. Fonte: Figura de referência substituir. P á g i n a | 8
  9. 9. Durante um bom tempo as empresas se valeram dessa máxima de que obtinham os melhores resultados aquelas que possuíam mais e melhores recursos; porém com o passar dos anos, o acesso à tecnologia (sobretudo a de Informação) tornou-se cada vez mais fácil e menos dispendioso; até mesmo empresas pequenas passaram a ter acesso às tecnologias que lhes permitiam ser mais produtivas com custos menores, o que forçou a uma mudança na busca por diferenciais competitivos. A partir desse momento não importa mais a tecnologia que uma empresa utiliza, essa posição não será mais sustentável por muito tempo, haja vista que todos podem um dia adquirir o mesmo patamar tecnológico sem muito esforço. O importante passa a ser o uso que se faz da tecnologia e não a tecnologia em si. Essa passa a ter de se adaptar ao homem e suas necessidades, voltando a ser um elemento que potencializa o trabalho. A maior parte das mudanças no universo do trabalho impactadas pelos avanços tecnológicos pôde ser percebida após a chamada Revolução Digital que deu início à Era da Informação, período que iniciou-se na década de 1990, caracterizado pela popularização da Informática e pelo advento dos computadores em grande escala no mundo dos negócios. Com a Globalização, em muito ajudada pelo boom tecnológico desse período, a Informação passou a ser um dos principais ativos de uma empresa e o elemento estratégico fundamental, saber o que está acontecendo ao redor e como atender às demandas de clientes cada vez mais exigentes em um mercado altamente competitivo. Isso impulsionou empresas e profissionais a uma busca constante por Informações e meios eficazes de gerenciá-la; porém, assim como a tecnologia, a informação passou a estar disponível de maneira cada vez mais rápida e abundante, muitas vezes a um clique de distância. P á g i n a | 9
  10. 10. VÁ ALÉM DA SALA DE AULA... Sílvio Meira, Cientista Chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R) é um dos maiores especialistas em tecnologia e conhecimento do país. Em seu trabalho Os 6 Cs do futuro do trabalho ele afirma que há mudanças intensas no mundo do trabalho que ainda não foram compreendidas pelas empresas e pela sociedade, que seguem adotando modelos de trabalho há muito superados. Acesse e confira: http://www.youtube.com/watch? v=JWIyW2DeWPE P á g i n a | 10
  11. 11. Esse novo cenário econômico passa a exigir das empresas e profissionais o conhecimento necessário para organizar as informações obtidas e, de maneira sistêmica, empregá-las na criação de novas informações e conhecimentos, que poderão gerar novos produtos e serviços para atender às necessidades e expectativas de clientes num cenário de constantes mudanças. Não basta mais ao profissional compreender como realizar determinada tarefa, passa a ser necessário aprender como organizar informações e conhecimentos para realizar as tarefas ligadas a sua profissão à medida que essas sejam demandadas, isso inclui o amplo uso de ferramentas tecnológicas, tão presentes em quase todos os segmentos hoje em dia. NOVAS FORMAS DE TRABALHO MULTIQUALIFICADO Como observamos o surgimento de novas tecnologias e as mudanças nos meios de produção levaram a necessidade de mudanças no universo do trabalho e no perfil do trabalhador que hoje precisa, antes de qualquer coisa, possuir a competência necessária para se reinventar profissionalmente sempre que necessário em face das contates e velozes mudanças que ocorrem em sua atividade, no ramo de atuação de sua empresa e nas preferências do mercado consumidor. Essas mudanças levam a necessidade de um modelo de trabalho multiqualificado, onde o profissional adquire competências necessárias para realizar aquilo que lhe é em tempo demandado. Falar de uma proposta como essa no cenário brasileiro implica na quebra de paradigmas que vão desde aspectos culturais até mesmo legais, passando por institucionalismos e zonas de conforto, num cenário tão amplo que poderia gerar várias páginas de análise. P á g i n a | 11
  12. 12. Culturalmente e por questões pessoais óbvias, nenhum colaborador se sente confortável ao executar uma tarefa que julga ser descompatível com sua função ou com seu nível de conhecimento, em alguns casos, isso pode até legalmente caracterizar um desvio de função, ou no caso de uma execução positiva, com o resultado dentro do esperado, fazer com que o indivíduo sofra rejeição do próprio grupo no qual está inserido por causa da sua polivalência. Outro ponto que merece destaque diz respeito às zonas de conforto, aprender é um processo trabalhoso e que demanda interesse e motivação, se o indivíduo não for impulsionado de forma positiva a esse propósito dificilmente irá busca-lo por conta própria. Por segurança, precisamos nesse momento desvincular o conceito de trabalho multiqualificado da imagem do mau trabalhador multitarefa, aquele indivíduo que, por exigência da empresa ou autoafirmação, sabe e faz um pouco de tudo, sem obter resultados expressivos em nada. O trabalho multiqualificado até pode exigir que o indivíduo seja multitarefa, mas isso deve sempre vir acompanhado de um perfil de muticonhecimento diretamente atrelado à resultados eficazes. Em seu artigo O “novo” trabalho Rafael Blazius afirma que “A competência é a conseqüência da multiqualificação, ou seja, a multiqualificação é o requisito para ser obter a competência”. Ele define ainda as características desse tipo de profissional: P á g i n a | 12
  13. 13. Figura 3: As Características do Profissional Multiqualificado Fonte: Adaptado de Blazius. O Novo Trabalho, disponível em http://rblazius.wordpress.com acesso em Dezembro de 2013.. P á g i n a | 13
  14. 14. A principal característica do modelo de trabalho multiqualificado é a capacidade que o indivíduo possui de aprender, de se capacitar para cumprir às demandas de sua atividade profissional. Especialistas apontam que é essa é uma tendência para o futuro do trabalho, onde as mudanças ocorrerão de maneira tão contate e veloz, que os indivíduos terão de aprender e (desafiadoramente) desaprender a fazer as coisas para acompanhar o ritmo intenso dos mercados e das inovações tecnológicas. É preciso analisar essa questão com base em duas vertentes: a dos empresários que veem no trabalho multiqualificado uma possibilidade de aumento da produtividade e a vertente dos trabalhadores que veem no constante processo de adaptação e requalificação um meio de driblar o desemprego (ou subemprego) desencadeado pela constante reestruturação do mercado de trabalho. Essa tendência já pode ser percebida hoje, muito provavelmente a maneira como estamos aprendendo a realizar as tarefas de nossas atividades hoje, mudará substancialmente nos próximos dez anos, mas a maioria de nós, ainda estará no mercado de trabalho, precisando se capacitar para acompanhar as mudanças. A POTENCIALIDADE DOS HOME OFFICES Trabalhar em casa, com conforto, sem perder tempo com deslocamentos, sem chefe por perto, sem horários definidos, sem pressão, e ainda aumentar a produtividade... Parece um cenário utópico, mas essa é a proposta da adoção de Home Offices. O termo Home Office ou SOHO (Small Office and Home Office) designa o trabalho realizado através de escritório em casa, geralmente utilizado por trabalhadores independentes; Porém mais recentemente algumas empresas veem adotando esse sistema de trabalho para funções nas quais os colabores não precisam ou encontram-se impossibilitados de comparecer ao escritório, ou (com maior raridade) apresentam maior produtividade. P á g i n a | 14
  15. 15. Vários especialistas discutem sobre as reais vantagens e desvantagens quanto a utilização de Home Offices, o consenso até então é que não são todas as funções que podem exercidas dentro desse sistema e que não são todos os colaboradores que possuem o perfil para trabalhar em casa e ainda assim manter resultados satisfatórios. VÁ ALÉM DA SALA DE AULA... Com muito bom humor. Marcelo Tas explica essa tendência e aponta as vantagens e desvantagens de trabalhar em casa. Acesse e confira: http://www.youtube.com/watch?v=bJSRXQdMLdE P á g i n a | 15
  16. 16. No Brasil, seja por necessidade ou estratégia, diversas empresas estão optando por esse formato de trabalho, inserir dados do site da revista exame acessado em dezembro de 2013, números do SEBRAE apontam que dos 3,5 milhões de microempreendedores individuais (MEI), 48,6% trabalham na própria residência. A Revista Gestao&Negocios de Julho de 2013 trazas dez atividades mais lucrativas para montar em casa: P á g i n a | 16
  17. 17. Fonte: Adaptado de Revista Gestao&Negocios de Julho de 2013. P á g i n a | 17
  18. 18. Diversos fatores contribuem para aqueles que defendem essa possibilidade de trabalho, dentre esses merecem destaque os altos índices de tempo gasto em deslocamentos, que em algumas cidades chega a ser de até 3 horas apenas para chegar ao trabalho, isso impacta diretamente na qualidade de vida do indivíduo, fazendo com que esse não apresente um bom desempenho no trabalho. Algumas empresas defendem a possibilidade, até certo ponto relativa, de que em casa o indivíduo consiga se concentrar melhor em seu trabalho. O desafio fica por conta de criar em uma casa, que na maioria das vezes apresenta pouco espaço físico, um ambiente capaz de garantir ao indivíduo condições de se organizar e acima de tudo manter a concentração nas suas atividades, caso contrário, alguns dos elementos apontados como vantagens podem facilmente atuar contra a produtividade. Outro ponto bastante discutido é sobre a falta de proximidade dos colegas de trabalho e do próprio ambiente da organização, que pode levar o indivíduo a um afastamento natural do ritmo de realização das atividades. Embora muitos acreditem que as tecnologias de informação, utilizadas hoje para manter o indivíduo em constate contato com os colegas, possam amenizar esse problema, o fato é que dependendo da função essa é uma barreira a ser analisada. P á g i n a | 18
  19. 19. Algumas empresas propõem um modelo híbrido de horário, formado por partes de trabalho presencial e partes de Home Office, o que tem sido eficiente, mas demanda bastante planejamento e sintonia na comunicação. Para obter sucesso nessa empreitada uma das partes mais importantes, além da disciplina é o espaço físico, dependendo das necessidades o investimento inicial pode não ser muito alto, mas é fundamental que o profissional pense cada detalhe para atender às suas necessidades, sem prejudicar sua produtividade e conforto. Até mesmo questões como ergonomia e iluminação são importantes, para evitar problemas de saúde no futuro. A Revista Gestao&Negocios de Julho de 2013 apresenta dicas para quem deseja trabalhar em casa: Fonte: Adaptado de Revista Gestao&Negocios de Julho de 2013. P á g i n a | 19
  20. 20. Sonhado e contestado por muitos os avanços tecnológicos possibilitaram o surgimento do trabalho em formato de Home Office, que configura como uma das tendências para o futuro do trabalho e da trabalhabilidade, e essa possibilidade não pode ser ignorada, mas está mais atrelada ao perfil do profissional e da atividade que esse pretende desenvolver. VÁ ALÉM DA SALA DE AULA... O site Go Home oferece uma série de dicas para quem deseja trabalhar dentro do formato de Home Office. Divido em 4 temáticas: Gerentes de equipes virtuais, Colaboradores remotos, Empresários e Autônomos e Mães no home office, esse site é uma referência para quem pretende adentra esse universo. Acesse e confira: http://www.gohome.com.br/ P á g i n a | 20
  21. 21. Síntese: Nessa unidade você aprendeu que ao longo da história as inovações tecnológicas veem impactando diretamente a relação do homem com o seu trabalho e os modos de produção. Vimos que a tecnologia surge nesse cenário como um desafio a mais, uma vez que a maior parte dos negócios praticados hoje em dia está atrelada a algum mecanismo que potencializa o trabalho humano, fazendo com que as empresas e indivíduos tenham que se atualizar a uma velocidade cada vez maior, seja na busca de diferenciais competitivos, ou mesmo para a simples sobrevivência no mercado. Você também pôde perceber que o novo cenário econômico passa a exigir das empresas e profissionais o conhecimento necessário para organizar as informações obtidas e, de maneira sistêmica, empregá-las na criação de novas informações e conhecimentos, que poderão gerar novos produtos e serviços para atender às necessidades e expectativas de clientes num cenário de constantes mudanças. Já do ponto de vista do profissional moderno é necessário compreender como realizar determinada tarefa, passa a ser necessário aprender como organizar informações e conhecimentos para realizar as tarefas ligadas a sua profissão à medida que essas sejam demandadas, isso inclui o amplo uso de ferramentas tecnológicas, tão presentes em quase todos os segmentos hoje em dia. Outro ponto abordado foi a questão do trabalho multiqualificado que surge da necessidade de um modelo onde o profissional adquire competências necessárias para realizar aquilo que lhe é em tempo demandado. Por fim abordamos a potencialidade os Home Offices ou SOHO (Small Office and Home Office) que designa o trabalho realizado através de escritório em casa. P á g i n a | 21
  22. 22. Leituras complementares: Os 6 C’s do futuro do trabalho http://inntechie.wordpress.com/2010/04/18/os-6-cs-do-futuro-do-trabalho/ O Novo trabalho http://rblazius.wordpress.com/category/dimensoes-funcionais-da-gestao-de-pessoas/ Significado de Home Office - O que é, Conceito e Definição http://www.significados.com.br/home-office/ Home office: opção de economia e conforto http://www.blognasajon.com.br/index.php/2013/04/08/home-office-opcao-de-economia-e-conforto/ Bibliografia recomendada: Revista Gestão e Negócios Julho de 2013. CARVALHO, Agenor Manoel, O impacto da tecnologia no mercado de trabalho e as mudanças no ambiente de produção, Disponível em < http://www.uniaraxa.edu.br/ojs/index.php/evidencia/article/view/215> Acesso em Dezembro de 2013. P á g i n a | 22
  23. 23. Bibliografia Básica: Bibliografia Complementar: P á g i n a | 23

×