Plano Estratégico

45 visualizações

Publicada em

Plano Estratégico de Logística do Rio de Janeiro

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
45
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano Estratégico

  1. 1. Documento confidencial para uso e informação do cliente O Rio de Janeiro e as oportunidades com o PELC RJ 2045 Rio de Janeiro, 01/04/2016
  2. 2. Índice de Performance Logístico (2013), do World Bank, avalia o nível de competitividade de 160 nações considerando a logística relacionada ao comércio internacional o Brasil está em 65º lugar (Fórum Econômico Mundial. Veja, 13/05/15) Deficiências na logística representam 1,8 % do preço dos produtos industriais no Brasil (FIESP, 04/2014)
  3. 3. SECRETARIA DE TRANSPORTES O Globo – 19/7/2015
  4. 4. 4 Os custos logísticos no país
  5. 5. SECRETARIA DE TRANSPORTES Barra do Furado Porto do Açú Porto CSA Porto CSN Complexo Logístico CSN Aer. de Cabo Frio Porto Sudeste Plataforma Logística Fluminense ICMS arrecadado na nacionalização cargas importadas 2003: R$ 1,8 bi 2008: R$ 3,1 bi 2011: R$ 3,9 bi 2012: R$ 4,3 bi – 17,63% do total arrecadado 2013: R$ 6,0 bi – 19,6% do total arrecadado 2014: R$ 5,7 bi – 18,4% do total arrecadado
  6. 6. SECRETARIA DE TRANSPORTES 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 4,00 - 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015* 2016* 2017* 2018* ICMS arrecadado com nacionalização de cargas Dólar * Valores projetados Nacionalização de Mercadorias (RJ) 2004 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ICMS arrecadado na nacionalização (R$ Bi) 2,1 2,8 3,7 4,0 4,7 6 5,8 Participação na arrecadação geral de ICMS (%) 16,5 14,8 16,8 16,0 17,6 19,6 18,4 A Logística é um grande negócio para o Estado Brasileiro (Arrecadação de ICMS no Rio de Janeiro) Valor do Dólar frente ao Real ICMS arrecadado com a nacionalização de cargas importadas ICMS $ US $
  7. 7. SECRETARIA DE TRANSPORTES MALHA FERROVIÁRIA NO ESTADO DO RJ
  8. 8. Porto de Itaguaí Superporto do Açu Porto do Rio SECRETARIA DE TRANSPORTES TERMINAIS MARÍTIMOS e COMPLEXOS LOGÍSTICOS
  9. 9. Via Dutra, como efetuar a ampliação da capacidade?COMPROMETIMENTO DAS RODOVIAS Via Dutra BR 101-N
  10. 10. SECRETARIA DE TRANSPORTES AEROPORTO DO GALEÃO
  11. 11. SECRETARIA DE TRANSPORTES AEROPORTOS DO INTERIOR Cabo Frio Angra dos Reis Resende
  12. 12. SECRETARIA DE TRANSPORTES LANÇAMENTO DO PELC - nov/2013 E CONTÍNUOS APRIMORAMENTOS Reuniões com especialistas
  13. 13. 13 O Plano Estratégico de Logística e Cargas O PELC RJ 2044 é um masterplan que indicará as intervenções estratégicas prioritárias para a infraestrutura logística, visando o desenvolvimento ordenado de sistema de cargas. O objetivo é consolidar o RJ como plataforma logística de classe mundial. Benefícios esperados • Reduzir significativamente o custo logístico para as empresas. • Reduzir gargalos viários e a emissão de poluentes. • Instrumentalizar o estado com um banco de informações e dados para suporte ao planejamento e gestão da logística de cargas. • Capacitar o governo estadual a receber financiamentos para os projetos prioritários identificados no Plano.
  14. 14. As âncoras 1. Porto do Rio 2. Eixo Multimodal Rio-São Paulo 3. Eixo Multimodal Rio-Espírito Santo 4. Eixo Multimodal Rio-Minas 5. Porto do Açu 6. Arco Metropolitano 7. Acessos à RMRJ 8. Porto de Itaguaí 9. Ligações Transversais no Estado e Fronteiras 10.Ligações da Serrana – Noroeste ao resto do Estado e Fronteiras 11.Instalações Logísticas de apoio às atividades offshore 12.Aeroporto Internacional Galeão
  15. 15. SECRETARIA DE TRANSPORTES PELC RJ 2045 - METODOLOGIA PROJETO PILOTO
  16. 16. SECRETARIA DE TRANSPORTES PELC RJ 2045 – Produtos D15-Definição âncoras, Agrup. de projetos, Aval. Econômica, Hierarquização de Projetos e Ações / AHP Portfólio projetos e medidas de gestão D3-Levantamento de Dados Secundários Diagnóstico do sistema Montagem do portfolio preliminar D4/D5-Plan amostral, CVC/OD e LVC D7-Caracte- rização da rede D6-Rede e Custos logísticos D8-Modelo transporte e projeções D9 - Óleo & Gás D10-Desengarrafando Rio D11-Plataformas logísticas D12-Conexão RJ-MG D13-Conexão RJ-SP D14-Analise NS e necessid. investimen- tos em rodovias D16-Plano de comunicações, D17-Plano de governança D18-Treinamento e fornecimento de hardware e software D2-Oficinas Regionais D1- Detalhamento do plano de trabalho D19-Relatório final D20-Seminário de conclusão Estudo piloto
  17. 17. SECRETARIA DE TRANSPORTES PELC 2045 - Processo Participativo (20 reuniões de grande porte, 479 projetos) 2 Seminários, 8 Oficinas ZOPP, 5 Reuniões Regionais, 60 entrevistas individuais, 181 questionários estratégicos respondidos e 5 Reuniões AHP, onde foram levantados 210 pleitos, que corresponderam a 44% dos projetos do PELC Zonas de Interesse Logístico e locais dos eventos Oficina Rio de Janeiro (FIRJAN) Reunião Rio de Janeiro (ACRio) Oficina Médio Paraíba (ACIAP Barra Mansa) MG/CO SP Vale do Paraíba
  18. 18. SECRETARIA DE TRANSPORTES Pesquisas de Campo no Cordon Line da RMRJ e do RJ Pesquisas de Origem–Destino (O-D) e Contagem Volumétrica Classificatória (CVC) + 68.000 pesquisas O-D + 1.000.000 veículos na CVC Pesquisas consideradas no PELC RJ 2045 16 Pontos de Pesquisa PELC em 2014 Categoria Tipo de Veículo Quantidade % Passeio Carro 45.592 85,4% Picape 4.674 8,8% Utilitário 1.951 3,7% Van 1.148 2,2% Subtotal 53.365 78,5% Moto Moto 3.060 100,0% Subtotal 3.060 4,5% Ônibus Ônibus (2 eixos) 489 78,6% Ônibus (3 eixos) 118 19,0% Ônibus (4 eixos) 15 2,4% Subtotal 622 0,9% Caminhão Caminhão 10.965 100,0% Subtotal 10.965 16,1% Total 68.012 100,0% Resultado das entrevistas aleatórias
  19. 19. SECRETARIA DE TRANSPORTES Levantamento Visual Contínuo – Caracterização das Rodovias 5600 Km filmados e analisados. Vídeo 360º com seis câmeras de precisão (tipo street view) e um software de concatenação das imagens com um GPS de precisão para cadastramento dos itens das vias Software que reproduz a filmagem e a análise dos itens rodoviários georeferenciados. Ex.: Pavimento da Rodovia BR 101 Sul, Rio- Santos. ___ÓTIMO ___BOM ___REGULAR ___RUIM ___PÉSSIMO
  20. 20. SECRETARIA DE TRANSPORTES 1. Porto do Rio 2. Porto do Açu 3. Aeroporto Internacional Galeão 4. Porto de Itaguaí 5. Eixo Multimodal Rio-Espírito Santo 6. Eixo Multimodal Rio-São Paulo 7. Eixo Multimodal Central Rio-Minas 8. Arco Metropolitano 9. Acessos à RMRJ 10. Ligações Transversais Estado/Fronteiras 11. Ligações Regiões Serrana – Noroeste 12. Instalações Logísticas de apoio offshore ÂNCORAS LOGÍSTICAS
  21. 21. SECRETARIA DE TRANSPORTES Estudo Estratégico 1 – “Desengarrafando o Rio” Melhoria na Fluidez do Tráfego Rodoviário Metropolitano Sugestões de intervenções visando melhorar a circulação de tráfego de importantes corredores da RMRJ, que incluem: Linha Vermelha, Linha Amarela, Via Dutra, Av. Brasil, Rod. W. Luís (BR 040), Arco Metropolitano e BR 101
  22. 22. SECRETARIA DE TRANSPORTES Estudo Estratégico 2 – Plano de Investimentos em Rodovias Resultado da Análise de Viabilidade para concessão ou PPP com Base no LVC BR-493
  23. 23. SECRETARIA DE TRANSPORTES Concessão BR-493 – Arco Metropolitano BR-101 S BR-354 BR-356 BR-465 BR-493 RJ-106 RJ-114 RJ-127 RJ-140 RJ-145 RJ-151 RJ-155 RJ-162 RJ-186 RJ-220 PPP Completa BR-494 BR-495 RJ-122 RJ-139 RJ-174 RJ-182 RJ-224 PPP Manutenção RJ-121 RJ-125 RJ-137 RJ-143 RJ-146 RJ-149 RJ-153 RJ-158 RJ-159 RJ-160 RJ-164 RJ-168 RJ-172 RJ-196 RJ-214 Estudo Estratégico 2 Estudos de Viabilidade para Concessão ou Parceria Público Privada  Possível Concessão - Rodovias com elevado fluxo veicular, onde uma empresa privada possui total capacidade de subsistência apenas explorando receitas relativas à tarifa nas praças de pedágio ou serviços na rodovia.  Possível Parceria Público Privada Completa - Rodovias com fluxo veicular, onde uma empresa privada possui capacidade parcial de subsistência com a exploração de receitas relativas à tarifa nas praças de pedágio ou serviços na rodovia, sendo o estado obrigado a entrar com uma contrapartida financeira cobrindo as despesas necessárias e garantindo que o valor da tarifa de pedágio esteja dentro de padrões aceitáveis aos usuários.  Possível Parceria Público Privada de Manutenção - Rodovias com baixo fluxo veicular, onde uma empresa privada não possui capacidade de subsistência com a exploração de receitas relativas à tarifa nas praças de pedágio ou serviços na rodovia. A degradação da via ocorre principalmente devido à exposição ao tempo e não se justifica implantar sistemas de pedágio ou serviços de atendimento ao usuário. Essas rodovias deverão ser loteadas e, apenas com o dinheiro do estado, deverão ser realizadas obras de recuperação, manutenção e conservação.  OBS: As Concessões ou PPP’s são possíveis integralmente nas vias ou em trechos descontínuos. Só Pedágio Pedágio + Subvenção Só Subvenção
  24. 24. SECRETARIA DE TRANSPORTES Estudo Estratégico 3 – Logística RJ / Sul de MG e Zona da Mata A qualificação da MG-467 e da RJ-153 é estratégica para alavancar a conexão logística com o RJ, principalmente para a expansão da hinterlândia dos portos fluminenses. O Sul de MG possui importantes polos de produção agrícola e de desenvolvimento tecnológico, porém com fraca integração física e econômica com o RJ. Principais conclusões sobre a conexão logística com o Sul de MG
  25. 25. SECRETARIA DE TRANSPORTES Dutra ll - Alternativas de traçados analisados no PELC Estudo Estratégico 4 – Conexão Logística no eixo Vale do Paraíba RJ-SP Enquanto o Estado de São Paulo já vem implantando um corredor de alta capacidade com acessos controlados, o Estado do RJ precisa encontrar uma solução!! As restrições de aumento de capacidade na Dutra indicam que a principal conexão rodoviária do país ficará estrangulada se nada for feito nos próximos anos
  26. 26. SECRETARIA DE TRANSPORTES Estudo Estratégico 5 - soluções logísticas de acesso terrestre às instalações de apoio offshore (portos/terminais e aeroportos/heliportos) no Estado do Rio de Janeiro Ex: As propostas de solução para a área de influência de Macaé visaram racionalizar sua conectividade com as infraestruturas de acesso regional e de longa distância, bem como o fluxo de cargas entre as suas zonas industriais e ativos logísticos. Ex.: Melhoria dos acessos no Distrito Industrial de Macaé Ex.: Implementação de novos eixos de transporte
  27. 27. SECRETARIA DE TRANSPORTES Avaliação estratégica de projetos voltados à criação e consolidação de plataformas logísticas em pontos estratégicos da malha viária fluminense Estudo Estratégico 6 – Criação e Consolidação de 15 Plataformas Logísticas 12 Plataformas Logísticas Regionais, e 3 Plataformas urbanas para racionalização da distribuição de cargas
  28. 28. SECRETARIA DE TRANSPORTES Agrupamento Pleitos e projetos BR-393 Duplicação da BR 393 entre Barra do Piraí e Vassouras, no entroncamento com a RJ 127 Adequações nas alças de acesso da BR 393 duplicada para a BR 040 Duplicação da BR 393 entre Sapucaia e Além Paraíba Duplicação da BR 393 entre Além Paraíba e Pirapetinga Construção de ligação de acesso à ZEN de Barra do Piraí Agrupamento Pleitos e projetos Plataformas logísticas no eixo Rio - Minas Construção de Terminal Multimodal com Porto Seco em Três Rios, próximo ao entroncamento ferroviário e ao entroncamento das rodovias BR 393 e BR 040 Implantação de Plataforma Logística nas proximidades da BR 040 na Região de Petrópolis Agrupamento Pleitos e projetos BR116 Norte Nova pista de subida no entre Parada Modelo e Teresópolis conforme idealizado pela CRT Duplicação do trecho entre Teresópolis e Além Paraíba Duplicação entre a cidade de Guapimirim e a cidade de Teresópolis, até 2019 Faixa adicional entre a cidade de Teresópolis e o município de Sobradinho, até 2019 Duplicação entre a cidade de Teresópolis e o município de Sobradinho, até 2024 3 faixas por sentido entre a município de Duque de Caxias e a cidade de Guapimirim até 2024 4 faixas por sentido entre a município de Duque de Caxias e a cidade de Guapimirim até 2034 Agrupamento Pleitos e projetos Linha do Centro Aumento de capacidade no trecho da Linha do Centro entre Barra do Piraí e Joaquim Murtinho, compatibilizando com aumento de volume de carga (retorno dos trens de minério e movimentação de contêineres) Agrupamento Pleitos e projetos BR 040 3 faixas por sentido do Km 0 ao Km 21,7 (entre a divisa RJ/MG e a cidade de Três Rios até 2034 3 faixas por sentido entre o município de Três Rios e o município de Petrópolis-início do trecho de serra até 2019 4 faixas por sentido entre o município de Três Rios e o município de Petrópolis-início do trecho de serra até 2044 5 faixas por sentido - entre o município de Duque de Caxias (fim do trecho de serra) e Av. Brasil (BR-101/RJ) até 2019 6 faixas por sentido - entre o município de Duque de Caxias (fim do trecho de serra) e Av. Brasil (BR-101/RJ) até 2024 7 faixas por sentido - entre o município de Duque de Caxias (fim do trecho de serra) e Av. Brasil (BR-101/RJ) até 2044 4 faixas por sentido entre o município Petrópolis e o munícipio de Duque de Caxias até 2034 5 faixas por sentido entre o município Petrópolis e o munícipio de Duque de Caxias até 2044 Portfólio Estratégico do PELC (ex. Âncora 7) Eixo Multimodal Central Rio-Minas
  29. 29. SECRETARIA DE TRANSPORTES Fichas de Projetos: ex. EF-118 (Ferrovia Rio-Vitória)
  30. 30. SECRETARIA DE TRANSPORTES PELC RJ 2045 – Plano de Governança
  31. 31. SECRETARIA DE TRANSPORTES PROJETO PILOTO (1) – Custos Logísticos Totais Transporte • Obtido do modelo de simulação, em função do frete (distância) e custo operacional (tempo) para os diversos fluxos intermodais Composição dos custos logísticos : Pescado em Itaguaí, Automotivo no Porto do Rio, Fármacos no GIG • Valor em estoque: estimativa a partir da Pesquisa Industrial Anual (PIA 2012, IBGE1) • Custo de estoque: aplica- se a média da taxa SELIC ao valor em estoque (custo de oportunidade) Estoque • Parâmetro ILOS2: o custo de armazenagem tende a ser constante em relação ao valor imobilizado em estoque (5,73%) Armazenagem • Parâmetro ILOS3: de acordo com a metodologia de Wilson, os custos administrativos giram em torno de 3,9% do custo de transporte + estoque + armazenagem Administrativo Os custos logísticos matematicamente “independentes” são o de transporte, o de estoque e o portuário, enquanto o de armazenagem e o administrativo são estimados a partir dos anteriores
  32. 32. www.pelcrj2045.rj.gov.br Novembro de 2010 Eduardo Duprat Secretaria de Estado de Transportes / RJ Tel.: (21) 2333-8637 eddup07@gmail.com

×