Percepção e tomadas de decisões

63 visualizações

Publicada em

PERCEPÇÃO E TOMADA DE DECISÕES

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
63
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Percepção e tomadas de decisões

  1. 1. UNIVERSIDADE UNIGRANRIO – COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL PERCEPÇÃO E TOMADA DE DECISÃO INDIVIDUAL* Percepção: Processo pelo qual os indivíduos organizam e interpretam suas impressões sensoriais com a finalidade de dar sentido ao seu meio. Importância para o Comportamento Organizacional O comportamento das pessoas baseia-se em sua percepção da realidade, não na realidade em si. “O mundo que importa para o comportamento é o mundo na forma em que é percebido.” Fatores que influenciam na percepção No Perceptor:  Atitudes  Personalidade  Motivações  Interesses  Experiência  Expectativas Na Situação:  Momento  Ambiente de trabalho  Ambiente social No alvo:  Novidade  Movimento  Sons  Tamanho  Cenário  Proximidade  Semelhança Ao tentar interpretar o que se está percebendo, essa interpretação é fortemente influenciada pelas características pessoais. As características do alvo da percepção e o contexto também influenciam a atenção e interferem na percepção. Julgamento sobre os outros Teoria da Atribuição: Tentativa de determinar se o comportamento de um indivíduo tem causa externa ou interna. Por quê julgamos as pessoas de forma diferente dependendo do significado que atribuímos a um dado comportamento?
  2. 2. Erro fundamental de atribuição: Tendência de subestimar a influência dos fatores externos e superestimar a influencia dos fatores internos ao julgar o comportamento dos outros. EXEMPLO: Um gerente de vendas atribui o fraco desempenho de seus vendedores à preguiça deles, e não ao lançamento de um produto concorrente inovador. Viés de autoconveniência: Tendência de os indivíduos atribuírem o próprio sucesso a fatores internos e colocarem a culpa dos fracassos em fatores externos. EXEMPLO:As perdas, em 2008, no mercado de capitais nos Estados Unidos, teve como culpa a “imprevisível” situação no mercado imobiliário. Percepção Seletiva: Tendência que as pessoas têm de interpretar seletivamente o que veem, com base nos próprios interesses e experiências e atitudes. EXEMPLO: Da análise abrangente sobre a organização e atividades de uma siderúrgica, visando o principal problema da empresa, 83% dos gestores de vendas disseram ser as vendas o problema mais importante. Efeito Halo: Tendência de formar uma impressão geral de alguém com base em uma única característica. EXEMPLO: Um gestor financeiro quando gera lucros para os acionistas não lhe é cobrada a autorização para usar o dinheiro deles. Mas se der prejuízo é processado por não ter obtida a devida autorização. (caso Adriano Ferreira – ex-diretor financeiro da Sadia, 2008) Efeito de Contraste: Tendência de comparar as características de um indivíduo com as de outras pessoas. EXEMPLO: Qualquer atividade desenvolvida logo depois de outra considerada excelente, perderá seu brilho por conta da avaliação anterior. Esteriotipagem: Julgamento de uma pessoa com base na percepção sobre o grupo ao qual ela pertence. EXEMPLO: Não faço amizade com políticos. Aplicações nas empresas  As pessoas estão sempre julgando umas as outras  Gestores têm de avaliar seus subordinados  Julgam a dedicação ao trabalho  Esses julgamentos são importantes para a empresa Tomada de Decisão  O modelo racional  A racionalidade limitada  A intuição Racional refere-se à pessoa que faz escolhas consistentes para maximizar o valor de acordo com as limitações especificadas. Modelo Racional de Tomada de Decisão: Descreve como os indivíduos devem se comportar para maximizar determinados resultados.
  3. 3. Os Passos do Modelo Racional 1- Definir o problema 2- Identificar os critérios para a decisão 3- Atribuir pesos específicos aos critérios identificados 4- Desenvolver alternativas 5- Avaliar as alternativas 6- Escolher a melhor alternativa Racionalidade Limitada: Processo de tomar decisões construindo modelos simplificados que extraem os aspectos essenciais dos problemas sem capturar toda a sua complexidade. “Em vez de otimizar as pessoas se satisfazem.” “Constroem-se modelos simplificados sem capturar toda sua complexidade.” Intuição: Processo cognitivo inconsciente gerado pelas experiências vividas. • Maneira menos racional de tomar decisões. • Apoia-se em associações holísticas ou • conexões difusas entre informações divergentes • Rápida e com grande componente afetivo • “Aintuiçãoéumaformaaltamentecomplexaedesenvolvidaderaciocínio,baseadaemanosdeexperiênciaeaprendizado.” Confiar somente na intuição? Quando nossos palpites não estão certos? A intuição deve ser complementada com evidências e bom-senso. Erros e vieses na tomada de decisão Excesso de confiança: Quando se usa o otimismo demasiadamente Ancoragem: Tendência em basear o julgamento em uma informação inicial, dificultando o ajuste diante de informações posteriores. Evidência Confirmadora: Tendência em buscar informações que corroborem escolhas anteriores e descartar as que contestem julgamentos prévios. Viés de Disponibilidade: Tendência de julgar as coisas com base nas informações mais facilmente disponíveis. Escala de Comprometimento: Apego a uma decisão anterior, a despeito de informações negativas. Erro de Aleatoriedade: Tendência individual de acreditar que se pode prever o resultado de eventos aleatórios. Aversão ao Risco: Tendência a preferir um ganho certo de uma quantidade moderada a um resultado mais arriscado, mesmo que este tenha uma compensação mais alta. Viés da Compreensão Tardia: Tendência a achar que já se sabia do resultado de um evento depois de ele ter ocorrido. As diferenças individuais e a tomada de decisão  Personalidade  Gênero  Habilidade Mental
  4. 4. (* Robbins, Judge, Sobral. Comportamento Organizacional. Percepção e Tomada de Decisão Individual. 14ª ed. SP: Pearson Prentice Hall, 2010)

×