Liderança nas organizações

263 visualizações

Publicada em

LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Liderança nas organizações

  1. 1. LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES – Robbins, Judge, Sobral (2010)  Liderança versus Administração (John Kotter) A administração diz respeito ao gerenciamento da complexidade, traz ordem e consistência com planos formais, projeto de estruturas organizacionais rígidas e monitoração dos resultados. A liderança refere-se ao gerenciamento da mudança, dá direções pela visão de futuro, engajam as pessoas na busca da superação dos obstáculos. Liderança: capacidade de influenciar um conjunto de pessoas para alcançar metas e objetivos.  Pode ocorrer de maneira formal ou informal.  Nem todos os líderes são administradores e nem todos o administradores sãos líderes.  As empresas precisam de liderança e administração fortes para atingirem níveis ótimos de eficácia. 1- Teoria dos Traços de Liderança  Busca identificar as qualidades e características pessoais que diferenciam líderes de não líderes.  Procura pelos traços sociais, físicos, intelectuais ou de personalidade.  No final dos anos 1960 quase 80 traços de liderança foram encontrados. Cinco eram comuns em quatro estudos.  Nos anos 1990 afirmava-se que os líderes não são como outras pessoas.  Houve avanço ao se basear no modelo Big Five.  A extroversão está mais associada ao surgimento do líder do que a sua eficácia.  A assertividade, conscienciosidade e a abertura para mudanças influenciam o processo de liderança.  As pessoas seguem aqueles que as levem acreditar que estão no caminho certo.  A empatia é uma contribuição da inteligência emocional para a liderança.  Os traços de personalidade podem identificar líderes, mas não asseguram a sua eficácia. 2- Teorias Comportamentais É possível treinar pessoas a serem líderes. Teorias Comportamentais de liderança: propõem que os comportamentos específicos diferenciam os líderes dos não líderes. Estrutura de Iniciação: grau em que um líder é capaz de definir e estruturar o próprio papel e o de seus funcionários a alcançarem os objetivos. Consideração: o líder é capaz de manter relacionamentos de trabalho caracterizados por confiança mútua, respeito às ideias dos funcionários e cuidado com os sentimentos deles. Líder Orientado para as Pessoas: enfatiza as relações interpessoais; demonstra interesse pessoal pelas necessidades de seus funcionários e aceita as diferenças entre os membros do grupo. Líder Orientado para a Produção: enfatiza os aspectos técnicos e práticos do trabalho. 3- Teorias Contingenciais Modelo de Contingência de Fiedler: sustenta que os grupos eficazes dependem da adequação entre o estilo do líder na interação com os subordinados e o grau de controle e influência que a situação lhe proporciona.
  2. 2. Questionário do Colega de quem menos gosto (LPC): avalia se uma pessoa é orientada para os relacionamentos ou para a tarefa. Relação líder-liderados: grau de confiança, respeito e credibilidade que os membros do grupo têm por seu líder. Estrutura da tarefa: grau de estruturação e formalização dos procedimentos e das tarefas no trabalho. Poder da posição: grau de influência que um líder tem sobre as variáveis de poder, tais como poder de contratação, demissão, promoção e aumento de trabalho. Teoria da liderança situacional (TLS): enfoca o nível de prontidão dos subordinados. Teoria do caminho-meta: sustenta que é função do líder ajudar os subordinados no alcance de suas metas, fornecendo orientação e apoio necessários para assegurar que tais metas sejam compatíveis com os objetivos da organização. Modelo de participação e liderança: oferece uma sequência de regras que devem ser seguidas para a determinação da forma e do volume de participação dos liderados no processo decisório de acordo com diferentes situações. 4- Teoria de troca entre líder e liderados (LMX) Propõem que os líderes que criam grupos “de dentro” e “de fora”, e os liderados do grupo “de dentro” recebem avaliações de desempenho melhores, apresentam rotatividade menor e maior satisfação com o trabalho. 5- Liderança carismática Defende que os seguidores atribuem capacidades heróicas ou extraordinárias a seus líderes quando observam determinados comportamentos. 6- Liderança transacional Líderes que conduzem ou motivam seus seguidores em direção às metas estabelecidas por meio do esclarecimento das funções e das exigências das tarefas. 7- Liderança transformacional Líderes que inspiram seus seguidores a transcederem os próprios interesses e que são capazes de causar um impacto profundo e extraordinário em seus liderados. 8- Liderança autêntica Os líderes sabem quem são, no que acreditam, valorizam e agem conforme seus valores e crenças, de forma aberta e honesta. 9- Liderança carismática socializada Estabelece que o líder deve transmitir valores centrados nos outros versus centrados em si mesmos e devem ser modelos de conduta ética. Confiança: expectativa positiva de que o outro não agirá de maneira oportuna. Confiabilidade do líder: Integridade assumir riscos Benevolência ----- confiança ----- compartilhar Informações Capacidade eficácia do grupo
  3. 3. Propensão produtividade 10- Mentoring Processo em que o funcionário senior (mentor) patrocina e apóia um funcionário menos experiente, chamado protegido. 11- Teoria da atribuição da liderança Sugere que a liderança é simplesmente uma atribuição que as pessoas concedem a outros indivíduos. 12- substitutos e neutralizadores da liderança Substitutos: atributos que podem substituir a necessidade de liderança. Neutralizadores: atributos que impossibilitam que o comportamento do líder faça qualquer diferença para seus subordinados. Confiança baseada na identificação: fundamenta-se na compreensão mútua das intenções e apreciação das carências e dos desejos uns dos outros. CONCLUSÕES O líder, em geral, dá a direção do alcance dos objetivos. A extroversão, conscienciosidade e a abertura para novas experiências mostraram uma relação forte e consistente com a eficácia da liderança. As teorias de liderança pouco produziram para a compreensão da liderança. As pesquisas sobreliderança carismática e transformacional têmcontribuído paraacompreensão da eficácia daliderança. Os gestores não confiáveis tendem a não ser líderes eficazes. Testes e entrevistas podem ajudar a identificar pessoas com qualidades de liderança. Gestores devem considerar o investimento em treinamento para a liderança com cursos, workshoping, rodízio de responsabilidades, treinamento e programas de mentoring.

×