Canais de Distribuição e Marketing - 12

116 visualizações

Publicada em

Marketing

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Canais de Distribuição e Marketing - 12

  1. 1. Canais de Distribuição e Marketing 128Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 Olá, bem vindo à unidade 12. Nesta unidade iremos ver que apenas recentemente, mais precisamente nos últimos anos, com a procura de um novo modelo de desenvolvimento econômico por parte das empresas e indústrias tradicionais, e com a criação de marcas, é que se passou a constatar a grande importância de se distribuir produtos e entrega- los no local certo, na quantidade suficiente, com as características pretendidas, bem como no momento exato e com os serviços necessários para a sua venda. Sendo assim, esta forma de política de distribuição foi durante muito tempo, menosprezada pela indústria, segundo um ponto de vista que não visualizou como a integração entre os canais seria importante para agregar valor para a empresa e cliente consumidor. Vamos começar nossos estudos? Boa aula! Objetivo Tópicos Abordados ●● Oferecer ao aluno condições de compreender estrategicamente como a logística interage diretamente com o marketing (com foco no cliente) ●● Realizar e compreender estratégias corporativas ●● Estabelecer relação mercadológica compatível com as exigências do mercado ●● Tomar decisões de distribuição eficientes e com foco no mercado, facilitando a consolidação de uma estratégia corporativa. ●● Tipos de canais, integração e sistemas.
  2. 2. Canais de Distribuição e Marketing 129Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 1- Integração de canal e sistemas Existem 3 tipos de canais e que podem ser classificados como: 1.1- Canais Verticais Os canais de distribuições eram por muito tempo tradicionalmente somente visto de forma inicial, como sendo estruturas mercadológicas verticais, sendo assim aonde a responsabilidade iria sendo transferida de um segmento da cadeia de suprimento para o seguinte, como se fosse uma espécie de bastão onde é passado como em uma corrida de revezamento. Desta forma, o fabricante envia por exemplo um caminhão carregado com seu produto ao armazém do atacadista, onde a carga é finalmente desconsolidada.
  3. 3. Canais de Distribuição e Marketing 130Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 O atacadista então executa a venda do produto a diversos varejista. O varejista, desta forma estoca a mercadoria no ponto de venda e a vende ao cliente final. Os serviços pós-venda como por exemplo os de instalação, atendimento e reclamações, informações sobre o uso etc, são muitas das vezes realizados diretamente pelo varejista, quando assim são solicitados pelos consumidores finais. Os estoques nos diversos segmentos dos processos exercem a função de um pulmão (buffer). Nesse tipo de estrutura vertical, os demais elementos da cadeia de suprimento, alem do varejista, acabam desempenhando papéis de apoio, atuando assim nos bastidores do processo. O atacadista desconsolida lotes completos, de vários fabricantes, e vende os produtos em pequenos lotes aos varejistas. Entretanto, o atacadista e o fabricante não têm acesso direto ao cliente. O varejista que interpreta as preferências do cliente, as tendências da demanda, as necessidades dos serviços de pós-venda etc. Mesmo que se considere outras formas de distribuição, a satisfação das necessidades do consumidor é sempre exercida nesse tipo de distribuição, pelo ultimo elemento de uma determinada cadeia de suprimento, aquele que atende diretamente o cliente. Um cliente que compra diretamente dos varejistas poderia se assim desejar, ter preferido obter informações técnicas diretamente do fabricante, em função, digamos, da maior sofisticação tecnológica do produto adquirido. Todavia, na distribuição vertical, é o varejista o elemento encarregado de realizar esta função. Em muitas oportunidades, essa atribuição de fornecer informações técnicas aos cliente é deixada por conta dos vendedores do ponto de venda. Existem situações em que nem sempre conseguem absorvê-las na sua plenitude, em razão da crescente complexidade e variedade dos produtos. Desta forma, como resultados, não conseguem transmitir o que lhes é solicitado pelos consumidores, em muitos. Essas restrições puderam ser contornadas em muito, devido a revolução tecnológica e informacional ocorrida na década de 1990. Sendo assim, basicamente, como resultado desses avanços, a manufatura e a distribuição de produtos acabaram mudando radicalmente naquela década. Os serviços sofisticados de distribuição de carga fracionada, como os da empresa Fedex , que acabam se apoiando em sistemas de computação avançados, possibilitam assim ás organizações despachar pequenos pedidos com prazo de entrega muito mais reduzidos. A partir disto, os clientes podem adquirir produtos diretamente dos fabricantes ou distribuidores, sem que desta forma ser penalizados com prazos e burocracia excessivos. Atualmente, a manufatura flexível, por outro lado, permite aos fornecedores fabricar seus produtos em lotes cada vez menores em relação aos anteriores, com um custo quase igual aos da produção em grandes lotes. Existem circunstâncias onde os papeis de alguns intermediários na cadeia de suprimento, incluindo principalmente o atacadista e o distribuidor, que estão sendo revistos. Em muitos destes tipos de comercio, a participação desses intermediários está sofrendo ameaçada. Ocorrem que novas formas de canais diretos estão surgindo.
  4. 4. Canais de Distribuição e Marketing 131Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 Os canais indiretos, entretanto, estão se tornando mais curtos (com um menor número de intermediários). Assim sendo, todas essas mudanças visam obter maior valor final para o cliente, tirando partido das mudanças tecnológicas e de mercado observadas nos dias atuais. O que acabou se alterando efetivamente foi o modo de enfocar o problema da distribuição. No lugar de resolver o problema procurando escolher os intermediários da cadeia de suprimento para se chegar ao cliente final, desta forma agora o processo se inverteu. Parte-se agora do cliente final, fazendo uma análise de suas necessidades e preferências, como também as vantagens oferecidas a ele pela concorrência, e se vai atrás assim da melhor estrutura de distribuição que possa atender os clientes de forma satisfatória. Ou seja, inicia-se do cliente e não do fornecedor, e ainda o foco da analise se concentra nas funções do canal de distribuição e nos intermediários em si. Sendo assim, a escolha do canal não mais é realizada ao fim do processo de planejamento da organização, mas sim, deve ser formulada como uma parte integrante de sua estratégia competitiva geral. Veremos, a seguir, as tendências que são mais importantes e observadas atualmente na estruturação dos canais de distribuição. Se pode observar que, um canal de marketing convencional é composto por organizações independentes umas das outras. Cada qual procurando maximizar seu lucro próprio, mesmo que isso acabe prejudicando o sistema como um todo. Por outro lado, um Sistema vertical de marketing (SVM) é composto por um fabricante, pelo(s) atacadista(s) e pelo(s) varejista(s), que buscam alcançar um valor maior atuando como um todo unificado. Os SVMs tiveram início como resultado das fortes tentativas dos membros que compõem um canal de controlar o comportamento do canal e eliminar o conflito que ocorre quando os membros independentes perseguem seus próprios objetivos. Ou seja, eles conseguem economias por conta do seu tamanho, do poder de barganha e, bem como da supressão de serviços duplicados. 1.2- Canais Híbridos Ocorre neste tipo de estrutura, que uma parte das funções ao longo do canal é executada em paralelo por dois ou talvez até mais elementos da cadeia de suprimento, quebrando desta forma o esquema vertical rígido. Por exemplo, se a divisão Vacutainer, uma empresa da indústria norte-americana Becton- Dickinson, que fabrica de agulhas para coletar sangue, seringas e acessórios, acaba negociando a venda de seus produtos diretamente com os setores de compras de grandes hospitais. Quando esta transação é realizada, a indústria entrega então ao hospital uma lista de seus distribuidores autorizados.
  5. 5. Canais de Distribuição e Marketing 132Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 O distribuidor que fora escolhido se encarrega, então, da distribuição física dos produtos adquiridos, formalização dos pedidos, armazenagem e entrega dos lotes para o hospital no momento certo e nas quantidades desejadas. Sendo assim, o fabricante, que dispõe dos especialistas com o “Know-how” sobre o uso dos produtos que são comercializados, e se encarrega também dos serviços de pós-venda. Este fato gera uma pergunta: “Qual a razão para esse tipo de canal hibrido?” Por um ponto, a Becton-Dickinson valoriza o contrato direto com os seus grandes clientes, não somente por serem questões mercadológicas, mas também para melhoria de sua linha de produtos e desenvolvimento de novos bens. Para os grandes hospitais, á compra de lotes maiores lhe gera descontos expressivos, que de outra forma não conseguiriam se comprassem através dos atacadistas. Existe também a utilização de distribuidores por parte da Becton-Dickinson, que é vantajosa, pois eles atendem um grande elenco de fornecedores e ainda conseguem ofertar assim serviços logísticos com mais eficiência e custos menores. A adoção pela organização de um canal hibrido trás consigo também o problema da compensação financeira aos elementos da cadeia de suprimento que realizam novas funções. Hoje, o elemento da cadeia de suprimento possui um relacionamento direto com consumidor não mais responsável por executar todas as funções do canal. Desta forma, se torna necessário realizar uma compensação financeira entre os elementos que compõem a cadeia, o que obriga as partes a uma maior transparência na troca de informações e ainda maior precisão no calculo dos custos envolvidos. Ocorre ainda que, além disso, é preciso definir esquemas de parcerias bem estruturas, com compromisso de médio e longo prazo e objetivos bem claros. Um dos grandes problemas encontrados em canais híbridos do tipo descrito é uma duplicidade de atuação por parte de alguns dos elementos da cadeia de suprimento.
  6. 6. Canais de Distribuição e Marketing 133Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 Vemos por exemplo, no caso da empresa Becton-Dickinson, onde os distribuidores trabalham também para os outros canais concorrentes. Assim sendo, suponhamos que o distribuidor em questão execute as suas funções de forma integral para o fabricante B, ou seja, trabalhe nesse canal dentro de uma estrutura que seja tipicamente vertical. Entretanto, para o fabricante A, a estrutura adotada é hibrida, do modo descrita anteriormente. E assim, na pratica a adoção de um canal hibrido de distribuição acaba exigindo uma forte liderança de um dos participantes da cadeia de suprimento. Muita das vezes é o fabricante que exerce essa liderança, todavia, atualmente se observa uma tendência crescente de o varejo assumir esse papel em alguns setores importantes da economia. 1.3- Canais múltiplos Também existe um outro modo de melhorar o desenvolvimento no gerenciamento da cadeia de suprimento, como utilizar mais de um canal de distribuição. Isso acontece em função da diversidade de tipos de cliente. Por exemplo, se o cliente em potencial de um determinado microcomputador pode comprá- lo por telefone ou pela Internet, a partir de uma lista que foi publicada em uma revista de informática, ou ainda poderá se dirigir a um ponto de venda especializado, que lhe pedirá um preço um pouco mais alto, mas onde conseguirá informações mais detalhadas e atendimento personalizado.
  7. 7. Canais de Distribuição e Marketing 134Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 Desta maneira, o cliente que já possui um conhecimento mais aprofundado do produto, bem como de seus possíveis usos e eventuais problemas, sendo ainda ao mesmo tempo mais sensível ao preço e poderá ser atraído a realizar sua compra por meio de uma lista publica na mídia. Já um outro consumidor, que não acompanha tão de perto as evoluções tecnológicas dos produtos de computação, pode assim precisar de um maior volume de informações para a escolha da marca, do tipo e da versão da mercadoria procurada. Neste tipo de estruturação dos canais de distribuição acaba melhorando as condições globais de competitividade da cadeia, porém não é isento de problemas. A grande dúvida é a área cinzenta do mercado alvo que fica entre dois ou mais tipos de consumidor. Sendo que, enquanto o preço cobrado no ponto de venda especializada não for exagerado, representado adequadamente o valor atribuído pelo consumidor aos serviços por ela oferecidos, não haverá então problemas. Todavia pode acontecer, e acontece com muita frequência, que o cliente em potencial procure a loja e consiga todas as informações de que necessita. Assim posteriormente, o cliente já sabendo o que deseja, realiza o seu pedido através do telefone ou da internet, conseguindo um preço mais em conta. Uma maneira de contornar esse tipo de problema, garantindo até certo ponto a fidelidade do consumidor, mas que é válido somente para alguns tipos de produto (computadores principalmente), é a possibilidade de atualização do produto (upgrade) após se passar certo tempo de uso. Obtendo o produto num estabelecimento especializado, o comerciante pode assim garantir a troca ao consumidor ou lhe dar serviços de montagem e manutenção grátis, sempre que o cliente necessitar. Outro aspecto importante é a garantia do equipamento, em que o contato pessoal com comerciante pode, desta forma trazer mais confiança ao cliente. Sendo assim, o varejista pode criar uma ligação mais estável e mais duradoura entre seu estabelecimento e o cliente. Também nos casos em que o elemento de um dos canais penetra em outro canal, prejudicando o conjunto. Segundo Novaes (2007) o canal múltiplo possui como vantagem atingir diversos tipos de mercado. Pois e possível fazer uso de vários canais para à venda de um único produto. Por exemplo, vender um determinado equipamento, em lojas atacadistas, e varejistas e também através da internet ou outro tipo de canal. Desta forma, possibilita que um cliente potencial desse determinado produto o adquira através das diversas redes seja ela especializada ou não. As organizações utilizam os canais múltiplos para adequar- se em ume estratégia de varias marcas. Entretanto esse tipo de canal também mostra alguns tipos de problemas. Outro aspecto por exemplo, um cliente potencial procure uma loja especializada e consiga informações sobre o produto, e o obtenha pela internet ou outra rede, de modo que consiga o equipamento com o preço mais barato. Influenciando desta forma diretamente a fidelidade do consumidor com o fornecedor. Outra maneira de aperfeiçoar o desempenho da cadeia de suprimentos é utilizar mais de um canal de distribuição. Sendo assim, a diversidade de canais oferecidos aos consumidores permite atingir vários tipos de clientes, ampliando a atuação da organização no mercado. Uma organização pode compor sua força de venda agregando como canais: internet, call center e pontos de vendas físicas satisfazendo cada nicho especificam.
  8. 8. Canais de Distribuição e Marketing 135Integração de canal e Sistemas UNIDADE12 Essa variedade pode atingir clientes que não tem acesso as lojas físicas, por morarem em localidades mais distantes. Todavia, os clientes tradicionais que precisam de atendimento mais personalizado podem obter seus produtos nas lojas tradicionais. O call center complementa todos estes canais, atingindo nichos específicos de pessoas bem como prospectado novos consumidores. Um problema também encontrado é a possibilidade de concorrência com os dois canais reduzindo assim a rentabilidade de um deles e viabilizando sua operação. È fácil deduzir que, é crucial para empresa utilizar o canal ou canais da melhor maneira possível, bem como buscar a otimização pela integração desses sistemas. Somente desta forma, a empresa irá obter uma diferenciação no mercado e consequentemente pode agregar maior valor para o cliente. Bibliografia Recomendada http://www.distefanoconsultoria.com/artigoshsm/Aestrategiaestadevolta.pdf KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2006. NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2007. TELLES, STREHLAU, Renato, Vivian Yara. Canais de marketing e distribuição: conceitos, estratégias, gestão, modelos de decisão. São Paulo: Saraiva, 2006. BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, 2009. BOWERSOX, CLOSS, Donald J, David J.. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas,2001. CHOPRA, MEINDL, Sunil, Peter. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Pearson.

×