3 -log_004_-_apostila_gestão_

40 visualizações

Publicada em

Gerenciamento de Estoque

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
40
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3 -log_004_-_apostila_gestão_

  1. 1. 1
  2. 2. 2 UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO - PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY CSA - ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS LOG 004 – GESTÃO DE ESTOQUES 3 A DINÂMICA DOS ESTOQUES Entender a dinâmica dos estoques, ou seja, como os estes funcionam, seus objetivos, problemas e principais conceitos de aplicação é fundamental para o seu gerenciamento eficaz. O primeiro passo é entender porque os estoques existem, quais as razões para se manter estoques? 3.1 GRÁFICO DE ESTOQUE (CURVA DENTE DE SERRA) A representação da movimentação (entrada e saída) de uma peça dentro de um sistema de estoque pode ser feita por um gráfico em que a abscissa é o tempo decorrido (t), para o consumo, normalmente em meses, e a ordenada é a quantidade em unidades(q) desta peça em estoque no intervalo do tempo (t). Este gráfico é chamado dente de serra. Figura 1 – Gráfico Dente de Serra.
  3. 3. 3 Onde:  Demanda (D);  Estoque Médio (EM);  Estoque de Segurança (ES);  Intervalo de Ressuprimento (IR);  Nível Operacional (NO);  Nível de Ressuprimento (NR);  Ponto de Ressuprimento (PR);  Quantidade de Ressuprimento (QR);  Ruptura de Estoque (Ruptura);  Tempo de Ressuprimento (TR); 3.2 ELEMENTOS DE RESSUPRIMENTO • Quantidade de material consumida em um determinado período de tempo. Demanda é o mesmo que consumo em um determinado período. Demanda (D) • Quantidade teórica equivalente a um determinado período de tempo que, após vários ciclos de ressuprimento, corresponderá ao valor médio de quantidade, acrescido ao Estoque de Segurança (ES). Estoque Médio (EM) • Quantidade de material destinada a evitar ou a reduzir os efeitos causados por alterações nos tempos de ressuprimento ou nas demandas. Trata-se de uma reserva técnica atribuída pelos gerentes de planejamento de estoques. Pode ser atribuído em tempos ou em quantidades. Estoque de Segurança (ES) • Quantidade de tempo entre duas datas sucessivas de ressuprimento. É um período de tempo que corresponde, aproximadamente, ao intervalo de tempo decorrido entre duas quantidades consecutivas de ressuprimento. Também conhecido como Ciclo de Ressuprimento. Intervalo de Ressuprimento (IR) • Quantidade disponível, normalmente, para atender à Demanda, atingindo seu ponto máximo em cada ressuprimento. É o mesmo que Estoque Operacional (EO). Nível Operacional (NO)
  4. 4. 4 3.3 SISTEMAS DE REPOSIÇÃO DE ESTOQUES a) Sistema Duas Gavetas: Esse método é o mais simples para controlar os estoques. Pela sua simplicidade é recomendável a utilização para as peças classe “C”. Estoque equivalente ao consumo previsto no período Estoque para não interromper o ciclo de atendimento. Vantagem: Redução do processo burocrático de reposição de material. O Sistema de Duas Gavetas consiste em duas caixas de diferentes tamanhos, onde a menor tem uma quantidade de material suficiente para atender ao consumo durante o tempo de reposição, • Quantidade de material em estoque e em encomenda, ou seja, estoque potencial. É a quantidade máxima permissível em estoque. Também conhecido como Estoque Máximo, ou, ainda Limite Máximo. Nível de Ressuprimento (NR) • Quantidade de material que, ao ser atingida pelo estoque em declínio, determina a emissão de um pedido de ressuprimento. Também conhecido como Ponto de Reposição, ou, ainda, como Estoque Mínimo. Ponto de Ressuprimento (PR) • Quantidade de material destinada a recompletar o Nível Operacional e a ser consumida no Intervalo de Ressuprimento. Deve atender à Demanda prevista em determinado intervalo de tempo. Quantidade de Ressuprimento (QR) • Quantidade de estoque de valor igual a 0 (zero) gerando, a partir desse ponto, faltas ao estoque. O Ponto de Ruptura (ou ruptura de estoque) ocorre após Ter sido utilizado, inclusive, o Estoque de Segurança. Ruptura de Estoque (Ponto de Ruptura) • Espaço de tempo decorrido enter a data em que um determinado material é solicitado, e aquele que é recebido em condições de utilização, e integrado aos estoques e à disposição dos usuários. È o tempo médio que os fornecedores levam, em condições normais, para atender a um pedido. Tempo de Ressuprimento (TR)
  5. 5. 5 mais o estoque de segurança, enquanto que a caixa maior possui um estoque equivalente ao consumo previsto no período. Este sistema é bastante prático e muito utilizado pelo comércio varejista de autopeças e por outros de pequeno porte. Figura 2 – Sistema de Duas Gavetas. b) Sistema de Máximos e Mínimos (Revisão Contínua): Este sistema parte da premissa de analisar o nível de estoque continuamente, ou seja, a cada retirada ou cada dia, por exemplo, sendo de maneira manual, eletrônica, entre outras. E assim que o estoque chega ao seu nível de segurança, ou na sua quantidade mínima, é feita uma recolocação seguindo o lote econômico de compra pré-determinado anteriormente. Sendo assim, este sistema de revisão tem o período de tempo variável e o tamanho do lote invariável. Ou ainda o sistema de revisão contínua, que também pode ser chamado de ponto de recolocação do pedido, “acompanha o estoque remanescente de um item cada vez que uma retirada é feita, a fim de determinar a necessidade de reposição” (RITZMAN, 2004, pg. 305). Basicamente o sistema consiste em:  Determinar o consumo previsto;  Fixar o período de consumo;  Calcular o Ponto de Pedido;  Calcular os Estoques Máximo e Mínimo;  Calcular o Lote de Compra; Figura 3 – Sistema de Revisão Contínua.
  6. 6. 6 c) Sistema das Revisões Periódicas: Por esse sistema o material é reposto, periodicamente, em ciclos de tempo iguais, chamados de período de revisão. A quantidade pedida será a necessidade da demanda do próximo período. Considera-se, também, um estoque mínimo ou de segurança, que deve ser dimensionado de forma que previna o consumo acima do normal e os atrasos de entrega durante o período de revisão e o tempo de reposição. Nesse sistema são programadas as datas em que deverão ser realizados as reposições de material e os intervalos são iguais. O Sistema de Revisão Periódica atenta para a reposição do material em ciclos de tempos iguais ou períodos de revisão, levando-se em consideração um estoque mínimo ou de segurança, o qual deve ser dimensionado de forma que previna o consumo acima do normal e os atrasos de entrega durante o período de revisão e tempo de reposição. Alguns itens poderão apresentar maior consumo do que outros, portanto torna-se conclusiva a ideia de que a revisão deverá ser realizada para cada item em particular. Figura 4 – Sistema de Revisão Periódica. Além desses sistemas básicos temos ainda outros modelos de reposição como MRP I e MRP II que por se relacionarem diretamente com a função dos estoques no apoio ao processo produtivo, serão abordados mais adiante. 3.4 ESTOQUES E O EFEITO CHICOTE Eventuais oscilações de demanda aliadas à problemas logísticos e falhas no processo produtivo podem impactar significativamente a cadeia de suprimentos e gerar falta do produto, o que de acordo com a lei da oferta e da procura poderá acarretar a alta dos preços no setor fazendo com que uma empresa perca diferenciais competitivos perante as outras.
  7. 7. 7 Figura 5 – Representação Gráfica da Lei da oferta e da Procura. Como podemos observar o mercado funciona como uma gangorra onde de um lado temos a quantidade de produtos produzida e do outro o preço desses produtos, determinado pelos fatores de produção aplicados no seu processo de concepção. Nota-se que à medida que reduzimos a quantidade de produtos estocados tendenciosamente vamos aumentar o preço dos produtos existentes no mercado. Esse conceito que você acaba de compreender rege a Economia como conhecemos e é um dos principais fatores para a necessidade de gerenciamento eficaz dos estoques. As atividades de Produção e Estocagem devem acompanhar a forma com que a empresa se adapta a demanda e busca atender as especificações de seus clientes. Variações de demanda ao longo da cadeia precisam ser percebidas e absorvidas o mais rápido possível a fim de evitar transtornos e prejuízos. Um desses transtornos é o chamado Efeito Chicote que se dá em toda a cadeia de abastecimento devido a flutuações na demanda que surgem no final da cadeia (consumidor), sentida com maior intensidade no início da cadeia (fornecedores de matéria-prima). Nesse ponto o gerenciamento eficaz de estoques surge como um elemento fundamental para responder a essas variações equalizando os níveis de produtos. Figura 6 – Efeito Chicote na Cadeia de Suprimentos.
  8. 8. 8 REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H.. Marketing Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 2001. BERTAGLIA, Paulo Roberto. Marketing e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. BOWERSOX, Donald J.; Closs, David J.. Marketing Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, 2001. FLEURY, Paulo Fernando; Wanke, Peter,; Figueiredo, Kleber Fossati. Marketing Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, 2000. FOSSATI, Kleber/Paulo Fernando Fleury/Peter Wenk. Marketing e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2003. AGRADECIMENTOS: Aos Professores Luiz Moura e Pablo de Barros que cederam parte desse material.

×