Int. à Logica de Programação

8.339 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
2 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
95
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
2
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Int. à Logica de Programação

    1. 1. Introdução à Programação e Algoritmia António Mansilha ESCOLA E. B. 2,3 /S D. SANCHO II ALIJÓ [email_address] Setembro, 2007 Alijó
    2. 2. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>A lógica é uma ciência de carácter matemática e fortemente ligada à Filosofia . 1.1 - Lógica A lógica é o ramo da filosofia que trata das regras do bem pensar, ou do pensar correcto, sendo, portanto, um instrumento do pensar. A aprendizagem da lógica não constitui um fim em si, mas um meio de garantir que nosso pensamento se faz correctamente para chegar a conhecimentos verdadeiros .
    3. 3. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>A lógica de programação é necessária a quem deseje desenvolver sistemas e programas, permitindo definir a sequência lógica para o desenvolvimento. Lógica de programação Lógica de Programação é a técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objectivo, isto é, para resolver determinado problema.
    4. 4. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>Estes pensamentos, podem ser descritos como uma sequência de instruções, que devem ser seguidas para se cumprir uma determinada tarefa. 1.2 - Sequência Lógica Sequência Lógica são passos executados até atingir um objectivo ou solução de um problema.
    5. 5. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>Em linguagem comum, são um conjunto de regras ou normas definidas para a realização de alguma tarefa. 1.3 - Instruções Em informática, instrução é a informação que indica a um computador uma acção elementar a executar.
    6. 6. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>Uma ordem isolada não permite realizar o processo completo, para isso é necessário um conjunto de instruções colocadas em ordem sequencial lógica. Por exemplo, se quisermos fazer uma omoletas de batatas, precisaremos de executar uma série de instruções: descascar as batatas, bater os ovos, fritar as batatas, etc... Essas instruções tem que ser executadas numa ordem adequada – não se pode descascar as batatas depois de fritá-las. Assim, uma instrução isolada não faz muito sentido; para obtermos o resultado, precisamos de executar o conjunto de todas as instruções, na ordem correcta. 1.3 - Instruções
    7. 7. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul>Um algoritmo é, formalmente, uma sequência finita e não ambígua de instruções, conducentes à solução de um determinado problema / execução de uma tarefa. Estas instruções não podem ser redundantes nem subjectivas na sua definição; devem ser claras e precisas; cada uma das quais pode ser executada mecanicamente, numa quantidade finita de tempo e com uma quantidade finita de esforço. Exemplos de algoritmos: - algoritmos das operações básicas (adição, multiplicação, divisão e subtracção) de números reais decimais; - os manuais de electrodomésticos; - ou operações mais simples que podem ser descritas por sequências lógicas, como seja uma receita de culinária ou a troca de um pneu de um carro. 1.4 - Algoritmos
    8. 8. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Formas de Representação de Algoritmos </li></ul><ul><li>Dentre as formas de representação de algoritmos mais conhecidas podemos citar: </li></ul><ul><ul><li>Descrição Narrativa ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fluxograma Convencional ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pseudocódigo , também conhecido como Linguagem Estruturada ou Portugol. </li></ul></ul>
    9. 9. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Formas de Representação de Algoritmos </li></ul><ul><li>Descrição Narrativa </li></ul><ul><ul><li>Nesta forma de representação os algoritmos são expressos directamente em linguagem natural. </li></ul></ul>
    10. 10. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Descrição Narrativa </li></ul>Receita de bolo : Misture os ingredientes Unte a forma com manteiga Despeje a mistura na forma Se houver coco ralado então despeje sobre a mistura Leve a forma ao forno Enquanto não corar deixe a forma no forno Retire do forno Deixe arrefecer Tomar um banho: Entrar na casa de banho e tirar a roupa Abrir a torneira do chuveiro Entrar na água Ensaboar-se Sair da água Fechar a torneira Enxugar-se Vestir-se Troca de um pneu furado : Desapertar ligeiramente as porcas Suspender o carro Retirar as porcas e o pneu Colocar o pneu de reserva Apertar as porcas Baixar o carro Dar o aperto final nas porcas
    11. 11. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Formas de Representação de Algoritmos </li></ul><ul><li>Fluxograma Convencional </li></ul><ul><ul><li>É uma representação gráfica de algoritmos onde formas geométricas diferentes implicam acções (instruções, comandos) distintas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tal propriedade facilita o entendimento das ideias contidas nos algoritmos e justifica a sua popularidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Esta forma é aproximadamente intermediária à descrição narrativa e ao pseudocódigo (subitem seguinte), pois é menos imprecisa que a primeira e, no entanto, não se preocupa com detalhes de implementação do programa. </li></ul></ul>
    12. 12. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Formas de Representação de Algoritmos </li></ul><ul><li>Fluxograma Convencional </li></ul>
    13. 13. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Fluxograma Convencional </li></ul><ul><ul><li>Exemplo: Cálculo da média de um aluno sob a forma de um fluxograma. </li></ul></ul><ul><ul><li>Partindo do símbolo inicial, há sempre um único caminho orientado a ser seguido, representando a existência de uma única sequência de execução das instruções </li></ul></ul>
    14. 14. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Formas de Representação de Algoritmos </li></ul><ul><li>Pseudocódigo </li></ul><ul><ul><li>Esta forma de representação de algoritmos é rica em detalhes, como a definição dos tipos das variáveis usadas no algoritmo. Assemelha-se bastante à forma em que os programas são escritos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Esta representação é suficientemente geral para permitir que a tradução do algoritmo para uma linguagem de programação específica seja praticamente directa. </li></ul></ul>
    15. 15. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Pseudocódigo </li></ul><ul><li>A forma geral da representação de um algoritmo na forma de pseudocódigo. </li></ul>Algoritmo < nome_do_algoritmo>; <declaração_de_variáveis>; <subalgoritmos> Início <corpo do algoritmo> Fim
    16. 16. <ul><li>Introdução à Lógica da Programação </li></ul><ul><li>Pseudocódigo – Representação do algoritmo do cálculo da média de um aluno, na forma de um pseudocódigo . </li></ul>Algoritmo < nome_do_algoritmo>; <declaração_de_variáveis>; <subalgoritmos> Início <corpo do algoritmo> Fim Algoritmo Calculo_Media; Var N1, N2, MEDIA: real; Início Leia (N1, N2); MEDIA  (N1 + N2) / 2; Se MEDIA >= 7 então Escreva “Aprovado” Senão Escreva “Reprovado”; Fim_Se Fim
    17. 17. <ul><li>Faça no seu caderno: </li></ul><ul><li>Crie uma sequência lógica para escovar os dentes depois das refeições. </li></ul><ul><li>Crie uma sequência lógica para substituir uma lâmpada fundida de um candeeiro. </li></ul><ul><li>Crie uma sequência lógica para encontrar o número de telefone de um dado nome numa lista telefónica. </li></ul>Exercícios

    ×