Narrativas Digitais em Hipervídeo

272 visualizações

Publicada em

Talk at UNIRIO about the PhD study and the applicability of Semantic Hypervídeo in education and research in the field of Social Memory and Heritage

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Narrativas Digitais em Hipervídeo

  1. 1. NARRATIVAS DIGITAIS EM HIPERVÍDEO António Maneira Rio de Janeiro, 31 de Agosto, 2015 Programa de Pós-Graduação em Memória Social acmaneira@ubi.pt
  2. 2. O MEU PERCURSO  Lic. Design de Comunicação - Belas-artes da Universidade de Lisboa  Produção “multimédia” - Laboratório Multimeios - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT)  Mestrado em Ciências da Comunicação: Audiovisuais, Multimédia e Interactividade - Faculdade de Ciências Sociais Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH)  Produção, Gestão, Formação “multimédia” - Lab.eLearning na FCT  Doutorado em Media Digitais - UT Austin|Portugal (FCT + FCSH+ UT Austin)  Projectos, encontros de professores,… - Educom (Associação Portuguesa de Telemática Educativa)  Lic. e Mestrado Design Multimédia - Universidade da Beira Interior 2
  3. 3. NESTA APRESENTAÇÃO  Sobre a minha tese  O problema de investigação  Uma aproximação alternativa  A metodologia de investigação  A implementação do estudo  Os resultados e contribuições  Narrativas Digitais em Hipervídeo  Vídeo na internet  Bases de dados  Narrativa digital  Hipervídeo Semântico 3
  4. 4. LEARNING ACTIVITIES WITH SEMANTIC HYPERMEDIA IN HIGHER EDUCATION ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM COM HYPERMEDIA SEMÂNTICO NO ENSINO SUPERIOR Orientador: Prof. Carlos Correia (UNL) Co-orientadores: Prof. Joan Hughes (UTA) Prof. João Correia de Freitas (UNL) 4 (Bolsa)
  5. 5. O PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO 5
  6. 6. O PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO  O ensino superior não está totalmente adaptado a um mundo cada vez mais digital  O que diz a literatura:  Os modelos e práticas de ensino não são fáceis de mudar  Os estudantes têm baixa literacia para os media digitais  Não existe uma fórmula que possa ser aplicada para que haja mudança 6
  7. 7. O PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO (B) Scott Wilson, 2010 7
  8. 8. UMA APROXIMAÇÃO ALTERNATIVA  Novos formatos hipervídeo  Internet e redes sociais online  Modelo de ensino participativo 8
  9. 9. UMA APROXIMAÇÃO ALTERNATIVA  Formato hipervídeo – hipermedia semâmtico com a aplicação autora livre (Korsakow)  Vídeos curtos são ligados por palavras-chave (que dão sentido)  Pesquisa, download e reutilização de aplicações e conteúdos  Site de partilha e discussão para a turma (Wordpress)  Modelo adaptável ao professor e aos alunos 9
  10. 10. A METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO Design-Based Research 10 Avaliação Desenvolvimento Design Análise Implementação
  11. 11. A METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO  Design-Based Research:  Promover melhorias efetivas que possam ser replicadas  Realizada em contexto real com a colaboração dos professores  Fundado em teoria e princípios já usados  Realizar várias iterações para refinar princípios de design de instrução
  12. 12. A IMPLEMENTAÇÃO DO ESTUDO 12
  13. 13. A IMPLEMENTAÇÃO DO ESTUDO  3 implementações (5 a 8 semanas cada)  Encontrar professores interessados  Adaptar o modelo  Sessão inicial  Observação participante  Focus groups  Inquéritos (questionário e entrevistas)  Análise de resultados (vídeos, vídeos interactivos, esboços, capturas de ecrã, comentários escritos, blog de turma…) 13
  14. 14. OS RESULTADOS E CONTRIBUIÇÕES 14 Butões com links fixos Main Media SNUs’ Previews
  15. 15. OS RESULTADOS E CONTRIBUIÇÕES 15 45% 55% 0 0 0 9% 73% 18% 0 0 13% 75% 13% 0 0 CONCORDO TOTALMENTE CONCORDO NÃO CONCORDO NEM DISCORDO DISCORDO DISCORDO TOTALMENTE Austin Lisboa 1 Lisboa 2 Na generalidade gostei das actividades de aprendizagem em que desenvolvemos vídeo interactivos.
  16. 16. OS RESULTADOS E CONTRIBUIÇÕES  Competências:  Síntese  Categorização  Apropriação  Edição Multi-linear  Networking  Negociação 16
  17. 17. OS RESULTADOS E CONTRIBUIÇÕES  Atitudes:  Entusiasmo na exploração  Auto gestão  Empatia  Cooperação  Colaboração  Trabalho de equipa 17
  18. 18. Hipervídeo Semântico Narrativa Digital Bases de dados Vídeos online NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 18
  19. 19. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 19  Vídeos online  Dinâmicos e imersivos  Curta duração  Compatíveis com diversos sistemas  Ajustáveis a diversos formatos  Ajustáveis a diferentes redes  Fáceis de partilhar  Pessoais
  20. 20. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO Alex Bruns (2007) 20
  21. 21. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO  Vídeos online:  Graava - http://www.producthunt.com/tech/graava 21
  22. 22. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 22  Bases de dados  Categorias (tags)  Descritores Vídeo Cenário Áudio Personagens Acção 00011 Floresta Aves António Fotos de Macaco 00023 Barco Golfinhos Ana Apresentação de ilha 00031 Cachueira Cachueira Turista Mergulho 00042 Cachueira Serginho Serginho Explicações sobre cobras 00052 Restaurante Som de restaurante Turista Ida à Foz do Iguaçu 00006 Foz do Iguaçu Foz do Iguaçu Turista Aprecia o momento 00017 Alambique Moagem da cana Turista Prova Cachaça
  23. 23. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 23  Vídeo como Base de Dados  Dziga Vertov - The man of the moving camera (1929)
  24. 24. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 24  Vídeo como Base de Dados  Vertov The man of the moving camera (1929)  Ridley Scott Life in a day (2011)
  25. 25. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 25  Narrativa digitais  Pessoais (primeira pessoa)  Realização barata  Interativas  Não lineares/multi-lineares  Com hiperlinks (Ted Nelson, 1965) Tempo Exposição Crise Climax (resolução) Desfexo
  26. 26. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 26 Tempo Climax (resolução)
  27. 27. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 27  “Kino-Automat" (Expo 1967)  “D-Dag” (2000) (Dogme 95)
  28. 28. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 28 Tempo
  29. 29. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 29 Início Episódio Episódio Episódio Episódio Episódio Ganhou !
  30. 30. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 30 The Birthday Party: An Interactive Adventure!
  31. 31. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO Veste a gente!
  32. 32. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO  Aplicações:  Treehouse - https://interlude.fm  Racontr - https://racontr.com  Hipervídeos:  Com o Korsakow - http://korsakow.org/showcase/  Fort McMoney - http://fortmcmoney.com/  Redes - http://www.redesestrategicassus.org  Hipervídeos em educação:  Adrian Miles - http://vogmae.net.au/classworks/2010.html  Scott Wilson – Artigo sobre uso de Korsakow em disciplinas de Antropologia 32
  33. 33. NARRATIVA DIGITAIS EM HIPERVÍDEO 33 Tempo Exposição Crise Climax (resolução) Desfexo
  34. 34. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO 34 ? Michael Wesch (2008)
  35. 35. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO  Links dinâmicos gerados “na hora”  Dependentes de uma fórmula (algoritmo pré- programado)  Conjunto de palavras-chave (dão sentido à narrativa) 35
  36. 36. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO  Vídeos curtos com princípio meio e fim (30 seg. a 2 min.)  Criação de mapa ou rede de conceitos e narrativas  Atribuição de palavras-chave de entrada e de saída a cada video 36
  37. 37. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO 37 Palavras-chave de Saída “E depois?” Palavras-chave de Entrada *Smal Narrative Unit (Pequena Unidade Narrativa) Como funciona o Korsakow?
  38. 38. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO 38 *SNU - Pequena Unidade Narrativa * Como funciona o Korsakow?
  39. 39. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO Lev Manovich 39 (horizontal em vez de vertical)
  40. 40. HYPERVÍDEO SEMÂNTICO 40
  41. 41. Siemens & Tittenberger (2009, p.1) 41
  42. 42. OBRIGADO 42
  43. 43. OBRIGADO Dissertação: http://hdl.handle.net/10362/13871 E-mail: acmaneira@ubi.pt Blog: https://amdigitalmedia.wordpress.com/ Página do Korsakow: www.korsakow.org 43
  44. 44. ANÃO NOS OMBROS DE GIGANTES  Audiovisuais e Interactividade Bandura, Mayer, Paivio, Clark, Feldon, Shephard ...  Contrutivismo Piaget, Papert, Pea , Perkins, Jonassen, Reeves...  Narrativa Murray, Anderson, Iiyoshi, Hannafin, Liu, Bera...  Redes semânticas Spiro, Shapiro e Niederhauser, Pollock, Squire, Reed, Miles, Brusilovsky, Damásio, Barsalou...  Redes sociais Vygotsky, Torniai...  Conectivismo Siemens... 44
  45. 45. ANÃO NOS OMBROS DE GIGANTES  Metodologias action research Wilfred Carr e Stephen Kemmis;  Investigação em tecnologias digitais e educação Daniel Peraya e Bernardette Chalier;  Metodologias design-based research Ann L. Brown; Clara Coutinho, Terry Anderson e Julie Shattuck, Jan Herrington e Thomas Reeves;  Métodos quantitativos e qualitativos Luísa Aires, David Scott e Robin Usher. 45
  46. 46. REFERENCE: Manovich, L. (2001). The Language of New Media (1st ed.). The MIT Press Siemens, G. & Tittenberger, P. (2009). Handbook of Emerging Technologies for Learning. University of Manitoba. Retrieved May 8, 2012 http://ltc.umanitoba.ca/wikis/etl/index.php/Handbook_of_Emerging _Technologies_for_Learning Wilson, S.R. (2009). K-Films in the Classroom: Exploring New Media Ethnography Using the Korsakow System. Practicing Anthropology. 31:4: (pp. 43-48). Wilson, S.R. (2010). Ethnography as Database Narrative: Immersion, Interactivity and Intervention in the Bethune Multimedia Project. The International Journal of the Humanities. Vol. 8, (4). ISSN: 1447-9508 46

×