O slideshow foi denunciado.
4                                 1. INTRODUÇÃOO pressente trabalho foi solicitado pela docente Sandra Fabiana Almeida Fra...
5                                2. DESENVOLVIMENTOA professora afirma que o trabalho de leitura e escrita é realizado des...
6                    a insegurança, a tranqüilidade, e tantas outras mais, e viver profundamente                    tudo q...
7                             3. CONSIDERAÇÕES FINAISA partir da observação que realizamos na turma de alfabetização da Ed...
8                                REFERENCIASSILVA, Ezequiel Theodoro da. Literatura e realidade brasileira. 2 ed. Porto Al...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório de Alfabetização e Linguistica

3.194 visualizações

Publicada em

Relatório apresentado ao componente curricular Alfabetização e Linguistica.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Relatório de Alfabetização e Linguistica

  1. 1. 4 1. INTRODUÇÃOO pressente trabalho foi solicitado pela docente Sandra Fabiana Almeida Franco,como requisito para o componente curricular Alfabetização e Lingüística, buscaapresentar os resultados obtidos através da observação direta realizada numa turmade alfabetização, com carga horária de 5 horas desenvolvida na escola Centro deEducação Sementinha do Futuro, situada a rua Acesso 04, número 02, no bairroBonfim II (Casas Populares), em Senhor do Bonfim-BA.A observação direta nos permite chegar mais perto dos sujeitos, a partir dessaanálise do espaço dos alunos e coloca o futuro professor em contato real com anatureza de seu trabalho, por meio de um olhar observador.Neste contexto, a construção deste relato de observação apresenta estratégias deaprendizagem a partir das práticas de leituras desenvolvidas em sala de aula, pois aleitura se constitui num instrumento enriquecedor de conhecimentos para o aluno,assim nos diz Silva (2005): Leitura é uma atividade essencial a qualquer área do conhecimento e mais essencial ainda à própria vida do ser humano. (O patrimônio simbólico do homem contém uma herança cultural registrada pela escrita. Estar com e no mundo pressupõe, então, atos de criação e re-criação direcionados a essa herança. A leitura, por ser uma via de acesso a essa herança, é uma das formas do homem se situar com o mundo de forma a dinamizá-lo.) (p. 42)Portanto transpor esse abismo construindo uma nova forma de lidar com essaspráticas, aproximando-as das práticas sociais é o desafio de qualquer instituição,pois essa atitude exige renovação, persistência e mudanças.
  2. 2. 5 2. DESENVOLVIMENTOA professora afirma que o trabalho de leitura e escrita é realizado desde o primeiromomento até o término da aula, com atividades que estimulem o processo deaquisição do conhecimento e o gosto pela leitura.Em sua ação docente diária existe um momento especifico para a leitura. Costumarealizar a rodinha da leitura, onde desenvolve a leitura compartilhada dos textos,além de possibilitar que seus alunos possam manusear e folhear os livros utilizados.Assim, Silva (1985) nos afirma: “A leitura, se levada a efeito crítico e reflexivamente,levanta-se com um trabalho de combate à alienação (não-racionalidade), capaz defacilitar ao gênero humano a realização de sua plenitude (libertação)” (p. 22,23).Desse modo, a professora acredita que, o momento da leitura não é apenas lazer,mas trás consigo um amplo grau de informações. O incentivo da leitura as criançasajuda no desenvolvimento da escrita e na compreensão do mundo, possibilitandouma formação pessoal e social.Considera-se necessário que a prática educativa do professor seja criativa, capaz decompreender e desenvolver sua ação dentro de um contexto social, buscando açõesconscientes e significativas.Podemos observar que a docente apesar de compreender a importância da leiturana formação e aquisição de conhecimento de seus educandos a mesma apresentatextos na maioria das vezes, apenas com objetivos didáticos, não apresentandotextos que são do interesse ou necessidade do aluno.É preciso induzir as crianças a lerem por prazer. É através da leitura de obrasliterárias infantis que a criança aprende brincando em um mundo de emoções queirá despertar a curiosidade e produzir novas experiências. De acordo comAbramovich (1997): É ouvindo histórias que se pode sentir (também) emoções importantes, como a tristeza, a raiva, a irritação, o bem-estar, o medo, a alegria, o pavor,
  3. 3. 6 a insegurança, a tranqüilidade, e tantas outras mais, e viver profundamente tudo que as narrativas provocam em quem as ouve - com toda a amplitude, significância e verdade que cada uma delas faz (ou não) brotar... Pois é ouvir, sentir e enxergar com os olhos do imaginário (p. 17).É importante ressaltar o quanto os alunos ficam maravilhados com as históriascontadas.As atividades de leitura precisam ser planejadas onde o professor através de umaação significativa proporcione o encontro dos educandos com o mundo da leitura eescrita de forma lúdica e consciente levando-os a perceber e questionar o mundoem que estão inseridos. Garcia (2003) nos diz que: Organizar o ensino da leitura e escrita procurando criar condições para a apropriação da linguagem escrita como instrumento de compreensão e intervenção da realidade implica... possibilitar vivencias com a leitura e a escrita que tenha relevância e significado para ávida da criança algo que se torne uma necessidade para ela e que lhe permita refletir sobre sua realidade e compreende-la (p. 94).Assim, é preciso que o professor esteja preparado para desenvolver atividades deleitura, que esteja dedicado e comprometido com a educação. O ato de ensinar deveser algo transformador que possibilite aos educandos não apenas o ler e o escrevercorretamente, mas torná-los críticos e criativos, capazes de questionar a realidadeinteragindo ativamente em seu meio social.
  4. 4. 7 3. CONSIDERAÇÕES FINAISA partir da observação que realizamos na turma de alfabetização da EducaçãoInfantil podemos perceber a importância, para o profissional da educação, o contatocom a prática. Neste contexto, percebemos que crianças participaram ativamente detodas as atividades, mostrando que a diversidade das atividades, alternando asatividades concretas com as não concretas forma um ambiente ideal deaprendizagem e que é preciso trabalhar com diferentes gêneros textuais e que o usode textos ajuda a formar um ambiente alfabetizador com diferentes praticas sociaisde leitura e escrita.Portanto o trabalho foi muito gratificante, pois conseguimos perceber mais ainda oquanto a leitura é importante no processo de alfabetização. E este processoproporcionou a construção de conhecimentos imprescindíveis e tambémcompreensão da necessidade de incluir a leitura no âmbito escolar.Compreendemos que todos os saberes adquiridos e construídos em sala de aulasão fundamentais para a nossa formação como profissionais e para o exercício denossa função como educadores.
  5. 5. 8 REFERENCIASSILVA, Ezequiel Theodoro da. Literatura e realidade brasileira. 2 ed. Porto Alegre:Mercado Aberto, 1985.ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. São Paulo.Scipione, 1997.GARCIA, Regina Leite (org). A formação da professora alfabetizadora: reflexõessobre a prática. São Paulo, Cortez, 2003.

×