Inexistent
e
Procurado
Escrito por: Amanda Coelho
Inexistente procurado
“Muitos me procuram, muitos falam de mim, mas poucos me entendem.”
Olá, como vais? Está tudo bem con...
Ele estava de frente a um computador olhando fixamente para a tela e chorando... Pude ler
algumas palavras: “Luiz, a gente...
inexistente, vê se pode isso? Inexistente... sim, talvez eu até seja, sou inexistente para quem
diz que sou inexistente. S...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inexistente Procurado

97 visualizações

Publicada em

Escrito por Amanda Coelho.

Publicada em: Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
97
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inexistente Procurado

  1. 1. Inexistent e Procurado Escrito por: Amanda Coelho
  2. 2. Inexistente procurado “Muitos me procuram, muitos falam de mim, mas poucos me entendem.” Olá, como vais? Está tudo bem contigo leitor? Eu sei que essa pergunta é clichê e não quer dizer que eu esteja mesmo me preocupando com o seu bem estar, então vou te fazer uma pergunta melhor: Você está feliz? Se você me responder que está, eu te faço uma nova pergunta: O que é a felicidade? Eu lhe garanto que eu passo por todas as ruas desse mundo e vejo que quase ninguém sabe o que é a felicidade. Eu também às vezes perco meu tempo dando uma olhadinha nas redes sociais. Eu vejo muita gente falando o meu nome, muita gente comentando sobre mim, que me quer, me deseja. Quem eu sou? Vejo que você também não me conhece. Eu me chamo Felicidade. Eu digo-lhe, prazer em te conhecer ou que bom revê-lo? Eu espero que seja um “que bom revê-lo”. Sabe querido leitor... eu estou muito entediado! Sim, há anos atrás eu trabalhava mais. Hoje eu quase não trabalho. Não tem ninguém para eu habitar, eu queria muito poder estar nas famílias como antes. Eu lembro-me perfeitamente de quando eu sentava junto com as famílias na hora da janta, todos juntos, conversando, rindo, felizes... Lembro-me também de quando eu estava junto do pai que chegava em sua casa e a primeira coisa que fazia era beijar sua esposa e dar aquele abraço apertado em seus filhos. Era legal... Ah! Claro, lembro-me também de quando eu estava junto dos casais, sim, casais de namorados! Ah... aqueles ímpetos amorosos eram realmente reais! Trocavam carinhos, palavras... sorriam olhando fixamente para os olhos de seu amado e expressavam sem medo seus mais profundos sentimentos. Mas você deve estar se perguntando: Mas, hoje ainda há esses tipos de casais. Pois é... até que existem. Existem casais farsantes, ultimamente eu tenho observado que o ego das pessoas aumentaram em demasia. Um relacionamento amoroso virou objeto de ostentação. Uma vez eu ouvi um grupo de garotas dizendo que agora podiam “trocar o status de relacionamento”. Eu fiquei matutando... Trocar status de relacionamento? Aí eu descobri que isso era mostrar para um grande número de pessoas numa rede social, que agora ela está namorando. Eu cheguei à conclusão que para muitas pessoas um namoro é como um objeto de ouro. Bonito, mas sem utilidade. É complicado... eu existo há muito tempo. Não adianta vim com argumentos do tipo: Os tempos mudam. Eu sei muito mais do que você que os tempos mudam. Afinal eu sou de séculos atrás. A propósito, eu estava com Jesus. Ele trazia felicidade. Mas essa era atual... está complicada de aturar. Quando eu vejo pessoas clamando por mim em suas vidas, eu percebo contrastes... Querem ser felizes, mas pautam sua felicidade em besteiras. Eu quero mostrar a você leitor, o quanto minha vida está difícil. Eu andando pelas ruas de um estado do Brasil... Ah sim, São Paulo. Lá, eu procurava algum lugar para habitar. Até que ouvi, uma voz feminina e triste dizendo: “Eu quero muito ser feliz, porque eu sou tão infeliz? Minha vida é uma droga!”. Adentrei nessa casa e fui direto ao quarto dessa jovem. Descobri que seu nome era Julia. Porém, eu não podia chegar perto dela, a tristeza dela me impedia de se aproximar. Então de longe, eu a observava... Ela estava chorando bastante, aquilo me cortava o coração. Eu queria muito ajudá-la, mas como? Isso tem que partir dela. Ela olhava para o alto, olhava para o chão... muito pensativa. Olhava para o celular provavelmente pensando em ligar para alguém, quando num ímpeto de raiva ela joga seu celular na parede, bem próximo de onde eu estava. Olho para o celular e vejo uma mensagem de “Danilo”. Estava escrito: “Some da minha vida, eu não te amo mais.”. Aí eu entendi o motivo da súplica por mim daquela garota. Mas, muito sem entender... O que eu tenho a ver com isso? Não podendo ajudá-la, eu fui embora, continuei andando... Quando ouço mais um grito, dessa vez uma voz masculina, dizendo: “Que vida de merda, eu nunca vou ser feliz nessa vida.”. Eu tinha esperanças de agora poder ajudar alguém — depois de tanto tempo sem fazer nada. —então fui à casa do menino. Chegando lá, fui ao seu quarto e novamente não pude chegar próximo a ele. Mais um ser que carregava a tristeza junto de si.
  3. 3. Ele estava de frente a um computador olhando fixamente para a tela e chorando... Pude ler algumas palavras: “Luiz, a gente não pode ficar junto, somos só amigos.”. Mais uma vez eu fiquei perplexo... O que eu tinha a ver com aquilo? Então eu resolvi voltar para a rua, sentar numa calçada e pensar... Não cheguei a nenhuma conclusão, mas ouvi mais um grito de uma voz aparentemente de alguém mais experiente — sim, de gente velha — então imaginei que agora eu poderia atuar, finalmente teria alguém me chamando para ajudá-lo de verdade. Cheguei nessa casa e observei um senhor, bebendo uísque, triste, chorando... E dizendo: “Minha vida é uma merda, esse tempo todo eu trabalhei pra caramba e continuo pobre! Eu queria ser feliz!”. Eu fiquei ali matutando novamente... Porque mais uma pessoa me chamou para nada? Ué... Problemas financeiros? O que isso tem a ver comigo? Eu comecei a achar que as pessoas estavam brincando comigo. Que elas descobriram que eu perambulo pelas ruas a procura de ajudar alguém, e agora essas pessoas suplicam por mim para simplesmente eu perder tempo. Mas, eu acabei entendendo... As pessoas acham que a felicidade é baseada em coisas supérfluas. Há pessoas que acham que só vão me alcançar quando encontrarem seu amor; outras, acham que só vão me alcançar, quando forem ricas e tiverem status. Que ingênuos... Eu estou nos momentos mais simples... eu sempre estou nos momentos que você nem percebe... Eu quero te contar uma história, das várias que eu tenho pra lhe contar, mas que não tem nem como escrever aqui, se não sua leitura não acabará nunca. Mas, é uma história que retrata o quanto eu estou nos momentos mais simples de sua vida. Eu lembro-me que em 1921 mais ou menos... um garoto chamado Paulo, carinhosamente chamado por sua mãe de “Paulinho” — vale ressaltar que esse garoto tinha 17 anos na época — ele amava muito sua mãe. Infelizmente, não tinha seu pai, abandonou sua mãe quando soube que ela estava grávida. Eu gostava de habitar ali com eles, já que eu podia ficar ali, ali não habitava a tristeza. Eles viviam uma vida simples, porém incrível. Todos os dias sua mãe acordava o Paulinho para tomar o seu café da manhã. Ele adorava comer o seu pão e café-com-leite junto com sua mãe. Ali sentados, eu os observava... Aquela casa e aquela mesa eram simples, mas tinha a minha ilustre presença. A Felicidade. Após o café da manhã, Paulinho ia para sua escola, estava no último ano do ensino médio. Sua mãe trabalhava muito para poder após o término do colégio, pagar a faculdade para o seu filho. Ela era faxineira de um escritório de advocacia e eu lembro- me perfeitamente do que ela dizia para suas amigas: “Meu filho vai fazê Direito, vai ser um doutô igual a esses daqui do escritório.”. Era o sonho dessa mãe. O filho? Queria fazer Direito para realizar o sonho de sua mãe. Mas, sua mãe passaria por um momento difícil. Num certo dia, Paulinho olhou no relógio e percebeu que era 11:00, sua mãe chamava-lhe às 09:00. Ele achou estranho, então desceu para ver onde sua mãe estava e a encontrou no chão, inconsciente. Ele ficou desesperado, chamou o resgate desesperado, com muito medo de ter acontecido algo sério com sua amada mãe. Passaram-se dias e sua mãe permanecia no mesmo estado, inconsciente. Eu ficava ali observando o Paulinho. Sentado, desesperado, com medo, muito medo. Confesso que eu tive vontade de ir conversar com ele, mas lembrei que eu sou um ser metafísico. Passaram-se mais cinco dias, quando finalmente sua mãe acordou. Ele muito feliz foi lá falar com sua mãe. Foi um momento incrível... aquele momento, que eu os abracei junto... Percebe leitor? Percebe agora o que é a felicidade? Diga-me se em algum momento desse ocorrido eu citei: Namoro, carros, dinheiro ou status? Pois é... NÃO. Eu ainda fico pasmo, quando eu ouço que há pessoas que passam a vida à procura de mim. Como pode isso? Uma vida inteira, procurando algo tão simples... O pior é quando eu fiquei sabendo que estão querendo me vender. Sim, me vender... Escrevem livros denominados de “Auto-ajuda” para poder ajudar as pessoas a encontrar-me... ou vendem umas cápsulas que se chamam “anti- depressivos”. O pior, é que tudo isso é inútil. Leitor, eu não sei se você também é esse tipo de louco que vive a minha procura. Caso seja, espero que eu possa ter te ajudado. Saiba que eu não tenho moradia fixa, eu estou por aí... disposto a ajudar. Disposto a te fazer feliz. Infelizmente, alguns dizem que eu sou algo
  4. 4. inexistente, vê se pode isso? Inexistente... sim, talvez eu até seja, sou inexistente para quem diz que sou inexistente. Sabe para quem eu sou inexistente também? Para quem me procura. Oras, mas por quê? Quem procura a felicidade, nunca acha. Eu vou até você. E estarei contigo, no momento que você menos perceber. Saiba, que eu estou nesse exato momento olhando fixamente para você. Observando- lhe... Mas, agora depende de você. Você quer que eu te observe de longe ou que eu vá até aí lhe dar um abraço? A vida é sua, depende de você ser, feliz.

×