Literatura Romântica<br />e a Filosofia<br />3º C<br />Amanda Nunes<br />Ariadne Hamamoto<br />Artur Cordeiro <br />Bianca...
Romantismo<br />O Romantismo é um movimento literário e artístico surgido na Europa no inicio do século XIX, introduzido e...
		Filosoficamente, os primeiros fundamentos teóricos do Romantismo foram desempenhados na Alemanha, graças aos filósofos d...
	Alguns filósofos da história dizem que o Romantismo pode ser considerado como expressão de uma constante histórica. Ele, ...
A importância do romantismo para a filosofia<br />		Sabendo que o homem não é movido somente pela razão e que este possui ...
No campo da filosofia o maior filosofo desta época foi Friedrichi WilhelmSchelling(viveu de 1775 a 1854). Ele tentou acaba...
		Já para outros filósofos do Romantismo, ele é caracterizado como o movimento que, pelo culto da paixão, esvaziou de sign...
		Ao negar a distinção de sujeito e objeto, ao identificar a realidade como um todo vivo que inclui Deus, o Universo e o H...
		É o sentimento que é o próprio homem, o sentimento é a alma. O sentimento envolve tanto a dúvida quanto a certeza; o sen...
		“Nietzsche será um dos mantenedores do sentido romântico da vida. Dilthey entreteve relações com Husserl, cuja tentativa...
		Não nos resta dúvida que na filosofia deve-se concordar que a racionalidade necessita “reconhecer a parte do afeto, de a...
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cadernos&subsecao=religiao&artigo=romantismo_modernismo&lang=bra<br />http://ww...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Filosofia

2.129 visualizações

Publicada em

romantismo e a filosofia

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.129
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia

  1. 1. Literatura Romântica<br />e a Filosofia<br />3º C<br />Amanda Nunes<br />Ariadne Hamamoto<br />Artur Cordeiro <br />Bianca Penner<br />Bruna Bündchen<br />Caio Monteiro<br />Giovana Chevalier<br />
  2. 2. Romantismo<br />O Romantismo é um movimento literário e artístico surgido na Europa no inicio do século XIX, introduzido em Portugal por Almeida Garrett. É caracterizado fundamentalmente pela sua clara oposição ao neoclassicismo e ao arcadismo: a evocação de cenários melancólicos e ambientes exóticos, com o culto da fantasia e do mistério; a evocação de temas medievais, em contraposição ao classicismo grego; a exaltação do individualismo (do "eu" como medida do Universo), da expressão e emoção subjetivas, e o amor pela paisagem; e o aparecimento de um profundo misticismo e expressividade. <br />Busto de Almeida Garret<br />
  3. 3. Filosoficamente, os primeiros fundamentos teóricos do Romantismo foram desempenhados na Alemanha, graças aos filósofos do idealismo clássico (também chamado romantismo filosófico): Fichte, Schelling e Hegel, que conceberam uma profunda crítica em relação ao espírito racionalista do século anterior. A crítica idealista do iluminismo projetou para o futuro o desejo de perfeição e harmonia que até então se orientava para os cânones(lista de escritos ou livros considerados pelas religiões cristãs como tendo evidências de Inspiração Divina), resgatando o valor do sentimento como força espiritual.<br />Hegel<br />Fichte<br />
  4. 4. Alguns filósofos da história dizem que o Romantismo pode ser considerado como expressão de uma constante histórica. Ele, o Romantismo, tem estado presente em várias épocas e constitui uma das dimensões da alma fáustica e dionisíaca em oposição à alma apolínea. Assim, na cultura grega predominaria a componente clássica; na germânica, a romântica — embora em algumas ocasiões as duas concepções cheguem a fundir-se.<br />
  5. 5. A importância do romantismo para a filosofia<br /> Sabendo que o homem não é movido somente pela razão e que este possui sentimentos e paixões que também o move, é necessário, portanto, verificar qual a importância do romantismo para a filosofia.<br />  “A importância da fantasia e do imaginário no ser humano é inimaginável; dado que as vias de entrada e saída do sistema neocerebral, que colocam o organismo em conexão com o mundo exterior, representam apenas 2% do conjunto, enquanto 98% se referem ao funcionamento interno, constitui-se um mundo psíquico relativamente independente, em que fermentam necessidades, sonhos desejos, idéias, imagens, fantasias e este mundo infiltra-se em nossa visão ou no mundo exterior”.<br />
  6. 6. No campo da filosofia o maior filosofo desta época foi Friedrichi WilhelmSchelling(viveu de 1775 a 1854). Ele tentou acabar com a divisão entre espírito e matéria. Shelling dizia que a natureza inteira, tanto a alma humana quanto a realidade física, era expressão de um único Deus ou do "espírito do mundo".<br />-> A idéia deste filósofo, portanto, é que: “o espírito do mundo deve ser procurado tanto na natureza quanto dentro de cada um”. Podemos então concluir que o espírito do mundo está tanto na natureza quanto na consciência do homem e estas seriam expressão única. Para Schelling, o Eu, como princípio da filosofia é o incondicionado do saber humano.<br />Schelling<br />
  7. 7. Já para outros filósofos do Romantismo, ele é caracterizado como o movimento que, pelo culto da paixão, esvaziou de significado a dura luta racionalista pela objetividade da razão. Giambattista Vico (filósofo italiano) atacou amargamente Descartes, o seu racionalismo e o seu método dedutivo; Vico aprecia a importância do irracional na vida e enfatiza o papel da fé e da obediência religiosas, por oposição à reflexão filosófica, como o ingrediente essencial da vida social. Outro filósofo, Schopenhauer, conhecido, sobretudo, pelo seu pessimismo e pelo estilo sombrio, é apresentado como o verdadeiro filósofo romântico; tem a idéia de que a vida é essencialmente sofrimento, causado pelo desejo, pelo que a anulação do sofrimento é possível "eliminando todo o desejo". O otimismo de Hegel e o pessimismo de Schopenhauer são pontos de vista extremos, que manifestam, cada um, apenas um aspecto da realidade.<br />
  8. 8. Ao negar a distinção de sujeito e objeto, ao identificar a realidade como um todo vivo que inclui Deus, o Universo e o Homem, o Romantismo nega que a natureza humana seja a de um animal racional, composto de corpo animal e alma racional. Para o Romantismo, o homem é apenas o “sentimento” interior, entendido como uma força vital, princípio divino imanente e aprisionado num corpo animal e numa alma racional. Toda a redenção do Homem consistiria na tomada de consciência desta unidade única de Deus, do Mundo e do Eu. Redimir-se seria conhecer este princípio divino interior imanente que se expressa por meio do sentimento.<br />
  9. 9. É o sentimento que é o próprio homem, o sentimento é a alma. O sentimento envolve tanto a dúvida quanto a certeza; o sentimento não procura palavras, ele não precisa delas, ele acha sua satisfação em si mesmo, e o homem que atingiu isto, disto volta para até uma forma qualquer de fé, porque a fé e o sentimento são uma só”.<br />Schleiermacheracaba por afirmar a especificidade do sentimento religioso como a intuição do infinito no finito. “Somente a religião é capaz, assim, de libertar o homem de sua limitação e de lhe conferir a universalidade, a infinitude; ela ultrapassa, portanto, a filosofia confinada no fenomenismo da ciência e no formalismo da moral. Se o idealismo é filosoficamente o ponto de vista do sujeito, a religião, no sentido em que Schleiermacher a entende, é um esforço para ultrapassar o ponto de vista do sujeito, sem, todavia, sair do sujeito, para elevar o sujeito à altura do Absoluto”.<br />
  10. 10. “Nietzsche será um dos mantenedores do sentido romântico da vida. Dilthey entreteve relações com Husserl, cuja tentativa ele considerava com simpatia; Heidegger interessou-se pela obra de Dilthey. O movimento fenomenológico, em sua abordagem da consciência, fora de todo idealismo redutor, põe em ação certos pressupostos da inteligibilidade romântica. O pensador que desenvolve uma filosofia da vida conforme a inspiração de Schelling, de Frédéric Schlegel e de Dilthey, mesmo guardando uma inteira independência de espírito, é Max Scheler, ao mesmo tempo Naturphilosophie e Kulturphilosophie; seu espaço mental abarca a ordem biológica e a ordem sociológica, e seu pensamento se preocupa em constituir uma ordem de valores a partir de uma análise existencial da realidade humana"<br /> No final do século XIX, a Gnose do Romantismo foi perpetuada através do pensamento de Bergson, Nietzsche, Blondel, e, mais tarde, continuado por Husserl, Max Scheller e Karol Wojtyla, já repleto de pensamento romântico pela leitura, estudo e interpretação teatral dos autores românticos poloneses.<br />
  11. 11. Não nos resta dúvida que na filosofia deve-se concordar que a racionalidade necessita “reconhecer a parte do afeto, de amor e de arrependimento"s. A verdadeira racionalidade conhece os limites da lógica. “A idéia principal, portanto, é que os filósofos não devem cair no verdadeiro racionalismo: que ignora os seres, a subjetividade, a afetividade e a vida”. Isso não quer dizer ser irracional.<br />
  12. 12. http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cadernos&subsecao=religiao&artigo=romantismo_modernismo&lang=bra<br />http://www.webartigos.com/articles/4674/1/O-Romantismo-Transormacoes-Na-Filosofia-Moderna/pagina1.html <br />http://www.dialogocomosfilosofos.com.br/category/shopenhauer<br />http://www.infopedia.pt/$giambattista-vico<br />Bibliografia<br />

×