Um amigo nos havia convidado a passar alguns dias na Montanha Pocono, nos Estados Unidos.  Não havia nevado ainda: as árvo...
Naquela noite nevou. Nevou muito.  Tudo se arredondou com a neve: as árvores, os arbustos,  os campos, os caminhos.  A cam...
Tudo absolutamente liso.  Dava dó caminhar sobre a neve, porque os nossos passos estragavam a perfeição do lençol branco.
Ao escrever este texto dei-me conta de que talvez, inconscientemente, eu tivesse me inspirado nessa casa – e faz mais de t...
Quem sonhou aquela casa na montanha sonhou  com o aconchego.  Todos juntos, crianças, velhos, adultos, convidados, rindo, ...
Aí, olhando para fora através do vidro vi um homem  que andava ao redor da casa, fazendo coisas,  mas não participava do n...
“ Quem é esse homem?”, perguntei ao meu amigo. “ Ele é o dono da casa.  Ele está alojado num apartamento no porão  da casa...
Aí ele fez um silêncio e acrescentou:  “ Sua mulher arranjou um novo amor e agora  está sozinho...”.
Enchi-me de compaixão.  Mas pensei que na vida das pessoas acontece como na natureza. O tempo passa. As estações se sucede...
Imagens:  Internet  Música:  “Leaves in the wind” – Ernesto Cortazar Formatação:  Christina Meirelles Neves
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rubem alves estações

1.353 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.353
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
276
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rubem alves estações

  1. 2. Um amigo nos havia convidado a passar alguns dias na Montanha Pocono, nos Estados Unidos. Não havia nevado ainda: as árvores estavam despidas de folhas, as “birch” com suas cascas brancas, as outras vestidas de negro.
  2. 3. Naquela noite nevou. Nevou muito. Tudo se arredondou com a neve: as árvores, os arbustos, os campos, os caminhos. A camada de neve deveria ter mais de quarenta centímetros de fundura.
  3. 4. Tudo absolutamente liso. Dava dó caminhar sobre a neve, porque os nossos passos estragavam a perfeição do lençol branco.
  4. 5. Ao escrever este texto dei-me conta de que talvez, inconscientemente, eu tivesse me inspirado nessa casa – e faz mais de trinta anos! – quando descrevi para a minha filha Raquel, arquiteta, a casa com que eu sonhava: Um grande espaço sem paredes que o dividissem, janelas de vidro, cozinha, sala de jantar, sala de televisão e música, varanda, tudo se comunicando para que ninguém ficasse excluído do convívio. Só faltou a lareira.
  5. 6. Quem sonhou aquela casa na montanha sonhou com o aconchego. Todos juntos, crianças, velhos, adultos, convidados, rindo, comendo, bebendo, conversando. Pois não é para isso que se constrói uma casa? Para a comunhão e o amor?
  6. 7. Aí, olhando para fora através do vidro vi um homem que andava ao redor da casa, fazendo coisas, mas não participava do nosso convívio.
  7. 8. “ Quem é esse homem?”, perguntei ao meu amigo. “ Ele é o dono da casa. Ele está alojado num apartamento no porão da casa. E, sendo amigo, nos cedeu a parte de cima...”
  8. 9. Aí ele fez um silêncio e acrescentou: “ Sua mulher arranjou um novo amor e agora está sozinho...”.
  9. 10. Enchi-me de compaixão. Mas pensei que na vida das pessoas acontece como na natureza. O tempo passa. As estações se sucedem. E depois do inverno a primavera volta... Rubem Alves
  10. 11. Imagens: Internet Música: “Leaves in the wind” – Ernesto Cortazar Formatação: Christina Meirelles Neves

×