GRIDS
O layout de páginas
FUJA DO LUGAR
COMUM
Conceito:
Seja para impressão ou
exibição, os princípios
fundamentais do lay...
Ugiati num eum
sequis dest eos do-
luptur adit estian-
tio quid que di beri
ipit quiae laut ilig-
nia dusdanisit odi re
pa...
Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu
dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae
ommoditae. Con prov...
Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu
dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae
ommoditae. Con prov...
Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu
dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae
ommoditae. Con prov...
CONSUMO
VIVENDO SEM ELE
9
Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu
dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ...
CONSUMO
AVOLTA DA
INFLAÇÃO
9
is es veriam que qui doloreh
endipsum asperae elitium eos
qui dolorit iurionse endanie
ntures...
Já tentou imaginar o que
BH pode herdar da Copa?
Então corra o olho nas
páginas ao lado para
entender. A começar pelo
Mine...
FREDERICO BOTTREL
Com um grito de alegria, er-
guendo bandeirolas em verde e
amarelo,amultidãocomemorou
aescolhadeBeloHori...
ESPECIAL ESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 200912
TURISMO
O turista torcedor não precisará viajar muito para, ...
ESPECIAL ESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 200910
CULTURA
Produtores culturais se mobilizam para garantir gran...
ESPECIALESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 9
ACELERANDO AS OBRAS
Torcedor poderá embarcar em trem subterrâ...
P
ESPECIAL ESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 20098
ACELERANDO AS OBRAS
Investimento, que virá da União, vai fi...
ESPECIALESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 5
RECEPÇÃO MINEIRA
Mineirão será totalmente reformulado para se...
ESPECIAL ESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 20094
ECONOMIA
Empresários do setor de hotelaria e eventos querem e...
ESPECIALESTADO DE MINAS
SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 3
PONTAPÉ INICIAL
Várias esferas do poder público em Minas come...
ESPECIAL
BHde bola
cheia
ESTADO DE MINASSEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009
PLANOS ●● INVESTIMENTOS ●● ESTRUTURAS ●● OBRAS ...
INFORMÁTIC
EESSTTAADDOO DDEE MMIINNAASS ● B E L O H O R I Z O N T E , Q U I N T A - F E I R A , 1 8 D E S E T E M B R O D ...
SSUUPPEERR MMAARRIIOO GGAALLAAXXYY
INFORMÁTICA
E S T A D O D E M I N A S ● Q U I N T A - F E I R A , 1 8 D E S E T E M B R...
Abraham
Morgentaler diz
que homens com
menos testosterona
podem perder
massa magra.
ATENÇÃO
À SAÚDE
PÁGINA 5
BEMVIVER
ESTA...
Kenjutsu trabalha
disciplina, autocontrole,
redução de estresse e traz
outros benefícios por
meio de técnicas criadas
pelo...
BEMVIVER
Saiba como
cuidar dos
cabelos,
especialmente
depois de
voltar da praia.
BELOS E
COM BRILHO
PÁGINA 6
ESTADO DE MIN...
BEMVIVER
ESTADODEMINAS ● D O M I N G O , 9 D E N O V E M B R O D E 2 0 0 8 ●EDITORA-ASSISTENTE: Teresa Caram ●SUBEDITORA: ...
BEMVIVER
Gilda Vaz
Rodriguez
reveza
sessões de
gyrotonic
e Pilates.
SENSAÇÃO
DE PRAZER
PÁGINA 3
ESTADODEMINAS ● D O M I N ...
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo

596 visualizações

Publicada em

Curso de Design Visual em Jornalismo - Aula de Grids - Uni-BH - Jornalismo. Professor Alysson Lisboa

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
596
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sobre Grids - Design Visual em Jornalismo

  1. 1. GRIDS O layout de páginas FUJA DO LUGAR COMUM Conceito: Seja para impressão ou exibição, os princípios fundamentais do layout de página permitem um posicionamento do texto e dos elementos gráficos de uma maneira controlada e visualmente interessante em um dado espaço, criando hierarquia e ordem
  2. 2. Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam qui consequo beres maioris mint latur reiurem aspiciae ma- ximporeius aut que nihil inis dolum ea- tque restempos del in nos dolorei ctorepta- te voluptas volorep udaeper chictus aut et facearchilit accus es nemquas am ra- tur? Um estibusdae soluptae eaquodist omniend ucium, consers peligni eni- hiliqui nem rest mi- libea ribeaquae net, solorissum atature nimint quodi utenie- nim ilibusam, ut ea- quasp erspeli taquis- quate pelecab imi, suntem que nem aut officimpores dolup- tio comnimi lluptat iorpore officipsus ut qui con reratio reni Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam qui consequo beres maioris mint latur reiurem aspiciae ma- ximporeius aut que nihil inis dolum ea- tque restempos del in nos dolorei ctorepta- te voluptas volorep udaeper chictus aut et facearchilit accus es nemquas am ra- tur? Um estibusdae soluptae eaquodist omniend ucium, consers peligni eni- hiliqui nem rest mi- libea ribeaquae net, solorissum atature nimint quodi utenie- nim ilibusam, ut ea- quasp erspeli taquis- quate pelecab imi, suntem que nem aut officimpores dolup- tio comnimi lluptat iorpore officipsus ut qui con reratio reni Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam qui consequo beres maioris mint latur reiurem aspiciae ma- ximporeius aut que nihil inis dolum ea- tque restempos del in nos dolorei ctorepta- te voluptas volorep udaeper chictus aut et facearchilit accus es nemquas am ra- tur? Um estibusdae soluptae eaquodist omniend ucium, consers peligni eni- hiliqui nem rest mi- libea ribeaquae net, solorissum atature nimint quodi utenie- nim ilibusam, ut ea- quasp erspeli taquis- quate pelecab imi, suntem que nem aut officimpores dolup- tio comnimi lluptat iorpore officipsus ut qui con reratio reni Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam qui consequo beres maioris mint latur reiurem aspiciae ma- ximporeius aut que nihil inis dolum ea- tque restempos del in nos dolorei ctorepta- te voluptas volorep udaeper chictus aut et facearchilit accus es nemquas am ra- tur? Um estibusdae soluptae eaquodist omniend ucium, consers peligni eni- hiliqui nem rest mi- libea ribeaquae net, solorissum atature nimint quodi utenie- nim ilibusam, ut ea- quasp erspeli taquis- quate pelecab imi, suntem que nem aut officimpores dolup- tio comnimi lluptat iorpore officipsus ut qui con reratio reni Ugiati num eum sequis dest eos do- luptur adit estian- tio quid que di beri ipit quiae laut ilig- nia dusdanisit odi re parum sequi cusam, odiae vellor aciat la dellori oribus, odic tes del il eaque nos magnate lam, omni officab iuntiorpos dit qui ommos ali- citatatem rero quis sunduciliqui dolup- tia dios quatum labo. Ga. Nam et quamus doluptatur alibus serspel lesenda ectur, que nobit il molorum et imus essimusam qui consequo beres maioris mint latur reiurem aspiciae ma- ximporeius aut que nihil inis dolum ea- tque restempos del in nos dolorei ctorepta- te voluptas volorep udaeper chictus aut et facearchilit accus es nemquas am ra- tur? Um estibusdae soluptae eaquodist omniend ucium, consers peligni eni- hiliqui nem rest mi- libea ribeaquae net, solorissum atature nimint quodi utenie- nim ilibusam, ut ea- quasp erspeli taquis- quate pelecab imi, suntem que nem aut officimpores dolup- tio comnimi lluptat iorpore officipsus ut qui con reratio reni
  3. 3. Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omni- mag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, si- tat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas explige- nis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolo- runt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligende- bit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribus- ciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates nes ea ium faceaqu untur, solores voloritem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis ac- culpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest volo- reium velendandi repel iunt lam eatibusant, ut anduciis est labor sequi suntur? Ga. Officab oreprer itiur? Harum et accusapid estrupt asimolorem as quate ipiendelent, quia dist et volorerum id ut fugiaecae offi- ctis as sum reptaecus. Si blacita tiuntota cumquis et volore niscipsunt quas- sequi ipiet uteste idus nimendae. Id qui dolupidebit, odi totat. Nuscia aut aut dolo voluptius essi cum fugitin vello- re voluptureri optia venimus autem evellaut dolentiun- tur ad qui dus nobisquas voluptaturi occusandis molo quiamus cidit, sunt dolor suntis et faces doluptatum ad unt et quossim agnihit harum, quid quia parchillo que vit, cumquias dest eos atur, qui vollisquatis ex experes que con nonsequaspit fuga. Ut quiae mo id qui repudi Aximusamuseatiaeopturmagnidoluptiandaepu dandandisdolenemetaceatharumetaautaditatectotae ommoditae.Conprovidquatquiimeconparcilidutquo duciaditaudisimodmodiomnihitionsequatur,omni- magnieturaliciliqueesautvoluptaedeliquamfacius,si- tatprendecusredoluptatemfaccatemrerchicipsanda esequassitiurautesexceruntesaliquaelabo.Aquatibus aperotem.Busciaquitemraconetureprodoluptaeos quatiametdoluptatistionnonseintedisquae.Ritibeat. Uteanihicidescilliquiseumipsaesdoluptasexplige- nisesveriamquequidolorehendipsumasperaeelitium eosquidoloritiurionseendanienturesreerumquam accatibuseacorenisquidebitasexcepereperitasdolo- runteliquassimi,conecoresacesequasitiusutquaspa velectoreruptatisaliquaesequatum,quevoloritarum quidemquenonnaturiavoluptasperotere,odiblatint iorectentutuntetanderferspeaspiciaplaconetprorerest eniseumlabo.Nequissitemsitqueaudipsamaccum samellitreroquametqueaditomnimaiorepligende- biteossumraeconsequisequamidutemquodoluptatio oditatquaturauteninisseincidqueet,vellumexceatust, ipiduscilinusetdoluptanosnisrecabilillorporibus- ciam,ipsumfugitrest,inumlandedolooptatiidissus. Obitamutestemeaquominctiautfacitiumespelil iumquaturersperumquiameaturmoluptatesneseaium TÍTULO DA SEÇÃO TÍTULO DA SEÇÃO 8 98
  4. 4. Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omni- mag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, si- tat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas explige- nis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolo- runt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligende- bit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribus- ciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates nes ea ium faceaqu untur, solores voloritem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis ac- culpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest volo- reium velendandi repel iunt lam eatibusant, ut anduciis est labor sequi suntur? Ga. Officab oreprer itiur? Harum et accusapid estrupt asimolorem as quate ipiendelent, quia dist et volorerum id ut fugiaecae offi- ctis as sum reptaecus. Aximusamuseatiaeopturmagnidoluptiandaepu dandandisdolenemetaceatharumetaautaditatectotae ommoditae.Conprovidquatquiimeconparcilidutquo duciaditaudisimodmodiomnihitionsequatur,omni- magnieturaliciliqueesautvoluptaedeliquamfacius,si- tatprendecusredoluptatemfaccatemrerchicipsanda esequassitiurautesexceruntesaliquaelabo.Aquatibus aperotem.Busciaquitemraconetureprodoluptaeos quatiametdoluptatistionnonseintedisquae.Ritibeat. Uteanihicidescilliquiseumipsaesdoluptasexplige- nisesveriamquequidolorehendipsumasperaeelitium eosquidoloritiurionseendanienturesreerumquam accatibuseacorenisquidebitasexcepereperitasdolo- runteliquassimi,conecoresacesequasitiusutquaspa velectoreruptatisaliquaesequatum,quevoloritarum quidemquenonnaturiavoluptasperotere,odiblatint iorectentutuntetanderferspeaspiciaplaconetprorerest eniseumlabo.Nequissitemsitqueaudipsamaccum samellitreroquametqueaditomnimaiorepligende- biteossumraeconsequisequamidutemquodoluptatio oditatquaturauteninisseincidqueet,vellumexceatust, ipiduscilinusetdoluptanosnisrecabilillorporibus- ciam,ipsumfugitrest,inumlandedolooptatiidissus. Obitamutestemeaquominctiautfacitiumespelil iumquaturersperumquiameaturmoluptatesneseaium faceaquuntur,soloresvoloritemquamarumfacilistad TÍTULO DA SEÇÃO DIETA EQUILIBRADA TÍTULO DA SEÇÃO 8 98 Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates OUTUBRO | 2013
  5. 5. Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omni- mag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, si- tat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas explige- nis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolo- runt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligende- bit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribus- ciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates nes ea ium faceaqu untur, solores voloritem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis ac- culpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest volo- reium velendandi repel iunt lam eatibusant, ut anduciis est labor sequi suntur? Ga. Officab oreprer itiur? Harum et accusapid estrupt asimolorem as quate ipiendelent, quia dist et volorerum id ut fugiaecae offi- ctis as sum reptaecus. TÍTULO DA SEÇÃO DIETA EQUILIBRADA SABOR IRRESISTÍVEL GASTRONOMIA 8 98 Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates OUTUBRO | 2013 Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omni- mag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, si- tat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas explige- nis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolo- runt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligende- bit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribus- ciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates nes ea ium faceaqu untur, solores voloritem quam arum facil ist ad
  6. 6. CONSUMO VIVENDO SEM ELE 9 Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omni- mag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, si- tat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas explige- nis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolo- runt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligende- bit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribus- ciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut facitium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur moluptates nes ea ium faceaqu untur, solores voloritem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis ac- culpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest volo- reium velendandi repel iunt lam eatibusant, ut anduciis est labor sequi suntur? Ga. Officab oreprer itiur? Harum et accusapid estrupt asimolorem as quate Aximusamus eatiae optur magni dolupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con pro- vid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, om- nimag nietur alicilique es aut voluptae deli- quam facius, sitat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsanda esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet dolupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes do- luptas expligenis es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iu- rionse endanie ntures re erum quam accati- bus ea corenisqui debitas exceper eperitas do- lorunt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequa- tum, que volorit arum qui dem que non natu- ria voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que audip- sam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligendebit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illor- po ribusciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut faci- tium es pel il iumquat urerspe rumquiam ea- tur moluptates nes ea ium faceaqu untur, so- lores voloritem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis acculpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest voloreium velendandi repel iunt lam eatibusant, ut anduciis est labor se- qui suntur? Ga. Officab oreprer itiur? Harum et accusapid estrupt asimolorem as quate ipiendelent, quia dist et volorerum id ut fugiaecae offictis as sum reptaecus. Si blacita tiuntota cumquis et volore nis- cipsunt quassequi ipiet uteste idus nimendae. Id qui dolupidebit, odi totat. Nuscia aut aut dolo voluptius essi cum fu- gitin vellore voluptureri optia venimus autem evellaut dolentiuntur ad qui dus nobisquas voluptaturi occusandis molo quiamus cidit, sunt dolor suntis et faces doluptatum ad unt et quossim agnihit harum, quid quia parchil- lo que vit, cumquias dest eos atur, qui vollis- quatis ex experes que con nonsequaspit fuga. Ut quiae mo id qui repudi inum faccatur rei- cim et lam, cum is dolorendita quo et veror- rupti nimus, quam rem ut quam ut aut eum est plicipsunt.
  7. 7. CONSUMO AVOLTA DA INFLAÇÃO 9 is es veriam que qui doloreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas exceper eperitas dolorunt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliqu Aximusamus eatiae optur magni do- lupti andaepu dandandis dolenem et aceat harum et a aut aditate ctotae ommoditae. Con provid quatqui ime con parcil id ut quo duci adit audis imod modi omnihit ionsequatur, omnimag nietur alicilique es aut voluptae deliquam facius, sitat prende cus re doluptatem faccatem rerchic ipsan- da esequas sitiur autes excerunt es aliquae labo. Aquatibus apero tem. Buscia qui tem ra coneture pro dolupta eos quatiamet do- lupta tistion nonse inte dis quae. Riti beat. Ut ea nihicid escilliquis eum ipsaes doluptas expligenis es veriam que qui do- loreh endipsum asperae elitium eos qui dolorit iurionse endanie ntures re erum quam accatibus ea corenisqui debitas ex- ceper eperitas dolorunt eliquas simi, cone cores acesequ asitius ut quas pa velecto reruptatis aliquae sequatum, que volorit arum qui dem que non naturia voluptas pero te re, odi blatint iorectent ut unt et anderferspe aspicia pla conet prorerest enis eum labo. Nequis si tem sit que au- dipsam accum sam ellit rero quam et que adit omnimaiore pligendebit eossum rae consequi sequam id utem quo doluptatio oditatquatur aute ni nis se incid que et, vellum exceatust, ipiduscil inus et dolupta nos nis recab il illorpo ribusciam, ipsum fugit rest, inum lande dolo optati idissus. Obitam ut estem eaquo mincti aut fa- citium es pel il iumquat urerspe rumquiam eatur mo- luptates nes ea ium faceaqu untur, solores volori- tem quam arum facil ist ad molest quat int et idisqui unt peruntias et facepudis acculpa rumquis adit maios sed quaectus aut fugia volut faccullis evel mo que nos ratquid eum ipsae rest voloreium velendandi repel iunt lam eati- busant, ut an- duciis est l a -
  8. 8. Já tentou imaginar o que BH pode herdar da Copa? Então corra o olho nas páginas ao lado para entender. A começar pelo Mineirão e o Independência, que serão repaginados, a perspectiva que se abre com a confirmação do evento na cidade é mais que otimista. No turismo, estão previstas a construção de dois centros de convenção e a ampliação do Expominas, para abrigar eventos internacionais. Na infraestrutura urbana, novas artérias de trânsito, linhas de metrô e pistas de ônibus (BRTs), como na Avenida Antônio Carlos, são a promessa para facilitar não só a ida do torcedor aos jogos, mas também de tirar o belo-horizontino do engarrafamento, resolvendo um problema crônico. Quem pousar na Grande BH encontrará o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, mais amplo. Os centros de treinamento de Cruzeiro e Atlético virariam a casa de seleções, o que também vale para qualquer município da região metropolitana. Para o secretário de Políticas Urbanas de BH, Murilo Valadares, quem oferecer uma boa infraestrutura esportiva para treinamento corre o maravilhoso risco de receber as maiores celebridades do futebol. Já pensou em Messi, o craque da Argentina, ou no português Cristiano Ronaldo batendo uma bola no Alçapão do Bonfim, em Nova Lima? Nada está descartado. Para a Fifa, há potencial para hospedagem num raio de 100 quilômetros. Significa que Itabirito, Sete Lagoas, Conselheiro Lafaiete e muitas outras cidades podem tirar uma casquinha do campeonato, fenômeno de mídia, e virarem gringolândias. O que elas ganham com isso? A média de gastos de um visitante estrangeiro é de cerca de R$ 500 por dia, no câmbio de sexta-feira. Tudo para ser torrado nos hotéis, restaurantes, bares, lojas, boates, sorveterias, táxis e em outros serviços. UMCOMPLEXOPARASERVIREENCANTAR Obras no Mineirão, Independência e centros de treinamento oferecerão total infraestrutura às delegações de futebol Corredores de tráfego mais arejados, metrô e centros de convenções são outras conquistas que darão fôlego à cidade Acesso delegações Vestiários, dopping, aquecimento, zona mista Estacionamento Anel inferior, circulação, banheiros, monitoramento, bares e bilheterias Telão, placar eletrônico (12m x 7m) Cabines de imprensa (rádio), bares e banheiros para imprensaBilheterias Torres de circulação vertical RuaIsmêniaTunis Instalações 24 bares 16 conjuntos de baheiros públicos Espaço multimídia Área de imprensa com estacionamento coberto e infraestrutura completa com T.I de ultima geração ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA Apósareforma,estarátotalmenteadaptadoàsnormasdaFifaeabrigará os jogos dos campenoatos, Brasileiro, Mineiro e Copa do Brasil Capacidade 20 mil pessoas (aproximadamente) Nova Lima Ibirité Contagem Sabará Santa Luzia Ribeirão das Neves Mineirão Lagoa da Pampulha Aeroporto da Pampulha Corredor Antônio Carlos/ Pedro II Corredor Cristiano Machado Corredor N. Sra. do Carmo Corredor Amazonas Corredor Pedro II/ Carlos Luz Transporte Rápido por ônibus - Corredor Antônio Carlos Transporte Rápido por ônibus -Outros corredores Anel Intermediário Anel Nordeste/ Norte/ Venda Nova Anel Rodoviário Anel Barraeiro/ Noroeste/ Pampulha/ Venda Nova Anel Sul Intervenções na área central Anel Sul Ane lRo do viário AnelN ordeste/ Norte/Ven daNova GIGANTE DA PAMPULHA O projeto básico de arquitetura e engenharia do Mineirão já prevê algumas mudanças significativas como o rebaixamento do gramado em 3,5m, para permitir a instalação de cadeiras na geral, e a construção de camarotes. A estrutura de sustentação será toda interna A nova cobertura do estádio será alinhada com o fosso para aumentar a área protegida do sol e da chuva, o que dará mais conforto aos torcedores TETO ÁREA EXTERNA O projeto dos arquitetos Emmerson Ferreira e Maurício Meirelles, da BHZ, já está aprovado. A obra deve ficar pronta em dois anos. E o empreendimento, na Aveni- daCristianoMachado,terá53,9milmetrosquadradosdeáreaconstruídaecapa- cidadeparamaisde3milpessoas,incluindoespaçoparafeiraseexposições.Osin- vestimentos chegarão a R$ 147 milhões OprojetotambémédeGustavoPennaArquiteto&Associados.Ainspiraçãofoium cristal.Tambémserádestinadoparaeventosculturaiseartísticos,dentrodoperfildo Inhotim. "Vai ser bem diferente", garante Gustavo Penna. Para o empreendimen- toforamprevistosrecursosdaordemdeR$20milhões,comaportesdosgovernos estadual e federal Um sistema integrado de rodovias e avenidas desviará o tráfego pesado do Centro dacidade,distribuindo-oporvárioscorredoreseanéisviários.Asoluçãovaipermitir o deslocamento mais rápido de quem vem das regiões distantes, evitando os grandes congestionamentos Com a duplicação, a Avenida Antônio Carlos ganhará 12 pistas, com quatro delas exclusivas para ônibus, duas em cada sentido, o sistema, semelhante ao adotado em Curitiba, permitirá ao usuário um desloca- mento rápido e seguro. O embarque e desembarque serão em plataformas com piso nivelado com a altura das portas dos coletivos. Semáforos e faixas de pedestre per- mitirão o acesso seguro aos pontos O ramal do metrô a ser construído, entre a Savassi e a Lagoinha, onde os torcedores, a caminho do Mineirão, farão baldeação para o sistema de ônibus, vai consumir R$ 2,9 bilhões. Além de desafogar o trânsito na Região Centro-Sul e no Hipercentro, a nova linha será um grande avanção para a expansão do trem metropolitano em BH. No futuro, o metrô poderá ser esticado até a Pampulha e o caminho estará aberto para a construção do outro ramal, prevista em projeto, ligando o Bairro Calafate, na Região Oeste, ao Bairro de Santa Tereza, na Leste, completando o sistema, o que deixaria a capital mais bem servida em transporte urbano O estacionamento do Mineirão será ampliado em 14 mil vagas. A ideia é criar uma unidade para o complexo Mineirão-Mineirinho com a construção de uma grande praça interligando o estádio e o ginásio. Essa área poderá ser utilizada para a instalação de um centro de entretenimento e lazer, com lojas, cinemas, praças, restaurantes etc O projeto de ampliação está em fase de estudos preliminares. Mas os recursos de cercadeR$100milhões(US$50milhões)jáestãogarantidos.Segundooarquite- to Gustavo Penna, é possível dobrar a área construída e o espaço para estaciona- mento. Porém um impasse ainda deve ser resolvido, que é o da transferência do Parque da Gameleira para outro terreno adequado e dentro de BH CENTRO DE CONVENÇÕES EM INHOTIM AMPLIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA O TURISMO DE NEGÓCIOS INTERVENÇÕES VIÁRIAS ESTRUTURA DE TREINO PARA AS SELEÇÕES TREM METROPOLITANO CENTRO DE CONVENÇÕES DE BELO HORIZONTE EXPOMINAS TOCA DA RAPOSA II CIDADE DO GALO Área de lazer Vestiários Serviços de limpeza e gramado Campos com medidas oficiais Onde fica Área total 84 mil m2 Área construída 4,5 mil m2 Área do empreendimento 100 mil m2 Portaria Mineirão Toca da Raposa II Care* Sala de musculação e piscina Campo do profissional Academia, departamento médico, fisioterapias e fisiologia; sala de imprensa, sala da comissão técnica, vestiários e piscinas Hotéis ■ Um para os profissionais, com 20 apartamentos padrão cinco estrelas ■ Outro para as categorias de base, com 20 apartamentos quádruplos, com varanda, academia, departamentos médico, fisioterápico e odontológico Hotel do grupo profissional Campo do profissional Hotel das categorias de base JaboticatubasConfins Lagoa Santa Santa Luzia Ribeirão das Neves Pedro Leopoldo São José da Lapa BH Vespasiano Cidade do Galo ONDE FICA Campos das categorias de base Ampliação do prédio principal (nove apartamentos) Prédio principal Hotel (17 apartamentos), sala da diretoria de futebol, auditório, restaurante e sala de jogosAntiga sala de imprensa Sala de imprensa, TV Cruzeiro, site *Centro avançado de reabilitação esportiva ARTE:JANEYCOSTA,PAULOMIRANDA,SORAIAPIVAEVALF ESPECIALESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 6/7 OS PROJETOS
  9. 9. FREDERICO BOTTREL Com um grito de alegria, er- guendo bandeirolas em verde e amarelo,amultidãocomemorou aescolhadeBeloHorizontecomo umadassedesdosjogosdaCopa doMundode2014.Concentradas naPraçadaPampulha,dianteda Igreja São Francisco de Assis, um dos cartões-postais da cidade, na tardedeontem,ascercade7mil pessoas nem quiseram ouvir os nomes das outras 11 cidades anunciadaspelaFederaçãoInter- nacional de Futebol (Fifa). Os fo- gos de artifício e a empolgação popularforamindíciodaeuforia típicadomundialesportivo. Notelãoquetransmitiaopro- nunciamento oficial diretamen- te das Bahamas, o presidente da Fifa,JosephBlatter,anunciou,em ordem alfabética, as outras cida- des brasileiras que receberão a Copa. Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Sal- vadoreSãoPaulocompletarama lista. Das 17 candidatas que esta- vam na disputa, ficaram de fora Belém, Campo Grande, Florianó- polis,GoiâniaeRioBranco. AfestaemBeloHorizonteco- meçou de manhã, diante do Mi- neirão, arena que receberá os jo- gos. O recordista de embaixadi- nhas Ricardo Silva Neves, de 45 anos, conhecido como Ricardi- nhodasEmbaixadinhas,nãodei- xouabolacairentreas11h30eas 15h30, hora do anúncio oficial. ShowsdocantorVanderLeeeda banda Pato Fu estavam na pro- gramação do palco montado na praça. “Somos naturalmente hospitaleiros, não teremos pro- blema em receber bem”, disse VanderLee.Aguardandoavezde seapresentarnocamarim,acan- toraFernandaTakai,vocalistado Pato Fu, ouviu o anúncio e a co- memoração:“Agoravaiserdifícil entrar no palco mais animada queopovo!Essaescolhaéumor- gulhoparaBH”. “Osinvestimentoseminfraes- truturaquevirãodaquiparafren- teserãoparasempre,nãosópara Copa”, disse o vice-governador AntônioAnastasia,quecomemo- rou, no palco. Ele afirmou que “agoraqueestágarantidoquese- diaremosaCopa,tudoqueforne- cessário será investido” e acres- centou que há empenho para hospedar a Seleção Brasileira em BHnafasedetreinamentos. OprefeitoMárcioLacerdaafir- mouqueatéjulhodevedivulgar estimativa total de investimen- tos.Garantiuqueovalorseráme- nor do que o já apresentado por cidadescomoFortaleza,queesti- mouplanodeinvestimentospa- ra a Copa em até R$ 9 bilhões. “Já temos boa infraestrutura, as obras principais já estão avança- das”,acreditaoprefeito.“Acidade vaificarmaisconhecidainterna- cionalmenteenossavocaçãopa- ra turismo de negócios vai ficar fortalecida”,completou. Nomeiodaplateia,comonão poderia ser diferente, o verde e o amarelo predominavam. A cará- ter, a vendedora Andréa Alves saiu de casa com uma indiscreta peruca colorida: “Já estamos no clima da Copa do Mundo! Só es- pero que os ingressos não sejam muito caros para que possamos participardafesta.Afinal,issotu- dosófazsentidoseforparaopo- vo”. O arquiteto Eduardo Fajar- doSoareslevouofilhoPedro,de 3 anos, para a comemoração. Vestidos com a camisa do Cru- zeiro, pregaram a união das tor- cidas:“Anossamaiorculturaéa do futebol e neste momento nãohárivalidade.Somostomos uma só torcida”. Na sacada das mansões da orla, a ideia parecia seramesma:aBandeiradoBra- sil dividia espaço, harmoniosa- mente,comestandartesdoCru- zeiro e do Atlético. BRASIL AFORA No gramado do Maracanã,oscariocasestenderam umagrandecamisacomemorati- vaemqueselia"OnovoMaraca- nã é nosso, e a Copa 2014 tam- bém".Acomemoraçãofoifeitaan- tes do jogo Flamengo x Atlético- PR.Osgaúchosacompanharamo anúnciodaFifaemtelãomontado naRedenção,pontoturísticomais importantedePortoAlegre.Antes edepoisdaboanotícia,houvees- petáculos musicais. Na Bahia, a festa,comshowdeIveteSangalo, tomou conta do Barradão, antes derolaraboladeVitóriaxGrêmio. Minutos antes da partida entre SãoPauloeCruzeiro,ospaulistas comemoram no Morumbi. Em Curitiba,achuvaafastouopúbli- codoParqueBarigui,palcodafes- ta. Das 4 mil pessoas esperadas, apareceramsó200. ESPECIAL ESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 20092 ANÚNCIO OFICIAL Multidão festeja na Praça da Pampulha inclusão da capital entre as 12 cidades que vão sediar jogos do Mundial. Vice-governador e prefeito garantem investimentos em obras ■ Há57anos,quandooBra- sil foi sede pela primeira vez da Copa do Mundo, não havia caderno de en- cargos nem tantas exi- gências. Como candidato único,opaístevedeespe- rar o fim da Segunda Guerra, que impediu a realização do Mundial em 1942e1946,paratercon- firmada sua escolha como organizador da quarta ediçãodoprincipaltorneio de futebol do planeta. COMO FOI EM 1950 ■ Por causa de três desistências, a Copa de 1950 só contou com 13 seleções, em vez de 16 – o total subiria para 24, em 1982, e para 32, em 1998. Por causa do nú- mero indivisível de equipes, os quatro grupos tiveram quantidades de compo- nentes desiguais. O A contou com Bra- sil, Iugoslávia, México e Suíça. O B teve Chile, Inglaterra, Espanha e Estados Unidos. O C ficou com três: Itália, Para- guai e Suécia. E o D, com apenas dois: Uruguai e Bolívia (foto) . ■ Os 22 jogos – hoje são 64 – foram dispu- tados em seis cidades: Rio de Janeiro (Maracanã) , São Paulo (Pacaembu), Be- loHorizonte(Independência),PortoAlegre (Eucaliptos), Curitiba (Durival de Britto) e Recife(IlhadoRetiro).Trêspartidasdapri- meira fase foram na capital mineira: Iu- goslávia 3 x 0 Suíça, Estados Unidos 1 x 0 Inglaterra (uma das maiores zebras da história da competição) e Uruguai (que seria o campeão) 8 x 0 Bolívia (único en- contro do Grupo D). Euvi... ‘ É inesquecível ter assistido à maior zebra do futebol mundial, a vitória dos EUA sobre a Inglaterra por 1 a 0. O mais engraçado era que a torcida gritava ‘John de Souza’para qualquer jogador americano que pegasse na bola” ■■ Plínio Barreto, 86 anos, jornalista MARCELOSANT'ANNA/EM/D.APRESS ARQUIVO O CRUZEIRO/ EM/D.A PRESS - 04/07/50 Fifa confirma nas Bahamas E BH COMEMORA Shows animaram o público, que explodiu (alto) quando os presidentes da CBF, Ricardo Teixeira, e da Fifa, Joseph Blatter, fizeram o comunicado JEWEL SAMAD/AFP FOTOS: JACKSON ROMANELLI/EM/D.A PRESS
  10. 10. ESPECIAL ESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 200912 TURISMO O turista torcedor não precisará viajar muito para, entre um jogo e outro, conhecer a história de Minas e atrações naturais como parques, serras, grutas, lagos e cachoeiras Outros BELOS HORIZONTES Cachoeira Grande, na Serra do Cipó. A região já foi chamada por Burle Marx de ‘o jardim do planeta’ ALFREDO DURÃES O clima esportivo em julho de 2014 será per- manente, mas, nas quatro linhas, não haverá fu- tebol todos os dias. Boa oportunidade para o tu- rista torcedor conhecer as atrações de Minas Ge- rais, principalmente as do entorno da capital. Nosso ar de montanha, rios, lagos, cachoeiras, grutas e a famosa hospitalidade mineira a gastro- nomia típica e outros atrativos culturais serão prato cheio para quiser cair na estrada entre um jogo e outro. Do Centro de Belo Horizonte ao Parque Na- cional da Serra do Cipó, são pouco mais de 100 quilômetros. Distância pequena se levarmos em conta um dos lugares mais emblemáticos de Mi- nas quando o assunto é natureza, esportes de aventura ou a pura contemplação e o ócio. A ser- ra já foi chamada pelo artista plástico e paisagis- ta Roberto Burle Marx de “o jardim do planeta”, pela incrível diversidade da flora, que tem a re- boque vasta fauna. OparqueéapenaspartedocomplexodoCipó, comsuasinúmeraseaconchegantespousadas,lu- gar em que a surpresa se esconde atrás de cada morro ou curva da trilha ou da estrada. Seapedidaforverformaçõesfeitasaolongode milhares de anos, o visitante vai se satisfazer ple- namente com o Circuito das Grutas. Lapinha (em LagoaSanta),ReidoMato(SeteLagoas)eMaquiné (Cordisburgo)sãoabertasàvisitaçãoetêmboaes- trutura de atendimento. Todas em raio de pouco menos de 120 quilômetros de BH. É possível co- nhecê-lasnomesmodia.NocasodaReidoMato,a visita é feita em cima de passarelas. As cidades históricas não ficam atrás em ma- téria de deslumbramento. Ouro Preto, Diaman- tina, Mariana, São João del-Rei, Tiradentes, Con- gonhas e Sabará, só para citar algumas, oferecem, além de construções seculares, muitos museus e vida cultural agitada, com destaque para os dis- tritos que as circundam, sempre plenos de natu- reza ou curiosidades. Caso do Museu das Redu- ções, em Amarantina (distrito de Ouro Preto), em que dezenas de monumentos brasileiros são apresentados em forma de belas maquetes, fei- tas com o mesmo material usado nas originais. Ou Biribiri, vila que não tem mais população, bem próxima a Diamantina. Um lugar com ares de cidade fantasma, mas espaço para boa comida mineira ou aperitivo. O Parque Estadual do Itacolomi, em Ouro Pre- to, é boa opção de passeio, bem como a Mina da Passagem, em Mariana. Trata-se de antiga área de exploraçãodoouro,hojeabertaaovisitante.Ades- cida ao interior dela é feita em trole, aquele carri- nho de transporte de mineiros. AsregiõesdoslagosdeFurnasedeTrêsMarias oferecem a oportunidade de bons passeios na água ou fora dela, esportes, pescaria ou degusta- çãodeótimasreceitasdepeixe,comdestaquepa- ra tilápia, dourado, traíra, surubim ou tucunaré. Belas praias de água doce completam o quadro. Relativamente próxima à capital, Ipoema, dis- trito de Itabira, tem o Museu do Tropeiro, muitas áreas verdes e cachoeiras, além de outros distritos vizinhos,igualmentecoroadosdebelezasnaturais. PRÉ-TEMPORADAMuitasemuitasoutrasboasatra- ções aguardam os torcedores que estarão em BH na Copa de 2014. Para tanto, a Secretaria de Turis- mo de Minas Gerais já tem cinco cidades conside- radas como destinos indutores da atividade. Belo Horizonte, São João del-Rei, Tiradentes, Ouro Pre- to e Diamantina já se preparam para a Copa 2014, pela boa estrutura hoteleira e turística. Outras 11 localidades estão nos planos: Poços de Caldas, Caeté, São Lourenço, Juiz de Fora, Mon- te Verde, Caxambu, Araxá, Capitólio (Lago de Fur- nas), Sete Lagoas, Maria da Fé e Santana do Riacho (região da Serra do Cipó). A ideia é capacitá-las pa- raque,alémdeapresentaropotencialturístico,al- gumassirvamdebaseparapré-temporadadesele- ções antes da competição. AUREMAR DE CASTRO/EM/D.A PRESS - 23/4/02 BETO NOVAES/EM/D.A PRESS - 21/1/09 BETO NOVAES/EM/D.A PRESS - 13/4/09PEDRO MOTTA/ESP. EM. 14/6/08 Gruta da Lapinha, em Lagoa Santa: imperdível Vista de Ouro Preto: retrato bem acabado do barroco mineiro a pouco mais de uma hora da capital Profetas de Aleijadinho, em Congonhas ●● DIRETOR DE REDAÇÃO: JOSEMAR GIMENEZ ●● EDITOR-GERAL: JOÃO BOSCO MARTINS SALLES ●● EDITORES-EXECUTIVOS: JOSÉ LUÍS LONGO E PLÁCIDO FERNANDES ● COORDENAÇÃO: ÁLVARO DUARTE, ARNALDO VIANA, CLÁUDIO ARREGUY E JANEY COSTA ● EDITORES: JOÃO PAULO CUNHA, RENATA NEVES E RENATO SCAPOLATEMPORE ● REPÓRTERES: ALFREDO DURÃES, EUGÊNIO MOREIRA, FÁBIO FABRINI, IVAN DRUMMOND, GRAZIELA REIS, LEONARDO AUGUSTO E MARIANA PEIXOTO ● ARTE: PAULO MIRANDA, SORAIA PIVA E VALF
  11. 11. ESPECIAL ESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 200910 CULTURA Produtores culturais se mobilizam para garantir grandes eventos em torno dos jogos, com destaque para música, culinária, artes plásticas e até circo Show de bola e TEMPO DE FESTA Museu de Arte da Pampulha: uma das obras de vulto pioneiras de Niemeyer, com jardins de Burle Marx A Casa do Baile: um arquitetônico toque de classe na bela paisagem às margens da lagoa MARIANA PEIXOTO Éumbomexercíciodefuturo- logia pensar na programação de cultura e entretenimento de Be- lo Horizonte daqui a cinco anos, no período em que for uma das subsedes da Copa do Mundo. Ainda que seja difícil pensar, em pleno2009,queatraçõesacidade vai receber em 2014, há, logica- mente, os lugares e espaços da capitalmineiraquejáfazempar- te do circuito turístico-cultural. O caminho mais óbvio a tomar paraquemvieraBHpelaprimeira vezéocomplexoarquitetônicoda Pampulha, com o Museu de Arte, a Casa do Baile e a Igreja de São Francisco, assinados por Oscar Niemeyer.Bemmaisrecente,mas não por isso menos procurado, Inhotim, em Brumadinho, tam- bémdisparanafrentecomouma das melhores opções para quem visita Belo Horizonte. Outros dois espaçosculturaisinauguradosnos últimos anos serão bons cartões de visita do município: o Museu de Artes e Ofícios, na revitalizada PraçadaEstação,eoMuseuInimá dePaula. Até a Copa, a capital ainda vai poder contar com o Circuito Cul- tural Praça da Liberdade, que já terá sido inaugurado em 2014. Em andamento desde 2003, será umdosmaiorescomplexosinte- grados de cultura do país. O cir- cuitoabrangeoquadriláterodefi- nido pelas ruas Tomé de Souza, Guajajaras, Bahia e Sergipe, in- cluindooconjuntoarquitetônico dapraçaeváriosprédiospúblicos da Avenida João Pinheiro (como os edifícios do Arquivo Público Mineiro e do Museu Mineiro). Doladodoentretenimento,al- guns produtores de eventos já começam a fazer suas apostas para o período. “Quem já foi à Copasabequeograndepalcoéo gramado. Então, tem de ter mui- taocupaçãoderua,poisoqueas pessoas querem é comemora- ção”, afirma Aluizer Malab, da Malab, produtora responsável por eventos como o festival Ele- tronika,alémdeváriosshowsin- ternacionais na cidade. Ele não descarta, no entanto, a possibilidadedeiniciativasemlu- gares fechados. “Imagine juntos umComidadiButeco,umEletro- nika,umFestivalMundialdeCir- co e outros eventos que aconte- cem sempre. Eles transforma- riamBeloHorizontenumaBarce- lona”, sonha Malab, que lança no segundo semestre um evento quemisturatecnologia,músicae gastronomia. “Nossa expectativa é de que ele cresça e tenha um formato grande em 2014." CARA DE CARNAVAL Outro nome tradicionaldanoitedeBH,Leonar- do Dias, da DM Produções, que realiza as grandes festas de axé music tanto na capital quanto no interiordoestado,jáimaginauma micaretanaépocadoMundial.“A vinda da Copa será uma ótima oportunidade de negócio para to- do mundo. Como o Brasil tem ca- radecarnavaleaCopatemcarade festa,umcarnavalforadeépocaé um bom programa para turistas domundointeiro.” Ele concorda com Malab que eventos de rua terão apelo mui- to forte. Já para as festas em es- paços fechados Dias encontra um senão – ponto recorrente quando se fala de iniciativas pa- ra um público numeroso. A fal- ta de espaço adequado em Belo Horizonte. “Como há um perío- do grande pela frente, acredito que a cidade vai se adequar. Se o campeonato fosse hoje, tería- mos de buscar opções em torno de BH. Mas, como o Mineirão vai estar fechado para reforma, até lá deverão existir opções.” Uma delas já estará em pleno funcionamentoem2014.Umes- paço de eventos para 4 mil pes- soas está sendo concebido no Santa Lúcia. “A obra deve estar prontaentre2010e2011”,afirma Bruno Carneiro, da NS Eventos, uma das responsáveis pelo em- preendimento.Alémdonovolo- cal, ele confirma a realização de festas no período dos jogos. “Como existe a chance de a abertura da Copa ser em Belo Horizonte, pensamos numa grande atração de música ele- trônica para se apresentar em algum evento da gente.” Car- neiro lembra que, na Alema- nha’2006, a NS alugou uma ca- sa no Belvedere, que serviu co- mo grande arena para o públi- co assistir às partidas. “Toda vez que a Seleção Brasileira jo- ga em BH, fazemos alguma coi- sa”, diz ele, lembrando que, ano passado, para Brasil x Ar- gentina, pelas Eliminatórias do Mundial de 2010, foi criado um camarote para assistir à parti- da no Mineirão. “Depois dos jo- gos, a Boate naSala foi aberta para festejar. O Brasil só não pode perder.” Conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade: verde cartão-postal Inhotim: exuberante museu a céu aberto em Brumadinho, na região metropolitana Praça da Estação: mais um palco de manifestações culturais, em pleno Centro BETO MAGALHÃES/EM/D.A PRESS - 30/1/07 BETO NOVAES/EM/D.A PRESS - 16/1/09 BETO NOVAES/EM/D.A PRESS - 14/4/07 EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A PRESS - 12/12/07
  12. 12. ESPECIALESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 9 ACELERANDO AS OBRAS Torcedor poderá embarcar em trem subterrâneo, na Região Centro-Sul, e trocar de condução na Lagoinha para chegar ao estádio com mais facilidade e rapidez De metrô E DE ÔNIBUS JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS - 7/6/08 FÁBIO FABRINI Para chegar ao Mineirão na Copa de 2014, o torcedor poderá iniciar a viagem de metrô e fazer baldeação no caminho. Da Região Centro-Sul, que concentra a maioria dos hotéis, ao local dos jogos não haverá metrô por todo o trajeto, segundo os projetos apresentados à Fifa. O trem subterrâneo partiria da Savassi rumo à La- goinha, uma rota com cindo estações. Da- li em diante, seria necessário seguir via- gem de ônibus, pelo corredor exclusivo da Avenida Antônio Carlos. A Secretaria Mu- nicipal de Políticas Urbanas argumenta que a linha completa, até as proximidades do estádio da Pampulha, consumiria in- vestimentos muito mais altos. Além disso, não haveria tempo hábil para executá-la até a competição. Mesmo com a simplifi- cação, as dificuldades são imensas. É que os projetos estão parados na Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), sem previsão de voltarem a caminhar. Se sair, o metrô da Copa será um imen- so avanço em relação à infraestrutura dis- ponível hoje, mas ainda ficará aquém do previsto nos planos originais do governo. Fora a rota Savassi-Pampulha, que ficaria incompleta para a competição, sairia uma parte da linha Barreiro-Santa Tereza. Um ramal em superfície seguiria da região operária até o Bairro Calafate, na Zona Oeste, com sete terminais. O trecho sub- terrâneo, com mais oito, ficaria para de- pois. Os novos segmentos fariam integra- ção com a linha Eldorado-Vilarinho, já existente, que passaria por melhorias, com a compra de composições e a refor- ma do sistema de sinalização. As obras estão orçadas em R$ 2,9 bi- lhões, valor que pode variar com o câmbio e não está assegurado. Os governos fede- ral e estadual ainda discutem se o em- preendimento será feito com 100% de di- nheiro público ou por meio de uma parce- ria público-privada (PPP). Nesta hipótese, a União e outras esferas de governo apli- cariam cerca de R$ 1,7 bilhão. Aos obstácu- los financeiros, somam-se os técnicos. Para sair do papel, o metrô depende dos projetos básico e executivo, que po- dem levar até dois anos para ficarem prontos. O primeiro, que vinha sendo fei- to por uma empresa contratada pela CB- TU, foi paralisado no ano passado. “Para- ram de mandar dinheiro. Faltam R$ 14 mi- lhões”, afirma o superintendente da em- presa em Minas, José Roizenbruch, reco- nhecendo que o valor é uma ninharia, diante do total de investimentos. RITMO Para o segundo estudo, mais deta- lhado, nem foi aberta licitação. Ele custa- ria de R$ 100 milhões a R$ 200 milhões. Não há verba prevista no Orçamento 2009 nem para ele nem para a peça mais barata. Obras dessa natureza são uma caixinha de surpresas e só o detalhamento dos proje- tos poderá ditar o ritmo dos trabalhos. O superintendente exemplifica: se a linha terminar na Lagoinha, será necessário construir um pátio para manutenção e manobras dos trens, que, quase certamen- te, será subterrâneo. “Isso pode ficar tão caro quanto esticá-la até a Pampulha”, co- menta. Tudo depende, ainda, do que será en- contrado debaixo do chão. Conforme a composição do solo, fica mais ou menos fácil escavar o caminho dos trens. Contra a maré de dificuldades, o superintenden- te recorre a um clichê: “Se não faltar di- nheiro (a partir de agora) e vontade políti- ca, dá para fazer”. IMPOSTOS A Câmara Municipal de Belo Horizonte deve analisar, nas plenárias que começam hoje, projeto de lei que isenta a Fifa e todos os seus parceiros na Copa de 2014 de pagarem o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), o principal tributo do município. Trata- se de uma exigência da entidade para as cidades-sede. De acordo com o líder de governo no Legislativo, Paulo Lamac (PT), o texto já passou por todas as comissões temáticas e está pronto para ser incluído na pauta. O objetivo é votá- lo em primeiro e segundo turnos até o dia 23, quando se encerram as reuniões dos vereadores. É que o comitê organizador brasileiro do evento recomendou a aprovação até o dia 30. Pontos de embarque e desembarque serão remodelados EULER JUNIOR/EM/D.A PRESS - 27/6/07 Estação Lagoinha será o ponto de baldeação para torceodres, de acordo com o projeto de mobilidade apresentado pela prefeitura ❚ ❚ VEJAINFOGRÁFICOCOMOSPROJETOSDASINTERVENÇÕES VIÁRIASQUESERÃOFEITASEMBELOHORIZONTE PÁGINAS 6 E 7
  13. 13. P ESPECIAL ESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 20098 ACELERANDO AS OBRAS Investimento, que virá da União, vai financiar ambicioso plano de mobilidade na capital que contempla o entorno do Mineirão e grandes corredores de tráfego R$ 6 bi para AGILIZAROTRÂNSITO FÁBIO FABRINI ara mudar a cara de sua rede de transporte até a Copa de 2014, Belo Horizonte terá de investir nada menos que R$ 6,34 bilhões. A somafinanciaráosprojetosapresentadosà Fifapelomunicípioeoestado,queincluem aexpansãodometrôeaaberturadeaveni- das varando a cidade, além da instalação, em todos os grandes corredores, de siste- mas para deslocamento rápido de ônibus (BRT, na sigla em inglês), o chamado “trem sobrerodas”.Seexecutado,oambiciosopa- cote deixará um legado de infraestrutura paraacapitalmineira,cujocrescimentoda frota atravanca cada vez mais a mobilida- de. Mas a verba estratosférica, que terá de vir do governo federal e de empréstimos, não está assegurada. Caso os cofres não se abram, a prefeitura já tem um plano B, mais modesto. A esperança é de conseguir a inclusão de todas as obras no Programa de Acelera- ção do Crescimento (PAC) da Mobilidade, que o presidente Lula prometeu anunciar após a definição das cidades-sede, feita on- tem. A lista de intervenções não se restrin- geaoentornodoMineirão,palcodosjogos. Começa por mudar o mapa de ruas e ave- nidas,comaconstruçãodequatrocorredo- res alternativos à Avenida do Contorno, ao Anel Rodoviário e outras grandes artérias. O objetivo é facilitar a ligação entre regiões distantes,semanecessidadedepassarpelo Centro, e desafogar as ligações já construí- das. Todas as novas vias constam do Plano de Estruturação Viária (Viurbs) de BH, ve- lho conhecido da população. Um dos corredores ligará o Barreiro à RegiãoSul,próximoàsaídaparaoRiodeJa- neiro. Outro também partirá do Barreiro, na altura do Anel Rodoviário, e cortará a ci- dade no eixo Norte-Sul, pelas regiões No- roeste, Pampulha e Venda Nova. Ele dará acessoamaisumarota,quesairádeVenda Nova, passará pela Região Norte e acabará na quarta nova via projetada. Trata-se de um círculo, batizado pelos técnicos da pre- feitura de Via 710, que integrará várias re- giõeseasavenidasdosAndradas,JoséCân- dido da Silveira e Bernardo Vasconcelos. O Anel tradicional terá pelo menos 17 inter- venções,queincluemaconstruçãodemar- ginais, viadutos e trincheiras nas interse- ções. Nas grandes avenidas, o maior investi- mento será em dar prioridade para o trans- porte público. Os ônibus correriam em pis- tas fechadas, para tirá-los dos engarrafa- mentos, a exemplo do que ocorre em Curi- tiba (PR) e Bogotá (Colômbia). O passageiro esperaria em estações, nas quais pagaria a passagem previamente e seria municiado deinformações,comootemporestantepa- ra a chegada do veículo. O embarque seria emnível,commaisrapidez.OBRTmaisim- portante é o das avenidas Antônio Carlos e Pedro I, mais próximas ao Mineirão. Mas também estão previstos circuitos na Nossa Senhora do Carmo, Cristiano Machado, Amazonas,PedroIIeCarlosLuz.Nastrêsúl- timas,oscorredoresseriamjuntoaocantei- ro central, com abertura das portas à es- querda do veículo. Peloprojeto,pelomenos40viasdoCen- tro terão tratamento semelhante, com prioridade para os ônibus. A rede permite queocidadãoatravesseacidade,passando pelaáreamaisconturbada,seminterferên- cia do tráfego misto. “A velocidade média do transporte coletivo, que é de 6 km/h, passa para 30km/h”, compara a consultora técnicadaSecretariaMunicipaldePolíticas Urbanas, Maria Fernandes Caldas. Exceto as novas linhas do metrô, que dependem de assertivas entre os governos federal e estadual para saírem, as interven- ções viárias e no sistema de ônibus custa- riam R$ 3,4 bilhões ao município, que sabe das dificuldades para obter a verba, embo- raaCopacrieambientefavorável.Osfinan- ciamentosinternacionaisconsomemtem- poeasfontesderecursosdevemserastra- dicionais, como o Banco Nacional de De- senvolvimento Econômico e Social (BN- DES) e o Orçamento da União. Diante disso, a prefeitura preparou seu planoB:nafaltadeverbaparatudo,opaco- te seria fracionado em três conjuntos de prioridade. O primeiro seria a reforma do Anel Rodoviário e a implantação do BRT nas grandes avenidas, ao custo de R$ 1,7 bi- lhão.Osegundo,orçadoemR$950milhões, prevêaconstruçãodedoiscorredores(Bar- reiro a Venda Nova e a Via 710). O terceiro, de R$ 770 milhões, tiraria do papel as duas artérias restantes. “Se sair o mais básico, já será uma revolução para a cidade”, consta- ta fonte oficial. OpresidentedaBHTrans,RamonVictor Cesar,adiantaqueaempresatrabalharápa- ra instalar o Controle Inteligente de Tráfe- go (CIT) – sistema que regula a espera nos semáforosdeacordocomovolumedetrá- fego – nos grandes corredores. Os investi- mentos incluem câmeras para monitora- mento do tráfego, painéis eletrônicos de mensagemeaampliaçãodacentraldecon- troledastecnologias,quehojefuncionano Buritis, na Região Oeste. “Uma das hipóte- ses é transferi-la para o alto de um prédio na área central”, afirma. EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A PRESS Avenida Antônio Carlos passa por obras de duplicação e modernização para ser um dos principais acessos ao local dos jogos CRISTINA HORTA/EM/D.A PRESS -16/4/09 ❚ ❚ VEJAINFOGRÁFICOCOMOSPROJETOS DASINTERVENÇÕESVIÁRIASQUESERÃO FEITASEMBELOHORIZONTE PÁGINAS 6 E 7
  14. 14. ESPECIALESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 5 RECEPÇÃO MINEIRA Mineirão será totalmente reformulado para se adequar às exigências da Fifa, mas sem perder a fachada, tombada pelo patrimônio histórico A JOIA da coroa EUGÊNIO MOREIRA O torcedor mineiro terá motivos de so- bra para não se esquecer da Copa do Mun- do’2014.Eumdeles,comcerteza,seráono- voestádioqueteráàdisposição,naPampu- lha. A modernização do complexo Minei- rão-Mineirinhoéodestaquedasmudanças pelasquaisBeloHorizontepassaráparaser uma das sedes do Mundial de daqui a cin- co anos. Apartirdeagora,comaconfirmaçãoda capitalmineiracomoumadascidades,are- forma vai se acelerar. O Comitê Gestor da Copaserácriadohoje,paraunificarosesfor- ços, e sua primeira atitude será a contrata- ção do projeto executivo das obras de mo- dernização do Mineirão, com todos os cus- tos e prazos definidos. Por enquanto, há apenas um projeto básico de engenharia e arquitetura. Ogovernodoestadotemovalorestima- dodaobra,massomentecomoprojetoexe- cutivohaveráumcálculorealdoscustos.“O quepossodizeréqueosvaloresdivulgados até agora estão muito abaixo da realidade. AreformadoMorumbi,porexemplo,nun- cacustarásomenteR$180milhões”,afirma o secretário de estado de Esportes e da Ju- ventude, Gustavo Corrêa. “O Mineirão é o estádio que melhor condição tem de rece- ber as intervenções exigidas pela Fifa.” Inicialmente, foi elaborado um estudo de viabilidade econômica, que apontou as possíveisreceitasgeradascomonovocom- plexo.Ecomocustorealdaobra,atéporse- tor, o governo do estado sairá à procura de interessadosparaumaparceriapúblico-pri- vadaqueexecuteoprojeto.GustavoCorrêa teme que a crise financeira mundial afaste essesinvestidores.“Nessecaso,caberiaaogo- verno arcar com os custos num primeiro momento,atéofimdaobra,edepoistentar outrassoluçõesfinanceiras.” Atéporessadificuldade,partesdoproje- topodemserrelegadas,comoohotel,osho- pping e o restaurante panorâmico que se- riaminstaladosnoestádio.Apenasaamplia- ção do estacionamento é essencial, por exi- gência da Fifa. “Teremos o custo e a rentabi- lidadedecadaparte.Apartirdaí,vamosatrás dosinvestidores”,explicaosecretário. Dentro do Mineirão, as principais mu- danças serão o rebaixamento do gramado em 3,5m, para permitir a instalação de ca- deiras na geral, e a construção de camaro- tes.Anovacobertura,alinhadacomofosso aoredordocampo,exigiuatençãoespecial, porqueafachadadoMineirão,tombadape- lo Patrimônio Histórico, não pode ser alte- rada. A estrutura de sustentação será toda interna. INÍCIO DAS OBRAS Por determinação da Fifa, as obras terão de começar até 31 de dezem- bro.MasGustavoCorrêaacreditaque,como houveadiamentodoanúnciodascidades,de marçoparaontem,poderátambémhaverdi- latação do prazo. “De toda forma, estamos preparadosparainiciá-lasaofimdoCampeo- natoBrasileiro”,garante.Aúltimarodadada competiçãonacionalestámarcadapara6de dezembro. Serão dois anos e meio de obras, semqualquereventonolocal.SeaFifapror- rogar o prazo, as obras deverão começar so- mentedepoisdeconcluídasasmelhoriasno Independência. Houve atraso no início do processo de reforma e ampliação do estádio do Horto, mas o edital de licitação deverá ser lançado em25dejunho.OestadoinvestiráR$13mi- lhõeseogovernofederal,R$31milhões,pa- ra tornar o Independência uma arena mo- derna,comcapacidadepara25milpessoas, três módulos de arquibancada, telões, área vip, tratamento acústico e estacionamento com capacidade inicial para 900 carros. Paraisso,aAdministraçãodeEstádiosdo Estado de Minas Gerais (Ademg) gerenciará olocalpor20anos,emregimedecomodato. OIndependêncianãoterájogosdaCopa,mas certamenteseráumdoslocaisdetreinamen- todeseleções. A cidade também oferecerá outros pon- tos para treinos. A Toca da Raposa II conta com quatro campos, além de infraestrutura como hotel, sala de musculação, piscina e o Centro Avançado de Reabilitação Esportiva (Care).ACidadedoGalooferececondiçõesse- melhantes, com o mesmo número de cam- pos e destaque para o hotel que hospedou a SeleçãoBrasileira,emjunhodoanopassado, antesdojogocontraaArgentina,pelasElimi- natórias da Copa de 2010, na África do Sul. OutraopçãoéoCentrodeTreinamentoLan- na Drumond, do América, com seus três campos. Toca da Raposa: em obras para receber delegações daqui a cinco anos Cidade do Galo: a ‘casa’dos brasileiros, ano passado, nas Eliminatórias MARCELO SANT’ANNA/EM/D.A PRESS PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS - 27/9/06 ■ A segunda fase da Copa, o turno final, contou com o vencedor de cada cha- ve. Como os grupos tinham números de componentes desiguais, brasilei- roseespanhóisprecisaramdetrêsjo- gos para se classificar, os suecos dis- putaram dois e os uruguaios, apenas um.Naprimeirarodada,oBrasilmas- sacrou a Suécia: 7 a 1, no Maracanã. No Pacaembu, o Uruguai empatou por 2 a 2 com a Espanha. Na segun- da, o time da casa deu outro show no Rio, goleando os espanhóis por 6 a 1. Os rivais sul-americanos, de novo em São Paulo, fizeram 3 a 2 nos suecos. ■Na última rodada, simul- taneamente à grande fi- nal, a Espanha ficou com o terceiro lugar, ao bater a Suécia por 3 a 1, no Pacaembu. Já no Mara- canã, o Brasil podia em- patar com o Uruguai, mas, para desespero de 200 mil pessoas no estádio, perdeu o jogo – e o título – por 2 a 1, de virada, com gols no se- gundo tempo: Friaça, Schiaffino e Ghiggia. Euvi... ‘ “Saí de Juiz de Fora para ter o maior presente de aniversário da minha vida: ver o Brasil ser campeão. Mas não sei o que aconteceu que o time não ganhou. Para mim, o Gigghia não sabia o que ia fazer com aquela bola. Acabou chutando-a e ela entrou” ■■ José Céu Azul Soares, jornalista RENATOWEIL/EM/D.APRESS ARQUIVO/EM/D.A PRESS - 18/7/52 ARQUIVOO CRUZEIRO/ EM/D.A PRESS -15/07/50 ❚ ❚ VEJAINFOGRÁFICOCOMOSPROJETOSDO MINEIRÃO,INDEPENDÊNCIAEAESTRUTURA DATOCAIIECIDADEDOGALO PÁGINAS 6 E 7
  15. 15. ESPECIAL ESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 20094 ECONOMIA Empresários do setor de hotelaria e eventos querem equipar Belo Horizonte com instalações que ajudem a capital a crescer no turismo internacional de negócios Muito além do FUTEBOLGRAZIELA REIS Os horizontes da capital mi- neira vão ter um novo aspecto quando a bola começar a rolar no gramadodoMineirão,naCopado Mundode2014. Até o início das partidas, BH e osmunicípiosmaispróximosvão atrairmilhõesdereaiseminvesti- mentosdopoderpúblicoedaini- ciativa privada. A movimentação dos empresários está em campo. Todos têm um objetivo em co- mum: apenas investir em proje- tos que permaneçam lucrativos depoisqueosportõesdosestádios forem fechados. A ideia é consoli- darBeloHorizontecomoumdes- tino internacional do turismo de negócios, para que ela possa ga- nharcomeventosantesdaCopae muitomaisdepoisdela. Segundoasecretáriadeestado deTurismo,ÉricaDrumond,oim- portanteéaprimorarumaagenda internacional. Só com a garantia dequehaveráfeiras,congressose exposições com bom público é queosinvestimentosserãodefini- dos e concretizados. “Temos de aprimorar a captação de eventos internacionaisdeporte”,afirma. Parareceberessetipodeturis- mo de negócios, no entanto, a Re- gião Metropolitana de Belo Hori- zonteaindaécarentedeestrutura. Apenas o Expominas e o Minas- centro não dão conta de sediar mais eventos do que o previsto atualmente. É por isso que os in- vestimentos em centros de con- vençõesvãoserosprimeirosasair do papel. Nessa área serão, pelo menos, R$ 267 milhões em apor- tes,antesde2014. Nesse montante entram a construção do Centro de Conven- ções de Belo Horizonte, na Aveni- da Cristiano Machado (em frente ao Hotel Ouro Minas); do Centro de Convenções do Inhotim, em Brumadinho (na Grande BH); e a expansãodoExpominas. Com esses espaços prontos, passamaserjustificáveisosinves- timentos em hotelaria. A presi- dentedaregionalmineiradaAsso- ciação Brasileira da Indústria de Hotéis(Abih),SilvaniaCapanema, conta que hoje há 112 hotéis em BH. Na Região Central de Minas, ou seja, a até uma hora e meia do Mineirão, há uma rede com mais de 300 unidades hoteleiras, con- tandocompousadas. Isso significa uma capacidade parahospedarcercade32milpes- soas. “Como um jogo importante deve atrair umas 20 mil pessoas, acredito que estamos bem. Mas é necessário melhorar as opções existentes.”Noentanto,ébomob- servarqueaFifaavaliouaredeho- teleira de BH como uma das pio- resdopaís. RECEPÇÃO À VISTA Além das refor- mas que vão ser providenciadas pelos empresários, no setor hote- leiro já há investimentos em cur- so que vão também atender aos torcedores da Copa. São, pelo me- nos,seteprojetosnaGrandeBH.A Accor tem dois hotéis definidos para a região. A Arco Thess Hotéis também tem dois empreendi- mentos da bandeira San Diego. Em Brumadinho, o empresário Bernardo Paz prepara dois proje- tos:umhotelcomcapacidadepa- ra até 300 apartamentos e uma pousadasofisticadacom43chalés. No município ainda há outro projeto, o do Chelsea Hotel, com 38 quartos. Apenas esses em- preendimentos já definidos de- vem representar mais de R$ 150 milhõeseminvestimentos.Masa expectativaédequeaté2014esse montantecheguepertodeR$600 milhões, com um total de 30 no- vos projetos na região. A maioria deve ser definida em 2011, uma vez que são necessários dois anos paraaconstruçãodeumhotel. Ainda são esperados investi- mentos em entretenimento. O presidentedaAssociaçãoBrasilei- ra de Bares e Restaurantes de Mi- nas Gerais (Abrasel-MG), Paulo Nonaka, acredita que, apesar da volatilidade do setor, é possível umacréscimode1milestabeleci- mentosaos12miljáexistentes.A secretária de Turismo, Érica Dru- mond, lembra que o gasto do tu- ristainternacionalnoBrasilchega à média de US$ 250 (cerca de R$ 500)pordia. Emumaestimativaconserva- dora, com 15 mil pessoas de fora assistindoaosjogosemBH,duran- teaCopaessepúblicopoderepre- sentarumamovimentaçãofinan- ceiradeaproximadamenteR$300 milhões. O presidente da Câmara deDirigentesLojistasdeBeloHori- zonte (CDL/BH), Roberto Alfeu, lembra que em 2006 a Alemanha registroumovimentaçãofinancei- ra de US$ 2,5 bilhões com a Copa do Mundo. “Como estamos entre asmaiorescidadesdopaís,acredi- to que podemos ficar com uma boafatia.” PELOAR OAeroportoInternacional Tancredo Neves (Confins) e o da Pampulha também vão passar por melhorias. Segundo a Empre- sa Brasileira de Infraestrutura Ae- roportuária (Infraero), até março de 2014 Confins vai receber R$ 215,5 milhões para ampliação do terminaldepassageiroseconstru- ção de edifício garagem. Isso sem contarrecursosprevistosentrees- teanoe2011,quepassamdeR$63 milhões e incluem o aumento da pista de pouso e decolagem em 600metros. Na Pampulha, a Infraero vai investir R$ 7 milhões nos próxi- mos quatro anos em ampliação do pátio de aeronaves, entre ou- trasmodificações.Naopiniãodo arquiteto Gustavo Penna, que tem sua assinatura no projeto do Centro de Convenções de Inhotim e no Expominas, “não há como frear” as mudanças em BH até 2014. Confins:previsãodeampliaçãodoterminaldepassageiros,construçãodeedifíciogaragemeaumentodapista Expominas, um dos poucos espaços da cidade capazes de receber hoje grandes eventos, também será expandido HOSPEDAGEM 30Número mínimo de hotéis que serão construídos em Belo Horizonte e entorno (na capital e cidades que ficam a até uma hora e meia do Mineirão)* R$ 600 miInvestimento mínimo na rede hoteleira da região de BH* R$ 215,5 miInvestimento da Infraero no aeroporto de Confins R$ 7 miInvestimento da Infraero no aeroporto da Pampulha R$ 20 miInvestimento no Centro de Convenções em Inhotim R$ 147 miInvestimento no Centro de Convenções de Belo Horizonte R$ 100 miInvestimento na ampliação do Expominas US$ 250Gasto médio de turista estrangeiro no Brasil por dia R$ 300 miMovimentação financeira em BH durante os dias da Copa* * estimativas EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A PRESS- 19/12/07 EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A PRESS ■ Com destaque, o EM registrou a chegada dos americanos a BH, dia 28 de junho 1950, de avião, pro- venientes do Rio: “De todas as (delegações) que nos têm visitado, foi certamente a que melhor im- pressionou, quer pela acessibilida- de de seus dirigentes, quer pelo modo cortês de proceder dos cra- ques que a integram”. ■A cobertura do jogo EUA x Inglaterra, publicada em 30 de junho, chama- vaaatençãoparaasemelhançaen- treofuteboldosEUAeodoBrasil.“E a surpresa não ficou restrita ao pla- car de 1 x 0, mas também a desen- voltura do quadro, onde a seme- lhançacomojogobrasileironospa- receu bem grande. É que o conjun- to não se firma na base de uma es- truturadejogoondepredominaum padrão definido. Maior glória cabe indiscutivelmente à sua retaguarda (...)”, descrevia o texto. O goleiro Borghifoiumdosdestaquesdapar- tida,quetevecomoautordosolitá- rio goloatacantehaitianoJoeGae- tjens,aos37mindoprimeirotempo. ■ A torcida belo-horizontina apoiou a Seleção dos EUA. O público foi de 11 mil pagantes, mas o estádio es- tava mais cheio. Três mil sócios do Sete de Setembro, clube ao qual o Independência foi doado, não pa- garam e muitos torcedores conse- guiram entrar gratuitamente, “aproveitando a falta de policia- mento eficiente para o lado do barranco”, conforme descrição do EM. Depois da partida, torcedores invadiram o campo, para carregar os americanos (foto), como foi re- tratado em recente filme, de 2005: The game of their lives (Duelo de campeões). Euvi... ‘ Todo mundo foi para o Independência ver a Inglaterra. Íamos ver os inventores do futebol. Mas os americanos ganharampor1a0. Lembro que o gol, para mim, foi por acaso.Abolabateuna cabeça do jogador e entrou. Fiquei com essa impressão” ■■ Márcio de Lima Corrêa, 90 anos, professor de latim RENATOWEIL/EM/D.APRESS JOSE INACIO/O CRUZEIRO/EM - 29/06/50
  16. 16. ESPECIALESTADO DE MINAS SEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 3 PONTAPÉ INICIAL Várias esferas do poder público em Minas começam desde já a unir esforços para que Belo Horizonte seja palco da partida inaugural do maior torneio de futebol do mundo Corrente para sediar o JOGO DE ABERTURA LEONARDO AUGUSTO O poder público em Minas Gerais criou uma espécie de corrente para unir esforços e tentartrazerparaBeloHorizonteaaberturada Copa do Mundo de 2014. Com a confirmação da capital mineira como uma das 12 cidades que vão sediar os jogos do torneio, a disputa agorapassaasercontraSãoPauloeBrasíliape- la organização da festa que marcará o início da competição. A exemplo do Mundial de 1950, a partida final, com o encerramento do evento, deverá ser disputada no Maracanã. No governo do estado, três integrantes da cúpula da administração Aécio Neves ficaram encarregados de analisar projetos e investi- mentos públicos e privados. O vice-governa- dor Antônio Augusto Anastasia, o secretário de Esportes e da Juventude, Gustavo Corrêa, e o subsecretário de Assuntos Internacionais, Luiz Antônio Athayde. Corrêa afirma já ter sido procurado por 15 a 20 grupos empresariais, de setores como de alimentação e administração de estaciona- mentos, interessados em conhecer o projeto do governo do estado para o complexo que será construído em torno do Mineirão e do Mineirinho. Admite, no entanto, que a crise econômica mundial tem reduzido o ânimo dos possíveis investidores. Na avaliação do se- cretário, o edital para construção do comple- xo deverá ficar pronto em três meses. “O pre- sidente da CBF, Ricardo Teixeira, diz que não tem influência na escolha da cidade que sedia- rá a abertura da Copa, mas acreditamos na boa relação que mantém com o governador Aécio Neves”, afirma. Para tentar mostrar serviço e ajudar na atração da abertura da competição, a Câmara Municipal de Belo Horizonte criou uma fren- te especial para discutir a Copa do Mundo de 2014. O principal objetivo é estudar a possibi- lidade de redução de impostos para facilitar a organização dos jogos na cidade. Da Câmara, parte, por exemplo, a regula- mentação sobre a cobrança do Imposto sobre Serviços (ISS). “Já notei nos corredores da Ca- sa que há boa vontade para fazer tudo o que for possível no sentido de trazer os jogos pa- ra a cidade”, diz Ronaldo Gontijo (PPS), um dos integrantes da frente especial e vice-pre- sidente da Comissão de Educação, Esporte, Lazer, Turismo, Ciência e Tecnologia. Gontijo, no entanto, acredita que, por cau- sa da Copa do Mundo, o grupo criado para discutir a realização da abertura e de parte das partidas em Belo Horizonte terá de legis- lar também em relação ao trânsito. “O tráfego de veículos é um dos principais gargalos na cidade”, lembra o vereador. Nesse sentido, passaria pela Câmara, por exemplo, a aprova- ção de possíveis financiamentos para obras que tenham por meta melhorar o trânsito no município. A Assembleia recebeu quinta-feira projeto de lei enviado pelo Palácio da Liberdade, tam- bém com o objetivo de reduzir impostos que onerem serviços aos quais a Fifa deverá ter acesso, para organizar os jogos na cidade. Con- forme deputados da base de Aécio Neves na Casa, o governo quer o projeto aprovado até o recesso parlamentar de julho. Mas o Palácio da Liberdade já foi avisado de que, se o texto não chegar o mais rapidamente possível, o plenário só votará a proposição depois da fol- ga do meio do ano. A movimentação do governo, da Assem- bleia e da Câmara é pressionada, principal- mente, pelo comportamento do presidente da CBF. “Ele está valorizando muito, tentan- do conseguir dos estados e cidades o máximo de esforço possível para garantir que sejam sedes”, diz fonte próxima ao governo de Mi- nas. Na prefeitura, as informações, repassa- das pelo presidente da Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte, Júlio Pires, são de que toda a articulação para tentar viabilizar a cidade como sede da abertura da Copa do Mundo de 2014 será realizada em parceria com o governo de Minas. “Estamos fazendo de tudo para isso”, disse Pires, sem, no entanto, explicar o que está sendo pre- parado. Há cerca de duas semanas o prefei- to Márcio Lacerda, que não quis falar sobre o assunto, se encontrou com Ricardo Teixei- ra no Rio de Janeiro. Em 2006, o Mundial da Alemanha começou em Munique. Dentro de um ano, na África do Sul, a competição terá início em Johanesburgo (abaixo) Aécio Neves visita o Mineirão em companhia de Ricardo Teixeira. Boa relação entre o governador e o presidente da CBF pode ajudar a capital mineira a vencer a concorrência com São Paulo e Brasília pela partida de estreia PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS - 8/1/07 DAMIR SAGOLJ/REUTERS - 9/6/06 SIPHIWE SIBEKO/REUTERS - 1/5/09 ■Uma das maiores zebras da história do futebol ocorreu em Belo Hori- zonte. Construído para a Copa de 1950, o Estádio Independência (foto) foi o palco da surpreenden- te vitória dos Estados Unidos sobre a Inglaterra por 1 a 0, na primeira fase, em 29 de junho. Os ingleses, inventores do futebol, com a em- páfia daqueles que se consideram superiores, não haviam se interes- sado em participar dos Mundiais anteriores. Os americanos, apesar do terceiro lugar em 1930, no Uru- guai, apenas engatinhavam na prática do futebol. ■ Na capital paranaense, os EUA ven- ciam a Espanha por 1 a 0 até os 36min do segundo tempo, mas permitiram a virada para 3 a 1. E o EstadodeMinas alertava: “Por isso, acreditamos que apontar os ingle- ses como favoritos da luta de hoje seria uma temeridade. Logicamen- te, eles deverão ganhar. Praticando um futebol frio, calculado, verda- deiramente mecânico, os craques de sua majestade britânica têm tu- do para triunfar. Os americanos, por sua vez, dispõem de um extraordi- nário entusiasmo, que é arma das melhores no esporte das multidões. Que o digam os paranaenses. O duelo que eles travarão logo mais com os ingleses será algo de emo- cionante e inédito para o nosso pú- blico, prometendo grandes surpre- sas à platéia mineira”. Euvi... ‘ Na vitória dos EUA sobre a Inglaterra, o time inglês era todo organizado. A bola era passadadomeiopara alateral,depoisparaa ponta e vinha o cruzamento, alto, para a área, e os adversários cortavam. Já os americanos não tinham futebol nenhum” ■■ Afonso Celso Raso, 76 anos, advogado e jornalista RENATOWEIL/EM/D.APRESS ARQUIVO EM/D.A PRESS - 29/06/50
  17. 17. ESPECIAL BHde bola cheia ESTADO DE MINASSEGUNDA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2009 PLANOS ●● INVESTIMENTOS ●● ESTRUTURAS ●● OBRAS ●● ATRAÇÕES ARTEDEJANEYCOSTASOBREFOTODEGLADYSTONRODRIGUES/AOCUBOFILMES
  18. 18. INFORMÁTIC EESSTTAADDOO DDEE MMIINNAASS ● B E L O H O R I Z O N T E , Q U I N T A - F E I R A , 1 8 D E S E T E M B R O D E 2 0 0 8 ● E D I T O R A - A S S I S T E N T E : M a r l y a n a T a v a r e s ● E - M A I L : i n f o t e c . e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E S : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 3 6 0 ❚ ❚LEIA MAIS SOBRE REDES SOCIAIS PÁGINAS 6 E 7 @ FREDERICO BOTTREL Esta figura simpática aqui, junto ao título da matéria, é o estudan- teGregoriPavan,de22anos.Osoutros,posicionadosnasbordasdapá- gina, são alguns dos 290 amigos dele. Tudo bem, não são exatamente eles, mas suas representações. Quem aderiu aos BuddyPokes, a nova febreentreosadeptosdoOrkut,sabequeosavataresem3Dsãomais um dos novos atrativos da bem-sucedida rede social para se manter naliderançaentreascomunidadesvirtuais–pelomenosnoBrasil,osi- te tem 16 milhões de participantes. Isso significa que 69,8% dos inter- nautas brasileiros estão no Orkut, de acordo com o Ibope Net Ratings. A criação de bonecos tridimensionais que interagem uns com os ou- trosestáentreos300aplicativosqueturbinaramaversãobrasileirado site, permitindo a representação virtual dos seus participantes. Quem está no Orkut também acaba, eventualmente, dando uma espiadinha no que acontece em outros sites do tipo. O mer- cado das redes sociais, aliás, cresce a cada dia. Se você não recebe a todo momento um convite por e-mail para integrar uma nova web, pode ser considerado anti-social por gente como o Grégori. Além de marcar presença no site do Google, ele está em outras 91 redes sociais. Já imaginou isso? Ele conta que, à maneira do ca- chorro que visita a igreja, na velha piada, entrou nas redes sociais porque a porta estava aberta. “Virou uma espécie de hobby, eu entro para testar mesmo. Recebo váriosconvitesdeamigosparacriarperfisnasredeseacaboparticipan- do. Me interesso e me divirto bastante com o assunto”, conta o estu- dante.Apesardisso,elegarantequedeixaalgunsperfisdesatualizados eseconcentramaisnoOrkutenoYouTube,“senãonãofariaoutracoi- sanavida”.Assimcomoalgunsrelacionamentosvirtuais,aparticipação nafebredascomunidadeseletrônicaséessencialmentedescartável. “Há espaço de sobra para zilhões de redes sociais”, diz o especia- lista em mídias sociais Juliano Spyer. Teoricamente, para que uma rede seja eficiente, seria necessário que houvesse muita gente par- ticipando. Mas o surgimento de redes especializadas em música, fotos ou vídeos mostra que esse é também um mercado de seg- mentação. E outros nichos são explorados. Entre os públicos-alvo das novas redes estão universitários, amantes da literatura e via- jantes em busca de aventura e economia. O próprio Juliano, fascina- do com as redes desde que conheceu o Orkut em 2004, desinteres- sou-se pelo serviço do Google quando “o site foi tomado por tur- bas de adolescentes”. Há três semanas, redescobriu o Facebook e encontrou lá a sua turma. Nesta edição do Informátic@ prepara- mos um guia com 20 redes, para você escolher qual é a sua. Participação nas diversas redes do universo virtual vira febre. Somente um estudante está em 91 delas
  19. 19. SSUUPPEERR MMAARRIIOO GGAALLAAXXYY INFORMÁTICA E S T A D O D E M I N A S ● Q U I N T A - F E I R A , 1 8 D E S E T E M B R O D E 2 0 0 8 10 TIAGO FALQUEIRO Do Correio Braziliense SuperMarioGalaxychegoucomumadifícilmissão: manteraótimaqualidadedosjogosdasériecriadapela Nintendo. E a tarefa foi cumprida com todas as honras. Nuncaogamedoencanadorqueseaventuraembusca daprincesaPeachfoitãodivertido.Comoépraxe,asaga doheróiincluimuitasfasesedesafiosbemvariados.Des- savez,atramadojogopercorreplanetasinusitados,que lembramomundodescritoemOpequenopríncipe,do autorfrancêsAntoinedeSaint-Exupéry. A saga de Mario, dessa vez, é toda no espaço. Mais umavezovilãodahistória,Bowser,seqüestraaprince- sa, mas a leva para sua sombria galáxia. O encanador, então, é convocado a fazer o resgate e, para isso, conta comaajudadafadaRosalina,estreantenasérie.Eéno observatóriodanovaamigaqueoheróisemprecome- ça sua aventura e encontra os caminhos para outros mundos,asfases.Oobjetivoédescobrirerecuperaras 121 estrelas espalhadas pelo jogo. Gradualmente, sem nunca ser muito fácil, nem che- garaimpossível,adificuldadedosobjetivosvaiaumen- tando.Eosdesafiosnasfasesmaisavançadassãomagní- ficos,emrazãodasbrincadeirascomagravidadeeobstá- culosemquetodaadestrezacomoscontrolesdovideo- gametemdeserusada.E,nesseponto,ojogoéimbatível. Ajogabilidadeimpressiona.Logonasprimeirasfases ojogadorétreinadoepegaojeitofacilmente.Daíparaa frente,asvariaçõesdoestilodejogarsãoinfindáveis.As fasestambémsãobemvariadaseosmundostemáticos idem. Existem momentos em que se pode vasculhar calmamente os planetas em busca das estrelas. Em ou- tros, um tempo máximo para a tarefa é estipulado e aí é“pernas,paraquetequero”.Nãodáparaficarpegando moedasejuntandopontos.Ográficodojogotambémé impecável. De vez em quando, ele abre espaço, entre uma fase e outra, para histórias contadas por Rosalina em desenhos estáticos, que lembram as ilustrações do livrodeSaint-Exupéry. Durante as fases, a câmera quase nunca atrapalha o jogador, que pode atualizá-la e trazê-la para a posi- çãoatualdopersonagemcomumtoquedebotão.Pa- ra jogar é preciso usar, além do Wii remote, o contro- le clássico do videogame, o Nunchuk. O primeiro ser- ve para ações como pular e girar e o segundo traz os direcionais para movimentar o Mario. A forma pre- dominante de avançar no jogo e enfrentar os inimi- gos continua sendo o salto. Mas o nado e a capacida- de de voar seguem presentes na aventura. E o Mario ainda pode proporcionar habilidades bem divertidas, como virar uma mola e sair pulando pela fase. Quando o assunto é voar, ou ganha as asas de uma abelha, que não pode se molhar, se não vai ao chão, ou consegue o cogumelo prateado, que lhe con- fere a habilidade de ser o Super-Homem por um tem- podeterminado.Emmomentosespecíficos,oencana- dor ainda assume a forma de fantasma. A trilha sonora é outro espetáculo à parte. Muito bem combinada com o momento em que o jogador passa pela fase, ela mixa sons de orquestra e a tradi- cional musiquinha eletrônica dos games. Com todos os seus recursos impressionantes (jogabilidade, tri- lha sonora e gráfico), há quem diga que Super Mario Galaxy é o melhor game de todos os tempos. Com toda a certeza, é um dos mais divertidos, completos e complexos. DICAS Antes de se aventurar pelas fases do game, o jogador pode encontrar até cinco vidas escondidas no observatório. Outra possibilidade de turbinar as vidas ainda no observatório é procurar o Toad, co- gumelo amigo do Mario, que de vez em quando traz cartas da princesa Peach com até cinco vidas dentro. Algumas fases escondem estrelas extras, que só fi- cam disponíveis quando um cometa está na órbita do planeta. Nunca gaste as estrelas menores e colo- ridas à toa. Elas podem ser usadas para acertar os ad- versários, mas têm destino mais nobre, que é ali- mentar outras maiores, que se transformam em no- vos caminhos. Aventura extraterrestre do encanador chega a ser considerada, por muitos, o ápice dos jogos eletrônicos REQUISITOS MÍNIMOS ConsoleWii,Wii remote e Nunchuck Classificação:livre-Preçomédio:R$249 AVALIAÇÃO Jogabilidade ★★★★★ Entretenimento ★★★★★ Gráficos ★★★★ Som ★★★★★ FOTOS: NINTENDO/DIVULGAÇÃO A saga de Mario nessa aventura é no espaço, onde o herói precisa resgatar a princesa Peach, seqüestrada pelo vilão Bowser. Game apresenta jogabilidade, trilha sonora e gráficos de excelente qualidade, constituindo- se em um dos mais divertidos já produzidos pela Nitendo
  20. 20. Abraham Morgentaler diz que homens com menos testosterona podem perder massa magra. ATENÇÃO À SAÚDE PÁGINA 5 BEMVIVER ESTADODEMINAS ● D O M I N G O , 6 D E D E Z E M B R O D E 2 0 0 9 ●EDITORA-ASSISTENTE: Teresa Caram ●SUBEDITORA: Ellen Cristie ● E - M A I L : b e m v i v e r . e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 7 8 4 ARQUIVO PESSOAL VIDA EM PRETO E BRANCOEmboratenhaacromatopsia,umadistrofianaretinaqueimpedeapercepçãodecores,OlgaBarbosadaSilvadizqueseumundoécolorido Nem o azul intenso do céu nem os tons do mar, das frutas, legumes e verduras. Nem o multicolorido dasroupas,dasfloresedasaves.AnaturezaparaOlga Barbosa da Silva, de 51 anos, e sua irmã Fátima, de 54, não tem cor. Elas veem o mundo em preto, branco e nuancesdecinza.Ambastêmacromatopsia,umadis- trofia na retina que dificulta a percepção das cores – um problema hereditário que afeta uma em cada 33 mil pessoas. Apesar de rara, a deficiência pegou duas de uma só vez na família composta por oito irmãos, na cidade mineira de Itambacuri, no Nordeste do es- tado, a 430 quilômetros da capital. Para ter uma visão normal, de qualidade, a retina precisadasestruturasdecones(responsáveispelasco- res) e de bastonetes (pela visão na baixa luminosida- de), o que não ocorre com acromatas como Olga e Fá- tima, que, além de não enxergarem as cores, têm hi- persensibilidadealuzforte(fotofobiaintensa)ebaixa acuidade visual. Os cones de visão das duas não fun- cionamdireito.Elassentem-semaisàvontadeànoite. De dia, com sol, são obrigadas a usar óculos escuros, fechar as cortinas e, mesmo assim, sentem medo de olhar para cima. Só andam de cabeça baixa por causa da luminosidade. O tremor ocular, ou nistagmo, faz com que as acromatas pisquem sem parar. Olga e Fátima são cegas para as cores. É como as- sistir a uma TV em preto e branco. A cegueira para as cores, porém, não impediu que Olga e Fátima derru- bassemtodasasbarreiras,inclusiveopreconceito,que para elas “tem a cor roxa”, e dessem a volta por cima. Elas conseguiram colorir a vida com os lápis da ima- ginação, decorando cada cor. Aliás, elas também têm preferência de cor. Olga diz que “cor é conceito”. Sabe que “o verde é calmo, o vermelho é quente, o preto é sóbrio.Éassimqueescolhominhasroupasesapatos”. Por onde quer que vá, ela é reconhecidamente umamulhereleganteebemvestida,quefazadiferen- ça. É um exemplo a ser seguido por qualquer um que queira ter uma vida bela, colorida e feliz, principal- mente porque conseguiu chegar aonde queria. Rela- ções-públicas concursada do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), ela acaba de lançar o livro Em preto e branco, para contar a história dela e da irmã, os avanços conquistados com o surgimento das len- tes tingidas. E destacar as cores mais vivas e brilhan- tesdavidadelaedairmã–ospais,Serafim,de90,eOl- ga, de 87, que “sempre nos trataram como pessoas normais,semqualquerconcessão.Elesforamrespon- sáveis pelo nosso sucesso, pois não permitiram que a gente tivesse uma vida diferente de ninguém. Que- riam que fôssemos capazes e independentes. E acho que conseguimos”, brinca. DÉA JANUZZI ❚ LEIA MAIS SOBRE ACROMATAS PÁGINAS 3 E 4 ❚ NIKOLAISOROKIN
  21. 21. Kenjutsu trabalha disciplina, autocontrole, redução de estresse e traz outros benefícios por meio de técnicas criadas pelos samurais. ARTE MARCIAL PÁGINA 5 CRISTINA HORTA/EM/D.A PRESS BEMVIVER ESTADODEMINAS ● D O M I N G O , 1 1 D E O U T U B R O D E 2 0 0 9 ●EDITORA-ASSISTENTE: Teresa Caram ●SUBEDITORA: Ellen Cristie ● E - M A I L : b e m v i v e r . e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 7 8 4 TRANSFORMAÇÕESTRAZIDASPELA GESTAÇÃO NÃO PERTURBAM AS MULHERESVAIDOSAS,QUE SE SENTEMBELAS, PLENASEPODEROSAS GRÁVIDA E SENSUAL DÉA JANUZZI O corpo ganha novos contornos, o metabolismo sealtera,aomesmotempoemqueasemoçõesgalo- pamdentrodacabeçadafuturamãe.Cuidardocor- poedaaparência,terbonshábitosdesaúdesãoma- neiras de manter a sensualidade em alta. As trans- formações trazidas pela gravidez não precisam per- turbarasmulheresvaidosas.Mitoscomocomerpor dois e não se preocupar em engordar nesta fase, es- conder a barriga em roupas largas e pouco atraen- tes caíram por terra. Barriga de grávida combina com sensualidade sim!ÉoquemostraFláviaNunesThomazi,de30anos já no sétimo mês de gestação (foto),. “Sinto-me uma grávidalinda,principalmenteporquesemprequisser mãe.Minhaprimeiragravidezmedeixaplena,felize realizada. A sensação é de que estou até mais dispos- tadoqueantes.Sóengordeiostrêsquilosdabarriga, não tive enjoos, varizes, azia nem estrias, mas estou cuidando mais de mim agora doque antes.” Com uma leve cor dourada por causa das ca- minhadas na Praia de Camburi, em Vitória, Espí- rito Santo, onde mora, Flávia garante que mudou toda sua alimentação, aumentando a quantida- de de líquidos, verduras, legumes e sucos natu- rais. “Até comprei uma centrífuga para experi- mentar novas combinações de frutas. Cortei açú- car, frituras e guloseimas”, conta. Ela espera Gus- tavo nascer em dezembro como quem realiza um de seus maiores sonhos. Flávia sempre teve o corpo em forma: 1,60 me- tro para 57 quilos. No sétimo mês de gestação, ela está pesando 60 quilos com tudo em cima. “Sem- pre fui muito vaidosa e quase não perdi minhas roupas porque não engordei muito. Não deixo de fazer as unhas dos pés e das mãos, de cuidar dos ca- belos e acrescentei sessões demoradas de creme no corpo, coisa que não fazia antes. Passo horas me lambuzando de creme”, garante. ❚ ❚LEIA MAIS SOBRE GRAVIDEZ PÁGINAS 3 E 4 FOTOCARLAFALCE
  22. 22. BEMVIVER Saiba como cuidar dos cabelos, especialmente depois de voltar da praia. BELOS E COM BRILHO PÁGINA 6 ESTADO DE MINAS ● D O M I N G O, 7 D E F EV E R E I R O D E 2 0 1 0 ● E D I TO R A - A S S I ST E N T E : Te r e s a C a ra m ● S U B E D I TO R A : E l l e n C r i s t i e ● E - M A I L : b e m v i v e r. e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 7 8 4 CARGA EXPLOSIVA MÁRCIA MARIA CRUZ E FREDERICO BOTTREL ‘‘S ão quatro dedos abaixo do om- bro." Simples assim, o vendedor da loja de suplementos, na Re- gião Leste de Belo Horizonte, re- sume as instruções de uso casei- ro para injeção do Nandrolone Decanoate, hor- mônio masculino teoricamente vendido sob prescrição médica e retenção da receita, para controle do consumo. Mas, na loja, o Deca não está na prateleira e o que o vendedor menos precisa é da receita. Isso, porém, não significa que a compra é totalmente irrestrita. Para ter acesso ao vidro de 2 mililitros vendido a R$ 60, o Bem Viver infiltrou-se em redes de conexões próprias ao local de venda. Só compra quem é amigo de amigo. "Se você é frango, nem adian- ta, porque você não vai conseguir comprar", diz um jovem em vídeo disponível no YouTube, em que descreve sua "jantinha", mostrando as substâncias esteroides que ingere para ter o corpo que tem. Tudo à margem da Lei Federal nº 9.965, de 27 de abril de 2000, que não deixa dúvidas quanto ao procedimento para a compra de esteroides ou peptídeos anabolizantes no Brasil: "A receita (…) deverá conter a identificação do profissional, o número de registro no respectivo conselho pro- fissional (CRM ou CRO), o número do cadastro da pessoa física (CPF), o endereço e telefone profis- sionais, além do nome, endereço do paciente e número do Código Internacional de Doenças (CID), devendo a mesma ficar retida no estabele- cimento farmacêutico por cinco anos". Isso porque, embora banalizado em algumas academias, e prescrito por profissionais despre- parados, vendido e defendido na internet, o uso das populares "bombas" é extremamente pre- judicial à saúde, como explica o médico endo- crinologista Márcio Weissheimer Lauria, dire- tor científico da Sociedade Brasileira de Endo- crinologia e Metabologia – regional Minas Ge- rais: "Bomba é um termo genérico para qual- quer substância que permite ganho de massa muscular. As mais conhecidas contêm hormô- nios (anabolizantes-esteroides) derivados da testosterona. Elevação da pressão arterial, au- mento do colesterol ruim, lesões graves no fí- gado, acne, atrofia dos testículos, diminuição da produção de espermatozoides, infertilidade, impotência sexual e aumento no risco do cân- cer de próstata são algumas das reações adver- sas, no caso dos homens". Nesta edição do Bem Viver, a reportagem in- filtrou-se no mercado ilícito da compra e venda de esteroides anabolizantes, além de procurar entender, junto a especialistas e usuários, o sig- nificado do fenômeno, comum entre pessoas de 18 a 34 anos. Conversas na academia, compras na loja de suplementos e na internet revelam um universo paralelo que parece tornar o uso de tais substâncias bem mais tranquilo do que de fato é. Com a exposição das técnicas de uso na internet e a relativa facilidade das compras, fica até a sensação de que se trata de prática tão na- tural que parece livre de repressão ou conse- quências graves – pelo menos até o aparecimen- to das reações adversas. LEIA MAIS SOBRE ANABOLIZANTES PÁGINAS 3 E 4❚ ❚ Para ter o corpo perfeito, homens usam anabolizantes e outras drogas, compram produtos ilegalmente e causam sérios danos ao organismo AGÊNCIA O DIA/DIVULGAÇÃO
  23. 23. BEMVIVER ESTADODEMINAS ● D O M I N G O , 9 D E N O V E M B R O D E 2 0 0 8 ●EDITORA-ASSISTENTE: Teresa Caram ●SUBEDITORA: Ellen Cristie ● E - M A I L : b e m v i v e r . e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 7 8 4 O CORPO E O BELO Pedro Paulo Monteiro, gerontólogo, fala sobre o culto à beleza e o valor de se envelhecer. PÁGINA 6 ANDRÉ CARVALHO/DIVULGAÇÃO ❚ ❚LEIA MAIS SOBRE JOGOS DA VIDA PÁGINAS 4 E 5 AVIDA É UM JOGO?ASRELAÇÕESPESSOAISPODEMOUNÃO ENVOLVERESTRATÉGIAS,PACIÊNCIA ESEDUÇÃO,MASCABEACADA UMTRAÇAROPRÓPRIOCAMINHO DÉA JANUZZI Imagine que o tabuleiro de xadrez é o cenárioondesedesenrolaavida,equevo- cêtemquemoveraspeçasdeacordocom as possibilidades de cada uma delas. Cada jogada gera uma conseqüência. Não me- nospreze o adversário, porque ele pode ser ainda mais inteligente do que você e o deixarencurralado,sempossibilidadesde se mexer. Paciência é tudo nessa hora. Pensenaestratégia,nasvariáveisdessajo- gada, antecipe-se. Tenha consciência de quedooutroladotemalguémesperto,sa- gaz, tão bom quanto você, que está jogan- do para ganhar, mas pode perder tam- bém. Depois de horas, dias de planeja- mento, de raciocínio e de atenção, lá vem ele: xeque-mate! Na metáfora do jogo de xadrez, a vida se desenrola entre desafios, perdas e gan- hos, disputas. Para o psicanalista Lúcio Marzagão, “no mundo contemporâneo, a idéia do jogo tem uma conotação pejora- tiva, pois, em maior ou menor grau, é ma- nipulativa e põe as interlocuções e as re- lações dentro da perspectiva de quem ga- nha ou perde. Ainda que tenhamos de ad- mitir que essas relações sejam perversas, a psicanálise pensa diferente”. O jogo ocorre no mesmo momento em que “duas ou mais pessoas se dis- põem a trocar posições e opiniões fazen- do uso da linguagem. Nesse sentido, a idéia de jogo combina necessariamente com a de que duas ou mais pessoas só po- dem se relacionar se aceitam as regras existentes na comunidade e na sociedade em geral. O jogo, então, se reveste de um caráter não só necessário para a sustenta- ção e a existência da comunidade huma- na, como não apresenta qualquer fator negativo”, diz. Que o digam o produtor gráfico José Nicolau Neto, de 51 anos, e a psicóloga e empresária Thais Simões de Freitas, de 33, que já sofreram as conseqüências dos jo- gosde poder. Osdois,em momentos dife- rentes, buscaram ajuda na terapia para que esse comportamento não se cristali- zasse e não se transformasse em estilo de vida. A solução para os dois veio com ses- sõesdepsicanáliseeapropostadequetra- balhassem os conflitos também por meio de um jogo – Tui, a arte de amar –, criado pelas médicas Ana Ester Nogueira e Acely Hovelacque. “É um jogo de tabuleiro para denunciarqueoamornãodeveserumjo- go.Podeinclusivemataresseamor”,expli- caapsiquiatraepsicoterapeuta Ana Ester. DEZPAIN/SXU
  24. 24. BEMVIVER Gilda Vaz Rodriguez reveza sessões de gyrotonic e Pilates. SENSAÇÃO DE PRAZER PÁGINA 3 ESTADODEMINAS ● D O M I N G O , 1 3 D E J U L H O D E 2 0 0 8 ●EDITORA-ASSISTENTE: Teresa Caram ●SUBEDITORA: Ellen Cristie ● E - M A I L : b e m v i v e r . e m @ u a i . c o m . b r ● T E L E F O N E : ( 3 1 ) 3 2 6 3 - 5 7 8 4 Processo de aposentadoria deve ser feito no decorrer da vida para evitar transtornos psicossociais, como baixa auto-estima, depressão ou até risco de morte É hora de pendurar as CHUTEIRAS!VANESSA JACINTO A tão sonhada aposentadoria, considerada por muita gente o remédio para curar males como a opressãonotrabalho,afaltadetempoedeliberdade para ir e vir, pode produzir graves efeitos colaterais, segundopesquisarecentedaUniversidadedeAtenas (Grécia). Contrariando a percepção generalizada de quependuraraschuteiraslevariaaumamelhorada qualidade de vida, o estudo mostra que, na verdade, asaposentadoriaspodemfazermuitomalàsaúde. Para chegar a essa conclusão, Christina Bamia, coordenadora do estudo, acompanhou cerca de 17 mil homens e mulheres num período de quase oito anos. Os participantes não tinham doenças prévias, comoascardiovasculares,diabetesoucâncereforam feitos ajustes estatísticos para que condições como tabagismo,obesidadeesedentarismonãoinfluenci- assem os resultados. De acordo com as análises, os aposentadosapresentaramriscodemorte51%maior doqueosquecontinuaramtrabalhando. Observou-setambémqueoriscocrescenapro- porção inversa à idade do aposentado, ou seja, quanto mais jovem, maior chance de morte. Entre osparticipantesquetinhammenosde55anos,por exemplo,9%dosaposentadosmorreramnodecor- rer do estudo, contra apenas 1% entre os que se mantiveram trabalhando. Para a pesquisadora, a aposentadoria precoce seria,então,umfatorderiscodemortalidade,prin- cipalmentedecorrentededoençascardiovasculares empessoasaparentementesaudáveis.Emboranão haja dados suficientes no estudo para explicar o que levaria a essa associação, ela levanta suspeitas de que perdas econômicas, o abandono de hábitos saudáveis ou a adoção de hábitos prejudiciais à saúde, além de fatores psicossociais (como sen- sação de menos-valia ou baixa auto-estima), este- jam por trás dos piores quadros. Por aqui, os especialistas consideram que, para nãosersinônimodedoença,oprocessodeaposen- tadoriadeveestaratreladoaplanejamentoeinves- timentos que devem ser feitos ao longo da vida. Deixarparapensarnoassuntoàsvésperasdatran- sição pode pôr tudo a perder e transformar em problema o que deveria significar um ganho. Na verdade, não é a aposentadoria que mata. O ócio, a falta de projetos e de perspectivas, o aban- donototaldashabilidadesepotencialidades,asen- sação de inutilidade, são, segundo a psicóloga Jacqueline Alves, os verdadeiros vilões dessa fase. “Aposentarsãosignificacruzarosbraçosparavera vida passar. Ao contrário, deve ser a oportunidade, finalmente dada a cada um, de experimentar o novo e de pôr para fora tudo aquilo que tem de melhor”, diz. ❚ ❚LEIA MAIS SOBRE APOSENTADORIA PÁGINAS 4 E 5 MARIA TEREZA CORREIA/EM/D. A PRESS ARTEDEJANEYCOSTAEJÚLIOMOREIRASOBREFOTODEPEDROIGNÁCIOLOYOLAFROTA/SXU

×