Leitura de informação

1.639 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leitura de informação

  1. 1. Leitura e (i)literacia.Da leitura à sistematização da informação 17 de outubro de 2011Práticas Textuais, 2011-2012 1º semestreMaria Antónia Coutinho acoutinho@fcsh.unl.pt
  2. 2. Alfabetização e (i)literacia• Alfabetização • Relaciona-se com o • Literacia ensino / a • Capacidade de usar aprendizagem da as competências de leitura, da escrita e leitura, de escrita e do cálculo de cálculo aprendidas• ‘Novo analfabetismo’ ou analfabetismo funcional • Uma nova realidade • a iliteracia informática
  3. 3. Literacia de leitura• PISA – Programme for International Student Assessment • Relaciona-se com o ensino / a aprendizagem da leitura, da escrita e do cálculo• “O PISA define literacia de leitura como «a capacidade do indivíduo de compreender, usar, reflectir sobre e se envolver com textos escritos, de forma a alcançar os seus objectivos, desenvolver o próprio conhecimento e potencial e participar na sociedade» (OCDE, 2010, p. 14)” Lumley, 2010: 8, sublinhado meu
  4. 4. Literacia de leitura• PISA – Programme for International Student Assessment • Relaciona-se com o ensino / a aprendizagem da leitura, da escrita e do cálculo• “O PISA define literacia de leitura como «a capacidade do indivíduo de compreender, usar, reflectir sobre e se envolver com textos escritos, de forma a alcançar os seus objectivos, desenvolver o próprio conhecimento e potencial e participar na sociedade» (OCDE, 2010, p. 14)” Lumley, 2010: 8, sublinhado meu
  5. 5. Literacia de leitura Lumley, 2010: 8
  6. 6. Da leitura à sistematização da informação(van Dijk, 1981)
  7. 7. Macroestruturas textuaisMacroestruturas (semânticas)  estruturas globais relativas ao conteúdo da informação Géneros de texto  estruturas globais de natureza esquemática, relativas à forma dos textos
  8. 8. Macroestruturas (semânticas) Constituem uma conceptualização teórica daquilo aque nos referimos empiricamente quando dizemosque um determinado texto trata de…(isto ou daquilo) Correspondem a uma representação semântica(uma proposição) que dá conta do conteúdo globaldo texto (ou de partes do texto) isto é, uma proposição que, por dar conta do conteúdo a um nível global, é considerada um macroproposição
  9. 9. Macroestruturas (semânticas) Correspondem a uma espécie de formulação (de tipoproposicional) que muito frequentemente não é explicitada  como tal, não passa para a linearidade do texto (razão pela qual é dita “abstracta”);  há no entanto muitas situações em que é conveniente ou mesmo necessária a formulação explícita de macroestruturas (cf. exemplos à frente)
  10. 10. Macroestruturas (semânticas) Assumem importantes funções de naturezacognitiva, tanto do ponto de vista da interpretaçãocomo da produção textual:  reduzir e (re)organizar a informação  assegurar que a informação funciona como um todo coerente  facilitar a reutilização eficiente em tarefas posteriores  por exemplo, a memorização, a resposta a perguntas, o resumo e a paráfrase
  11. 11. Funcionamento das macroestruturas Macrorregras de tipo inferencial que actuam sobre o conteúdo semântico, derivando macroestruturas de microestruturas As macrorregras podem funcionar  em termos de redução, se conduzem a perdas de informação;  em termos de construção, se combinam a informação de forma a obter novas e (mais) complexas unidades de informação
  12. 12. Macrorregras De anulação ou apagamento  omitir (formulada em termos negativos): “suprimir, numa sequência de proposições, todas as proposições que não são condição para a interpretação das proposições que se seguem no texto” (van Dijk, 1981-s/d: 66)  seleccionar (a correspondente, em termos positivos): escolher e manter as proposições que condicionam a interpretação do que se segue. de construção:  generalizar ou integrar : substituir uma sequência de proposições por uma formulação (macroproposição) que as contenha ou que remeta globalmente para o mesmo acontecimento
  13. 13. Macrorregras de anulação ou apagamento  omitir (formulada em termos negativos)  seleccionar (a correspondente, em termos positivos) de construção:  generalizar ou integrar : substituir uma sequência de proposições por uma formulação (macroproposição) que as contenha ou que remeta globalmente para o mesmo acontecimento  substituição de enumerações ou séries por elementos supra- ordenados: substituir elementos (ou listas / grupos de elementos) por outros mais gerais que os incluem (rosas, cravos, malmequeres, …→ flores)  substituir um bloco (conjunto de frases, parágrafo ou parágrafos) por uma formulação mais geral que inclua a informação necessária (caminharam depressa…atravessaram a rua…voltaram para casa → voltaram para casa)  (…)
  14. 14. Carácter relativo das macroestruturas O que é macroestrutura num texto pode corresponder a uma microestrutura num outro texto Para um mesmo texto podem identificar-se diferentes níveis macroestruturais  em função dos sujeitos que realizam a tarefa  em função dos objectivos associados à tarefa
  15. 15. Carácter relativo das macroestruturas Não significa admitir que as macroestruturas variem de forma completamente arbitrária  o entendimento fundamentalmente cognitivo das estruturas textuais globais deve ser complementado tomando em consideração a vertente social necessariamente associada ao uso da linguagem e à interacção;  em última análise, a dimensão social determina e regula o tratamento cognitivo da informação
  16. 16. Contração de texto / Resumo de texto Contracção de texto  Assente nas macrorregras de anulação ou apagamento Resumo  Condensação da informação através das macrorregras de construção
  17. 17. Contração de texto / Resumo de texto Contracção de texto  Que fronteiras entre a contracção de texto e o plágio?...  Contrair o seu próprio texto (e não o dos outros!) Resumo  Para quem? Porquê? O quê?
  18. 18. Resumir…para quê? E para quem?“(…) o que conta, num texto, como de resto no seu sentido e na suacoerência (cf. Charolles, 1989) não está inscrito nele. É importanteo que é julgado como tal por aquele que resume, consideradoimportante por aquele a quem o resumo se dirige. Daqui decorreque resumir um texto é uma actividade argumentativa, isto é, quepretende intervir sobre o destinatário. Seja – mas intervir com queobjectivo? Eu diria que o objectivo geral é ajudar o leitor doresumo a responder a uma questão que se supõe que se lhecoloca e é por isso que os apontamentos de aulas que tomamospara nós próprios são frequentemente de uma total inutilidade paraoutra pessoa qualquer.”Grize 1992 : 56 (destaque meu)
  19. 19. Macroproposições (implícitas) XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXX
  20. 20. Formulação de macroproposições XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Reformulação 1 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXX Reformulação 4 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Reformulação 2 Reformulação 5 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX (título?) XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Reformulação 3 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXX

×