Jesus cristo é o caminho

1.018 visualizações

Publicada em

Jesus o verdadeiro Caminho

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.018
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jesus cristo é o caminho

  1. 1. "O homem, nascido de mulher, vive breve tempo, cheio de inquietação" (Jó 14:1). Estas palavras, ditas milhares de anos atrás, expressam o sentimento de muitos dos que vivem hoje em dia. Agora, contudo, há uma saída: Jesus Cristo. Ele disse de si mesmo, "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida" (João 14:6). Para tudo que é verdadeiramente bom, tanto nesta vida como na vida vindoura, Jesus Cristo é o caminho. Seguir a Jesus como "o caminho" significa mais do que só louvá-lo com nossos lábios. Ele disse: "Por que me chamais 'Senhor, Senhor,' e não fazeis o que vos mando?" (Lucas 6:46). "Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos" (João 8:31). A vida e o ensinamento de Jesus são encontrados nos primeiros quatro livros do Novo Testamento: Mateus, Marcos, Lucas e João. Outros livros do Novo Testamento são também o ensinamento de Jesus, pois ele revelou-o pelo Espírito Santo, através de homens como Pedro e Paulo. Paulo escreveu: "Se alguém se considera profeta ou espiritual, reconheça ser mandamento do Senhor o que vos escrevo" (1 Coríntios 14:37). Seguir Jesus como o caminho, portanto, exige um estudo cuidadoso do Novo Testamento e um esforço determinado para viver como ele ordena.
  2. 2. Jesus declarou o propósito de sua vinda à terra com as seguintes palavras: "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" (João 10:10). Jesus providencia esta vida melhor, oferecendo a solução para os problemas que tornam a vida difícil: culpa, insatisfação e medo. Ele não promete riqueza ou luxo, mas nos conforta com uma mensagem de um Pai amoroso no Céu, que cuida de seus filhos e que proverá as coisas de que eles verdadeiramente necessitam. "Portanto, não vos inquieteis, dizendo 'Que comeremos?'. . . Pois vosso Pai celestial sabe que necessitais de todas estas coisas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" (Mateus 6:31-33). As pessoas mais felizes no mundo são aquelas que mais completamente se dedicam a seguir Jesus como o caminho. "No qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória" (1 Pedro 1:8).
  3. 3. O pecado é uma ameaça mais séria contra nosso bem-estar do que qualquer perigo físico, econômico ou social, que enfrentemos. Entretanto, todos nós somos culpados de pecado e incapazes, por nós mesmos, de remover sua mancha. O pecado é violação da lei de Deus e somente Deus pode perdoá-lo. Ele providenciou nosso perdão através de Jesus. "No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça" (Efésios 1:7). "Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados" (1 Pedro 2:24). Depois de seu sacrifício por nós, Jesus explicou como aqueles que estão perdidos no pecado podem ter a remissão dos pecados e serem salvos. "Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém" (Lucas 24:46,47). "Quem crer e for batizado ser salvo" (Marcos 16:16).
  4. 4. As pessoas perdidas necessitam mais do que perdão dos pecados. Elas precisam de recuperação daquela íntima união com Deus que perderam por seu pecado. Enviando Jesus ao mundo, ""Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo" (2 Coríntios 5:19). Jesus declarou que só se pode chegar a Deus através dele. Ele disse: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6).
  5. 5. Muitos dos que desejam seguir a Cristo são repelidos pela multidão de igrejas e de doutrinas conflitantes ensinadas por aqueles que professam ser cristãos. Não precisamos fazer parte desta confusão. Jesus não a aprovou. Em Mateus 16:18, Jesus prometeu:" "Edificarei a minha igreja." Lemos sobre o começo de sua igreja em Atos, capítulo 2. "Acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos" (Atos 2:47). O Senhor está ainda acrescentando à sua igreja aqueles que estão sendo salvos. Se somos salvos, estamos em sua igreja e unidos com todos os outros que nela estão. "Há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos" (Efésios 4:4-6). É bom para nós adorarmos e trabalharmos com outros indivíduos salvos, que são ligados conosco em Cristo por estes laços da união. Mas, se ingressamos em outro corpo (denominação), aceitamos outro senhor (autoridade religiosa) ou aderimos a outra fé (credo), estamos deixando a unidade pela qual Jesus orou, em João 17:20,21.
  6. 6. "Aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disso, o juízo" (Hebreus 9:27). A morte é a porta, tanto do céu como do inferno. Morrer em Jesus é morrer no caminho para o céu. "Então, ouvi uma voz do céu, dizendo, Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham" (Apocalipse 14:13). "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras [no sangue do Cordeiro], para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas" (Apocalipse 22:14).
  7. 7. Seguir Jesus como o Caminho significa seguir seu exemplo e ensinamento. Ele disse: "Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos" (João 8:31). Jesus censurou as pessoas do seu tempo que diziam aceitá-lo como Senhor, mas negligenciavam seu ensinamento. "Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?"(Lucas 6:46). A Bíblia é a única fonte confiável de informação sobre Jesus. Produtores de filmes e autores de romances tomam muitas liberdades ao contarem histórias sobre ele. Muitos pais e conhecidos que nos falam sobre Jesus jamais fizeram um estudo sério da Bíblia. Freqüentemente, pregadores e professores que estudaram a Bíblia por muitos anos, acrescentam tantas das próprias opiniões e filosofias, que dificilmente podemos saber o que é da Bíblia e o que não é. O fato de que eles diferem tão largamente é prova de que muitos estão enganados. É essencial, então, que cada um de nós faça seu próprio estudo da fonte original da verdade sobre Jesus.
  8. 8. A Bíblia está dividida em duas partes principais, o Velho Testamento e o Novo Testamento. A escrita do Velho Testamento foi completada 400 anos antes de Jesus nascer; entretanto, contêm muitas coisas sobre ele. O Velho Testamento nos dá vislumbres de Jesus, num estado pré-carnal. Quando Deus estava a ponto de fazer o homem, ele disse a outro ser divino:"Façamos o homem à nossa imagem" (Gênesis 1:26). O Novo Testamento identifica este ser divino como "o Verbo." "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez" (João 1:1-3). O Velho Testamento profetiza seu nascimento de uma virgem. "Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel" (Isaías 7:14). O nome Emanuel significa "Deus conosco" (Mateus 1:23). O Velho Testamento até prediz o lugar de seu nascimento em Miquéias 5:2.
  9. 9. O Novo Testamento registra o cumprimento das predições do Velho Testamento. João testifica: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai" (João 1:14). Quatro escritores dão relatos sobre sua vida. Estes relatos são chamados comumente os Evangelhos, uma palavra que significa "boas novas." Cada um dos escritores parece ressaltar alguma coisa diferente sobre Jesus. Mateus frisa seu ensinamento, especialmente aquele relativo ao "Reino do céu." Marcos apresenta os milagres de Jesus, mostrando seu poder. Lucas parece sublinhar a perfeita humanidade de Jesus sem desvalorizar sua divindade. João parece realçar a perfeita divindade de Jesus, sem desvalorizar sua humanidade. Ninguém pode conhecer Jesus, o caminho, se não tiver lido estes registros cuidadosamente. Lendo-os, podemos até ser surpreendidos ao ver o quanto Jesus difere daquele ser imaginário, que foi criado em nossas mentes pela má informação tão comumente circulada entre nós.
  10. 10. Os evangelhos não contêm todo o ensinamento de Jesus. Eles relatam somente o que ele ensinou quando estava na terra. Isto tinha que ser limitado ao que seus discípulos poderiam compreender, no pouco tempo em que Jesus esteve com eles. Antes que ele os deixasse, contou-lhes a maneira pela qual continuaria a falar-lhes: "Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará , porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar" (João 16:12- 14). O Espírito Santo veio sobre eles logo depois que Jesus retornou ao Céu. "Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedeu que falassem" (Atos 2:4). Isto significa que o ensinamento e os escritos dos apóstolos inspirados, que encontramos no restante do Novo Testamento, são o ensinamento de Jesus tanto quanto o que lemos nos evangelhos. O apóstolo Paulo escreveu: "Se alguém se considera profeta ou espiritual, reconheça ser mandamento do Senhor o que vos escrevo" (1 Coríntios 14:37).
  11. 11. A revelação de Jesus e seu ensinamento no Novo Testamento é completa. Os escritores advertiram: "Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema"(Gálatas 1:8). O escritor do último livro do Novo Testamento dá este aviso: "Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro"(Apocalipse 22:18).
  12. 12. Ainda que muitas coisas sobre Jesus foram preditas e prefiguradas no Velho Testamento, é no Novo que Deus nos fala através dele. "Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho"(Hebreus 1:1,2). Isto significa que não devemos voltar ao Velho Testamento para aprender como seguir Jesus, o caminho. A lei do Velho Testamento foi dada simplesmente para conduzir homens a Jesus. "De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé. Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio"(Gálatas 3:24,25).
  13. 13. A vida boa é resumida melhor, provavelmente, na palavra FELICIDADE. Entretanto, quando pensamos em vida boa, pensamos geralmente em prosperidade material, em prazer e em popularidade. É porque supomos que estas são as coisas que trazem felicidade. Jesus rejeita esta suposição. Ouça-o: "Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui" (Lucas 12:15). "Ai de vós, os que estais agora fartos! Porque vireis a ter fome. Ai de vós, que agora rides! Porque haveis de lamentar e chorar. Ai de vós, quando todos vos louvarem! Porque assim procederam seus pais com os falsos profetas" (Lucas 6:25-26). As nossas próprias observações concordam que muitas pessoas ricas e famosas não são felizes. Apesar disso, continuamos a buscar estas coisas e, freqüentemente, ficamos desapontados quando Jesus não as dá para nós. Se Jesus oferecesse estas coisas como o caminho para uma vida melhor, ele seria um fracasso.
  14. 14. Deus deu ao homem uma vida boa, bem no princípio dos tempos. Mas o homem perdeu-a quando pecou. Com o pecado veio a culpa, o medo, a dor e a morte. O pecado ainda é o devastador. Jesus disse: "Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem" (Marcos 7:21-23). Não é verdade que muita infelicidade que temos conhecido está ligada justamente a pecados como estes? É somente abandonando o pecado que podemos ter esperança de encontrar a felicidade. "Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente; aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la" (1 Pedro 3:10-11). Somente estudando a Lei de Cristo podemos reconhecer o pecado. ". . . o pecado é a transgressão da lei" (1 João 3:4). Somente seguindo o perfeito exemplo de Jesus podemos evitar o pecado. "Pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca" (1 Pedro 2:21-22). Imagine uma vida sem culpa, sem medo, sem a ansiedade que sempre acompanha uma vida de pecado! Aqui, na verdade, está a paz que ultrapassa o entendimento.
  15. 15. A meta de um mundo infeliz é o tesouro material. Jesus diz: "Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu" (Mateus 6:19-20). Os homens ficam ansiosos para receber, mas relutantes em dar. Jesus diz: "Mais bem-aventurado é dar que receber" (Atos 20:35). Os homens consideram um símbolo da vida boa quando são servidos. Jesus diz: "Quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva . . . tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir" (Mateus 20:26,28). As metas que o mundo estabelece são alvos que muitos jamais poder o atingir. Sua realização não assegura felicidade e aqueles que falham em atingi-las tornam-se mais angustiados por seus insucessos. Mas quando nossas metas são mudadas, poderemos estar contentes sem estas coisas que o mundo considera essenciais; elas já não são mais as coisas que estamos buscando. Nosso contentamento e felicidade vêm com a realização de nossos novos objetivos, e sua realização está ao alcance de todos. Todos podem juntar um tesouro no céu, todos podem dar, todos podem ser servos. Se houver qualquer dúvida de que isto traz mesmo a felicidade, basta olhar para qualquer indivíduo que você conheça que esteja realmente praticando isto. Mas, maravilha das maravilhas, ainda há MAIS:
  16. 16. Uma vez que aprendermos a não tornar nossas metas em coisas materiais, prazer e fama, Jesus nos dá uma porção inesperada destas mesmas coisas! Ouça-o: "Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? ou, Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas cousas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas. Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" (Mateus 6:31-33). "Dai, e dar-se-vos-á ; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão" (Lucas 6:38). "Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado" (Lucas 14:11).
  17. 17. Não podemos jamais saber todos os modos pelos quais o Senhor cumpre Suas promessas. Mas um deles é através da simples sabedoria de Suas instruções. Conhecendo o homem como conhece, e amando o homem como ama, Ele nos pede somente aquelas coisas que são boas para nós; e proíbe somente as que nos são prejudiciais. Nossa saúde é melhor quando vivemos a vida pura que Jesus ensina. Estamos melhor, financeiramente, porque somos melhores trabalhadores e não temos mais que pagar o alto preço do pecado. A vida familiar é melhor quando aprendemos a pensar primeiro nos outros. E, independente dos problemas e transtornos que ainda teremos que enfrentar, enfrentamo- los com Jesus e com a esperança do céu.
  18. 18. Muitas pessoas pensam que o pecado não é nada mais do que uma violação das relações humanas. Elas consideram um ato como pecaminoso somente quando é desaprovado pela sociedade, se viola sua própria consciência, ou se é prejudicial a alguém. Para tais pessoas, corrigir o pecado não é nada mais do que acertar as coisas com as outras pessoas. Quando isto é feito, elas se sentem libertas, tranqüilas. Mas o pecado é mais do que isto. O pecado é qualquer desvio da vontade de Deus. "Toda injustiça é pecado" (1 Joáo 5:17). Pode ser por fazer o que Deus desaprova. "Toda aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei" (1 Joáo 3:4). Ou pode ser por deixar de fazer o que é direito. "Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz nisso está pecando" (Tiago 4:17). O mais grosseiro comportamento para com outro ser humano é pecado somente porque viola a lei de Deus. Depois de cometer adultério e homicídio, Davi escreveu num salmo a Deus: "Pequei contra ti, contra ti somente, eu fiz o que é mal perante os teus olhos" (Salmo 51:4). Isto significa que o pecado é mais sério do que muitas pessoas percebem e explica a penalidade que se segue: "Porque o salário do pecado é a morte" (Romanos 6:23). Significa, também, que nenhum homem é perdoado enquanto tudo não estiver de acordo com Deus.
  19. 19. Tornar um pecador justo com Deus não é fácil, nem mesmo para Deus. Deus é perfeitamente SANTO, e a santidade torna qualquer trégua com o pecado impossível. "Amas a justiça e odeias a iniqüidade" (Salmo 45:7). Deus é infinitamente JUSTO, e a justiça exige que ele castigue o pecado com a pena que sua justiça prescreve para o culpado: a morte. "Ninguém vos engane com palavras vãs; porque, por essas cousas, vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência" (Efésios 5:6). Estes fatos envolvem o homem num terrível apuro. Ele é um pecador. A própria natureza de Deus demanda a separação do homem e a punição dele pela morte. O homem é incapaz de resolver o problema. Ele não pode negar o fato que é um pecador; e nenhuma boa obra que ele faça o fará inocente. Um homem que cometeu um homicídio não descoberto não se torna inocente se viver o resto de sua vida dentro da lei. Fazer outras coisas que Deus exige não nos dá credito para abater a dívida dos nossos pecados. Uma vez pecadores, somos como mortos. "Assim também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer" (Lucas 17:10).
  20. 20. "Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo,--pela graça sois salvos" (Efésios 2:4-5). O amor e a graça de Deus não comprometem sua santidade ou justiça. Ele aplicou o golpe que a Justiça requeria. Mas seu amor providenciou seu próprio Filho como um escudo para receber o golpe em lugar do homem pecador. "Ele foi cortado fora da terra dos viventes; por causa da transgressão o do meu povo, foi ele ferido" (Isaías 53:8). Estas palavras, escritas centenas de anos antes de Cristo, foram cumpridas com sua morte na cruz. Um escudo de proteção contra o castigo é chamado uma propiciação. "E ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro" (1 João 2:2). Verdadeiramente, Jesus é o caminho para o perdão dos pecados. "No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça" (Efésios 1:7).
  21. 21. Ainda que Cristo seja a propiciação para "os pecados do mundo inteiro", nem todos serão salvos por ele. "E, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem" (Hebreus 5:9). Obedecer a Cristo requer CRER, tendo FÉ nele. Se ele é O CAMINHO, temos que depositar nossa confiança nele. "Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa" (Atos 16:31). É claro que esta fé tem que ser forte o bastante para criar em nós uma resolução de abandonar o pecado. Isto é ARREPENDIMENTO. "Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda a parte, se arrependam" (Atos 17:30). Nossa fé tem que ser bastante forte para nos levar a CONFISSÃO pública. "Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação" (Romanos 10:10). E temos que crer suficientemente para sermos BATIZADOS. "Quem crer e for batizado ser salvo; quem, porém, não crer será condenado" (Marcos 16:16). Este batismo nos põe em Cristo onde somos filhos de Deus pela fé. "Pois todos vós sois filhos de Deus, mediante a fé em Cristo Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes" (Gálatas 3:26-27). É quando somos sepultados com Cristo no batismo que Deus dá a vida. "Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida" (Romanos 6:4). Uma vez que estamos em Cristo e temos esta nova vida, estamos continuamente perdoados, enquanto "andamos na luz" da verdade e da justiça. "Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 Joáo 1:7).
  22. 22. Com sua morte na cruz, Jesus tornou possível o perdão de nossos pecados. Quando pecados são perdoados, não mais somos objetos da ira de Deus. "Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira" (Romanos 5:9). Mas precisamos de mais do que isto. Necessitamos da íntima amizade como existiu entre Deus e Adão antes da queda do homem.
  23. 23. Para existir uma relação íntima entre Deus e o homem, temos que entender Deus e sentir conforto na aproximação com ele. Isto não é fácil. Deus tem todo o poder, ilimitada sabedoria e santidade perfeita. Ele é o criador de todas as coisas, o sustentador de tudo e ele sabe de tudo. Ele é eterno, imortal e invisível. Ele é um Espírito (João 4:24) e, como espírito, não tem carne nem ossos (Lucas 24:39). Como pode um homem mortal e finito esperar compreender tal Deus? Contemplando sua natureza, o salmista escreveu: "Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir" (Salmo 139:6). Mas, se conseguíssemos compreendê-lo, como poderíamos jamais aproximar-nos dele? Sentimos a necessidade de um advogado para nos representar diante de um tribunal humano; muito mais ainda diante de Deus! Jó expressou esta necessidade num dos mais antigos livros da Bíblia: "Porque ele não é homem, como eu, a quem eu responda, vinda juntamente a juízo. Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos" (Jó 9:32-33). Jesus é este árbitro, este mediador. "Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" (1 Timóteo 2:5). Ele é qualificado para "pôr a mão sobre nós ambos" porque ele é o Filho de Deus (João 5:25), e também o Filho do Homem (João 5:27).
  24. 24. "Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou" (João 1:18). Paulo escreveu sobre Jesus: "Porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade" (Colossenses 2:9). Jesus é: "... o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser" (Hebreus 1:3).
  25. 25. Ao se tornar um homem, o Filho de Deus não somente revelou a Divindade em forma palpável, como também se tornou nosso irmão, de modo que ele possa representar-nos perante Deus. "Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as cousas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna" (Hebreus 4:15-16).
  26. 26. Através do bom trabalho de Jesus somos templo e sacerdócio de Deus. "Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus, por intermédio de Jesus Cristo" (1 Pedro 2:5). Somos filhos de Deus, em Cristo. "Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26). Quando Cristo está em nós, Deus está em nós. Jesus orou assim: "Eu neles e tu em mim" (João 17:23). Quando estamos em Cristo, estamos em Deus. "Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus" (Colossenses 3:3)
  27. 27. "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo" (Efésios 1:3). ". . . Ele nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor" (Efésios 1:4). "Nele temos redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça" (Efésios 1:7). "Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança" (Efésios 1:13-14). É somente em, e através de Jesus, que temos acesso a Deus em oração. Ele disse aos seus discípulos: "Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda" (João 15:16). Em Cristo, Deus concede a vida eterna. "E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está no seu Filho" (1 João 5:11).
  28. 28. "Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus, não tem a vida" (1 João 5:12). Jesus não hesitou em afirmar que é o único caminho a Deus: "Respondeu-lhe Jesus, 'Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6). Isto torna essencial que cada um de nós esteja em Cristo. Você está em Cristo? "Porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes" (Gálatas 3:27). "O que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho" (2 João 9). Podemos ajudá-lo a se unir com Cristo?
  29. 29. Quando Deus deu sua lei, através de Moisés, a Israel, ele não providenciou a divisão de seu povo em seitas e partidos. Mas, na época em que Jesus veio ao mundo, as seitas e os partidos estavam bem fixados. Havia fariseus, saduceus, essênios e, sem dúvida, outros. Supunha-se que todos os que eram sérios a respeito de religião, seriam associados a uma dessas seitas. A qual destes partidos Jesus pertenceu? Todos têm que concordar que ele não pertenceu a nenhum deles. Ele manteve sua independência; até o fim ele manteve relação com Deus sem pertencer a nenhuma seita. Por esta razão, todos se opunham a ele. Jesus não providenciou para que seus seguidores fossem divididos em seitas e partidos. Ele antes desejava que pudessem ser unidos. Depois de orar por seus apóstolos, ele acrescentou: "Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti; também sejam eles em nós" (João 17:20,21). Através dos anos, contudo, desenvolveram-se divisões e estas se perpetuaram pela escrita dos credos e da formação de organizações denominacionais. O resultado é que, agora, entre os seguidores que professam ser de Jesus, há muitos corpos (denominações), muitos senhores (autoridades religiosas), muitas fés (credos), e muitos batismos. Que diferente é a situação presente, da unidade descrita no Novo Testamento: "Há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos, e está em todos" (Efésios 4:4-6). Muitos, hoje em dia, lamentam a divisão entre os crentes e desejam que não existisse. Eles desejam a união de todas as grandes denominações e estão trabalhando diligentemente para esse fim. Mas admitem que, até que isto seja conseguido, não há nada que um indivíduo possa fazer a não ser juntar-se a uma das divisões existentes e manter um espírito bondoso e tolerante. Nada no ensinamento ou na prática de Jesus apóia esta concepção de unidade. Jesus não se encarregou de convocar uma conferência ecumênica designada a efetuar uma fusão dos fariseus, saduceus e essênios numa super-seita. Nem orou para que seus discípulos pudessem unir-se numa super-denominação. Ele orou, antes, para que os crentes individuais se unissem nele e no Pai. Seu ensinamento foi designado para trazer indivíduos de doutrinas e tradições dos homens para a simples palavra de Deus. Através de seu ensinamento e exemplo, ele certamente pode ser para nós O CAMINHO PARA SAIR DA CONFUSÃO RELIGIOSA.
  30. 30. Jesus prometeu construir sua própria igreja. Ele disse: "Sobre esta rocha edificarei a minha igreja" (Mateus 16:18). Ele prometeu construir só uma igreja e ela seria dele. A rocha sobre a qual ela tinha que ser edificada não era Pedro, mas a verdade que Pedro confessou: "Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo" (1 Coríntios 3:11). A palavra igreja significa "convocado". Pregando o evangelho no dia de Pentecoste, Pedro e os outros apóstolos "convocaram" aqueles que queriam crer em Jesus. "Ouvindo eles estas cousas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo" (Atos 2:37-38). "Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas" (Atos 2:41). Este foi o começo da igreja. Ela era composta por todos os que foram salvos por Jesus Cristo e continuou a crescer na medida em que outros eram salvos. "Acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos" (Atos 2:47). Grupos destas pessoas salvas se encontravam em várias cidades e cada grupo era uma igreja. Ainda que unidos em Cristo, eles eram independentes de qualquer associação ou federação humana. Cristo os dirigia através de seus apóstolos inspirados, ensinando-lhes como deveriam adorar e trabalhar juntos.
  31. 31. Se obedecermos às mesmas instruções que Pedro deu no Pentecoste, arrependendo-nos de nossos pecados e sendo batizados em nome de Jesus Cristo, nós também seremos salvos. Quando formos salvos, o Senhor nos acrescentará à sua igreja, como acrescentou aqueles cristãos. Eles não se ligaram a nenhuma outra organização religiosa; nem devemos nós nos ligar também. Em Cristo somos unidos com todos os outros que estão nele. Como membros da igreja do Senhor, temos que estudar cuidadosamente a descrição dessa igreja no Novo Testamento. Isto é encontrado no livro de Atos e nas cartas que se seguem a ele. Desde que os apóstolos foram guiados pelo Espírito Santo, podemos ficar certos de que as igrejas sob sua instrução eram exatamente o que Jesus queria que fossem. Se copiarmos essas igrejas primitivas, o Senhor se agradará de nós. Copiar uma igreja do Novo Testamento talvez não seja tão difícil como se pode imaginar. Talvez você possa encontrar um grupo independente de cristãos, seguindo o padrão do Novo Testamento, já fazendo reuniões em sua comunidade. Se não, apenas dois ou três que tenham o mesmo propósito comum podem encontrar-se e adorar juntos de modo aceitável. Nenhum grande edifício de igreja é necessário (Muitas igrejas nos tempos da Bíblia se reuniam nas casas, Romanos 16:5; 1 Coríntios 16:19). Nenhum sacerdócio ordenado por homens é necessário desde que todos os cristãos são sacerdotes (1 Pedro 2:5). Nenhum alvará de nenhuma organização é necessário porque a única afiliação é com o corpo de Cristo. Jesus disse: "Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou, no meio deles" (Mateus 18:20). Podemos ajudá-lo a tornar-se simplesmente um cristão?
  32. 32. Tanto a Bíblia como a experiência nos lembram de que a morte é certa. "E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo…" (Hebreus 9:27). O julgamento acontecerá quando Jesus voltar, e ele o descreveu: "Quando vier o Filho do homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda" (Mateus 25:31-33). Estes dois grupos irão para destinos muito diferentes.
  33. 33. As seguintes palavras descrevem o destino daqueles da esquerda. "Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos" (Mateus 25:41). "…é melhor entrares no reino de Deus com um só dos teus olhos do que, tendo os dois, seres lançado no inferno, onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga" (Marcos 9:47-48). "Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte" (Apocalipse 21:8). "Ninguém vos engane com palavras vãs; porque, por essas cousas, vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência" (Efésios 5:6). O aviso deste último versículo é apropriado ao nosso tempo. Para nossa geração, o inferno é uma brincadeira, considerado nada mais do que uma imprecação inofensiva. Mesmo entre aqueles que se dizem cristãos, há muitos que insistem que Deus é "bom demais" para mandar os homens para o inferno. Questionar a existência do inferno é, contudo, questionar a bondade de Deus, pois Deus é também bom demais para mentir. Jesus disse: "E irão estes para o castigo eterno" (Mateus 25:46). Quem crê em Jesus tem que acreditar que isto é verdade. O caminho para o inferno é fácil e popular. "Larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela" (Mateus 7:13). Não se tem que fazer perversidades para ir para o inferno. Pode-se ir para o inferno ao deixar de entrar no caminho do céu. A Bíblia descreve o fim do mundo, quando: "…do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder" (2 Tessalonicenses 1:7-9).
  34. 34. O homem não foi criado para passar a eternidade no inferno, mas para andar com Deus no paraíso (Gênesis 2:7-9). Quando o homem perdeu seu lar no Éden, pelo pecado, Deus iniciou um plano de redenção pelo qual ele pode ser perdoado e gozar um lar que é ainda melhor do que o Éden. Ao apóstolo João foi dada uma visão deste novo paraíso: "Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então ouvi grande voz vindo do trono dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povo de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras cousas passaram" (Apocalipse 21:2-4). Este é o paraíso ao qual o Rei convidará aqueles que estão à sua direita, dizendo: "Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo" (Mateus 25:34). Mas o triste fato é que poucos entrarão neste paraíso celestial. Porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela" (Mateus 7:14).
  35. 35. Aqueles que entrarão no descanso celestial depois do julgamento são aqueles que morrem em Jesus, porque ele é O CAMINHO. "Então, ouvi uma voz do céu, dizendo: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham" (Apocalipse 14:13). Se desejarmos estar entre os que morrem no Senhor, temos que estabelecer essa relação com ele enquanto vivemos. Isto não é realizado apenas por chamá-lo de "Senhor", mas obedecendo a vontade de Deus conforme revelada através do Senhor. Ele nos exortou: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus" (Mateus 7:21). Já aprendemos que a vontade do Pai para aqueles que crêemem Jesus é que eles se arrependam de seus pecados e sejam batizados em Cristo. "Porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes" (Gálatas 3:27). "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras [no sangue do Cordeiro], para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas" (Apocalipse 22:14). Tendo sido batizados em Cristo e vivendo como ele determina, podemos ter certeza que estamos no caminho para o céu. Se não estamos em Cristo, não estamos no caminho, pois, como o texto desta série nos assegura, ele é o único caminho.

×