SlideShare uma empresa Scribd logo
De Albert Einstein a
Marcelo Gleiser et al.
Plano da palestra
1) Faraday, Maxwell e a unificação da
   eletricidade e do magnetismo
2) Einstein e a relatividade geral
3) Força forte e unificação eletrofraca
4) Supercordas: o derradeiro sonho
   dos pitagóricos
5) O que é uma teoria científica
6) Marcelo Gleiser e a criação
   imperfeita

                                          2
-1-
Faraday, Maxwell e
  a unificação da
 eletricidade e do
   magnetismo
Os primórdios: Sir Isaac Newton et al.
●   1666: fugindo da Peste,
    refugia-se em Lincolnshire.
●   1687: publica “Philosophiæ
    Naturalis Principia
    Mathematica”, no qual
    apresenta as leis do
    movimento e a lei da
    gravitação universal.
Gravitação   Gravitação                               Radiação
                          Eletricidade   Magnetismo
Terrestre     Celeste                                   (luz)



      Teoria da
      Gravitação
      Universal    1687
Hans Christian Oersted (1777 – 1851)
●   1820: descoberta de que
    uma corrente elétrica
    influencia uma bússola
    próxima.
●   Uma semana depois o
    fenômeno foi formalizado
    por André-Marie
    Ampère, na França.
                                       6
A teoria final da física
Conclusão:
  eletricidade e
 magnetismo são
fenômenos inter-
  relacionados!
Lei de Ampère
●   Correntes elétricas, contínuas ou alternadas,
    produzem campos magnéticos.
Pergunta: se a
eletricidade produz
     um campo
 magnético, será o
 inverso possível?
Michael Faraday (1791 - 1867)
●   1821: invenção do
    primeiro motor elétrico.
●   1831: descoberta da lei
    da indução
    eletromagnética.




                                11
Sim, magnetismo
  pode produzir
eletricidade, desde
 que este varie no
       tempo.
Lei de Faraday
●   Campos magnéticos variáveis no tempo
    produzem forças eletromotrizes também
    variáveis no tempo.


                                   dλ
                             e = −
                                   dt
Gravitação   Gravitação                               Radiação
                          Eletricidade   Magnetismo
Terrestre     Celeste                                   (luz)



      Teoria da                  Eletricidade
      Gravitação                       &
      Universal    1687          Magnetismo 1831
James Clerk Maxwell (1831 - 1879)
●   1861: 20 equações
    diferenciais a 20
    incógnitas.
●   1864: a luz é uma onda
    eletromagnética!
●   1873: formalização do
    eletromagnetismo em 4
    equações.
                                    15
A teoria final da física
Ondas eletromagnéticas
Gravitação   Gravitação                                Radiação
                          Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                    (luz)



      Teoria da                  Eletricidade
      Gravitação                       &
      Universal    1687          Magnetismo 1831



                                                Eletro-
                                         1864 magnetismo
-2-
  Albert Einstein,
relatividade geral e
o campo unificado
Albert Einstein (1879 - 1955)
●   1905: Teoria Especial da
    Relatividade
    (referenciais inerciais).
●   1917: Teoria Geral da
    Relatividade
    (referenciais não
    inerciais, gravitação).


                                20
A equação de campo de Einstein
A teoria final da física
Gravitação   Gravitação                                Radiação
                          Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                    (luz)



      Teoria da                  Eletricidade
      Gravitação                       &
      Universal    1687          Magnetismo 1831



     Relatividade                               Eletro-
        Geral     1917                   1864 magnetismo
Theodor Kaluza (1885 – 1954)
●   Tentativa de obter o
    eletromagnetismo como o
    efeito de uma quinta
    dimensão do espaço-tempo.
●   Einstein inicialmente gostou
    da ideia. Porém...
●   Por que a quinta dimensão
    não é observada?
Oskar Klein (1894 – 1977)
●   A dimensão extra não
    pode ser observada
    porque está escondida
    (“compactada”) em um
    comprimento muito
    pequeno.
●   Teorias de Kaluza-Klein.
Dimensões compactadas
Gravitação   Gravitação                                 Radiação
                           Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                     (luz)



      Teoria da                     Eletricidade
      Gravitação                          &
      Universal    1687             Magnetismo 1831



     Relatividade                                Eletro-
        Geral     1917                    1864 magnetismo


                          Kaluza-
                           Klein
               1920
-3-
 Entra em cena a
mecânica quântica:
força forte e unifi-
 cação eletrofraca
Heisenberg e o princípio da incerteza
Heisenberg e o princípio da incerteza
Funções de onda
A interpretação de Copenhagen (1927)
●   Niels Bohr et al.:
    dualidade onda-partícula.
●   Erwin Schrödinger:
    mecânica ondulatória.
●   Werner Heisenberg:
    mecânica matricial.
●   Max Born: funções de
    onda e probabilidades.
“Deus não joga dados com o Universo.”
       (Albert Einstein, 1926)
Paul Adrien Maurice Dirac
●   Um dos fundadores da
    mecânica quântica e da
    eletrodinâmica quântica.
●   Prêmio Nobel de Física
    em 1933, juntamente com
    Erwin Schrödinger.
Consequências da equação de Dirac
●   Existência da antimatéria.
●   Elétron tem um momento magnético: como
    calculá-lo?
A Eletrodinâmica Quântica (QED)
●   1948: Richard Feynman, Julian Schwinger,
    Sin-Itiro Tomonaga (Nobel em 1965).
Gravitação   Gravitação                                 Radiação         Força   Força
                           Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                     (luz)          Fraca   Forte



      Teoria da                     Eletricidade
      Gravitação                          &
      Universal    1687             Magnetismo 1831



     Relatividade                                Eletro-
        Geral     1917                    1864 magnetismo         1948
                                                             Eletro-
                                                            dinâmica
                          Kaluza-                           Quântica
                           Klein
               1920
Teorias de Gauge
●   Transformações de gauge
    (“calibre”) alteram as
    propriedades das
    partículas, mas não a física
    por elas descrita.
●   QED é um protótipo para
    outras teorias quânticas de
    gauge → Renormalização.
Cromodinâmica Quântica (QCD)
●   1964: Murray Gell-Mann,
    Yuval Ne'eman e George
    Zweig.
●   Quarks com massa, sabor,
    cor e carga, intermediados
    por glúons sem massa,
    mas com cor.


                                 39
Gravitação   Gravitação                                 Radiação         Força      Força
                           Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                     (luz)          Fraca      Forte



      Teoria da                     Eletricidade                                   Cromodi-
      Gravitação                          &                                         nâmica
      Universal    1687             Magnetismo 1831                         1964   Quântica



     Relatividade                                Eletro-
        Geral     1917                    1864 magnetismo         1948
                                                             Eletro-
                                                            dinâmica
                          Kaluza-                           Quântica
                           Klein
               1920
Unificação Eletrofraca (1961)
●   Steven Weinberg, Abdus Salam
    e Sheldon Glashow.




                                   41
Gravitação   Gravitação                                 Radiação         Força      Força
                           Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                     (luz)          Fraca      Forte



      Teoria da                     Eletricidade                                   Cromodi-
      Gravitação                          &                                         nâmica
      Universal    1687             Magnetismo 1831                         1964   Quântica



     Relatividade                                Eletro-
        Geral     1917                    1864 magnetismo         1948
                                                             Eletro-
                                                            dinâmica
                          Kaluza-                           Quântica
                           Klein
               1920
                                                            Unificação
                                                            Eletrofraca 1979
O Modelo Padrão
●   Hádrons (prótons,
    nêutrons e mésons) são
    formados por quarks.
●   Léptons não são afetados
    pela força forte.
●   Bósons são partículas
    de gauge (mediadoras).
●   19 constantes explicam,
    por enquanto, todas as
    interações subatômicas.
As quatro interações fundamentais
 Interação   Intensidade Partícula   Comporta-   Alcance
                relativa mediadora    mento

 Forte          10        Glúon         r-7      10-15 m
As quatro interações fundamentais
 Interação   Intensidade Partícula   Comporta-   Alcance
                relativa mediadora    mento

 Forte          10        Glúon         r-7      10-15 m

 Eletro-        10-2      Fóton         r-2      infinito
 magnética
As quatro interações fundamentais
 Interação   Intensidade Partícula    Comporta-    Alcance
                relativa mediadora     mento

 Forte           10       Glúon           r-7      10-15 m

 Eletro-        10-2      Fóton           r-2      infinito
 magnética
 Fraca          10-13    Bósons        r-5 a r-7   10-18 m
                        W+, W- e Z0
As quatro interações fundamentais
 Interação       Intensidade Partícula    Comporta-    Alcance
                    relativa mediadora     mento

 Forte               10       Glúon           r-7      10-15 m

 Eletro-            10-2      Fóton           r-2      infinito
 magnética
 Fraca              10-13    Bósons        r-5 a r-7   10-18 m
                            W+, W- e Z0
 Gravitacional      10-42    Gráviton?        r-2      infinito
-4-
 Supercordas: o
derradeiro sonho
 dos pitagóricos
Os primórdios das supercordas
●   Gabriele Veneziano,
    início dos anos 70.
●   Yoichiro Nambu,
    Leonard Susskind e
    Holger B. Nielsen.
●   Fórmula de Veneziano
    equivalia a representar
    hádrons como cordas
    vibrantes.
A teoria final da física
Edward Witten
●   1995: Conjectura acerca da
    existência da “Teoria M”.
●   “O fato de que a gravidade
    seja uma consequência da
    teoria das cordas é um dos
    maiores achados teóricos de
    todos os tempos.”
Gravitação   Gravitação                                   Radiação        Força      Força
                           Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                       (luz)         Fraca      Forte



      Teoria da                     Eletricidade                                    Cromodi-
      Gravitação                          &                                          nâmica
      Universal    1687             Magnetismo 1831                          1964   Quântica



     Relatividade                                Eletro-
        Geral     1917                    1864 magnetismo
                                                                Eletro-
                                                               dinâmica
                          Kaluza-                       1948   Quântica
                           Klein
               1920
                                                               Unificação
                                                               Eletrofraca 1979

                                           Teoria
                                          de Tudo ?
-5-
  O que é uma
teoria científica?
O método científico




                      54
O problema de Hume (1711 - 1776)
●   Relações causais não são
    encontradas pela razão, mas
    pela indução (experimental).
●   Mas como justificar
    experimentalmente a
    indução?
●   Circularidade!

                                   55
O resposta de Hume

     “Embora não existam meios para se
  demonstrar a validade dos procedimentos
  indutivos, a constituição psicológica dos
   seres humanos é tal que não lhes resta
   alternativa a não ser pensar em termos
                 indutivos.”


                                              56
A resposta de Popper (1902 - 1994)
●   Não importa quantos cisnes
    brancos possamos ter observado
    na vida, isso não justifica a
    conclusão de que todos os cisnes
    são brancos.
●   Contudo, a observação de um
    único cisne negro significa que
    nem todos os cisnes são brancos.

                                       57
O princípio da refutabilidade
●   Teorias científicas devem
    ser formuladas de
    maneira a se exporem
    abertamente à refutação.
●   Uma teoria só deve ser
    aceita enquanto não tiver
    sido refutada.


                                58
Exemplo de enunciado irrefutável
O dragão de Sagan:

“Existe um dragão
indetectável morando na
minha garagem”.

(Carl Sagan, 1934 - 1996)

                                   59
A Navalha de Occam
●   Guilherme de Occam (1288 - 1348).
●   Ao analisarmos duas hipóteses
    concorrentes e que façam
    as mesmas previsões,
    devemos escolher a
    mais simples delas.



                                        60
Fatos e teorias
●   A queda dos corpos
    em presença de
    campos gravita-
    cionais é um fato.
●   A relatividade geral
    é uma teoria que
    explica esse fato.
-6-
Marcelo Gleiser e a
Criação Imperfeita
Marcelo Gleiser
●   1994: Presidential Faculty
    Fellows Award.
●   Prêmios Jabuti em 1998 e
    2002.
●   Professor do Dartmouth
    College desde 1991.
●   Autor de divulgação
    científica desde 1997.
                                 63
Os Argumentos de Gleiser
1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser
  medido.
Os Argumentos de Gleiser
1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser
  medido.
2)Aquilo que é não é necessariamente igual
  àquilo que gostaríamos que fosse.
Os Argumentos de Gleiser
1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser
  medido.
2)Aquilo que é não é necessariamente igual
  àquilo que gostaríamos que fosse.
3)A busca por simetrias e teorias finais é um
  resquício do monoteísmo e do platonismo na
  ciência.
Gravitação   Gravitação                                  Radiação           Força      Força
                          Eletricidade    Magnetismo
Terrestre     Celeste                                      (luz)            Fraca      Forte



      Teoria da                  Eletricidade
      Gravitação                       &
      Universal    1687          Magnetismo 1831



                                                Eletro-
                                         1864 magnetismo

                                                               Eletro-
                                                              dinâmica
                                                       1948   Quântica


                                                                                      Cromodi-
     Relatividade                                             Unificação
                                                                                       nâmica
        Geral     1917                                 1964   Eletrofraca      1979   Quântica
Por que, afinal, devemos saber disso?
Ítalo Calvino (1923 – 1985):




                                        68
Por que, afinal, devemos saber disso?
Ítalo Calvino (1923 – 1985):
“A única razão que se pode
apresentar é que ler os clássicos
é melhor do que não ler os
clássicos.” (1981)




                                        69
Para saber mais
Marcelo Gleiser
“Criação imperfeita – Cosmo,
vida e o código oculto da
natureza”, Record, 2010.




                               70
Para saber mais
Richard P. Feynman
“QED – a estranha teoria da
luz e da matéria”, Gradiva,
2002.




                              71
Para saber mais
Brian Greene
“O Universo elegante –
supercordas, dimensões
ocultas e a busca da teoria
definitiva”, Cia. das Letras,
2001.



                                72
Ufa! É o Fim!




 Obrigado
                73

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
Vlamir Gama Rocha
 
Eletromagnetismo meu trabalho
Eletromagnetismo   meu trabalhoEletromagnetismo   meu trabalho
Eletromagnetismo meu trabalho
Kamylla Xavier
 
Slides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tardeSlides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tarde
Valdecir Silva
 
Ciências eletromagnetismo
Ciências eletromagnetismoCiências eletromagnetismo
Ciências eletromagnetismo
Matheus Verçosa
 
Equações de maxwell
Equações de maxwellEquações de maxwell
Equações de maxwell
Wanderson Saraiva de Paula
 
Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
Betine Rost
 
Apresentacao 01 projeto_lhc
Apresentacao 01 projeto_lhcApresentacao 01 projeto_lhc
Apresentacao 01 projeto_lhc
Luiz Fernando Mackedanz
 
Força magnética básica
Força magnética básicaForça magnética básica
Força magnética básica
Re Pivinha
 
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
Renato Oliveira
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
Adrianne Mendonça
 
Rm aula1
Rm aula1Rm aula1
Rm aula1
Gerciane Neves
 
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - EletricidadeSistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Suzana Viana Mota
 
Biografia 2 blog
Biografia 2 blogBiografia 2 blog
Biografia 2 blog
eletrofisica
 
Para que e como usar uma bússola
Para que e como usar uma bússolaPara que e como usar uma bússola
Para que e como usar uma bússola
Maria Teresa Thomaz
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Thuan Saraiva
 
Apostila eletricidade vol 1
Apostila eletricidade vol 1Apostila eletricidade vol 1
Apostila eletricidade vol 1
erickfurtado
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
Keetlyn Souzaa
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
tassiapombo
 
Eletroscópio
EletroscópioEletroscópio
Eletrostatica resumo
Eletrostatica   resumoEletrostatica   resumo
Eletrostatica resumo
NS Aulas Particulares
 

Mais procurados (20)

Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
Eletromagnetismo meu trabalho
Eletromagnetismo   meu trabalhoEletromagnetismo   meu trabalho
Eletromagnetismo meu trabalho
 
Slides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tardeSlides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tarde
 
Ciências eletromagnetismo
Ciências eletromagnetismoCiências eletromagnetismo
Ciências eletromagnetismo
 
Equações de maxwell
Equações de maxwellEquações de maxwell
Equações de maxwell
 
Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
 
Apresentacao 01 projeto_lhc
Apresentacao 01 projeto_lhcApresentacao 01 projeto_lhc
Apresentacao 01 projeto_lhc
 
Força magnética básica
Força magnética básicaForça magnética básica
Força magnética básica
 
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
Atps 2 eletromagnetismo etapa 2 passo 1
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Rm aula1
Rm aula1Rm aula1
Rm aula1
 
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - EletricidadeSistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
 
Biografia 2 blog
Biografia 2 blogBiografia 2 blog
Biografia 2 blog
 
Para que e como usar uma bússola
Para que e como usar uma bússolaPara que e como usar uma bússola
Para que e como usar uma bússola
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
 
Apostila eletricidade vol 1
Apostila eletricidade vol 1Apostila eletricidade vol 1
Apostila eletricidade vol 1
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Eletroscópio
EletroscópioEletroscópio
Eletroscópio
 
Eletrostatica resumo
Eletrostatica   resumoEletrostatica   resumo
Eletrostatica resumo
 

Semelhante a A teoria final da física

Historia espectroscopia rm
Historia espectroscopia rmHistoria espectroscopia rm
Historia espectroscopia rm
Antonio Carlos Flash Batista
 
Einstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especialEinstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especial
Alvaro Augusto
 
Experiencia-de-Oersted 1.pptx
Experiencia-de-Oersted 1.pptxExperiencia-de-Oersted 1.pptx
Experiencia-de-Oersted 1.pptx
NayaraMelo23
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
Nayanny Nobre
 
Seminário: Nascimento da Mecânica Quântica
Seminário: Nascimento da Mecânica QuânticaSeminário: Nascimento da Mecânica Quântica
Seminário: Nascimento da Mecânica Quântica
Maria Teresa Thomaz
 
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdfaula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
ssuser892ef3
 
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
RitaValrio4
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Wanderson Batista
 
Física Moderna I
Física Moderna IFísica Moderna I
Física Moderna I
Ubirajara Neves
 
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptxIntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
DvilosMclaus
 
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
João Sousa
 
HiistElectrom.ppt
HiistElectrom.pptHiistElectrom.ppt
HiistElectrom.ppt
MVEducacional
 
Eletrostatica
EletrostaticaEletrostatica
Eletrostatica
Carol Higa
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
Fernando Lucas
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
FilipaFonseca
 
aula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptxaula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptx
filmezinho
 
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptxINTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
TancredoSousa
 
Física moderna
Física modernaFísica moderna
Física moderna
Venê Oliveira
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
Gisele Souza
 
Cap1
Cap1Cap1

Semelhante a A teoria final da física (20)

Historia espectroscopia rm
Historia espectroscopia rmHistoria espectroscopia rm
Historia espectroscopia rm
 
Einstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especialEinstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especial
 
Experiencia-de-Oersted 1.pptx
Experiencia-de-Oersted 1.pptxExperiencia-de-Oersted 1.pptx
Experiencia-de-Oersted 1.pptx
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Seminário: Nascimento da Mecânica Quântica
Seminário: Nascimento da Mecânica QuânticaSeminário: Nascimento da Mecânica Quântica
Seminário: Nascimento da Mecânica Quântica
 
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdfaula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
aula_14_dualidade_onda_partícula.pdf
 
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
1 noções de magnetismo.pptx aplicações no cotidiano
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01
 
Física Moderna I
Física Moderna IFísica Moderna I
Física Moderna I
 
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptxIntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
IntroduçãoAoMagnetismoAulaRefer2018.pptx
 
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
Introdução à Física de Partículas e à Cosmologia - do infinitamente pequeno.....
 
HiistElectrom.ppt
HiistElectrom.pptHiistElectrom.ppt
HiistElectrom.ppt
 
Eletrostatica
EletrostaticaEletrostatica
Eletrostatica
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
 
aula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptxaula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptx
 
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptxINTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
INTRODUÇÃO A FÍSICA QUÂNTICA - TANCREDO.pptx
 
Física moderna
Física modernaFísica moderna
Física moderna
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Cap1
Cap1Cap1
Cap1
 

Mais de Alvaro Augusto

Relatividade geral mai2013_pub
Relatividade geral mai2013_pubRelatividade geral mai2013_pub
Relatividade geral mai2013_pub
Alvaro Augusto
 
Catastrofes fim do-mundo-dez2012
Catastrofes fim do-mundo-dez2012Catastrofes fim do-mundo-dez2012
Catastrofes fim do-mundo-dez2012
Alvaro Augusto
 
Surfando nas ondas de Toffler (2004)
Surfando nas ondas de Toffler (2004)Surfando nas ondas de Toffler (2004)
Surfando nas ondas de Toffler (2004)
Alvaro Augusto
 
Filosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evoluçãoFilosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evolução
Alvaro Augusto
 
Teoria dos jogos
Teoria dos jogosTeoria dos jogos
Teoria dos jogos
Alvaro Augusto
 
Cisne Negro
Cisne NegroCisne Negro
Cisne Negro
Alvaro Augusto
 
Star trek utfpr_2011.2_pub
Star trek utfpr_2011.2_pubStar trek utfpr_2011.2_pub
Star trek utfpr_2011.2_pub
Alvaro Augusto
 
Arte refinada utfpr_2011-2_pub
Arte refinada utfpr_2011-2_pubArte refinada utfpr_2011-2_pub
Arte refinada utfpr_2011-2_pub
Alvaro Augusto
 

Mais de Alvaro Augusto (8)

Relatividade geral mai2013_pub
Relatividade geral mai2013_pubRelatividade geral mai2013_pub
Relatividade geral mai2013_pub
 
Catastrofes fim do-mundo-dez2012
Catastrofes fim do-mundo-dez2012Catastrofes fim do-mundo-dez2012
Catastrofes fim do-mundo-dez2012
 
Surfando nas ondas de Toffler (2004)
Surfando nas ondas de Toffler (2004)Surfando nas ondas de Toffler (2004)
Surfando nas ondas de Toffler (2004)
 
Filosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evoluçãoFilosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evolução
 
Teoria dos jogos
Teoria dos jogosTeoria dos jogos
Teoria dos jogos
 
Cisne Negro
Cisne NegroCisne Negro
Cisne Negro
 
Star trek utfpr_2011.2_pub
Star trek utfpr_2011.2_pubStar trek utfpr_2011.2_pub
Star trek utfpr_2011.2_pub
 
Arte refinada utfpr_2011-2_pub
Arte refinada utfpr_2011-2_pubArte refinada utfpr_2011-2_pub
Arte refinada utfpr_2011-2_pub
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

A teoria final da física

  • 1. De Albert Einstein a Marcelo Gleiser et al.
  • 2. Plano da palestra 1) Faraday, Maxwell e a unificação da eletricidade e do magnetismo 2) Einstein e a relatividade geral 3) Força forte e unificação eletrofraca 4) Supercordas: o derradeiro sonho dos pitagóricos 5) O que é uma teoria científica 6) Marcelo Gleiser e a criação imperfeita 2
  • 3. -1- Faraday, Maxwell e a unificação da eletricidade e do magnetismo
  • 4. Os primórdios: Sir Isaac Newton et al. ● 1666: fugindo da Peste, refugia-se em Lincolnshire. ● 1687: publica “Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica”, no qual apresenta as leis do movimento e a lei da gravitação universal.
  • 5. Gravitação Gravitação Radiação Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Teoria da Gravitação Universal 1687
  • 6. Hans Christian Oersted (1777 – 1851) ● 1820: descoberta de que uma corrente elétrica influencia uma bússola próxima. ● Uma semana depois o fenômeno foi formalizado por André-Marie Ampère, na França. 6
  • 8. Conclusão: eletricidade e magnetismo são fenômenos inter- relacionados!
  • 9. Lei de Ampère ● Correntes elétricas, contínuas ou alternadas, produzem campos magnéticos.
  • 10. Pergunta: se a eletricidade produz um campo magnético, será o inverso possível?
  • 11. Michael Faraday (1791 - 1867) ● 1821: invenção do primeiro motor elétrico. ● 1831: descoberta da lei da indução eletromagnética. 11
  • 12. Sim, magnetismo pode produzir eletricidade, desde que este varie no tempo.
  • 13. Lei de Faraday ● Campos magnéticos variáveis no tempo produzem forças eletromotrizes também variáveis no tempo. dλ e = − dt
  • 14. Gravitação Gravitação Radiação Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831
  • 15. James Clerk Maxwell (1831 - 1879) ● 1861: 20 equações diferenciais a 20 incógnitas. ● 1864: a luz é uma onda eletromagnética! ● 1873: formalização do eletromagnetismo em 4 equações. 15
  • 18. Gravitação Gravitação Radiação Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831 Eletro- 1864 magnetismo
  • 19. -2- Albert Einstein, relatividade geral e o campo unificado
  • 20. Albert Einstein (1879 - 1955) ● 1905: Teoria Especial da Relatividade (referenciais inerciais). ● 1917: Teoria Geral da Relatividade (referenciais não inerciais, gravitação). 20
  • 21. A equação de campo de Einstein
  • 23. Gravitação Gravitação Radiação Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831 Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo
  • 24. Theodor Kaluza (1885 – 1954) ● Tentativa de obter o eletromagnetismo como o efeito de uma quinta dimensão do espaço-tempo. ● Einstein inicialmente gostou da ideia. Porém... ● Por que a quinta dimensão não é observada?
  • 25. Oskar Klein (1894 – 1977) ● A dimensão extra não pode ser observada porque está escondida (“compactada”) em um comprimento muito pequeno. ● Teorias de Kaluza-Klein.
  • 27. Gravitação Gravitação Radiação Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831 Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo Kaluza- Klein 1920
  • 28. -3- Entra em cena a mecânica quântica: força forte e unifi- cação eletrofraca
  • 29. Heisenberg e o princípio da incerteza
  • 30. Heisenberg e o princípio da incerteza
  • 32. A interpretação de Copenhagen (1927) ● Niels Bohr et al.: dualidade onda-partícula. ● Erwin Schrödinger: mecânica ondulatória. ● Werner Heisenberg: mecânica matricial. ● Max Born: funções de onda e probabilidades.
  • 33. “Deus não joga dados com o Universo.” (Albert Einstein, 1926)
  • 34. Paul Adrien Maurice Dirac ● Um dos fundadores da mecânica quântica e da eletrodinâmica quântica. ● Prêmio Nobel de Física em 1933, juntamente com Erwin Schrödinger.
  • 35. Consequências da equação de Dirac ● Existência da antimatéria. ● Elétron tem um momento magnético: como calculá-lo?
  • 36. A Eletrodinâmica Quântica (QED) ● 1948: Richard Feynman, Julian Schwinger, Sin-Itiro Tomonaga (Nobel em 1965).
  • 37. Gravitação Gravitação Radiação Força Força Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Fraca Forte Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831 Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo 1948 Eletro- dinâmica Kaluza- Quântica Klein 1920
  • 38. Teorias de Gauge ● Transformações de gauge (“calibre”) alteram as propriedades das partículas, mas não a física por elas descrita. ● QED é um protótipo para outras teorias quânticas de gauge → Renormalização.
  • 39. Cromodinâmica Quântica (QCD) ● 1964: Murray Gell-Mann, Yuval Ne'eman e George Zweig. ● Quarks com massa, sabor, cor e carga, intermediados por glúons sem massa, mas com cor. 39
  • 40. Gravitação Gravitação Radiação Força Força Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Fraca Forte Teoria da Eletricidade Cromodi- Gravitação & nâmica Universal 1687 Magnetismo 1831 1964 Quântica Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo 1948 Eletro- dinâmica Kaluza- Quântica Klein 1920
  • 41. Unificação Eletrofraca (1961) ● Steven Weinberg, Abdus Salam e Sheldon Glashow. 41
  • 42. Gravitação Gravitação Radiação Força Força Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Fraca Forte Teoria da Eletricidade Cromodi- Gravitação & nâmica Universal 1687 Magnetismo 1831 1964 Quântica Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo 1948 Eletro- dinâmica Kaluza- Quântica Klein 1920 Unificação Eletrofraca 1979
  • 43. O Modelo Padrão ● Hádrons (prótons, nêutrons e mésons) são formados por quarks. ● Léptons não são afetados pela força forte. ● Bósons são partículas de gauge (mediadoras). ● 19 constantes explicam, por enquanto, todas as interações subatômicas.
  • 44. As quatro interações fundamentais Interação Intensidade Partícula Comporta- Alcance relativa mediadora mento Forte 10 Glúon r-7 10-15 m
  • 45. As quatro interações fundamentais Interação Intensidade Partícula Comporta- Alcance relativa mediadora mento Forte 10 Glúon r-7 10-15 m Eletro- 10-2 Fóton r-2 infinito magnética
  • 46. As quatro interações fundamentais Interação Intensidade Partícula Comporta- Alcance relativa mediadora mento Forte 10 Glúon r-7 10-15 m Eletro- 10-2 Fóton r-2 infinito magnética Fraca 10-13 Bósons r-5 a r-7 10-18 m W+, W- e Z0
  • 47. As quatro interações fundamentais Interação Intensidade Partícula Comporta- Alcance relativa mediadora mento Forte 10 Glúon r-7 10-15 m Eletro- 10-2 Fóton r-2 infinito magnética Fraca 10-13 Bósons r-5 a r-7 10-18 m W+, W- e Z0 Gravitacional 10-42 Gráviton? r-2 infinito
  • 48. -4- Supercordas: o derradeiro sonho dos pitagóricos
  • 49. Os primórdios das supercordas ● Gabriele Veneziano, início dos anos 70. ● Yoichiro Nambu, Leonard Susskind e Holger B. Nielsen. ● Fórmula de Veneziano equivalia a representar hádrons como cordas vibrantes.
  • 51. Edward Witten ● 1995: Conjectura acerca da existência da “Teoria M”. ● “O fato de que a gravidade seja uma consequência da teoria das cordas é um dos maiores achados teóricos de todos os tempos.”
  • 52. Gravitação Gravitação Radiação Força Força Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Fraca Forte Teoria da Eletricidade Cromodi- Gravitação & nâmica Universal 1687 Magnetismo 1831 1964 Quântica Relatividade Eletro- Geral 1917 1864 magnetismo Eletro- dinâmica Kaluza- 1948 Quântica Klein 1920 Unificação Eletrofraca 1979 Teoria de Tudo ?
  • 53. -5- O que é uma teoria científica?
  • 55. O problema de Hume (1711 - 1776) ● Relações causais não são encontradas pela razão, mas pela indução (experimental). ● Mas como justificar experimentalmente a indução? ● Circularidade! 55
  • 56. O resposta de Hume “Embora não existam meios para se demonstrar a validade dos procedimentos indutivos, a constituição psicológica dos seres humanos é tal que não lhes resta alternativa a não ser pensar em termos indutivos.” 56
  • 57. A resposta de Popper (1902 - 1994) ● Não importa quantos cisnes brancos possamos ter observado na vida, isso não justifica a conclusão de que todos os cisnes são brancos. ● Contudo, a observação de um único cisne negro significa que nem todos os cisnes são brancos. 57
  • 58. O princípio da refutabilidade ● Teorias científicas devem ser formuladas de maneira a se exporem abertamente à refutação. ● Uma teoria só deve ser aceita enquanto não tiver sido refutada. 58
  • 59. Exemplo de enunciado irrefutável O dragão de Sagan: “Existe um dragão indetectável morando na minha garagem”. (Carl Sagan, 1934 - 1996) 59
  • 60. A Navalha de Occam ● Guilherme de Occam (1288 - 1348). ● Ao analisarmos duas hipóteses concorrentes e que façam as mesmas previsões, devemos escolher a mais simples delas. 60
  • 61. Fatos e teorias ● A queda dos corpos em presença de campos gravita- cionais é um fato. ● A relatividade geral é uma teoria que explica esse fato.
  • 62. -6- Marcelo Gleiser e a Criação Imperfeita
  • 63. Marcelo Gleiser ● 1994: Presidential Faculty Fellows Award. ● Prêmios Jabuti em 1998 e 2002. ● Professor do Dartmouth College desde 1991. ● Autor de divulgação científica desde 1997. 63
  • 64. Os Argumentos de Gleiser 1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser medido.
  • 65. Os Argumentos de Gleiser 1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser medido. 2)Aquilo que é não é necessariamente igual àquilo que gostaríamos que fosse.
  • 66. Os Argumentos de Gleiser 1)A Ciência trata apenas daquilo que pode ser medido. 2)Aquilo que é não é necessariamente igual àquilo que gostaríamos que fosse. 3)A busca por simetrias e teorias finais é um resquício do monoteísmo e do platonismo na ciência.
  • 67. Gravitação Gravitação Radiação Força Força Eletricidade Magnetismo Terrestre Celeste (luz) Fraca Forte Teoria da Eletricidade Gravitação & Universal 1687 Magnetismo 1831 Eletro- 1864 magnetismo Eletro- dinâmica 1948 Quântica Cromodi- Relatividade Unificação nâmica Geral 1917 1964 Eletrofraca 1979 Quântica
  • 68. Por que, afinal, devemos saber disso? Ítalo Calvino (1923 – 1985): 68
  • 69. Por que, afinal, devemos saber disso? Ítalo Calvino (1923 – 1985): “A única razão que se pode apresentar é que ler os clássicos é melhor do que não ler os clássicos.” (1981) 69
  • 70. Para saber mais Marcelo Gleiser “Criação imperfeita – Cosmo, vida e o código oculto da natureza”, Record, 2010. 70
  • 71. Para saber mais Richard P. Feynman “QED – a estranha teoria da luz e da matéria”, Gradiva, 2002. 71
  • 72. Para saber mais Brian Greene “O Universo elegante – supercordas, dimensões ocultas e a busca da teoria definitiva”, Cia. das Letras, 2001. 72
  • 73. Ufa! É o Fim! Obrigado 73