Relacoes ecologicas 3_

1.038 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relacoes ecologicas 3_

  1. 1. Relações ecológicas.EcologiaApostila 063ª FaseBiologia
  2. 2. PredatismoO que é ?O predatismo ou predação é uma relação ecológicainterespecífica desarmônica na cadeia alimentar emque os animais de uma espécie, alocados em umnível trófico superior (predadores / caçadores),capturam e matam animais de um nível tróficoinferior (presa), para deles se alimentarem.
  3. 3. Este tipo de relação ocorre principalmente em serescarnívoros
  4. 4. Ocorre também com os herbívoros. Neste caso, comdenominação de herbivorismo, sendo os vegetais oalimento, bem representado pelo ataque de formigas,gafanhotos ou lagartas destruindo velozmente umacultura.
  5. 5. Predadores e PresasGeralmente não se extinguem e nem entram emsuperpopulação, permanecendo em equilíbrio noecossistema.
  6. 6. Do ponto de vista individual existe prejuízo paraas presas que são devoras pelos predadores,mas considerando o aspecto populacional éuma forma de manter um equilíbriodinâmico, fundamental à sobrevivência dasduas espécies.
  7. 7. A predação pode amenizar a dominância quea competição poderia originar, afetandofortemente a composição específica de umlocal. Em muitos casos, a predação previne amonopolização de um habitat por umaespécie competidora potencialmente maisapta. Estas espécies predadoras, quemantém a abundância das espéciespredadas são ditas espécies-chave.
  8. 8. Essa relação predador e presa é fundamental para oequilíbrio das espécies e da natureza, porém acapacidade de suporte do predador não éconstante como se imagina, e sim uma variável,pois a medida que a população da presaaumenta, a do predador também cresce, logo, apopulação de presa se torna escassa para tanto, eas duas populações limitam mutuamente suasdensidades, onde a população da presa élimitada pela predação e a do predador peloalimento (FUTUYMA, 1992).
  9. 9. Evolutivamente surgiram adaptaçõesdesenvolvidas pelas presas, selecionadas emdefesa.Mimetismo;Camuflagem;Aposematismo (cores de advertência).
  10. 10. MimetismoSemelhante à camuflagem, só que ao invés de separecerem com o meio, os animais que praticamo mimetismo tentam se parecer com outrosanimais, com intuito de parecer quem não é.Mimetismo
  11. 11. Mimetismo de DefesaBatesiano: os animais tentam se parecer com outros deespécies diferentes que têm gosto ruim ou sãovenenosos. Como exemplo, algumas abelhas têmdesenhos parecidos com corujas em suas asas.
  12. 12. A cobra falsa-coral não possui veneno (naverdade, possui, mas raramente consegueutilizá-lo em razão da pequena aberturade sua boca), por isso tenta parecer-secom a coral verdadeira.
  13. 13. Mulleriano: Os animais se assemelham aoutros animais que têm gosto ruim, e porisso seus predadores não os atacam.Cor aposemática
  14. 14. Mimetismo de ataquePeckhaminano: os animais semisturam a outros parecidos,para se aproximar da presa.Exemplo: bútio, se aproxima dobando de outras aves para seaproximar da presa.
  15. 15. CamuflagemAlguns animais podem ter a capacidade dese camuflarem com o meio em que vivempara tirar alguma vantagem. A camuflagempode ser útil tanto ao predador, quandodeseja atacar uma presa sem que esta oveja, ou para a presa, que pode se escondermais facilmente de seu predador.
  16. 16. Existem dois tipos de camuflagem, aHomocromia, onde o animal tem a cor é amesma do meio onde vive, e a Homotipia,onde o animal tem a forma de objetos quecompõe o meio.
  17. 17. HomocromiaComo exemplo, podemos citaros ursos polares, que têm opêlo branco que confunde-secom a neve.
  18. 18. ArachnidaOrdem: Aranedae - AranhaLocalidade: Cananéia, SP, Brasil
  19. 19. Gafanhoto (Orthoptera)
  20. 20. HomotipiaO bicho-pau, que tem forma de graveto e fica em árvoresque têm galhos semelhantes à forma de seu corpo.
  21. 21. Trata-se de espécies que exibem cores de advertência,cores vivas e marcantes para afastar seus possíveispredadores, que já a reconhecem pelo gostodesagradável ou pelos venenos que possui.Aposematismo
  22. 22. Cangambá (Mephitis mephitis) éum mamífero carnívorocaracterizado pela pelagempreta com listras brancas e porexpelir um líquido fétidoquando acuado. O cangambáé muitas vezes confundidocom o gambá devido ao hábitode ambas espécies usarem deodores fétidos como forma dedefesa e aos nomes comsemelhança fonética.
  23. 23. ExemplosCoruja branca (suindara)alimentando-se de um ratosilvestre predado. Estacoruja ocorre em todo oBrasil, o nome vulgar,coruja-das-torres. Elacome diariamente emmédia, 4 (quatro) ratos,além dos mais variadostipos de insetos.
  24. 24. Serpente ingerindo rato
  25. 25. As plantas tambémpodem serpredadoras,espéciesde plantascarnívoras, que nestecaso atuam comoconsumidorassecundárias.Larva de Besouro já sendo digerida
  26. 26. CuriosidadesA caça indiscriminada aojacaré, pela açãopredatória do homem. Adiminuição da quantidadede jacarés permite umaumento vertiginoso donúmero de piranhas, nopantanal, alterandototalmente o equilíbrioecológico do ecossistema.
  27. 27. As salamandras são capazes de se defenderactivamente dos predadores. Adaptamposturas anti-predatórias e são capazes delibertar pela pele , uma substância tóxicadenominada samandrina. Esta substância éum alcalóide que provoca convulsõesmusculares e uma elevada pressão sanguínea,combinada com hiperventilação. As glândulasde veneno estão concentradas na zona dopescoço e na superfície dorsal. As áreas maiscoloridas do animal normalmente coincidemcom a localização dessas glândulas.
  28. 28. Auto-defesa das plantas.Verificou-se, na natureza, queas plantas reagem aosquímicos da saliva de insetosherbívoros que delas sealimentam, libertandocompostos que atraem insetospredadores dos primeiros.
  29. 29. Referências http://www.brasilescola.com/biologia/predatismo.htm Acesso:21/09/2008 http://pt.wikipedia.org/wiki/Rela%C3%A7%C3%B5es_Ecol%C3%B3gicas Acesso:22 set.2008 FUTUYNA, Douglas J. Biologia Evolutiva. 2.ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira degenética/CNPq, 1992. http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./educacao/index.php3&conteudo=./educacao/artigos/relacoes_seres.htmlAcesso set.2008 Competição. Disponível em:<http://www.ib.usp.br/ecosteiros/textos_educ/costao/zonacao/predacao.htm> Acessoem: 22 set. 2008 http://educar.sc.usp.br/ciencias/ecologia/associa.htm Acesso 22 set.2008 http://www.educacaoadistancia.pro.br/predatismo.htm Acesso 22 set.2008 http://www.ib.usp.br/ecosteiros/textos_educ/costao/zon Acesso 22 set.2008 acao/predacao.htm Acesso 22 set.2008 http://www.google.com.br Competição. Disponível em:<http://www.ib.usp.br/ecosteiros/textos_educ/costao/zonacao/predacao.htm> Acesso em: 22 set. 2008

×