Artecoremas

309 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artecoremas

  1. 1. A ARTE COMO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO DISCIPLINAROFICINA BÁSICA PARA PROFESSORES
  2. 2. A ARTE COMO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO DISCIPLINAR Prof. Msc. André Luiz Queiroga Reis andre_queiroga@yahoo.com.br
  3. 3. MÚSICA ECONTEÚDO
  4. 4. CONSTRUÇÃO CHICO BUARQUE Amou daquela vez como se fosse a última Morreu na contramão atrapalhando o tráfego Beijou sua mulher como se fosse a última Amou daquela vez como se fosse o último E cada filho seu como se fosse o único Beijou sua mulher como se fosse a única E atravessou a rua com seu passo tímido E cada filho seu como se fosse o pródigo Subiu a construção como se fosse máquina E atravessou a rua com seu passo bêbado Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Subiu a construção como se fosse sólido Tijolo com tijolo num desenho mágico Ergueu no patamar quatro paredes mágicas Seus olhos embotados de cimento e lágrima Tijolo com tijolo num desenho lógico Sentou pra descansar como se fosse sábado Seus olhos embotados de cimento e tráfegoComeu feijão com arroz como se fosse um príncipe Sentou pra descansar como se fosse um príncipe Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo Dançou e gargalhou como se ouvisse música Bebeu e soluçou como se fosse máquina E tropeçou no céu como se fosse um bêbado Dançou e gargalhou como se fosse o próximo E flutuou no ar como se fosse um pássaro E tropeçou no céu como se ouvisse música E se acabou no chão feito um pacote flácido E flutuou no ar como se fosse sábado Agonizou no meio do passeio público E se acabou no chão feito um pacote tímido.
  5. 5. O AUTOR DA NATUREZA ZÉ RAMALHO Admiro demais o beija-flor A natureza Que com medo da cobra inimiga A natureza Só constrói o seu ninho na urtiga A natureza Recebendo lição do Criador A natureza Observo a coragem do condorO que prende demais minha atenção Que nos montes rochosos come presa É um touro raivoso numa arena Urubu empregado na limpeza Uma pulga do jeito que é pequena Como é triste a vida do abutre Dominar a bravura do leão Quando encontra um morto é que se nutre Na picada ele muda a posição Quanto é grande e suprema a naturezaPra coçar-se depressa com certeza A abelha por Deus foi amestradaNão se serve da unha nem da presa Sem haver um processo bioquímico Se levanta da cama e fica em pé Até hoje não houve nenhum químico Tudo isso provando quanto é Pra fazer a ciência dizer nada Poderosa e suprema a natureza O buraco pequeno da entrada Facilita a passagem com franqueza
  6. 6. O CINEMA NASSALAS DE AULA
  7. 7. ARTES PLÁSTICAS
  8. 8. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBACENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA – CCEN LABORATÓRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS - LEA AGRADECIMENTOSandre_queiroga@yahoo.com.br

×