Presentation 3º Congresso Internacional de Design de Informação | Curitiba 2007

134 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
134
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Presentation 3º Congresso Internacional de Design de Informação | Curitiba 2007

  1. 1. Andrés Guevara e a reformulação gráfica da revista A Maçã Andrés Guevara and the new design project for the A Maçã magazine Aline Haluch
  2. 2. Introdução • A imprensa no Rio de Janeiro no início do século XX A modernização da imprensa e a presença das revistas ilustradas no cotidiano • Humberto de Campos e A Maçã • Da leveza do desenho de Ivan à ruptura gráfica de Guevara • O design como diferencial n’A Maçã • A Maçã: arte, técnica e design • Conclusão
  3. 3. Introdução A Modernidade de impõe ao passado colonial 1898 Início da Belle Époque carioca Rio de Janeiro 1920: centro político, cultural e financeiro do país; Remodelação urbana realizada em três planos: • Modernização do Porto • Saneamento da cidade • Reforma Urbana
  4. 4. Arte e Cultura Modernismo no Rio de Janeiro • Novos padrões de consumo e desenvolvimento da publicidade; Confronto entre o desejo pela tradição e o desejo pelo novo • Valores da Belle Époque dão origem a valores modernistas Design, Indústria e Comércio • O design fez parte da reconfiguração da vida social cultura material e visual da época. • O trabalho do designer pode ter surgido organicamente do processo produtivo da divisão de tarefas.
  5. 5. A modernização da imprensa e a presença das revistas ilustradas A partir de 1880 • Novas tecnologias / modernização da cidade • Novas técnicas de impressão e reprodução • Expansão da prática do reclame;
  6. 6. Profissionalização dos homens-de-letras • Imprensa: Pode ter sido uma das primeiras áreas de atuação do designer. Revistas Ilustradas: arte, técnica e literatura no 1900 • Inovações técnicas permitiram uso da gravura em escala industrial; • Nascimento de uma tradição cultural carioca, e hoje nacional: a revista semanal; • A ilustração criava códigos e dava identidade às publicações, definindo seu público.
  7. 7. Principais revistas ilustradas do início do século XX: • Revista da Semana – 1900 • Kosmos - 1904 • Careta - 1908 • O Malho - 1902 • Fon-Fon – 1907 • Para Todos – 1918
  8. 8. Humberto de Campos e A Maçã Humberto de Campos: o Conselheiro XX • Nasceu no Maranhão em 1886; • Aos 12 anos aprendiz de tipografia, paixão pelos livros, autodidata; • Renovação do design editorial brasileiro na déc.1920; • Conselheiro XX - contos satíricos são um sucesso de vendas; • Em 1922 fundou a revista A Maçã, onde assumiu outros pseudônimos; • Duplo sentido, sátira e ironia no texto e na ilustração;
  9. 9. A Maçã Semanário galante - dirigido ao público masculino editado no Rio de Janeiro entre 1922 e 1929 • Lançada em 11 de fevereiro de 1922 em pleno carnaval, no Rio de Janeiro; • O pseudônimo era um recurso de escritores e ilustradores. A Maçã era uma revista mal-vista; • Ascensão social das prostitutas de luxo, mudanças de comportamento da mulher, traição, desejo, pecado; • Projeto gráfico inovador, diagramação incomum, destaque às ilustrações e vinhetas; • Consumida e repudiada ao mesmo tempo.
  10. 10. 1. Quem fazia o desenho da página, planejamento do uso das vinhetas, ilustrações e textos? 2. Qual o papel do ilustrador na linguagem da revista? Será que o ilustrador e o diagramador trabalhavam juntos? 3. Será que o cronista dava palpites? 4. As mudanças da linguagem gráfica da revista foram planejadas? Quais as influências sofridas em seu projeto? 5. Pode-se alegar que não há projeto?
  11. 11. Da leveza do desenho de Ivan
  12. 12. à ruptura gráfica de Guevara O traço Art Nouveau migrou para o moderno Art Déco
  13. 13. Planejamento gráfico Ivan / Manlius Mello, decorador de interiores, criador de anúncios 1º projeto gráfico, logotipos e principais vinhetas. Desenhos puramente ornamentais, decorativos, de traço levíssimo. Injustamente relegado a segundo plano em toda bibliografia consultada. Andres Guevara, O único paraguaio que venceu o Brasil! responsável pela reestruturação gráfica d’A Maçã em 1923 Caricaturas com traço cubista tem rápida inserção na imprensa. Década 1940 - grande reformador da imprensa brasileira. Diagramação calculada e sistematizada nos jornais. Responsável pelo design de vários jornais cariocas: Diário da Noite, Folha Carioca e Última Hora.
  14. 14. 1. Uso da linguagem Art Nouveau, no editorial de 1922, impresso em apenas uma cor; 2. Editorial com o mesmo design mas impresso em duas cores; 3. Ruptura no design de Guevara em dezembro de 1923: a geometrização, o traço Art Déco, o uso de acabamentos tipográficos para criar desenhos e a aplicação definitiva das duas cores. 1 2 3
  15. 15. Recurso Outra grande solução de projeto foi o uso da sobreposição (overprint) da segunda cor (mais escura) para solucionar o problema da falta de registro, recurso utilizado até hoje em produção gráfica.
  16. 16. O novo projeto de capa de Andrés Guevara não possui mais o cabeçalho com o logotipo centralizado e a partir daí não há mais um padrão, o logotipo da revista passou a fazer parte da ilustração e acompanhava o estilo de cada capa, desenhada por diferentes ilustradores. Capa editada em 1922: cabeçalho que mostra a serpente circulando o logotipo da revista e ao lado a ruptura de Guevara, uso da tipografia com forte traço Art Déco e o desenho inconfundível
  17. 17. 1922 O design como diferencial n’A Maçã A Maçã reflete modelos, propostas gráficas, estilo, moda, literatura e linguagem artística de uma década de grandes mudanças de comportamento e de pensamento.
  18. 18. 1923 A mulher d’A Maçã é uma mulher poderosa, que não perde a oportunidade de humilhar e usar os homens; É também a mulher bela, vaidosa e amorosa.
  19. 19. 1924 Tudo muda! Guevara entra em cena; Personagens políticos Recurso do retrato nas capas, formas mais simplificadas; Logotipo acompanha a linguagem da capa; Editorial valorizado, acabamentos tipográficos e diagramações inovadoras; Miolo estruturado, desenhos crescem na página.
  20. 20. 1925 Capas com ilustrações que preenchem a capa toda; Novos recursos de linguagem visual: terceira dimensão, perfil e planos diferentes; Amadurecimento da publicação. Liberdade formal; Excelente uso das cores; Acabamentos tipográficos se intensifica; Miolo com uso mais objetivo da ilustração;
  21. 21. 1926 Capas provocantes e explícitas em relação ao sexo; Editorial com grande variação na ornamentação e diagramação. Linguagem Art Déco; Estrutura arquitetônica; Diminuição no uso de vinhetas; Linguagem verbal ousada; Uso da fotografia.
  22. 22. A Maçã: arte, técnica e design • surgimento e a popularização do Art Nouveau reflete todas as contradições que caracterizam a arte moderna. • O Art Nouveau tornou-se o primeiro estilo divulgado em escala maciça, possibilitando a reprodução industrial intensiva de suas formas em artigos de todas as espécies. (DENIS. 2000:88)
  23. 23. A proliferação dos dois estilos foi surpreendente, especialmente na arquitetura e na área gráfica — onde as revistas ilustradas tiveram seus grandes momentos, com belas capas e novos acabamentos.
  24. 24. A Maçã • Transformação do uso do ornamento No início predominavam ilustrações e caricaturas – a estes vão se somando os acabamentos tipográficos ascensão do movimento Art Déco: geometrização supressão gradativa da linha curva e ondulante do Art Nouveau. • Vermelho e preto: característica do Art Déco combinação bastante utilizada n’A Maçã
  25. 25. Conclusão • A Maçã – projeto editorial cuidadoso, requintado, inegável seu valor estético, literário, histórico e de conteúdo gráfico. • Conceitos, recursos e inovações gráficas que são surpreendentes ainda hoje. • Profissionais pioneiros que ajudaram a consolidar as bases do design brasileiro. • Desenho Industrial em 1922; • Desenvolver a visão crítica: questionar as verdades que aprendemos como absolutas; • História do design a partir de uma perspectiva brasileira • Embasamento intelectual: essencial ao designer • Reinventar o cotidiano de maneira mais humana e criativa
  26. 26. Obrigada pela atenção! aline@creamcrackers.com.br

×