Saude da familia_um_retrato

3.591 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.591
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
97
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
185
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saude da familia_um_retrato

  1. 1. Ministério da SaúdeSaúde da Família Um retrato Brasília – DF 2009
  2. 2. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaSaúde da Família Um retrato Série I. História da Saúde no Brasil Brasília – DF 2009
  3. 3. ©2009 Ministério da Saúde.Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquerfim comercial.A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da área técnica.A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde:http://www.saude.gov.br/bvsSérie I. História da Saúde no BrasilTiragem: 1.ª edição – 2009 – 15.000 exemplaresElaboração, distribuição e informações: Colaboração:MINISTÉRIO DA SAÚDE Fábio OliveiraSecretaria de Atenção à Saúde Inaiara BraganteDepartamento de Atenção Básica Tiago Grandi ChabudeEsplanada dos Ministérios, bloco G, 6º andar, sala 655CEP: 70058-900, Brasília – DF Fotógrafa convidada:Tel.: (61) 3315-2497Home page: www.saude.gov.br/dab Larissa Grandi Vaitsman BastosSupervisão geral: Projeto gráfico:Claunara Schilling Mendonça Daniel Coelho MoutinhoSupervisão técnica: Diagramação:Núlvio Lermen Junior Daniel Coelho Moutinho Os versos das fotografias desta publicação integram o poema “Can-Coordenação técnica: tigas de andar juntos” do médico tocantinense Célio PereiraJosé Carlos Prado JuniorSamantha Pereira FrançaImpresso no Brasil / Printed in Brazil Ficha Catalográfica_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Família : um retrato / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério daSaúde, 2009. 76 p. : il. – (Série I. História da Saúde no Brasil) ISBN 978-85-334-1624-6 1. Atenção básica. 2. Atenção à saúde. 3. Equipes de saúde. I. Título. II. Série. CDU 613.9-055_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2009/0710Títulos para indexação:Em inglês: Family Health: a portraitEm espanhol: Salud de la Familia: un retrato
  4. 4. APRESENTAÇÃOO Sistema Único de Saúde (SUS) completou 20 anos de existência garantindo o acesso universalà população brasileira. A Atenção Primária à Saúde funciona como porta de entrada do sistemae está próxima das pessoas e da comunidade. A Estratégia Saúde da Família é uma realidadebem-sucedida há 15 anos, e hoje, com mais de 30.000 equipes implantadas, está presente emcada canto de nosso país. As equipes trabalham com a continuidade do cuidado, o vínculo com aspessoas, a participação social e o acesso aos serviços de saúde.O cotidiano desses profissionais e das pessoas na comunidade merece ser retratado e eternizado,pois geralmente esses momentos passam despercebidos. O olhar dos profissionais de saúdediariamente se abre para os encantos, belezas, sofrimentos e potencialidades que a saúdeda família oferece. Em contrapartida, esses profissionais oferecem o que parece ser o maisimportante: o cuidado.São unidades de saúde, trabalhadores, visitas domiciliares, procedimentos, rostos, sorrisos, querevelam um pouco da realidade da população brasileira em algum canto escondido.As fotos deste álbum foram selecionadas a partir de um concurso da II Mostra de Fotografias Saúdeda Família, promovido pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.Este material é um pequeno retrato da Saúde da Família no Brasil, mas não o único. Ministério da Saúde 3
  5. 5. Saúde da Família Um retrato 5
  6. 6. De onde ainda nem chegamos  acende o zelo de ser único na vontade de todos.6
  7. 7. Ver de frenteo que acendepara espalhar mais alvos. 7
  8. 8. Como cada um ser junto na astúcia de entender caminho e rumo.8
  9. 9. Cada estreito nosso há de alcançar os vãosnum fazer de espalhar lugares. 9
  10. 10. E onde chegar serão árvores nossas mãos de uma raiz só.10
  11. 11. 11
  12. 12. Dessa raiz que rompe que remove o lugar e que aprofunda em longes.12
  13. 13. Como horizonte fosse igual andarsustentamos-nos em cada olhar acendido em cada vontade de alcançar-se. 13
  14. 14. 14
  15. 15. Assim os gestos vão gestando os vãoscomo meninos nas varandasolhando para além dos muros. 15
  16. 16. Posto que aqui sempre é tempo de sonhar para mais o que seja regar e brotar. Segue assim espalhando luz o que vela e o que singra.16
  17. 17. 17
  18. 18. Nem parece mesmo longe o que o caminho estreita pelo carecer sincero de ir.18
  19. 19. Vê que é grande uma manhãnelas duram muitas claridadesapesar de ímpares. 19
  20. 20. 20
  21. 21. Uma manhã tem feitio de bandeiraa nos significarem pares. 21
  22. 22. Se a gente vai nossa bandeira é sempre frente onde se vai chegar.22
  23. 23. 23
  24. 24. 24
  25. 25. É nossa vontade quem chega primeiroquando o caminho nos juntano continuar andando. 25
  26. 26. 26
  27. 27. Mesmo o grande dos nossos estreitosé um caminho sónas mãos de nosso rumo. 27
  28. 28. 28
  29. 29. Se arranjar um diverso inesperadopaciência é remédio absolutopara o encontrar-se. 29
  30. 30. Esses artifícios de andar junto carecem mesmo paciência e as vezes alguma ciência.30
  31. 31. Até o êrmo pode ser perto se o caminho é certo no rumo do junto. 31
  32. 32. 32
  33. 33. E quando menos parece aparece outro hojee a gente toma um novo mesmo tino. 33
  34. 34. 34
  35. 35. É assim mesmo diversoo caminhar do esperançadia ensina dia aprende. 35
  36. 36. No fundo esperança é vontade de andar junto ainda que distante.36
  37. 37. 37
  38. 38. 38
  39. 39. Tecendo fios longosnuma mesma rendaa gente entende os muitos. 39
  40. 40. 40
  41. 41. Pois o tempo de recomeçar é um tempo inteiro ainda que também único. 41
  42. 42. 42
  43. 43. Como tempo de florchamando o dia para abriraqui o zelo é quem governa o caminho. 43
  44. 44. Pois se o dia abrir com zelo é certa a flor visitando nosso rumo.44
  45. 45. Ao menos aos paresé permitido combinar o único no diverso. 45
  46. 46. Combinar que a estrada segue e tem gente esperando para receber nosso passo.46
  47. 47. Passar o passo é quase um partotem merecimento de mutiplicar-se como aquelas manhãs paridas. 47
  48. 48. É que os limites as fronteiras são também caminhos.48
  49. 49. E o caminho mais árduoé o rumo de dentro da genteque precisa chegar no outro. 49
  50. 50. O outro é quem nos sustenta é quem nos faz caminho é quem nos caminha.50
  51. 51. Segue cada umcomo caravana de todospara se juntar num canto da chegada. 51
  52. 52. Toda porta vai se abrir toda janela vai espiar cada chegar desse rumo.52
  53. 53. Rumo ungido em singeloem simplesque se agradece como amém. 53
  54. 54. Recebe essa simplicidade que todo chegar encerra e que espiga de boa nova.54
  55. 55. A gente que anda juntosempre está pronto para acender uma nova chama de guia. 55
  56. 56. 56
  57. 57. Deixar a chama nos lumiarpara seguir juntonas horas de sós. 57
  58. 58. Vê que seus olhos são meuse busca um entender em sedepois os ávidos são sempre fecundos.58
  59. 59. 59
  60. 60. Como é  infinito o  andar juntos a cantiga junta sempre se afina pois cada passo o mesmo compasso.60
  61. 61. 61
  62. 62. Para quem escuta o canto do junto se distingue o passarinho pelo olhar o canto é só artifício de beleza.62
  63. 63. 63
  64. 64. 64
  65. 65. A gente lembra da gentequando nos dão motivo de andare reconhece o quanto falta pra chegar. 65
  66. 66. Se chegar a hora de fazer outro ir o que se  deixa vai com a gente o olhar de quem fica vai com a gente.66
  67. 67. 67
  68. 68. Nosso rumo é mesmo preso ao sol que precisa estar sempre estendido para romper as nódoas.68
  69. 69. 69
  70. 70. Se nosso andar dispersar a lição das pontes entre nós é capaz de novamente nos juntar.70
  71. 71. 71
  72. 72. Riso é mais que alegria entre nós é o remédio que nos faz iguais num caminho de diferenças.72
  73. 73. 73
  74. 74. Cantigas de andar junto Posto que aqui sempre é tempo Se arranjar um diverso inesperado de sonhar para mais paciência é remédio absoluto De onde ainda nem chegamos  o que seja regar e brotar. para o encontrar-se. acende o zelo de ser único na vontade de todos. Segue assim espalhando luz Esses artifícios de andar junto o que vela carecem mesmo paciência Ver de frente e o que singra. e as vezes alguma ciência. o que acende para espalhar mais alvos. Nem parece mesmo longe Até o êrmo pode ser perto o que o caminho estreita se o caminho é certo Como cada um pelo carecer sincero de ir. no rumo do junto. ser junto na astúcia de entender caminho e rumo. Vê que é grande uma manhã E quando menos parece Cada estreito nosso nelas duram muitas claridades aparece outro hoje há de alcançar os vãos apesar de ímpares. e a gente toma um novo mesmo tino. num fazer de espalhar lugares. Uma manhã tem feitio de bandeira É assim mesmo diverso E onde chegar a nos significar o caminhar do esperança serão árvores nossas mãos em pares. dia ensina dia aprende. de uma raiz só. Se a gente vai No fundo esperança é vontade Dessa raiz que rompe nossa bandeira é sempre frente de andar junto que remove o lugar onde se vai chegar. ainda que distante. e que aprofunda em longes. É nossa vontade quem chega primeiro Tecendo fios longos Como horizonte fosse igual andar quando o caminho nos junta numa mesma renda sustentamos-nos em cada olhar no continuar andando. a gente entende os muitos. acendido Mesmo o grande dos nossos estreitos em cada vontade de alcançar-se. é um caminho só Assim os gestos vão gestando os vãos nas mãos de nosso rumo. como meninos nas varandas olhando para além dos muros.74
  75. 75. Pois o tempo de recomeçar E o caminho mais árduo Vê que seus olhos são meusé um tempo inteiro é o rumo de dentro da gente e busca um entender em sedeainda que também único. que precisa chegar no outro. pois os ávidos são sempre fecundos.Como tempo de flor O outro é quem nos sustenta Como é infinito o andar juntoschamando o dia para abrir é quem nos faz caminho a cantiga junta sempre se afinaaqui o zelo é quem governa o é quem nos caminha. pois cada passo o mesmo compasso.caminho. Segue cada um Para quem escuta o canto do juntoPois se o dia abrir com zelo como caravana de todos se distingue o passarinho pelo olharé certa a flor para se juntar num canto da chegada. o canto é só artifício de beleza.visitando nosso rumo. Toda porta vai se abrir A gente lembra da genteAo menos aos pares toda janela vai espiar quando nos dão motivo de andaré permitido combinar cada chegar desse rumo. e reconhece o quanto falta pra chegar.o único no diverso. Rumo ungido em singelo Se chegar a hora de fazer outro irCombinar que a estrada segue em simples o que se  deixa vai com a gentee tem gente esperando que se agradece como amém. o olhar de quem fica vai com a gente.para receber nosso passo. Recebe essa simplicidade Nosso rumo é mesmo preso ao solPassar o passo é quase um parto que todo chegar encerra que precisa estar sempre estendidotem merecimento de mutiplicar-se e que espiga de boa nova. para romper as nódoas.como aquelas manhãs paridas. A gente que anda junto Se nosso andar dispersarÉ que os limites sempre está pronto para acender a lição das pontes entre nósas fronteiras uma nova chama de guia. é capaz de novamente nos juntar.são também caminhos. Deixar a chama nos lumiar Riso é mais que alegria entre nós para seguir junto é o remédio que nos faz iguais nas horas de sós. num caminho de diferenças. Célio Pedreira 75
  76. 76. Página 5 Página 20 Página 44 Página 58 Adriane Pinto Diniz Anderson Carlos De Alarcão Fabiele Mello Assad Natália Brasil Curvelo, MG Itaberaí, MG São Bernardino, SC Florianopolis, SC Página 6 Página 23 Página 45 Página 61 Caroline Carapiá Ribas Lisboa Caroline Carapiá Ribas Lisboa Juliana Simões Amâncio Natália Brasil São Paulo, SP São Paulo, SP Londrina, PR Florianopolis, SC Página 7 Página 24 Página 46 Página 62 Caroline Carapiá Ribas Lisboa Caroline Carapiá Ribas Lisboa Adriano Olivieri Brito Wanderley Pereira Costa São Paulo, SP São Paulo, SP Joaíma, MG Suzano, SP Página 8 Página 26 Página 47 Página 64 Caroline Carapiá Ribas Lisboa Lindsei Priscila Patricio Da Rosa Fotos Históricas da Samuel Bizachi São Paulo, SP Porto Alegre, RS Saúde da Família São Leopoldo, RS Página 9 Página 28 Página 48 Página 66 Marcela Dohms Melissa Kavati Amaral Margarida Mascarenhas Monica Amelia Medeiros da Florianopolis, SC Novo Airao, AM Itabira, MG Cunha Lima Coruripe, AL Página 10 Página 30 Página 49 Bruno Santos Nadia Daiani Fonseca Anderson Carlos De Alarcão Página 67 Curitiba, PR Sao Manoel, PR Itaberaí, GO Isabel Francine Souza Oliveira Soares Verdelândia, MG Página 12 Página 31 Página 50 Daniel Victor Coriolano Serafim Ivete Maria Lorenzi Margarida Mascarenhas Página 69 CE Chopinzinho, PR Itabira, MG Samuel Bizachi São Leopoldo, RS Página 13 Página 32 Página 51 Adriane Pinto Diniz Secretaria Municipal de Saúde de Anderson Carlos De Alarcão Página 71 Curvelo, MG Rolândia Itaberaí, GO Caroline Carapiá Ribas Lisboa Rolândia, PR São Paulo, SP Página 14 Página 52 Caroline Carapiá Ribas Lisboa Página 34 Anderson Carlos De Alarcão Página 73 São Paulo, SP Marilise Legat Viviani Itaberaí, GO Caroline Carapiá Ribas Lisboa Curitiba, PR São Paulo, SP Página 16 Página 53 Caroline Carapiá Ribas Lisboa Página 37 Margarida Mascarenhas Página 75 São Paulo, SP Bruno Santos Itabira, MG Caroline Carapiá Ribas Lisboa Curitiba, PR São Paulo, SP Página 17 Página 54 Marcela Dohms Página 38 Margarida Mascarenhas Florianopolis, SC Natália Brasil Itabira, MG Florianopolis, SC Página 18 Página 55 Marcela Dohms Página 40 Andre Luiz Baião Campos Florianopolis, SC Daniely Da Silva Figueiredo Ouro Preto, MG Belem do Sao Francisco, PE Página 19 Página 56 Letícia Thomaz de Almeida Página 42 Ana Maria Garcia Andrade Rio de Janeiro, RJ Wanderley Pereira Costa Cachoeira de Minas, MG Suzano, SP76
  77. 77. ISBN 978 - 85 - 334 - 1624 - 6 9 788533 416246 Disque Saúde 0800 61 1997 Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Secretaria de Ministério Atenção à Saúde da SaúdeSBMFC

×