SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
ABORDAGEMEDUCATIVA DAABORDAGEMEDUCATIVA DA
DOENÇAS SEXUALMENTEDOENÇAS SEXUALMENTE
TRANSMISSÍVEISTRANSMISSÍVEIS
A FORMAÇÃO DOS
AGENTES COMUNITÁRIOS
DE SAÚDE
Para esclarecer dúvidas, transmitir as
informações corretas e encaminhar
adequadamente, é necessário que o Agente
Comunitário de Saúde se capacite sobre os
assuntos que envolvem a comunidade e se
atualize constantemente.
A FORMAÇÃO DOS ACS
O QUE PRECISAMOS
SABER PARA FAZER O
TRABALHO DE
PREVENÇÃO?
Um bom começo é discutir e conversar
sobre o próprio corpo e sobre a
sexualidade.
No campo da ação preventiva, a
capacidade de se proteger tem a ver
com esse conhecimento e com a
reflexão sobre nossos desejos, medos,
expectativas, prazeres.
As relações sexuais e a própria vivência da
sexualidade são cercadas de muitas
crenças e tabus que podem dificultar o
trabalho de prevenção da AIDS e das outras
doenças transmitidas pelo sexo.
É sentindo o jeito de cada morador/a, que
os/as agentes vão dando o tom do
trabalho: tem horas em que é possível
usar do bom humor, noutras você apenas
responde as perguntas, noutras você
pergunta e por aí vai...
O importante é respeitar o tempo e o
limite de cada um/a.
LEMBRE-SE
A INFORMAÇÃO E A REFLEXÃO
SOBRE A PREVENÇÃO COMEÇAM
POR VOCÊ!
PREVENÇÃO SE FAZ COM ESCUTA
CONFIANÇA
Nas conversas informais com os/as
moradores/as, que ocorrem diariamente devido à
enorme procura, o/a ACS deve se preocupar em
escutar a todos/as de forma aberta e sem
julgamentos.
Não se deve esquecer que estas conversas
precisam ser mantidas em sigilo para que o
vínculo de confiança com os/as moradores/as
seja conservado e se fortaleça o diálogo.
“O momento de escuta é muito importante. É
fundamental parar um momento para escutar as
pessoas da comunidade, as queixas e as
demandas. Saber escutar e dar uma resposta
que não assuste. A escuta da liderança não é
uma escuta comum nem é uma escuta técnica,
mas uma escuta para encaminhar. Ouvir para
encaminhar, para orientar,para buscar uma
solução com os recursos existentes e não
julgar”.
Grupo Consulta - Salvador
COMO DEVE SER UM AGENTE
COMUNITÁRIO DE SAÚDE NA
ABORDAGEM DAS DOENÇAS
SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS,
•Tem que ser acolhedor, incluir todas as pessoas.
•É importante que a pessoa que faça esse trabalho
seja uma pessoa aberta, que esteja preparada para
trabalhar com públicos diversos.
•Ter atenção à ética e ao sigilo.
•É preciso ver a pessoa como um todo e não em
partes.
•É preciso ter sempre esclarecimento, porque, em
vez de ajudar, pode complicar ainda mais com
informações desencontradas
•Se não souber responder, é só dizer que vai
consultar e falar a resposta depois. Quando for o
caso, encaminhar diretamente para o serviço de
saúde.
“Eu preciso limitar até onde eu posso
ir, quem sou eu nessa história, qual o
meu compromisso com essas pessoas
e o que elas podem esperar de mim.
Sou mulher, também tenho que
trabalhar, cuidar de mim, dos meus
filhos. Você não tem que resolver,
interferir em todas as situações. Você
vai colocando seus limites.”
Grupo Consulta Rio de Janeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 1 - Aula 5
Módulo 1 - Aula 5Módulo 1 - Aula 5
Módulo 1 - Aula 5agemais
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mentalkarol_ribeiro
 
Folheto 2
Folheto 2Folheto 2
Folheto 2Daniela
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folderTatiane
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososgcmrs
 
Cuidando do cuidador
Cuidando do cuidadorCuidando do cuidador
Cuidando do cuidadorpastorlinaldo
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosFrederico Brandão
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoAndré Oliveira
 
Cuidadores de Idosos - VR Medcare
Cuidadores de Idosos - VR MedcareCuidadores de Idosos - VR Medcare
Cuidadores de Idosos - VR MedcareVr Medcare
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalgcmrs
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde MentalNome Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Módulo 1 - Aula 5
Módulo 1 - Aula 5Módulo 1 - Aula 5
Módulo 1 - Aula 5
 
Experiências em Humanização
Experiências em HumanizaçãoExperiências em Humanização
Experiências em Humanização
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mental
 
Folheto 2
Folheto 2Folheto 2
Folheto 2
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Aconselhamento[1]
Aconselhamento[1]Aconselhamento[1]
Aconselhamento[1]
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folder
 
Humanizar o Cuidado
Humanizar o CuidadoHumanizar o Cuidado
Humanizar o Cuidado
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
 
Cuidando do cuidador
Cuidando do cuidadorCuidando do cuidador
Cuidando do cuidador
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
 
Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1
 
Cuidadores de Idosos - VR Medcare
Cuidadores de Idosos - VR MedcareCuidadores de Idosos - VR Medcare
Cuidadores de Idosos - VR Medcare
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto final
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
 

Semelhante a Prevenção DSTs ACS

ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSJocilaine Moreira
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrmsAdélia Correia
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaPatrícia Müller
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeSusana Cardoso
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfMarceloInacio18
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...Fabio Ferreira
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciadosresenfe2013
 
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdfssuser4246d2
 
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.pptNome Sobrenome
 
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mental
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mentalJaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mental
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mentalLedianeDias
 
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades popularesManual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades popularesAlinebrauna Brauna
 

Semelhante a Prevenção DSTs ACS (20)

éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
 
ACOLHIMENTO.pptx
ACOLHIMENTO.pptxACOLHIMENTO.pptx
ACOLHIMENTO.pptx
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
 
Transformar e progredir
Transformar e progredirTransformar e progredir
Transformar e progredir
 
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
 
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
1_Guia_Saude mental_adolescentes_11_14anos_.pdf
 
psf
psfpsf
psf
 
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Documento de ma (4)
Documento de ma (4)Documento de ma (4)
Documento de ma (4)
 
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades popularesManual de prevencao as dst aids e comunidades populares
Manual de prevencao as dst aids e comunidades populares
 
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mental
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mentalJaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mental
JaneiroBranco.pptx cuidados com a saude mental
 
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades popularesManual de prevenção das dstaids em comunidades populares
Manual de prevenção das dstaids em comunidades populares
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Prevenção DSTs ACS

  • 1. ABORDAGEMEDUCATIVA DAABORDAGEMEDUCATIVA DA DOENÇAS SEXUALMENTEDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISTRANSMISSÍVEIS A FORMAÇÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
  • 2. Para esclarecer dúvidas, transmitir as informações corretas e encaminhar adequadamente, é necessário que o Agente Comunitário de Saúde se capacite sobre os assuntos que envolvem a comunidade e se atualize constantemente. A FORMAÇÃO DOS ACS
  • 3. O QUE PRECISAMOS SABER PARA FAZER O TRABALHO DE PREVENÇÃO?
  • 4. Um bom começo é discutir e conversar sobre o próprio corpo e sobre a sexualidade. No campo da ação preventiva, a capacidade de se proteger tem a ver com esse conhecimento e com a reflexão sobre nossos desejos, medos, expectativas, prazeres.
  • 5. As relações sexuais e a própria vivência da sexualidade são cercadas de muitas crenças e tabus que podem dificultar o trabalho de prevenção da AIDS e das outras doenças transmitidas pelo sexo.
  • 6. É sentindo o jeito de cada morador/a, que os/as agentes vão dando o tom do trabalho: tem horas em que é possível usar do bom humor, noutras você apenas responde as perguntas, noutras você pergunta e por aí vai... O importante é respeitar o tempo e o limite de cada um/a.
  • 7. LEMBRE-SE A INFORMAÇÃO E A REFLEXÃO SOBRE A PREVENÇÃO COMEÇAM POR VOCÊ!
  • 8. PREVENÇÃO SE FAZ COM ESCUTA CONFIANÇA Nas conversas informais com os/as moradores/as, que ocorrem diariamente devido à enorme procura, o/a ACS deve se preocupar em escutar a todos/as de forma aberta e sem julgamentos. Não se deve esquecer que estas conversas precisam ser mantidas em sigilo para que o vínculo de confiança com os/as moradores/as seja conservado e se fortaleça o diálogo.
  • 9. “O momento de escuta é muito importante. É fundamental parar um momento para escutar as pessoas da comunidade, as queixas e as demandas. Saber escutar e dar uma resposta que não assuste. A escuta da liderança não é uma escuta comum nem é uma escuta técnica, mas uma escuta para encaminhar. Ouvir para encaminhar, para orientar,para buscar uma solução com os recursos existentes e não julgar”. Grupo Consulta - Salvador
  • 10. COMO DEVE SER UM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE NA ABORDAGEM DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS,
  • 11. •Tem que ser acolhedor, incluir todas as pessoas. •É importante que a pessoa que faça esse trabalho seja uma pessoa aberta, que esteja preparada para trabalhar com públicos diversos. •Ter atenção à ética e ao sigilo. •É preciso ver a pessoa como um todo e não em partes. •É preciso ter sempre esclarecimento, porque, em vez de ajudar, pode complicar ainda mais com informações desencontradas •Se não souber responder, é só dizer que vai consultar e falar a resposta depois. Quando for o caso, encaminhar diretamente para o serviço de saúde.
  • 12. “Eu preciso limitar até onde eu posso ir, quem sou eu nessa história, qual o meu compromisso com essas pessoas e o que elas podem esperar de mim. Sou mulher, também tenho que trabalhar, cuidar de mim, dos meus filhos. Você não tem que resolver, interferir em todas as situações. Você vai colocando seus limites.” Grupo Consulta Rio de Janeiro