Slides NBR ISO/IEC 9126-1

9.575 visualizações

Publicada em

Seminário sobre NBR ISO/IEC 9126-1 apresentado à Faculdade Anhanguera Unidade Limeira, na disciplina de Engenharia de Software, do curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas Web.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
  • Muito interessante colaborando bastante para auxílio em monografia
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Slides NBR ISO/IEC 9126-1

  1. 1. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN Faculdade Anhanguera de Limeira Desenvolvimento de Sistemas para a Web Módulo 2 - Engenharia de Software Prof. Renato Cividini Matthiesen NBR ISO/IEC 9126-1 Cláudio Maesi Evandro Santaclara Luis André Claudiano Paulo William A NBR 13596 foi substituída por duas séries de normas: - NBR ISO/IEC 9126 – Qualidade do produto de software - NBR ISO/IEC 14598 – Avaliação de produto de software ISO: The International Standardization Organization, fundada em 1947, coordena o trabalho de 127 países membros para promover a padronização de normas técnicas em âmbito mundial IEC: The International Electrotechnical Commission, fundada em 1906, conta com mais de 50 países e publica normas internacionais relacionadas com eletricidade, eletrónica e áreas relacionadas
  2. 2. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN A ISO/IEC 9126 é composta das seguintes partes: - ISO/IEC 9126-1: Modelo de Qualidade - ISO/IEC 9126-2: Métricas Externas - ISO/IEC 9126-3: Métricas Internas - ISO/IEC 9126-4: Métricas de Qualidade em Uso !quot;# !quot; $ % # ! !quot;
  3. 3. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN O Modelo de Qualidade divide-se em duas partes: 1- Qualidade interna e externa 2- Qualidade no uso - A primeira parte define 6 características que são divididas em subcaracterísticas. Estas subcaracterísticas são externas quando o software é usado como parte de um sistema de computadores, e são resultado de atributos interno do software. - A segunda parte divide-se em 4 características de utilização. São os efeitos da combinação das 6 características anteriores. & # $ % & quot; +( ,%+ * +( ,%+ * +( ,%+ * $ % # ! !quot; !quot; !quot; !quot; !quot; -% # ! !quot; -% # ! !quot; -% # ! !quot; '( )quot;** .+quot;(. quot;/+quot;(. . %* .+quot;/+ * !quot; %* ! quot;
  4. 4. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN # $ % & quot; ! quot; && quot;quot; ! quot; '' * quot; 4quot;quot;!, )5 !! && quot;quot; ! quot; # ! 23 ! quot; ! ! & quot; & quot; ! quot; quot;( 1 ) 23 ! quot; 0 & quot; - Conjunto de características do produto de software que avaliam o produto segundo uma visão interna - Usados para definir estratégias de desenvolvimento e critérios para avaliação e verificação durante todo o desenvolvimento 6
  5. 5. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; - Conjunto de características do produto de software que avaliam o produto segundo uma visão externa - Qualidade quando o software é executado - Avaliado através de testes em ambientes simulados & quot; ( ) - Visão do utilizador sobre a qualidade do produto quando em uso num ambiente especifico dentro de um contexto de utilização - É medida em relação ao resultado da utilização do software e não em relação a características do produto - Representa o efeito combinado da qualidade externa e interna
  6. 6. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN quot; & quot; $ % # ! !quot; /+quot;(. quot; .+quot;(. Funcionalidade Confiabilidade Usabilidade Eficiência Manutenibilidade Portabilidade - Maturidade - Inteligibilidade -Comportamento - Analisabilidade - Adaptabilidade - Adequação Adequaç - Tolerância a - Apreensibilidade em relação ao relaç - Modificabilidade - Capacidade - Acurácia Acurá falha - Operacionabilidade tempo - Estabilidade para ser instalado - Interoperabilidade - Recuperabilidade - Atratividade - Utilização de Utilizaç - Testabilidade - Coexistência - Segurança de Seguranç - Conformidade - Conformidade recursos - Conformidade - Testabilidade] Testabilidade] Acesso relacionada à relacionada à - Conformidade relacionada à - Capacidade para - Conformidade confiabilidade usabilidade relacionada à manutenibilidade substituir relacionada à eficiência - Conformidade funcionalidade relacionada à portabilidade & quot; 1- Funcionalidade Conjunto de funções que atendem às necessidades para a finalidade a que o produto se destina 1.1 - Adequação Possuir um conjunto apropriado de funções para realizar as tarefas especificadas 1.2 – Acurácia Prover com grau de precisão necessário, resultados ou efeitos corretos ou conforme acordados 1.3 – Interoperabilidade Capacidade de interagir com um ou mais sistemas especificados 1.4 - Segurança de acesso Proteger informações e dados, de forma que pessoas ou sistemas não autorizados não possam lê-los nem modificá-los e que não seja negado o acesso às pessoas ou sistemas autorizados. 1.5 - Conformidade relacionada à funcionalidade Estar de acordo com normas, convenções ou regulamentações relacionadas à funcionalidade
  7. 7. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 2- Confiabilidade O desempenho mantêm-se ao longo do tempo nas condições estabelecidas 2.1- Maturidade Evitar falhas decorrentes de defeitos no software - 2.2 - Tolerância a falhas Manter um nível de desempenho especificado em caso de falha 2.3 - Recuperabilidade Restabelecer o nível de desempenho e recuperar dados 2.4 - Conformidade relacionada à confiabilidade Estar de acordo com normas, convenções ou regulamentações relacionadas à confiabilidade & quot; 3- Usabilidade Capacidade do software ser compreendido, aprendido, operado e atraente ao usuário, quando usado sob condições especificadas. 3.1- Inteligibilidade Possibilitar ao usuário compreender se o software é apropriado e como ele pode ser usado para tarefas e condições de uso específicas. 3.2 - Apreensibilidade Possibilitar ao usuário aprender sua aplicação. 3.3 - Operacionalidade Possibilitar ao usuário operá-lo e controlá-lo 3.4 - Atratividade Ser atraente ao usuário 3.5 – Conformidade relacionada à usabilidade Estar de acordo com normas, convenções, guias de estilo ou regulamentações relacionadas à usabilidade.
  8. 8. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 4- Eficiência Apresentar desempenho apropriado, relativo à quantidade de recursos usados, sob condições especificadas 4.1- Comportamento em relação ao tempo Fornecer tempos de resposta e de processamento, além de taxas de transferência, apropriados, quando o software executa suas funções, sob condições estabelecidas. 4.2 – Utilização de Recursos Usar tipos e quantidades apropriados de recursos, quando o software executa suas funções sob condições estabelecidas. 4.3 – Conformidade relacionada à eficiência Estar de acordo com normas e convenções relacionadas à eficiência. & & quot; 5- Manutenibilidade Capacidade de ser modificado. As modificações podem incluir correções, melhorias ou adaptações devido a mudanças no ambiente e nos seus requisitos. 5.1- Analisabilidade Permitir o diagnóstico de deficiência ou causa de falhas no software, ou a identificação de partes a serem modificadas. 5.2 – Modificabilidade Permitir que uma modificação especificada seja implementada. 5.3 – Estabilidade Evitar efeitos inesperados decorrentes de modificações no software. 5.4 – Testabilidade Permitir que o software, quando modificado, seja validado 5.5 – Conformidade relacionada à manutenibilidade Estar de acordo com normas ou convenções relacionadas à manutenibilidade.
  9. 9. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 6- Portabilidade Capacidade do produto de software de ser transferido de um ambiente para outro. 6.1- Adaptabilidade Ser adaptado para diferentes ambientes especificados, sem necessidade de aplicação de outras ações ou meios além daqueles fornecidos para essa finalidade. 6.2 – Capacidade de ser instalado Ser instalado em um ambiente especificado. 6.3 – Coexistência Coexistir com outros produtos de software independentes, em um ambiente comum, compartilhando recursos comuns. 6.4 – Capacidade para substituir Ser usado em substituição a outro produto de software especificado, com o mesmo propósito e no mesmo ambiente. 6.5 – Conformidade relacionada à portabilidade Estar de acordo com normas ou convenções relacionadas à portabilidade. 0 quot; & quot; ( ) 6
  10. 10. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN quot; & quot; ( ) 7- Qualidade em uso Capacidade de permitir que usuários especificados atinjam metas especificadas com eficácia, produtividade, segurança e satisfação em contextos de uso especificados. 7.1- Eficácia Permitir que usuários atinjam metas especificadas com acuária e complenitude, em um contexto de uso especificado. 7.2 – Produtividade Permitir que seus usuários empreguem quantidade apropriada de recursos em relação à eficácia obtida, em um contexto de uso especificado. 7.3 – Segurança Apresentar níveis aceitáveis de riscos de danos a pessoas, negócios, software, propriedades ou ao ambiente, em um contexto especificado. 7.4 – Satisfação Satisfazer usuários, em um contexto de uso especificado. Referência 1- NBR ISO/IEC 9126-1 Engenharia de Software – Qualidade de produto. Parte 1: Modelo de qualidade

×