O slideshow foi denunciado.

Livros infantis

42.110 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação

Livros infantis

  1. 1. Fichas pedagóxicas La Compagnie Créative La Compagnie CréativeLa Compagnie Créative La Compagnie Créative
  2. 2. Texto As imagens A. Coelho, S. Romero, A. Oliveira ou L. Vasconcellos, Predominam os acrílicos sobre fundos com texturas, num recolheram variantes desta história em todo o Portugal e até esquema cromático que se configura em torno de cores no Brasil, com histórias a que chamaram A velha e os lobos, quentes. Tipograficamente a proposta é de um tamanho O macaco e a cabaça (na variante brasileira), A cabacinha ou generoso, o que permite uma cómoda leitura, reservando-se o A velha que ia na cabaça e encontrou um lobo. Nalgumas negrito para as intervenções das personagens. A isto, soma-se destas versões os animais comem a avó, mas nesta optou- um tamanho especial para os animais em relação à avó, uma se por um final em que a velha e a neta, reunindo engenho, diferença que revela dados desta relação física entre umas humor e imaginação, conseguem superar os conflitos e dar às personagens e as outras. três feras aquilo que elas mereciam. Graficamente a obra decorre sobre um esquema figurativo Argumento Com um ritmo ágil e usando a “lengalenga” – quase um trava- de fundos limpos de informação. Este facto reduz e fixa a línguas – presente nas versões portuguesas que ainda hoje atenção do espectador nas personagens e também naqueles Esta é a história de uma velhinha que, a caminho da boda circulam, este conto oferece muitas possibilidades expressivas escassos elementos cénicos que são significativos. O discurso da sua neta, encontra um lobo, um urso e um leão que a de narração e representação teatral. Possui uma estrutura plástico-narrativo é de grande eficácia no desenvolvimentoFicha técnica querem comer. Ela convence os animais a não o fazerem narrativa de ida e volta e fórmulas repetidas no encontro com dos acontecimentos que se encadeiam ao longo de um friso porque está muito magra. Assim, consegue fazê-los cada personagem. Para além disso, a estrutura narrativa é de imagens de marcado conteúdo. As personagens aparecem esperar até ela regressar da festa, uma vez que voltará simples: as feras do bosque querem comer a avó que, com estereotipadas (por exemplo na página 8-9 com a avó…),Título: Corre corre, cabacinha mais gordinha. engenho e valentia, conseguirá salvar-se. particularmente os três animais (lobo, urso, leão), que resolvemAutora: Eva Mejuto, a partir de um conto popular português Durante a boda, a velhinha conta o sucedido à neta. Após Cada encontro é a réplica do precedente, com uma estrutura o conflito da obra, representados em primeiros planos, emIlustrador: André Letria a celebração, as duas engendram um plano muito original perfeitamente simétrica, também a nível gráfico, que se torna perfis prototípicos, apesar de relativamente humanizados.Idade recomendada: dos 3 aos 7 anos para enganar as três feras: esconder-se numa abóbora. muito útil para favorecer a leitura visual e o recitado de formaPáginas: 36 Desta forma, o lobo, o urso e o leão não deixam de ficar lúdica.Material: cartonado muito espantados quando se encontram com um legumeMedidas: 25x23 cm tagarela no caminho. Por fim, a avó consegue enganá-losOQO editora e chegar a casa sã e salva
  3. 3. Pistas de exploração Autora e ilustrador André Letria Nasceu em 1973 em Lisboa. Frequentou o curso de Pintura- Contacto com a cultura portuguesa. Eva Mejuto na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. É ilustrador para- Hipótese de leitura: O que acontecerá na volta? Procuramos Nasceu em 1975 em Sanxenxo, Pontevedra, Espanha. É crianças desde 1992 e colabora regularmente com diversassoluções imaginárias para a resolução de problemas. licenciada em Ciências da Informação, Jornalismo, pela publicações periódicas.- Vocabulário e pré-leitura: urso, leão e lobo. Universidade de Santiago de Compostela (USC). Após ter Ganhou o Prémio Nacional de Ilustração em 2000 com o livro- Criação de cartões com a imagem dos três animais do colaborado com diversos meios de comunicação galegos, Versos de fazer ó-ó e para OQO editora ilustrou também aconto. Da parte de trás de cada cartão aparecerá o nome trabalha desde 1998 no sector editorial. Faz parte da OQO série de “board books” Caracóis e a obra A sopa queima.correspondente em letras maiúsculas (URSO, LEÃO, LOBO). editora desde 2005, no departamento de promoção e Publica em Espanha, Inglaterra, França, Itália, Turquia eBrincamos tentando adivinhar o animal, voltando os cartões internacionalização. Estados Unidos. Em 2001 recebeu um Award of Exellence fore mudando-os de sítio várias vezes. Depois de repetir o jogo Adaptou diversos álbuns ilustrados, como este, ou Três desejos. Illustration da Society for News Design (USA) por uma ilustraçãodurante vários dias consecutivos, introduzimos animais que Como especialista em literatura infantil e juvenil, participou em publicada no suplemento Mil Folhas, do diário Público.apareçam noutros contos, e vamo-los guardando numa caixa, vários fóruns nacionais e internacionais ministrando seminários Participou em exposições como a Bienal de Bratislava, a Bookampliando assim a colecção de palavras e imagens. de formação a docentes e a mediadores de leitura. Fair de Bolonha, em Sarmede, ou em Ilustrarte. Trabalhou- Estruturação do tempo e do espaço: para ajudar a como cenógrafo na Companhia de Teatro do Chiado. Realizouinteriorizar o tempo desta história, construímos um mural em a curta-metragem “Zé Pimpão, o Acelera”, baseada no livrotecido ou cartão com um caminho que atravessa o bosque com o mesmo nome, com que ganhou uma menção honrosae reproduzimos nele, de forma simples, os elementos da e o prémio para o Melhor Filme no Festival Português Animatuilustração. Criamos marionetas a partir das personagens, e 2007.utilizamo-las para narrar o conto nesse espaço.- Dramatização: uma dramatização simples permite reconhecermelhor os domínios de aprendizagem e a relação espácio-temporal. É interessante reparar nos momentos do dia emque se constrói a narração; também no sentido inverso dosacontecimentos.
  4. 4. Texto azuis… que conferem luminosidade às composições. Com traço preciso e delicado, desenha elementos geográficos e Um conto da tradição africana que usa a personificação etnográficos como os elevados celeiros de milho, as palhotas, dos elementos celestes: Chuva, Relâmpago, Arco-íris (mais os animais… conhecido como “bebedor de chuva”), e que evoca, por outro Utiliza também o esboço a lápis, tipo gatafunho, para acentuar lado, o mundo dos homens e da terra em que vivem. a impressão de movimento, de ruído estrepitante, ou da Boubacar Diallo adopta o tom do «griot» (em África, membros precipitação violenta da água. As suas ilustrações transmitem da casta de poetas e músicos depositários da tradição oral) a intensidade dos elementos e a sua força. para narrar esta história em que brinca com o ritmo das frases. Quando evoca a calma restituída e a alternância das estações, As inúmeras aliterações conferem musicalidade ao texto, o desenha uma sequência regular de cenas repetidas em vocabulário escolhido é extremamente sugestivo e dinamiza ondulações celestes e terrestres, realçadas pela paginação do a leitura. próprio texto. Este conto, rico em ritmo e cor, explica às crianças que, em As personagens dos deuses são representadas vestidas com África, há duas estações e não quatro como na Europa: a longas e coloridas túnicas africanas, e as suas caras parecemFicha técnica Argumento estação seca e a das chuvas. máscaras tradicionais que traduzem as expressões e os sentimentos; os homens, por sua vez, estão evocados nos seus Duas famílias enfrentam-se no céu africano: a da Chuva gestos quotidianos, em tamanho pequeno, uma vez que estãoTítulo: O bebedor de chuva As imagens e a do Relâmpago. Na terra, os homens querem que se dominados pelas potências celestes.Autor: Boubacar Diallo restabeleça a calma mas nada apazigua a ira dos deuses.Ilustradora: Véronique Vernette Os dois espaços coexistentes, o das forças divinizadas da A desgraça multiplica-se: incêndios, inundações, seca…Idade recomendada: a partir dos 7 anos natureza no céu e o dos homens na terra, aparecem muito Esperando encontrar uma solução, os homens pedem ao bem diferenciados na página, separados em dois níveis.Páginas: 24 Arco-íris, o bebedor de chuva, que os ajude, e este fá-lo. Com esta estrutura, reforça-se a ideia do domínio exercidoMaterial: cartonado Este conto, colorido e com ritmo, explica às crianças a pelos elementos naturais sobre os homens, que sofrem osMedidas: 27,5x19,5 cm alternância entre a estação seca e a estação das chuvas no seus efeitos. Esta visão de um «tecto do mundo» sobre osLa Compagnie Creative continente africano. homens traduz-se na imagem por uma apresentação quase «cartográfica» nalgumas páginas. A ilustradora emprega cores vivas, tintas laranjas, amarelas,
  5. 5. Pistas de exploração Autor e ilustradora- Evocar as diferenças climáticas entre o Norte e o Sul, as Boubacar Diallodiferentes estações. Guineense, nascido em Labé, na região do Fouta Djalon.- O tema dos perigos do aquecimento do planeta e da Escreveu vários livros entre os quais se encontram La Sourceprovável falta de água. enchantée, Plus jamais ça, y L ’Oracle de Faringhia.- A personificação dos elementos na visão animista e nasnossas civilizações anteriores. Véronique Vernette- O facto de escutar e o conceito de arbitragem nos conflitos, Nasceu em 1972 em Marselha, França. Depois de realizarrecorrer ao sábio e ao equilíbrio. estudos de Belas-Artes em Saint Etienne, foi para o Burkina- Faso, em África. Há muito tempo que se sente atraída por este país. A cada nova visita, volta carregada de notas e esboços, que realiza durante oficinas e encontros com artistas e contadores locais. Divide o seu tempo entre França e o Burkina. Pouco a pouco, as histórias ganham forma, publicando o seu primeiro livro nas edições Points de suspension: Cocorico poulet Piga em 1999, depois Chez Adama, Mécanique générale, La petite fabrique d’histoires, e L ’amie pour la vie d’Ava (Ed. Autrement), Les couleurs d’Eugène (Ed. Frimousse), Contes burkinabés (Ed. du Jasmin). Ao todo, uma dúzia de títulos.
  6. 6. Texto As imagens Os contos sobre bruxas constituem um repertório abundante Das ilustrações há a destacar especialmente dois aspectos: os e praticamente universal. A personagem da bruxa devoradora jogos de luz e a utilização dos primeiros planos. No primeiro de crianças que vive numa casinha no meio do bosque aparece caso, o ilustrador emprega as sombras para criar um maior na tradição oral comum a muitos povos (Turquia, Rússia, mistério em redor da figura da bruxa, que aparece quase Europa...) e conta com antigos antecedentes literários. sempre na penumbra. Também as sombras acentuam o A bruxa arreganhadentes apresenta um carácter híbrido, carácter inquietante dalguns lugares, como o bosque onde se com elementos narrativos recolhidos de todas estas culturas. perdem as crianças. Argumento É frequente as crianças personificarem os seus medos em Para além disso, este jogo de claros-escuros reforça o impacto personagens malvadas com aparência humana. Para ganhar dos primeiros planos quando aparecem. Porque de repente, Três irmãos, desatendendo às advertências da mãe, confiança e superar os medos, nada como escutar contos ao virar a página, o leitor tropeçará com o rosto horroroso e embrenham-se no bosque escuro e misterioso, onde tudo onde os protagonistas triunfam sobre esses seres aterradores, enorme de uma bruxa, que tinha permanecido oculta entre as pode acontecer. O mais pequeno, temeroso e consciente que habitam na imaginação. sombras. do perigo, tenta amedrontar os dois mais velhos, mas não As personagens das crianças aparecem desenhadas de uma consegue e acaba por acompanhá-los. forma bastante realista. E no caso da bruxa, a sua imagemFicha técnica Nesta ousada aventura, o mais novo é o único que não corresponde ao retrato clássico da personagem: velha, feia se deixa levar pelos seus impulsos e desejos. Por esta e sinistra. Contribui especialmente para traçar este perfil, oTítulo: A bruxa arreganhadentes razão, só ele reconhece a casa da bruxa, e desconfia dessa exagero de alguns dos seus traços faciais: o nariz, os dentes eAutora: Tina Meroto, a partir de um conto popular turco-russo desconhecida tão afável... também o penteado.Ilustrador: Maurizio A. C. Quarello Se, no início do relato, eram os mais velhos que troçavam Por último, merece um comentário especial a disposição dosIdade recomendada: dos 5 aos 7 anos do irmão por ser medricas e fracote, no desenlace será ele textos na página, adaptada ao jogo de luzes e sombras criadoPáginas: 48 que, com astúcia e inteligência, toma a iniciativa e vence pelo ilustrador. E assim, de entre as sombras, o texto emergeMaterial: cartonado a bruxa. O conto termina com um final muito positivo que para que o possamos ler, iluminado pela luz que entra por umaMedidas: 15x20 cm transmite a ideia de que é possível superar os obstáculos janela, por uma porta…OQO editora
  7. 7. Pistas de exploração Ilustrador- As bruxas. Antes de ler o álbum podemos investigar o Maurizio A. C. Quarelloque sabemos sobre estas personagens. Também podemos Nasceu em 1974 em Turim, Itália. Bacharel em Publicidadeprocurar bruxas de outros contos e ver se têm características Gráfica pelo Instituto Statale per la Grafica Pubblicitaria - Albeque se repetem sempre: veste-se de negro, é feia, tem nariz Steiner di Torino, Quarello conta com uma sólida formaçãocomprido, é má, vive rodeada de bichos, é capaz de fazer artística que demonstra nos seus trabalhos, e que lhe valerammagia e maldades… reconhecimentos internacionais como os da Associação- Recordar situações de medo em que se actuou com Galassia Gutenberg, da Academia Tedesca de Literatura parainteligência ou astúcia. a Infância, Nottuln (Alemanha), ou do Salon de Livre et de la- Imaginar e simular situações de perigo. A seguir, procurar-se- Presse Jeunesse, Montreuil (França), entre outros.ão soluções imaginárias. Para além de A bruxa arreganhadentes (seleccionado- Porque é que o pequeno não cai nas armadilhas da bruxa? em Livres au Trésor, Centro Ricerche Sul Libro per Ragazzi,Constatar as diferentes reacções do irmão mais novo: presta Bobigny – França, 2007), para a OQO editora ilustrou Pulgaatenção, pergunta, procura soluções com astúcia, valentia e e Gigante, Caderno de animalista (segundo Prémio do Livroimaginação… Infantil e Juvenil melhor editado 2008 do Ministério da Cultura- Cada vez que a bruxa se aproxima, o irmão mais novo retira espanhol), Olharapo, Titiritesa (seleccionado nos Prémiosum objecto mágico, sem esperar grande coisa dele. Em grupo, Visual de Desenho de Livros nas categorias de ilustração epensar noutros possíveis objectos mágicos que nos salvem de livros para a infância), O Papão, Marizul que sonha que sonhapersonagens aterradoras, e expressar esse monólogo interior que sonha..., e Mister Corvo.do herói, antes que o objecto realize a sua função: «oxaláque...!»- Atribuir características ou funções mágicas a objectoshabituais.Inventar outros finais para a história a partir dos objectosmágicos.
  8. 8. Texto As imagens Com um argumento muito claro, frases acumulativas, diálogos Colagens de papel e composições elaboradas a partir de um ágeis e uma linguagem simples, Loboferoz dá largas à fantasia. esquema linear. No cromatismo das imagens predominam Os animais domésticos (cabra, vaca, porco, burro, ovelha), que sobretudo os tons amarelos e castanhos. representam a inocência, vão-se ver envolvidos numa série de Reserva uma tipografia normal para as intervenções do cenas cómicas muito divertidas. E, no fim, conseguirão rir-se narrador. Um jogo tipográfico que define expressivamente os do ruim e vil lobo. três blocos de informação que enquadram o discurso literário. Muitos destes relatos de animais, que apareciam nas primeiras Os elementos gráficos apresentam uma configuração cénica recompilações de contos russos, remontam à época em que o muito pessoal que rompe esquemas visuais reconhecíveis homem caçava para subsistir. Enquanto os homens caçavam, e prototípicos. Assim, texto e imagem complementam-se Argumento as mulheres contavam histórias de animais, em que exaltavam minimamente para manter o leitor em tensão. a sua astúcia e as suas habilidades. Deste modo, estas histórias Consequentemente, as personagens estão reduzidas a poucas Era uma vez um lobo tão preguiçoso que, para não acerca da manha dos animais, acabaram por se tornar, com o linhas e a um par de tons, num discurso também esquemático ter trabalho, só comia sopa de arroz. Um dia, ao ver-se passar do tempo, num instrumento para a educação estética e quanto a papéis, sempre em planos médios com algumasFicha técnica ao espelho, reparou que estava tão magro que já não moral, e foram transmitidas de geração em geração. perspectivas arriscadas. provocava medo nenhum. Em Loboferoz, ainda hoje, podemos encontrar alguns Então decidiu mudar de vida e tornar-se num lobo feroz. desses pequenos pormenores que nos remetem para asTítulo: O Loboferoz Porém, os métodos que pôs em prática não eram muito suas longínquas origens. Por exemplo, a Rússia é um país deAutora: Patacrúa, a partir de um conto popular russo ortodoxos, porque pedia aos animais que ia comer: uma bosques, há sempre um rio por perto, e é costume preparar oIlustrador: Chené cabra, uma ovelha, um porco… para colaborarem. banho para os convidados que chegam, o que é perfeitamenteIdade recomendada: dos 3 aos 7 anos Mas esta ousadia, fruto mais da preguiça do lobo que compreensível se pensarmos nas grandes distâncias entre umPáginas: 48 da sua inocência, receberá um castigo de cada um dos lugar e outro, e no clima agreste.Material: cartonado animais, e até de toda uma matilha de cães. No fim,Medidas: 25x23 cm magoado e frustrado, Loboferoz voltará à sua sopa deOQO editora arroz.
  9. 9. Pistas de exploración Quinta: cereais, pão, bolachas Ilustrador Sexta: ovosAntes do conto: - Também podemos experimentar cozinhar “sopa de arroz” Chené- Falamos do lobo e procuramos referências noutros contos, (procuramos num livro de culinária). Fazemos uma lista com José Manuel Gómez Prieto é presidente da Associaçãomitos, etc. pratos que também tenham o arroz como ingrediente. Creart (com sede em Barcelona), ONGD que trabalha para a- Brincamos com o nome do protagonista. Observamos a capa - Brincamos com o nosso nome. Exemplo: Eu sou a Raquel educação da infância através da arte. Aí realiza também ume relacionamo-la com o título: Loboferoz (boca grande, com e tenho um papagaio de papel. / Eu sou o Rodrigo e gosto trabalho como educador artístico-social de crianças que vivemdentes…) de doce de figo. Podemos brincar às apresentações e fazê-lo em situações difíceis, principalmente na Faixa de Gaza e noDepois do conto: um a um de forma encadeada (recuperando a rima do nosso Senegal. É professor do curso de pós-graduação de Retail- Vemo-nos ao espelho. O que vemos? De que cor são os colega anterior). Design da Escola Superior de Disseny Elisava, em Barcelona,nossos olhos? Como usamos o cabelo? Somos baixinhos/as, e colabora como ilustrador com a Editorial OQO, ondemagros/as? Temos algum traço característico: uma cicatriz, publicou, para além deste trabalho, A viagem das borboletas.uma marca de nascimento? Usamos óculos…? etc. Da mesma Recebeu, em Espanha, inúmeros prémios e reconhecimentosforma, também podemos perguntar qual é a nossa cor pelo seu trabalho artístico. A sua obra foi exposta empreferida, qual nos fica melhor… Washington, São Francisco, Florença, Barcelona, Málaga, Jaén,Perguntamos aos nossos colegas o que acham de nós e Córdova e Granada. Também realizou oficinas de educaçãopartilhamos opiniões. Deste modo, fomentamos uma atitude artística em Espanha, Itália, Estados Unidos, Índia, Tailândia,aberta e de respeito dentro do grupo, que fará surgir nas Senegal, Israel e nos Territórios Palestinos Ocupados.crianças a necessidade de dizer coisas umas às outras,nomeadamente qualidades… Enfim, trata-se de dizer coisasbonitas acerca de cada um.- O Loboferoz come sopa de arroz. Debater sobre a importânciade seguir uma dieta variada e saudável. Propor na aula umaementa semanal para a hora do recreio. Exemplo:Segunda: frutaTerça: frutos secosQuarta: lacticínios
  10. 10. Texto As imagens Uma das particularidades deste conto acumulativo tradicional, Aparecem grupos escultóricos elaborados a partir de que apresenta diversas versões ao longo de todo o continente elementos quotidianos, mas apresentados a partir de europeu, é a original posta em cena. Este álbum propõe um enquadramentos ambíguos para que o leitor tente adivinhar o interessante jogo visual: em cada página é mostrada uma mistério que encerram. E assim que este se desvenda, chega pequena parte de um objecto, facilmente reconhecível, e a surpresa. Porque os objectos (garrafa, mola...), na realidade, pergunta-se o que é. são os protagonistas do conto e estão cheios de vida. Ao virar a página, descobre-se que nem sempre as coisas são o que parecem. Em geral, repete-se sempre o mesmo esquema na narração Uma garrafa afinal é uma princesa, uma mola da roupa visual: reserva-se uma imagem mais abstracta para a página transforma-se em pega, um apara-lápis é um cão... Desta da direita, que depois se esclarece convenientemente na da forma, cada fotografia avança qual será o próximo elemento a esquerda, mediante uma linguagem visual mais denotativa. entrar em cena e cumprir a sua função no desenvolvimento da A combinação de um conto que procede da tradição oral, história. Depois, uma acção levará a outra, outra e mais outra, com uma proposta visual tão moderna, é de uma tremendaFicha técnica Argumento e assim sucessivamente até ao final do conto. originalidade. Joga-se, portanto, com o contraste entre tradição (texto) e vanguarda, com imagens abstractas, mas A princesa de Aljustrel perdeu o seu anel. A pega roubou carregadas de significado.Título: A princesa de Aljustrel o lenço em que a princesa guardava o anel; mas o gato Neste álbum, os jogos tipográficos a partir de maiúsculas eAutora: Patacrúa, a partir de um conto popular europeu persegue a pega, o cão morde o gato, o pau bate no cão, negritos também são acompanhados de variações de tamanhoIlustrador: Javier Solchaga o fogo queima o pau, a água apaga o fogo, a cabra bebe para reforçar expressivamente a relação texto-imagem.Idade recomendada: dos 3 aos 7 anos a água...Páginas: 36 A partir da afirmação inicial da figura da princesa,Material: cartonado entrelaça-se uma cadeia sucessiva de episódios que nosMedidas: 25x23 cm conduz a um final feliz: o pastor encontra o anel e recebeOQO editora como prémio um beijo da princesa de Aljustrel.
  11. 11. Pistas de exploração No trabalho realizado para este álbum (OQO editora, Pontevedra, 2006), utiliza a madeira e grande quantidade de- Tradução da palavra para linguagem plástica: jogo com materiais orgânicos. Esta última obra foi incluída na lista dosobjectos reciclados. White Raven 2006 (Biblioteca Internacional de Munique).- Transformação de objectos com imagens cortadas. A investigação constitui uma constante na sua carreira.- Elaboração de encadeamentos e construção de um mural de Interessa-lhe especialmente a ruptura das supostas limitaçõesacções encadeadas. dos materiais, o que lhe permite desenvolver a poética que- Organização dos desenhos em sequências, e construção do qualquer objecto possui: conseguir ductilidade do tosco,conto ouvido. movimento do aparentemente imóvel.- Sonorização do conto. Participou numa dúzia de exposições, entre elas Ilustrísimos.- Expressão corporal: expressão gestual e onomatopaica das Panorama da Ilustração infantil e Juvenil em Espanha. Bolonhadiversas personagens. (Itália, 2005) e Bestiario Improbabile em Génova (Itália, 2006).- Compreensão e reconhecimento das partes do relato, através Assim, colaborou como ilustrador no programa Una ma dedo gesto e do movimento. contes, em concreto, no conto La filla del sol i de la lluna (TV3, 2006). Actualmente continua a dedicar-se à animação, à ilustração e à escultura no seu ateliê de Saragoça. .IlustradorJavier SolchagaNasceu em 1971 em Saragoça, Espanha. Interessadodesde sempre pela ilustração, começou a desenvolverprofissionalmente o seu trabalho em 2001, ano em quepublicou Constrói a tua própria quinta. Neste livro, começaa fazer experiências com o volume e utiliza materiais simplese quotidianos que dignifica e reinterpreta. Continuará nestalinha com o título ¡Alehop! (2003) e posteriormente com acolecção Recicla e constrói (2004).
  12. 12. Texto As imagens, nas duas páginas, têm um alto grau de denotação. Assim, iluminam em parte situações enunciadas pelo texto Os sete cabritos é uma renovada versão do conto tradicional literário, com alguns contributos expressivos e narrativos que Argumento amplamente difundido e popularizado a partir do já clássico de complementam a informação facilitada pelo texto (páginas Grimm. Trata-se, pois, de todo um referente dentro dos relatos 6/7). Era uma vez sete cabritos que viviam com a mãe numa infantis que chega para alimentar a imaginação dos pequenos As personagens aparecem estereotipadas nos seus papéis cabana no meio do bosque. A Mamã Cabra avisava-os leitores e confere qualidade ao panorama da literatura infantil protagonista/antagonista e genéricos. Diferenciam-se pela sua para brincarem sempre perto de casa, por causa do lobo. actual. expressividade, cromatismo e vestuário sem existir margem Um dia, teve que sair e deixou-os sozinhos; mas, antes de Um conto que provoca emoções intensas e uma história ou possibilidade de confusão, dada a distância estabelecida sair, advertiu-os de que não abrissem a porta a ninguém. para perder o medo dos “lobos ferozes”. Aqui, os mais graficamente entre uns e outros: negro, grande tamanho e No entanto, o astuto lobo conseguiu enganá-los e entrar pequenos, de forma simbólica, enfrentarão conflitos básicos primeiro plano para o antagonista (páginas 12/13), vestuário em casa, dizendo-lhes que era a Mamã Cabra. Para tal, como a ausência da mãe, o encontro com seres malvados ou para os cabritos (páginas 10/11)… tomou uma gemada para fazer a voz fina, e mostrou-lhes a circunstâncias adversas, e isso vai ajudá-los a confiar em si pata enfarinhada por baixo da porta. próprios e a avançar no seu processo de crescimento pessoal. Deste modo, comeu-os todos. A todos, não. O mais pequeno conseguiu-se esconder e contar o sucedido àFicha técnica mãe. Esta – munida de tesoura, agulha e linha – aproveitou As imagens a sesta do lobo para lhe abrir a barriga e resgatar assim osTítulo: Os sete cabritos seis pequenos cabritos intactos, porque o lobo os tinha Técnica mista à base de acrílicos, lápis de cores e pastéis,Autora: Tareixa Alonso, a partir de um clássico de Grimm engolido sem mastigar. e colagem de papéis recortados e intervencionadosIlustradora: Teresa Lima A perícia da inteligente Mamã Cabra não ficou por aqui, plasticamente.Idade recomendada: dos 3 aos 7 anos e quis dar uma lição ao lobo. Para tal, encheu-lhe barriga A tipografia de tamanho generoso vê-se reforçada comPáginas: 40 de pedras. O lobo acordou cheio de sede e aproximou-se um aumento do tamanho em onomatopeias (maiúsculas eMaterial: cartonado do rio para beber, mas a sua pesada barriga fez com que negritos) ou em momentos especialmente expressivos doMedidas: 25x23 cm caísse à água, e a corrente arrastou-o. Então, toda a família discurso. Além disso, o negrito usa-se sempre para assinalarOQO editora pôde, por fim, respirar de alívio. as intervenções das personagens.
  13. 13. Pistas de exploração Autora e ilustradora Teresa Lima Nasceu em Lisboa em 1962. Realizou estudos de Pintura- Identidade: características do lobo. Tareixa Alonso na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Foi bolseira- Mudanças de identidade (fazer a voz fina, mudar a cor dos Nasceu e vive em Pontevedra, Espanha. Integra o grupo de da Fundação Calouste Gulbenkian. Além de ilustradora, écascos). Podemos mudar de identidade? contadores de contos Pavía Pavós, e com eles visita bibliotecas, professora de Desenho e História da Arte. As suas técnicas- Jogo: um menino simula que bate à porta e muda de voz escolas, casas da cultura... Desde 1998, juntamente com este favoritas são as mistas: aguarela, acrílicos e colagem. Napara pedir que lha abram. O que está dentro de casa (com os grupo, coordena o projecto de animação à leitura «A Hora do OQO, para além deste livro, ilustrou Ovos cozidos, Mençãoolhos tapados ou de costas) tem que o reconhecer. Conto» em Pontevedra. Também faz parte da organização do WHITE RAVEN em 2008.De que outras formas podemos mudar a identidade? Salão do Livro Infantil e Juvenil que se realiza nesta cidade háBrincamos com fotografias nossas. dez anos, e do grupo de teatro Akatro. Conta também com dois prémios nacionais de ilustração- A artimanha e a mentira para conseguir um objectivo A sua actividade de conta-contos levou-a ao País Vasco, à que se somam ao facto de fazer parte da lista de honraaparecem reflectidas na conduta da personagem do lobo. A maratona de contos de Guadalajara, ao Festival de Contos da Internacional Board on Books for Young People; serpartir do exemplo do conto, podemos trabalhar valores como de Silo em Tenerife, e ainda a Madrid e à Feira do Livro de seleccionada para a Mostra de Ilustrarte; e uma Mençãoa honestidade, a integridade. Conhecemos outros contos Havana. Honrosa do Prémio Nacional de Ilustração português, entreonde o lobo engane com artimanhas e mentiras? outras distinções.- No conto, os cabritos manifestam medo quando a mãe osdeixa sozinhos.- Quem sente medo durante o conto?- Por que motivos?- Em que situações temos medo?- O que fazemos quando temos medo?- Fazemos perguntas para estimular as crianças a prestaratenção às ilustrações.- Contamos os cabritos em conjunto.
  14. 14. Texto As imagens Argumento Num tom humorístico, com este conto tradicional chinês de Acrílicos sobre papel de cromatismo frio, excepto nas páginas carácter etiológico, descobriremos que o mosquito tem um 18-19 em que um entardecer em tons vermelhos ocupa Um velho livra-se de ser comido por uma gigante e terrível grito de guerra: o seu zumbido, e também qual é a razão pela por completo as duas páginas. O álbum apresenta uma serpente, porque se compromete a averiguar qual é a qual as serpentes gostam tanto de ratos. combinação de planos médios, e junto destes, destacam-se carne mais saborosa. Para tal, contará com a colaboração Além disso, o leitor desfrutará com as peripécias de umas os planos zenitais. Temos planos curiosos nas páginas 12-13 de um mosquito, a quem oferece uma dentadura de ferro personagens que nos ensinam que a justiça e a solidariedade e 24-25, onde o olho do narrador se coloca a par do olho do para que nenhuma vítima lhe resista. Contudo, o agudo triunfam sobre o tamanho e a força. A história põe-nos em animal que dirige a visão da cena. E muito espectaculares são insecto aproveitará esta vantagem para se deixar levar contacto com a cultura tradicional de um povo que, ao longo também os primeiros planos que nos aproximam dos animais pela sua voracidade, e atacar. dos séculos, manteve viva a sua sabedoria graças à tradição que protagonizam a história. Perante este novo contratempo, o velhote recorre, oral, e que agora vê como esta goza de nova vida na escrita. Os elementos gráficos do livro são claramente denotativos, com desesperado, a uma andorinha. A ave vai à procura do Margarita del Mazo, a partir da sua experiência como narradora um escasso grau de abstracção no caso dos objectos, e com mosquito para o trazer de volta, mas o mosquito nega-se oral, adapta este conto com um estilo ágil e simples, e dota-o uma hiperbolização formal em determinadas características a cumprir o prometido. Farta dele, a andorinha, agarra-o de um singular sentido de humor. das personagens animadas (Exemplo: o ancião nas páginasFicha técnica pelas pernas, arranca-lhe a língua, e leva-o à presença 10-11; ou a dentadura do mosquito, nas páginas 16-17). da serpente. O mosquito emite o seu zumbido para responder à pergunta “qual é a carne mais saborosa?”,Título: Mosquito mas, como não tem língua, a serpente não entende nada.Autora: Margarita del Mazo, a partir de um conto tradicional chinês A andorinha então aproveita e diz: “a carne mais saborosaIlustrador: Roger Olmos é a dos ratos”. É por isso que as serpentes comem ratos. OIdade recomendada: dos 3 aos 7 anos ancião, muito agradecido, pede à andorinha que nidifiquePáginas: 36 junto à sua cozinha e, desde então, este pássaro faz o seuMaterial: cartonado ninho perto das pessoas. O mosquito, desde aí, tambémMedidas: 25x23 cm deixou de falar para passar a zunir, mas a carne maisOQO editora saborosa continua a provar, a provar...
  15. 15. Pistas de exploração rugido do leão, as riscas das zebras, a origem do arco-íris, o Roger Olmos pescoço das girafas… Nasceu em 1975 em Barcelona. Quando se iniciou no álbum- Perguntamos às crianças o que sabem sobre os mosquitos e ilustrado, teve uma grande importância o ser seleccionado parao que é que gostariam de saber. Apontamos as ideias numa a Exposição Internacional de Ilustração Infantil de Bolonha.folha grande e investigamos um pouco acerca do tema. Autora e ilustrador Na OQO editora publicou A coisa que mais dói no mundo,Até podemos fazer um mural sobre o mosquito com toda a Prémio White Raven e Prémio Llibreter álbum ilustrado 2007;informação, imagens… Margarita del Mazo A cabra tonta; Segue-me! (uma história de amor que não- Observamos insectos. Como se deslocam? Quantas patas Nasceu em 1960 em Malpica do Tejo, Toledo, Espanha. tem nada de estranho). Para além disso, ganhou em 2008 otêm? Têm olhos? Têm asas? Que sentidos usam para encontrar É conta-contos e realiza sessões de contos para crianças, Prémio Lazarilho na modalidade de álbum ilustrado.comida? adolescentes, jovens e adultos. Colaborou como conta-contos Recentemente participou como orador em ciclos de- Brincamos aos mosquitos: deslocamo-nos pelo espaço com durante dois anos com Ana García Castellano, na montagem conferências sobre a ilustração em Lisboa, Palermo e Granada.os olhos tapados e tentamos reconhecer cheiros. que realiza anualmente para o Museu Nacional Centro de Arte O Instituto Cervantes entregou-lhe a ilustração para o cartaz- Desenhamos um insecto fantástico e inventamos o som que Rainha Sofia, por ocasião da celebração do Dia do Livro. do dia do livro em Madrid.produz. A seguir, procuramos transcrevê-lo. Também participou em maratonas de contos e em campanhas- Transformamos o insecto num veículo fantástico com dirigidas especificamente a pré-leitores em várias bibliotecas.características especiais para se deslocar pela água, pela Também desenvolve actividades de animação à leitura paraareia… diversas editoriais. Na OQO editora, para além deste livro,- No conto há outros animais que desempenham um papel publicou A máscara do leão.importante, como a serpente ou a andorinha. Portanto,podemos investigar um pouco sobre estes animais. Porexemplo: “As andorinhas são aves migratórias.” O que é queisso significa? Porque é que emigram? Quando?- Localizamos outros contos etiológicos que nos expliquem aorigem e as características das coisas.- Tentamos criar, no género humorístico, um relato brevepróprio que procure explicar algum fenómeno natural comoas características de animais. Exemplo: o som do trovão, o
  16. 16. Texto As imagens Ao estilo do conto tradicional e sem se afastar da ideia final Para além de influenciar o desenvolvimento da conduta e da de que a intimidade deve ser respeitada, a versão Os três afectividade, e de estimular a sensibilidade literária e artística, ursos da OQO editora constrói um vínculo entre o narrador este álbum possui ainda mais aplicações pedagógicas, já que e o leitor, com o objectivo de favorecer uma identificação da é um instrumento ideal para transmitir conceitos matemáticos, criança com os ursos, que contribua para a eficácia formativa entender noções de tamanho (grande, médio ou pequeno), do conto. ou estabelecer conexões entre os animais e o meio em que Ao explicar as acções das personagens, o narrador aproveita vivem. também para incluir, em tom confidencial, uma série de Neste sentido, as imagens de Minako Chiba detêm um comentários sobre hábitos, virtudes e bons costumes que papel importante, porque propiciam o desenvolvimento incidem em valores como a responsabilidade, a autonomia e o de habilidades visuais que ajudam os primeiros leitores uso adequado da liberdade. na compreensão tanto de tamanhos, como de conceitos Argumento matemáticos (números).Ficha técnica Numa cabana do bosque viviam três ursos. Um dia foramTítulo: Os três ursos dar um passeio antes de tomar o pequeno-almoço; então, Caracolinhos de Ouro encontrou a sua casa vazia e decidiuAutora: Marisa Núñez, a partir de uma história folclórica anónima, entrar.popularizada pelo poeta britânico Robert Southey Caracolinhos de Ouro comeu as papas do Urso Pequeno,Ilustrador: Minako Chiba partiu a cadeira dele e deitou-se na sua cama. AoEdad recomendada: dos 3 aos 7 anos regressarem do passeio, os três ursos deram conta de quePáginas: 48 alguém tinha entrado em sua casa. Investigaram por todoMaterial: cartonado o lado até que encontraram a menina a dormir na cama doMedidas: 25x23 cm Urso Pequeno. Perante tal atrevimento, decidiram pregar-OQO editora lhe um belo susto.
  17. 17. Pistas de exploração Autora e ilustrador Minako Chiba Nasceu em 1972 em Tóquio (Japão) e graduou-se em- Desenvolver a conduta e a afectividade. Marisa Núñez Arte na Universidade Nacional de Tóquio. Entre os seus- Aprofundar o conhecimento de si próprio. Procurar inter- Nasceu em 1961 em Sárria, Lugo, Espanha. É especialista reconhecimentos internacionais está o Grande Prémiorelacionar as nossas próprias convicções com as que se em Educação Infantil e grande conhecedora da literatura de Ilustração do Nissan Children’s Story Book and Pictureencontram no livro. para crianças. Tendo vários anos de experiência no mundo Book Grandprix e o Prize of selected illustrators que lhe foi- Observar os hábitos e costumes dos ursos do conto e da edição infantil, actualmente co-dirige as colecções O e Q concedido na Mostra de Ilustradores de Bolonha em 2006.compará-los com os nossos hábitos diários: tomar o pequeno- da OQO editora. Para além disso, é autora, entre outros, dos Para além deste livro, na OQO editora publicou tambémalmoço, arejar a casa, fazer a cama, dormir sozinho… livros da OQO editora Três ursos, Chocolata, O Tom ratão e a Croco. Entre os seus trabalhos encontram-se as ilustrações- Dar exemplos de outras situações em que não se respeite o rata Tomasa, Ovos cozidos e Celestino Tarambana. para 10 histórias de princesas (Fleurus), Haru to Kaminariespaço íntimo. A estes somase ainda O livro dos cem poemas: antologia (BL Publishing Co.), Over a little goat (Kumonn), New edition- Imaginar Caracolinhos de Ouro em sua casa. Com quem da poesia infantil galega, em colaboração com Xosé María Japanese old stories (8 volumes) (Kaiseisha) e Parentalvive?; O que faz habitualmente?… Álvarez Cáccamo. affection Zexy (Recruit).- Procurar inventar possíveis continuações para a história. Paratal pode ser útil o método de pergunta-resposta. EntenderiaCaracolinhos de Ouro o que se passou?; Alguém lhe podeexplicar?; O que fará Caracolinhos de Ouro quando voltar apassar pelo bosque?; O que farias tu?- Simular o papel de um dos pais de Caracolinhos de Ouro,por exemplo, da mãe.- Recontar o conto, substituindo a personagem de Caracolinhosde Ouro pela de outro menino (um colega da turma).- A estrutura do jogo convida a recriar o conto com objectos(três taças, três ursos, três camas…). Procurar alguns dosobjectos e dramatizar o conto. Aproveitar as formas, o númerodos objectos, etc. para explicar conceitos matemáticos.
  18. 18. Texto igualmente uma etimologia transparente: o papón na Galiza, el Papu na Catalunha... e todos eles sobreviveram até aos O Bicho-Papão é um “come-criancinhas” tradicional, dos mais nossos dias na nossa memória e se utilizaram muitas vezes com populares em Portugal. Assim, é um conto tradicional com função didáctica: aprender a portar-se bem, a ir para a cama, a variantes de zona para zona, mas com características que o não sair à noite, a não se aproximar de desconhecidos… identificam em todas as suas versões: gigante, cabeçudo, de A imaginação conjugada com a necessidade de prevenir actos Argumento aspecto brutal e grande voracidade, que come as crianças temerários criou, no âmbito da cultura popular, fantasmas e inteiras, sem mastigar. Ao contrário de outros monstros que monstros que foram sendo transmitidos oralmente ao longo Era uma vez uma avó que tinha muitos anos e três actuam sem avisar, o Papão adverte das suas intenções e da dos séculos. netas: uma grande e educada; outra média, distraída sua voracidade natural a quem ousa incomodá-lo. Ora bem, O carácter universal destes relatos fantásticos deve-se, entre e respondona; e outra muito pequena. No dia do seu os temerários que, ainda assim, se atreverem a aproximar, são outras razões, ao facto de constituírem um complemento aniversário, a avó decidiu preparar-lhes uma surpresa na devorados. fundamental ao desenvolvimento na etapa da infância. Os adega: pão com mel! Nem lhe ocorreu que aquele era O insólito herói que resolve a situação é, em todas as versões, problemas e angústias existenciais apresentam-se através de o prato favorito do Papão. Assim que ele cheirou o pão a pequena formiga, presente também noutros contos personagens populares que entendemos com facilidade. com mel, foi à adega e comeu-o todinho; e, como ainda tradicionais de estrutura narrativa similar como O coelhinho A vida aparece como um campo de batalha em que lutam tinha fome, ficou à espera que chegasse mais alguém. branco. forças opostas e onde, mesmo que a infelicidade apareça, oFicha técnica fraco pode vencer o forte. Os fantasmas da infância constituem Entretanto, chegaram as três netas. Impelido pelo seu A versão de Pablo Albo ajusta-se bastante à tradicional, mas estômago, comeu-as a todas, mas antes advertiu-as das com um tratamento mais humorístico e um desenlace terno e um mundo mitológico real com componentes análogos aoTítulo: O Papão mundo mitológico dos adultos. suas nada boas intenções. Por isso, quando a avó as divertido. Se no conto recolhido por Aurelio Espinosa (assimAutor: Pablo Albo, a partir de um conto popular espanhol conseguiu resgatar do seu estômago – porque antes de se como noutras versões similares recompiladas no primeiroIlustrador: Maurizio A. C. Quarello reformar tinha sido cirurgiã – preparou-lhe o manjar de que terço do século passado), o herói mata o monstro, neste caso,Idade recomendada: dos 3 aos 7 anos ele tanto gostava para, em troca, não comer mais crianças. Pablo Albo opta por uma divertida transformação simbólicaPáginas: 48 O Papão aceitou o convite emocionado, e celebrou na do gigante, que acaba por se integrar no mundo do herói.Material: cartonado companhia do exército, do pirata e da formiga que tinham Deste modo, o bem triunfa sobre o mal, graças à intervençãoMedidas: 25x23 cm fracassado antes da avó, na sua tentativa de recuperar as amistosa e solidária de umas divertidas personagens comOQO editora meninas. quem o leitor se identificará. Os “papões” noutros lugares da península possuem
  19. 19. As imagens procuramos receitas cuja elaboração inclua farinha, açúcar e Autor e ilustrador Maurizio A. C. Quarello ovos. Nasceu em 1974 em Turim, Itália. Bacharel em Publicidade - Objectos mágicos: tendo como modelo o chapéu do Papão, Gráfica pelo Instituto Statale per la Grafica Pubblicitaria - AlbeEstamos perante uma série de acrílicos de notável tenebrismo, Pablo Alboem consonância com uma história que convida a transitar pelo inventamos objectos, peças de roupa ou complementos com Steiner di Torino, Quarello conta com uma sólida formação Nasceu em 1971 em Alicante, Valência, Espanha. Bacharel emobscuro, pelo misterioso, que remete para as profundezas características próprias. Exemplo: sapatos com boca, luvas artística que demonstra nos seus trabalhos, e que lhe valeram Trabalho Social, estudos que conciliou com os de Animaçãoonde se dá o conflito deste conto. com nariz, etc. reconhecimentos internacionais como os da Associação Sociocultural. Durante dez anos realizou este tipo de actividades no Grupo Albo. Galassia Gutenberg, da Academia Tedesca de Literatura paraTipograficamente, oferece um tamanho de cómoda - Efeitos sonoros: gravação de efeitos sonoros de terror. Criar a Infância, Nottuln (Alemanha), ou do Salon de Livre et de la Para além deste livro, na OQO Editora publicou Um gatolegibilidade e jogos tipográficos como os das páginas 10-11 e gravar: ranger de portas, gritos, passos que retumbam no Presse Jeunesse, Montreuil (França), entre outros. na árvore e O último canto. Entre os reconhecimentos pelopara os nomes das meninas, ou o das páginas 42-43, com a silêncio, etc. Audição dos sons gravados por outro grupo de Para além de A bruxa arreganhadentes (seleccionado seu trabalho, encontram-se o primeiro Prémio do III Certameletra manuscrita na carta destinada à personagem principal do alunos e votação do “som mais aterrador”. em Livres au Trésor, Centro Ricerche Sul Libro per Ragazzi, Internacional de Álbum Infantil Ilustrado Cidade de Alicante;conto. - Seres aterradores: tomando como ponto de partida uma Bobigny – França, 2007), para a OQO editora ilustrou Pulga Menção White Raven; e o Prémio Lazarilho em 2008.O autor joga com o corte cinematográfico no uso dos planos conversa sobre seres aterradores, lançamos a proposta de e Gigante, Caderno de animalista (segundo Prémio do Livroe, logo na própria capa, com esses primeiros planos tão do escreverem um texto sobre seres que provoquem medo. Infantil e Juvenil melhor editado 2008 do Ministério da Culturagosto do ilustrador italiano (páginas 18-19 ou os das páginas Exemplo: alguém que me assustou um dia; alguém que me espanhol), Olharapo, Titiritesa (seleccionado nos Prémios34-35). Em qualquer caso, as imagens surgem maioritariamente mete medo; lugares onde me assustei... Visual de Desenho de Livros nas categorias de ilustração eatravés de planos médios, que situam o leitor em relação à - Pensamos em lugares de que tenhamos medo (sem esquecer livros para a infância), O Papão, Marizul que sonha que sonhasituação que se conta, excepto nas páginas 20-21, onde o os mais próximos). Fazemos uma lista com estes lugares e que sonha..., e Mister Corvo.narrador adopta o ponto de vista da personagem. preparamos uma visita colectiva a algum deles (cave, adega, sótão, espaço escuro). Podemos levar connosco um artefacto “espanta-espíritos” para o lá deixar, e usar lanternas se forPistas de exploração necessário. - Procuramos descobrir ou inventar uma solução própria- A despensa da avó: reciclamos recipientes de diversos tipos para acabar com o medo. Tentamos descobrir quais foram as(caixas de cartão, copos de iogurte, frascos vazios… ), pomos- personagens que atemorizaram os nossos pais e avós quandolhes rótulos de vários tipos e criamos uma loja. Também eram pequenos. Em conjunto, elaboramos um grande livro depodemos brincar elaborando receitas fantásticas. seres monstruosos, com nomes, características e ilustrações.- O bolo da avó: exploramos o índice de livros de culinária e
  20. 20. Texto As imagens Este conto adaptado da tradição oral portuguesa fala-nos Uso de imagens digitais para constituir cenários onde uma do poder dos sonhos, da sorte que aparece e desaparece ampla paleta de cores quentes e tons sombrios se impõe às caprichosa perante nós, e de que só o afecto e o desejo de imagens que reflectem o sonho e a imaginação. (Exemplo: Argumento continuar a sonhar nos trazem a felicidade. páginas 10-11 a 16-17) Esta história apresenta variantes em diversos países europeus Na tipografia encontramos uma grande diversidade. De Era uma vez uma velha e um velho que viviam numa como Inglaterra, onde, em vez do chouriço, o elemento que entrada, chama a atenção a contraposição cromática que casa muito pequena. Sem filhos que manter nem terras aparece aos velhos e que acaba por substituir as riquezas faz aparecer luz nas cenas sombrias, em contraste com os que lavrar, passavam o dia ao calor do lume. À falta de sonhadas é um pudim de chocolate. tons escuros que se apresentam em momentos de maior melhor, tinham espetado uma côdea de pão num pau que Outra variante encontrada em Puerto Rico apresenta-nos uma brilhantismo, no sonho. O ilustrador procura, talvez, deixar um puseram ao lume. De súbito, um misterioso papel desceu avó, cujo marido, furioso por já ter desperdiçado um desejo, lugar para a esperança, mesmo nas situações de pobreza e pela chaminé: “Sonhar em noites de Lua traz fortuna. pede que lhe cresçam orelhas de burro. incerteza, por oposição ao sonho. Podeis pedir três desejos.” Dentaduras de ouro, trajes . Significativo é também o uso do negrito para as intervenções elegantes, um palácio de diamantes… Que escolha difícil! das personagens, e do itálico para as onomatopeias. EFicha técnica E, sem pensar duas vezes, a velhinha achou que, com um particularmente digno de nota é o tom dourado que aparece chouriço no pão, pensaria muito melhor. De repente… nalguma expressão especialmente significativa, como a zás! Apareceu-lhe o chouriço. Tinha pedido o seu primeiro grafia manuscrita da mensagem (páginas 18-19), e o tomTítulo: Três desejos desejo! avermelhado nalgumas palavras também relevantes (páginasAutora: Eva Mejuto Isto provocou a fúria do velho que – sem parar um segundo 22-23), pelo qual se estabelece nestes casos uma curiosaIlustrador: Gabriel Pacheco para pensar– desejou que este se colasse ao nariz da relação semântica e visual.Idade recomendada: dos 3 aos 7 anos mulher. E, desta forma, gastaram o segundo desejo. AgoraPáginas: 36 só restava um e apenas um desejo para a velhinha… Mas oMaterial: cartonado ancião, o que mais desejava era vê-la feliz “sem o chouriçoMedidas: 25x23 cm no nariz”. Por isso, o terceiro e último desejo tornou-seOQO editora realidade.
  21. 21. Pistas de exploração Autora e ilustrador Gabriel Pacheco Nasceu na Cidade do México em 1973 e estudou cenografia- Lista individual de desejos. (A série escrita e numerada ajuda Eva Mejuto no Instituto Nacional de Belas-Artes. Realizou oficinas dea estabelecer conexões entre símbolos e ideias de forma Nasceu em 1975 em Sanxenxo, Pontevedra, Espanha. É desenho e figura humana na ENAP e diversos ateliês sobrerápida, relacionando assim a matemática com a linguagem). licenciada em Ciências da Informação, Jornalismo, pela ilustração infantil no México e em Espanha. Publicou no- Relações numéricas (maior que, menor que, igual a). Universidade de Santiago de Compostela (USC). Após ter México, Estados Unidos, Itália, Espanha e Coreia. Esta é a- Lemos em voz alta ou expomos a lista de desejos, e colaborado com diversos meios de comunicação galegos, sua segunda colaboração com a OQO editora depois de Acomparamos as listas de acordo com uma hierarquia numérica. trabalha desde 1998 no sector editorial. Faz parte da OQO grande viagem.- Investigamos sobre ideias preconcebidas. Fazemos uma lista editora desde 2005, no departamento de promoção e Entre os seus reconhecimentos e galardões internacionaisde personagens e atribuímos um desejo a cada um. Exemplo: internacionalização. encontra-se o primeiro Prémio do Concurso Internacional deum médico, uma bruxa, uma mulher de cem anos, um esquimó, Adaptou diversos álbuns ilustrados, como este, ou Corre Ilustração Città de Chioggia 2004 (Veneza, Itália); o primeirouma arquitecta, um astronauta, um monstro, uma mosca… A corre, cabacinha. Como especialista em literatura infantil e Prémio no XIV Catálogo de Ilustradores de Publicaçõeslista pode estar exposta e cada participante escreve um desejo, juvenil, participou em vários fóruns nacionais e internacionais Infantis e Juvenis 2004 (México); Ilustra, o Prémio Internacionallê em voz alta, e os outros têm que adivinhar a personagem a ministrando seminários de formação a docentes e a do Livro Ilustrado 2004 (México); menções honrosas dos X eque corresponde esse desejo. mediadores de leitura. XIII catálogos de ilustradores do México; menção honrosa do- Reflexão sobre o valor das coisas materiais. Prémio Internacional do Livro Ilustrado 2000 e 2002 do México;- Elaboração de uma lista de desejos colectiva, em que foi seleccionado na Mostra Dalla Fiaba al Manifesto 2005,tomemos consciência da situação de outras pessoas, do (Abano Terme, Itália) e na Bologna Children´s Book Fair 2007cuidado do planeta, ecologia, meio ambiente… e tentemos ir e 2008 (Itália); e Menção Especial New Horizons 2008 Bolognamais além dos interesses pessoais. Ragazzi Award (Itália), entre outros.
  22. 22. Notas:

×