PINE CHEMICALS<br />SITUAÇÃO GLOBAL<br />Alex CUNNINGHAM <br />alexcunn@gmail.com<br />areldorado.com.ar<br />2010 Encontr...
“O objetivo de fazer um prognóstico<br />não é de predizer o futuro<br />mas de dizer-lhe o que você precisa saber<br />pa...
RESINAGEM DE PINUS E RESINA <br />Floresta de Pinus<br />Resinagem<br />Resina<br />Indústria<br />Breu<br />Terebintina<b...
RESINA DE PINUS – PRODUTOS “DOWNSTREAM”<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />...
PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madei...
PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madei...
PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madei...
VIA PETROQUÍMICA - CONCORRENTE<br />Petróleo<br />Petroquímica<br />Feed Líquido (Nafta, etc.)<br />Processo<br />Cracking...
“PINE CHEMICALS”<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br ...
“PINE CHEMICALS”<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br ...
RESINAS DE BREU + RESINAS POLITERPÊNICAS + RESINAS HIDROCARBÔNICAS<br />= RESINAS TACKIFICANTES<br />Floresta de Pinus<br ...
RESINA E BREU – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“...
PRODUÇÃO MUNDIAL DE RESINA – 2009<br />
PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU<br />PRODUÇÃO MUNIDAL DE BREU [TON / ANO]<br />
PRODUÇÃO CHINESA DE BREU<br />[MILES DE TONELADAS / ANO]<br />Fonte: SongLifeng, Nanjing (Novembro 2009).<br />
PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />LN<br />SA<br />AH<br />HB<br />SC<br />ZJ<br />JX<br />HU<br />GZ<br />FJ<br />YN<br />GD...
PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Utilização Indiscriminada do Recurso Florestal<br />
PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Falta de Mão de Obra<br />
CRESCIMENTO CHINÊS<br />XANGHAI - 1990<br /> 20 ANOS<br />XANGHAI - 2010<br />
CRESCIMENTO CHINÊS<br />200 KM<br />
CRESCIMENTO CHINÊS<br />
PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Sim falta de mão de obra na China!<br />
PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Novas Espécies<br />LN<br />Pinus tabuleiformis<br />SA<br />Pinus yunnanensis<br />Pinus ...
EXPORTAÇÕES CHINESA DE BREU<br />
PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br />Modelo de Eficiência <br />
PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br /> Formação de Florestas para Produção de Resina<br />
PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br />
EXPORTAÇÃO DE BREU – BRASIL vs. CHINA<br />
PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU – Tendência<br />[TONELADAS / ANO]<br />
RESINA E BREU – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES =                                          <br />DISPONIBILIDADE LI...
LICOR NEGRO, BREU DE TALL OIL E RESINAS DE BREU – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />...
PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU DE TALL OIL<br />[TONELADAS / ANO]<br />
PROCESSO KRAFT E LICOR NEGRO – 2010<br />Chips<br />Indústria (*)<br />Processo<br />Kraft<br />Papel    <br />Químicos<br...
POTENCIAL DE CTO GLOBAL – 2010<br />
PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU DE TALL OIL - Tendência<br />[TONELADAS / ANO]<br />
BREU DE TALL OIL – “PORTER” 2010 GLOBAL<br />FORNECEDORES =                                          <br />“QUEIMANDO” LIC...
RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />Floresta de Pinus<br />Petróleo<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquím...
RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />
RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Petroquímica<br />Feed Líquido (Nafta, etc.)<br />Feed Gasoso<br />Proce...
RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />
RESINAS HIDROCARBÔNICAS – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES =                                          <br />USA / UE...
RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquími...
RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />
RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquími...
RESINAS POLITERPÊNICAS – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES =                                          <br />FALTA DE ...
areldorado.com.ar<br />LinkedIn = Pine Chemicals Network<br />linkedin.com/in/alexcunn<br />areldorado.com.ar/2010-encontr...
Muchasgracias!<br />Nos vemos no ...<br />2011 Encontro e Webinar de Pine Chemicals<br />Junho 2011 – São Pablo<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

20100624 encontro 05

9.516 visualizações

Publicada em

Presented on June 24th, 2010, during the "2010 Encotro & Webinar de Pine Chemicals" in São Paulo, Brazil.

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.516
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.810
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20100624 encontro 05

  1. 1. PINE CHEMICALS<br />SITUAÇÃO GLOBAL<br />Alex CUNNINGHAM <br />alexcunn@gmail.com<br />areldorado.com.ar<br />2010 Encontro & Webinar de Pine Chemicals<br />24 de Junho de 2010<br />L’Art Hotel Augusta, São Paulo, Brasil<br />
  2. 2.
  3. 3. “O objetivo de fazer um prognóstico<br />não é de predizer o futuro<br />mas de dizer-lhe o que você precisa saber<br />para tomar ações significativas no presente.”<br />Paul SaffoSixRules for AccurateEffectiveForecastingHarvard Business Review,July-August 2007, 122-131  <br />
  4. 4. RESINAGEM DE PINUS E RESINA <br />Floresta de Pinus<br />Resinagem<br />Resina<br />Indústria<br />Breu<br />Terebintina<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />
  5. 5. RESINA DE PINUS – PRODUTOS “DOWNSTREAM”<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />Ester de Breu<br />Resina Maléica<br />Resina Fumárica<br />Resinas Fenólicas<br />Breu Hidrogenado<br />etc.<br />Óleo de Pinho<br />Mirceno<br />Menta (sintética)<br />etc.<br />
  6. 6. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madeira<br />Chips<br />Papel<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Processo<br />Kraft<br />Indústria<br />Licor Negro<br />Breu<br />Terebintina<br />Indústria (*)<br />Breu de Tall Oil<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />
  7. 7. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madeira<br />Chips<br />Papel<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Processo<br />Kraft<br />Indústria<br />Licor Negro<br />Breu<br />Terebintina<br />Indústria (*)<br />Breu de Tall Oil<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />
  8. 8. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA!<br />Floresta de Pinus<br />Corte de<br />Madeira<br />Resinagem<br />Resina<br />Madeira<br />Chips<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Papel<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Processo<br />Kraft<br />Indústria<br />Licor Negro<br />Breu<br />Terebintina<br />Indústria (*)<br />Breu de Tall Oil<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />
  9. 9. VIA PETROQUÍMICA - CONCORRENTE<br />Petróleo<br />Petroquímica<br />Feed Líquido (Nafta, etc.)<br />Processo<br />Cracking c/vapor<br />Etileno<br />Propileno<br />Benceno<br />Butadieno<br />Pentadieno<br />Isopreno<br />Ciclopentadieno<br />Aromáticos<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />SUBPRODUTOS<br />Indústria<br />Produtos de consumo:<br />plásticos, borracha, <br />adesivos, etc.<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  10. 10. “PINE CHEMICALS”<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Derivados da<br />Terebintina<br />
  11. 11. “PINE CHEMICALS”<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />
  12. 12. RESINAS DE BREU + RESINAS POLITERPÊNICAS + RESINAS HIDROCARBÔNICAS<br />= RESINAS TACKIFICANTES<br />Floresta de Pinus<br />Petróleo<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  13. 13. RESINA E BREU – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  14. 14. PRODUÇÃO MUNDIAL DE RESINA – 2009<br />
  15. 15. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU<br />PRODUÇÃO MUNIDAL DE BREU [TON / ANO]<br />
  16. 16. PRODUÇÃO CHINESA DE BREU<br />[MILES DE TONELADAS / ANO]<br />Fonte: SongLifeng, Nanjing (Novembro 2009).<br />
  17. 17. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />LN<br />SA<br />AH<br />HB<br />SC<br />ZJ<br />JX<br />HU<br />GZ<br />FJ<br />YN<br />GD<br />GX<br />HN<br />
  18. 18. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Utilização Indiscriminada do Recurso Florestal<br />
  19. 19. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Falta de Mão de Obra<br />
  20. 20. CRESCIMENTO CHINÊS<br />XANGHAI - 1990<br /> 20 ANOS<br />XANGHAI - 2010<br />
  21. 21. CRESCIMENTO CHINÊS<br />200 KM<br />
  22. 22. CRESCIMENTO CHINÊS<br />
  23. 23. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Sim falta de mão de obra na China!<br />
  24. 24. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA<br />Novas Espécies<br />LN<br />Pinus tabuleiformis<br />SA<br />Pinus yunnanensis<br />Pinus elliottii<br />AH<br />HB<br />SC<br />ZJ<br />JX<br />HU<br />GZ<br />Pinus simao kesiya<br />FJ<br />Pinus massoniana<br />YN<br />GD<br />GX<br />Pinus caribeae<br />HN<br />
  25. 25. EXPORTAÇÕES CHINESA DE BREU<br />
  26. 26. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br />Modelo de Eficiência <br />
  27. 27. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br /> Formação de Florestas para Produção de Resina<br />
  28. 28. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RESINA<br />
  29. 29. EXPORTAÇÃO DE BREU – BRASIL vs. CHINA<br />
  30. 30.
  31. 31. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU – Tendência<br />[TONELADAS / ANO]<br />
  32. 32. RESINA E BREU – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES = <br />DISPONIBILIDADE LIMITADA DE FLORESTAS<br />DISPONIBILIDADE LIMITADA DE RESINA<br />INDUSTRIA = <br />BARRERAS ENTRADA = <br />SUBSTITUTOS = <br />PROTEÇÃO SEJA MEDIANTE ACORDOS DE INTEGRAÇÃO OU VERTICALIZAÇÃO TANTO UPSTREAM COMO DOWNSTREAM<br />BREU TALL OIL E RESINAS HIDROCARBÔNICAS<br />ACESSO A FLORESTA<br />(CAPITAL E TEMPO)<br />PERFORMANCE?<br />COMPRADORES = <br />PREÇOS NO MÁXIMO HISTÓRICO<br />CUSTO E TEMPO PARA SUBSTITUÇÃO<br />
  33. 33. LICOR NEGRO, BREU DE TALL OIL E RESINAS DE BREU – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  34. 34. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU DE TALL OIL<br />[TONELADAS / ANO]<br />
  35. 35. PROCESSO KRAFT E LICOR NEGRO – 2010<br />Chips<br />Indústria (*)<br />Processo<br />Kraft<br />Papel <br />Químicos<br />SUBPRODUTOS<br />Licor Negro<br />c/sabão<br />“black liquor”<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />BIOENERGIA<br />~3 %<br />Recuperação<br />do sabão<br />Sabão<br />Pitch<br />Acidulação<br />Tall Oil Cru (CTO)<br />Ácidos Graxos<br />(TOFA)<br />Breu de Tall Oil<br />(TOR / TORA)<br />Destilação<br />
  36. 36. POTENCIAL DE CTO GLOBAL – 2010<br />
  37. 37. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU DE TALL OIL - Tendência<br />[TONELADAS / ANO]<br />
  38. 38. BREU DE TALL OIL – “PORTER” 2010 GLOBAL<br />FORNECEDORES = <br />“QUEIMANDO” LICOR NEGRO.<br />ACORDOS DE FORNECIMENTO A LARGO PRAZO.<br />INDUSTRIA = <br />BARRERAS ENTRADA = <br />SUBSTITUTOS = <br />RESINAS DE BREU PREÇO ALTO.<br />ALTERNATIVA NAS RESINAS HIDROCARBÔNICAS. PERFORMANCE?<br />A DISPONIBILIDADE DE MATERIA PRIMA LIMITA A ENTRADA DE NOVOS PLAYERS.<br />ACESSO AO SABÃO<br />COMPRADORES = <br />DISPONIBILIDADE DE PRODUTO LIMITADA.<br />PREÇOS ESTAVEIS.<br />
  39. 39. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />Floresta de Pinus<br />Petróleo<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  40. 40. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />
  41. 41. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Petroquímica<br />Feed Líquido (Nafta, etc.)<br />Feed Gasoso<br />Processo<br />Cracking c/vapor<br />Processo<br />Cracking c/vapor<br />Etileno<br />Propileno<br />Benceno<br />Butadieno<br />Pentadieno<br />Isopreno<br />Ciclopentadieno<br />Aromáticos<br />Etileno<br />Propileno<br />Benceno<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />SUBPRODUTOS<br />Indústria<br />Produtos de consumo:<br />plásticos, borracha, <br />adesivos, etc.<br />Produtos de consumo:<br />plásticos, borracha, <br />adesivos, etc.<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  42. 42. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010<br />
  43. 43. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES = <br />USA / UE PROCESANDO MAIORES PROPORÇÕES DE FEED GASOSO (AO MENOS ATÉ 2012)<br />INDUSTRIA = <br />BARRERAS ENTRADA = <br />SUBSTITUTOS = <br />ESPECTATIVAS DE ENTRADA DE NUEVOS PLAYERS PEQUENOS NA CHINA.<br />DISPONIBILIDADE DE PYGAS EM CHINA.<br />RESINAS DE BREU PREÇO ALTO.<br />DISPONIBILIDADE DE BREU DE TALL OIL LIMITADA.<br />HIBRIDAÇÃO = RESINA DE BREU / BREU DE TALL OIL PROCESSADO CONJUNTAMENTE COM RESINAS HIDROCARBÔNICAS.<br />COMPRADORES = <br />ESTABILIDADE DE PREÇO.<br />PRODUTOS DISPONIVEL NA CHINA = “LOW END”<br />
  44. 44. RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  45. 45. RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />
  46. 46. RESINAS POLITERPÊNICAS – 2010<br />Petróleo<br />Floresta de Pinus<br />Processo<br />Kraft<br />Resinagem<br />Petroquímica<br />“Pine<br />Chemicals”<br />Resina<br />Licor Negro<br />Indústria<br />Indústria (*)<br />Estireno<br />Sulfato de<br />Terebintina<br />Breu de Tall Oil<br />Terebintina<br />Breu<br />Pygas<br />(C5, C9, DCPD)<br />COPOLIMERIZAÇÃO<br />Indústria<br />Indústria<br />Indústria<br />Resinas de<br />Breu<br />Resinas<br />Politerpênicas<br />Resinas Hidrocarbônicas<br />C5 ou C9<br />
  47. 47. RESINAS POLITERPÊNICAS – “PORTER” GLOBAL 2010<br />FORNECEDORES = <br />FALTA DE TEREBINTINA.<br />INDUSTRIA = <br />BARRERAS ENTRADA = <br />SUBSTITUTOS = <br />RESINAS DE BREU, RESINAS HIDROCARBÔNICAS, BREU DE TALL OIL. PERFORMANCE?<br />NÃO TEM TEREBINTINA DISPONIVEL NO MERCADO A NIVEL GLOBAL.<br />COPOLIMERIZANDO COM ESTIRENO, E TERPENOS CÍTRICOS.<br />COMPRADORES = <br />INCREMENTO DESMEDIDO DE PREÇOS.<br />
  48. 48. areldorado.com.ar<br />LinkedIn = Pine Chemicals Network<br />linkedin.com/in/alexcunn<br />areldorado.com.ar/2010-encontro/20100624-encontro.pdf<br />
  49. 49. Muchasgracias!<br />Nos vemos no ...<br />2011 Encontro e Webinar de Pine Chemicals<br />Junho 2011 – São Pablo<br />

×