Neutropenia febril

428 visualizações

Publicada em

Apresentação ppt sobre artigo de revisão de neutropenia febril.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neutropenia febril

  1. 1. Disciplina Oncologia Acadêmico: Alexandre Rodrigues Alves 4º Ano Medicina UFMS
  2. 2.  Na última década, melhora substancial no tto de doenças oncológicas: TMO , novos quimioterápicos , esquemas terapêuticos mais agressivos.  Tal fato resultou em um aumento importante nas taxas de cura, mas causou um aumento no número de pacientes com neutropenia e infecções graves.
  3. 3.  Quatro tipos de neutropenia:  Leve: neutrófilos estiver entre 1500-1000/mm³.  Moderada: 1000-500/mm³ neutrófilos.  Grave: < 500/mm³ neutrófilos.  Muito Grave: <100 /mm³ neutrófilos.
  4. 4.  Segundo as diretrizes espanholas, febre é a temperatura axilar maior ou igual a 38º C em uma única aferição ou maior ou igual a 37,8º C em duas aferições consecutivas com intervalo de 6 horas.
  5. 5.  Bactérias Gram-positivas as responsáveis pela maior parte das infecções nos neutropênicos.  1) o uso de antineoplásico mais agressivo associado com mucosite oral grave, isto é, mais dano às barreiras mucosas e, por conseqüência, o aumento de risco de infecção por bactérias Gram-positivas da flora oral
  6. 6.  2) a utilização mais freqüente de cateteres intravenosos, resultando em número crescente de infecções por Staphylococcus.  3) profilaxia antibacteriana com Fluorquinolonas, especialmente quando usadas em combinação com bloqueadores H2 e outros antiácidos, propiciando um aumento da colonização do esôfago e do estômago pela flora oral de Streptococcus.
  7. 7.  Patógenos mais frequentes  Bactérias Gram-positivas:Streptococcus do grupo viridans e Staphylococcus coagulase negativos (ECN) => infecções de catéteres.  Bactérias Gram-negativas: E.coli, Klebsiella spp e Pseudomonas aeruginosa.  Anaeróbios:Clostridium difficile e Bacteroides spp.  Fungos:Candida spp e Aspergillus spp.
  8. 8.  Anamnese detalhada => históricos da evolução da doença, colonização anterior por microorganismos, quimioterapia utilizada.  Exame físico: minucioso, quadro pobre de manifestações => diminuição da resposta inflamatória. Febre , dor e edema. Investigar sítios infecciosos: pele, cavidade oral, pulmão, inserção de cateter
  9. 9.  Hemocultura.  Exames de imagem: RX de tórax (PA e Perfil)=> baixa sensibilidade na fase precoce.  TC: mais sensível precoce => alto custo. Serve também como guia para procedimentos invasivos e não invasivos (como broncoscopia, lavado bronco-alveolar, biópsias e punção pleural).
  10. 10.  Pontuação de até 26. Baixo risco :21pts ou mais. Alto risco: menos que 21 pts.
  11. 11.  Hemograma de admissão. Caso não tenha ou expectativa de resultado com demora maior de 30 min, pcte é considerado neutropênico caso esteja entre 10° e 20° dia de quimioterapia.  Administração precoce de ATB.
  12. 12.  Sistematização do atendimento primário de pacientes com neutropenia febril: revisão de literatura  Sérgio A. B. Brasil1, Mauro José Costa Salles2, Camila Cohen Kaleka3, Carina Cohen3, Maria FernandaMartinelli Trabulsi3, Nina Maria de Araújo Salomão3, Renata D’Alpino Peixoto3, Sofia Martins3

×