SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Sistemas Operacionais I
Gerência de Armazenamento: Interface do
Sistema de Arquivos
Prof. Alexandre Duarte : http://alexandrend.com
Centro de Informática | Universidade Federal da Paraíba
Estes slides são baseados no material que acompanha o livro Operating
Systems Concepts de Silberschatz, Galvin and Gagne
Objetivos
 Explicar a função do sistema de arquivos
 Descrever a interface dos sistemas de
arquivos
 Discutir decisões de projeto de sistemas de
arquivos, incluindo métodos de acesso,
compartilhamento, bloqueio e estruturas de
diretórios
 Explorar o conceito de proteção em sistemas
de arquivos
O conceito de arquivo
 Espaço de endereçamento lógico contínuo
 Tipos:
 Dados
 número
 caracteres
 binário
 Programas
Estrutura de um arquivo
 Sem estrutura: - sequência de palavras, bytes
 Estrutura de registro simples
 Linhas
 Tamanho fixo
 Tamanho variável
 Estruturas complexas
 Quem decide:
 Sistemas operacional
 Programa
Atributos de um arquivo
 Nome – única informação mantida em formato legível
 Identificador – chave numérica única que identifica
um arquivo em todo o sistema de arquivos
 Tipo – necessário para sistemas que suportam
diferentes tipos de arquivos
 Localização – ponteiro para a localização do arquivo
no dispositivo de armazenamento
 Tamanho – tamanho do arquivo em bytes
 Proteção – controla quem pode ler, escrever ou
executar um arquivo
 Hora, data e identificação do usuário – dados
para proteção, segurança e monitoramento do uso
Operações com arquivos
 Criação
 Escrita
 Leitura
 Reposicionamento
 Remoção
 Truncagem
 Open(Fi) – procura o arquivo Fi na estrutura de
diretórios e move o conteúdo da entrada para a
memória
 Close (Fi) – move o conteúdo da entrada de Fi da
memória para a estrutura de diretórios no disco
Abrindo arquivos
 Varias informações são necessárias para lidar
com arquivos abertos
 Ponteiro de arquivo: aponta para a última posição
lida/escrita pelo processo que abriu o arquivo
 Contador de aberturas: conta quantas vezes um
arquivo foi aberto – permite a remoção de dados da
tabela de arquivos abertos quando o último processo
fechar o arquivo
 Localização do arquivo no disco: cache das
informações para acesso ao arquivo
 Permissões de acesso: permissões de acesso ao
arquivo pelo processo
Bloqueio de arquivos abertos
 Fornecido pelo sistema de arquivos de alguns
sistemas operacionais
 Modera o acesso aos arquivos
 Obrigatório ou Recomendado:
 Obrigatório – o acesso é negado dependendo
do bloqueio
 Recomendado – os processos podem consultar
o estado de um bloqueio e decidir o que fazer
Métodos de acesso
 Acesso sequêncial
 read next
 write next
 reset
 Acesso direto
 read n
 write n
 position to n
 read next
 write next
Acesso sequencial
Simulando acesso sequencial com arquivos de
acesso direto
Exemplo de arquivo de índice e
arquivos relacionados
Estrutura de disco
 Discos podem ser subdivididos em partições
 Discos ou partições podem ser protegidos de falhas por um
RAID
 Discos e partições podem ser utilizadas tanto em modo raw –
sem um sistema de arquivos, quanto formatados com um
sistema de arquivos
 A entidade que contem um sistema de arquivos é conhecida
como volume
 Cada volume mantem informações sobre o sistema de
arquivos em um diretório de dispositivos ou tabela de
conteúdo de volumes
 Assim como existem sistemas de arquivo de propósito geral,
existem vários sistemas de arquivos de propósito específico,
frequentemente convivendo em um mesmo sistema
operacional ou computador
Organização típica de um sistema de
arquivos
Operações em diretórios
 Localizar um arquivo
 Criar um arquivo
 Remover um arquivo
 Listar o conteúdo de um diretório
 Renomear um arquivo
 Percorrer o sistema de arquivos
Diretório de nível único
 Um único diretório para todos os
usuários
Estrutura de dois níveis
 Um diretório separado para cada usuário
Estrutura de árvore
Estrutura de grafo acíclico
 Apresenta arquivos e diretórios
compartilhados
Estrutura geral de grafo
Montagem de sistemas de
arquivos
 Um sistema de arquivos precisa ser montado
antes de ser acessado
Compartilhamento de arquivos
 É desejável poder compartilhar arquivos em
sistemas com múltiplos usuários
 Esse compartilhamento pode ser obtido por
meio de um esquema de proteção
 Em sistema distribuídos os arquivos podem
ser compartilhados através de uma rede
Compartilhamento de arquivos:
múltiplos usuários
 Os usuários possuem identificadores,
permitindo que sejam definidas permissões de
acesso por usuário
 Identificadores de grupo permitem que sejam
definidas permissões de acesso para grupos
de usuários
Compartilhamento de arquivos:
sistemas de arquivos remotos
 Permite acesso ao sistema de arquivos através
da rede
 Manualmente, através de programas como o FTP
 Automaticamente e de forma transparente utilizando
sistemas de arquivos distribuídos
 O modelo cliente-servidor permite que clientes
montem sistemas de arquivos remotos
disponibilizados por servidores
 Um servidor pode server múltiplos clientes
 NFS é o protocolo cliente-servidor padrão do UNIX
 CIFS é o protocolo padrão no Windows
 Operações padrão do sistema de arquivos são
mapeadas em chamadas remotas
Compartilhamento de arquivos:
modelo de falhas
 O uso de sistemas de arquivos remotos
implica em um novo modelo de falhas devido
a falhas na rede e nos servidores
 A recuperação de uma falha pode envolver a
obtenção de informações de estado sobre
todas as requisições remotas
 Protocolos stateless como o NFS incluem em
cada requisição toda a informação de estado,
facilitando a recuperação
Compartilhamento de arquivos:
semântica de consistência
 A semântica de consistência especifica como
múltiplos usuários podem acessar
simultaneamente um arquivo compartilhado
 Bastante semelhante aos algoritmos de sincronização
de processos
 Geralmente menos complexo devido as latências de disco
e de rede
 O sistema de arquivo do Unix implementa a seguinte
semântica:
 Escreve imediatamente em um arquivo aberto visível por
outros usuários
 Ponteiro de arquivo compartilhado para permitir que
múltiplos usuários possa ler e escrever de forma
concorrente
Proteção
 O dono/criador do arquivo deve ser capaz de
controlar:
 o que pode ser feito
 por quem
 Tipos de acesso
 Leitura
 Escrita
 Execução
 Acréscimo
 Remoção
 Listagem
Listas de acesso e de grupo
 Modo de acesso: leitura, escrita e execução
 Três classes de usuário
RWX
a) acesso de dono 7 ⇒ 1 1 1
RWX
b) acesso de grupo 6 ⇒ 1 1 0
RWX
c) acesso público 1 ⇒ 0 0 1
 O gerente pode criar um grupo (nome único), digamos G, e adicionar usuários ao
grupo.
 Para um artigo ou diretório em particular (digamos game), definir uma forma de
acesso apropriada.
owner group public
chmod 761 game
Adicionar um artigo ao grupo
chgrp G game

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelularspondias
 
Prática de laboratório utilizando views, stored procedures e triggers
Prática de laboratório   utilizando views, stored procedures e triggersPrática de laboratório   utilizando views, stored procedures e triggers
Prática de laboratório utilizando views, stored procedures e triggersDaniel Maia
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matériaRita Pereira
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosElaine Cecília Gatto
 
Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Tiago Vieira
 
Java orientação a objetos (interfaces)
Java   orientação a objetos (interfaces)Java   orientação a objetos (interfaces)
Java orientação a objetos (interfaces)Armando Daniel
 
PHP Aula07 - conexão Com Banco de Dados
PHP Aula07 - conexão Com Banco de DadosPHP Aula07 - conexão Com Banco de Dados
PHP Aula07 - conexão Com Banco de DadosDaniel Brandão
 
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e SegmentaçãoSO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e SegmentaçãoEduardo Nicola F. Zagari
 
Java 10 Classes Abstratas Interfaces
Java 10 Classes Abstratas InterfacesJava 10 Classes Abstratas Interfaces
Java 10 Classes Abstratas InterfacesRegis Magalhães
 
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 Deadlock
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 DeadlockSistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 Deadlock
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 DeadlockWellington Oliveira
 
Curso de Java (Parte 2)
 Curso de Java (Parte 2) Curso de Java (Parte 2)
Curso de Java (Parte 2)Mario Sergio
 
Meteorização química
Meteorização químicaMeteorização química
Meteorização químicaanabela
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.pptLeonor Vaz Pereira
 
Ap 1 a geologia, os geólogos
Ap 1   a geologia, os geólogosAp 1   a geologia, os geólogos
Ap 1 a geologia, os geólogosessg
 
Geologia 10 estrutura interna da terra
Geologia 10   estrutura interna da terraGeologia 10   estrutura interna da terra
Geologia 10 estrutura interna da terraNuno Correia
 
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matéria
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matériaMódulo 3 - Biologia - Utilização de matéria
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matériaRaquel Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelular
 
Prática de laboratório utilizando views, stored procedures e triggers
Prática de laboratório   utilizando views, stored procedures e triggersPrática de laboratório   utilizando views, stored procedures e triggers
Prática de laboratório utilizando views, stored procedures e triggers
 
Interfaces e polimorfismo
Interfaces e polimorfismoInterfaces e polimorfismo
Interfaces e polimorfismo
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matéria
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
 
Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos
 
Java orientação a objetos (interfaces)
Java   orientação a objetos (interfaces)Java   orientação a objetos (interfaces)
Java orientação a objetos (interfaces)
 
PHP Aula07 - conexão Com Banco de Dados
PHP Aula07 - conexão Com Banco de DadosPHP Aula07 - conexão Com Banco de Dados
PHP Aula07 - conexão Com Banco de Dados
 
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e SegmentaçãoSO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
 
Aula03 - JavaScript
Aula03 - JavaScriptAula03 - JavaScript
Aula03 - JavaScript
 
Java 10 Classes Abstratas Interfaces
Java 10 Classes Abstratas InterfacesJava 10 Classes Abstratas Interfaces
Java 10 Classes Abstratas Interfaces
 
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 Deadlock
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 DeadlockSistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 Deadlock
Sistemas Operacionais Modernos Capítulo 3 Deadlock
 
Curso de Java (Parte 2)
 Curso de Java (Parte 2) Curso de Java (Parte 2)
Curso de Java (Parte 2)
 
Meteorização química
Meteorização químicaMeteorização química
Meteorização química
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
 
XML Schema (2002)
XML Schema (2002)XML Schema (2002)
XML Schema (2002)
 
Ap 1 a geologia, os geólogos
Ap 1   a geologia, os geólogosAp 1   a geologia, os geólogos
Ap 1 a geologia, os geólogos
 
Algebra Relacional
Algebra RelacionalAlgebra Relacional
Algebra Relacional
 
Geologia 10 estrutura interna da terra
Geologia 10   estrutura interna da terraGeologia 10   estrutura interna da terra
Geologia 10 estrutura interna da terra
 
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matéria
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matériaMódulo 3 - Biologia - Utilização de matéria
Módulo 3 - Biologia - Utilização de matéria
 

Semelhante a Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos

Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...Julio Oliveira
 
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivosAula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivoscamila_seixas
 
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdfSO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdfSilvano Oliveira
 
Sistemas de arquivos artigo
Sistemas de arquivos   artigoSistemas de arquivos   artigo
Sistemas de arquivos artigoDaiana de Ávila
 
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivosCleiton Cunha
 
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios LinuxUnidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios LinuxJuan Carlos Lamarão
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivosPaulo Fonseca
 
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)Frederico Madeira
 
SI - SAD - Sistemas de Arquivos Distribuídos
SI - SAD  - Sistemas de Arquivos DistribuídosSI - SAD  - Sistemas de Arquivos Distribuídos
SI - SAD - Sistemas de Arquivos DistribuídosFrederico Madeira
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxBrancaSilva12
 
Sistemas de arquivos
Sistemas de arquivosSistemas de arquivos
Sistemas de arquivosPedro Neto
 
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senaiSistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senaiCarlos Melo
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Faculdade Mater Christi
 
Filestream sistema arquivos
Filestream  sistema arquivosFilestream  sistema arquivos
Filestream sistema arquivosTiago
 
Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3Matheus Brito
 

Semelhante a Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos (20)

Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
 
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivosAula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
 
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdfSO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
 
Sd01 (si) sistemas de arquivos
Sd01 (si)   sistemas de arquivosSd01 (si)   sistemas de arquivos
Sd01 (si) sistemas de arquivos
 
Sistemas de arquivos artigo
Sistemas de arquivos   artigoSistemas de arquivos   artigo
Sistemas de arquivos artigo
 
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos
 
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios LinuxUnidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Sgf
SgfSgf
Sgf
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
 
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)
Sistemas De Arquivos Distribuídos (SAD)
 
SI - SAD - Sistemas de Arquivos Distribuídos
SI - SAD  - Sistemas de Arquivos DistribuídosSI - SAD  - Sistemas de Arquivos Distribuídos
SI - SAD - Sistemas de Arquivos Distribuídos
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
 
Sistemas de arquivos
Sistemas de arquivosSistemas de arquivos
Sistemas de arquivos
 
Parte2a
Parte2aParte2a
Parte2a
 
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senaiSistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
 
Filestream sistema arquivos
Filestream  sistema arquivosFilestream  sistema arquivos
Filestream sistema arquivos
 
Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3
 
1.1.apresentação
1.1.apresentação1.1.apresentação
1.1.apresentação
 

Mais de Alexandre Duarte

Táticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosTáticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosAlexandre Duarte
 
Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Alexandre Duarte
 
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaEscolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaAlexandre Duarte
 
Ciência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaCiência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaAlexandre Duarte
 
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica:  IntroduçãoMetodologia da Pesquisa Científica:  Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica: IntroduçãoAlexandre Duarte
 
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerGráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerAlexandre Duarte
 
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBPanorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisSumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisAlexandre Duarte
 
Correlação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoCorrelação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DSumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DSumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DAlexandre Duarte
 
Preparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosPreparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosAlexandre Duarte
 
Introdução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosIntrodução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosAlexandre Duarte
 
Introdução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysIntrodução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysAlexandre Duarte
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Alexandre Duarte
 

Mais de Alexandre Duarte (20)

Projeto de Experimentos
Projeto de ExperimentosProjeto de Experimentos
Projeto de Experimentos
 
Táticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosTáticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de Experimentos
 
Causalidade e Abdução
Causalidade e AbduçãoCausalidade e Abdução
Causalidade e Abdução
 
Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!
 
Atividades Científica
Atividades CientíficaAtividades Científica
Atividades Científica
 
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaEscolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
 
Ciência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaCiência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como Ciência
 
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica:  IntroduçãoMetodologia da Pesquisa Científica:  Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
 
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerGráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
 
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBPanorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
 
Agrupamento com K-Means
Agrupamento com K-MeansAgrupamento com K-Means
Agrupamento com K-Means
 
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisSumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
 
Correlação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoCorrelação e Classificação
Correlação e Classificação
 
Sumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DSumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2D
 
Sumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DSumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1D
 
Transformação de Dados
Transformação de DadosTransformação de Dados
Transformação de Dados
 
Preparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosPreparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de Dados
 
Introdução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosIntrodução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de Experimentos
 
Introdução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysIntrodução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de Surveys
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos

  • 1. Sistemas Operacionais I Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos Prof. Alexandre Duarte : http://alexandrend.com Centro de Informática | Universidade Federal da Paraíba Estes slides são baseados no material que acompanha o livro Operating Systems Concepts de Silberschatz, Galvin and Gagne
  • 2. Objetivos  Explicar a função do sistema de arquivos  Descrever a interface dos sistemas de arquivos  Discutir decisões de projeto de sistemas de arquivos, incluindo métodos de acesso, compartilhamento, bloqueio e estruturas de diretórios  Explorar o conceito de proteção em sistemas de arquivos
  • 3. O conceito de arquivo  Espaço de endereçamento lógico contínuo  Tipos:  Dados  número  caracteres  binário  Programas
  • 4. Estrutura de um arquivo  Sem estrutura: - sequência de palavras, bytes  Estrutura de registro simples  Linhas  Tamanho fixo  Tamanho variável  Estruturas complexas  Quem decide:  Sistemas operacional  Programa
  • 5. Atributos de um arquivo  Nome – única informação mantida em formato legível  Identificador – chave numérica única que identifica um arquivo em todo o sistema de arquivos  Tipo – necessário para sistemas que suportam diferentes tipos de arquivos  Localização – ponteiro para a localização do arquivo no dispositivo de armazenamento  Tamanho – tamanho do arquivo em bytes  Proteção – controla quem pode ler, escrever ou executar um arquivo  Hora, data e identificação do usuário – dados para proteção, segurança e monitoramento do uso
  • 6. Operações com arquivos  Criação  Escrita  Leitura  Reposicionamento  Remoção  Truncagem  Open(Fi) – procura o arquivo Fi na estrutura de diretórios e move o conteúdo da entrada para a memória  Close (Fi) – move o conteúdo da entrada de Fi da memória para a estrutura de diretórios no disco
  • 7. Abrindo arquivos  Varias informações são necessárias para lidar com arquivos abertos  Ponteiro de arquivo: aponta para a última posição lida/escrita pelo processo que abriu o arquivo  Contador de aberturas: conta quantas vezes um arquivo foi aberto – permite a remoção de dados da tabela de arquivos abertos quando o último processo fechar o arquivo  Localização do arquivo no disco: cache das informações para acesso ao arquivo  Permissões de acesso: permissões de acesso ao arquivo pelo processo
  • 8. Bloqueio de arquivos abertos  Fornecido pelo sistema de arquivos de alguns sistemas operacionais  Modera o acesso aos arquivos  Obrigatório ou Recomendado:  Obrigatório – o acesso é negado dependendo do bloqueio  Recomendado – os processos podem consultar o estado de um bloqueio e decidir o que fazer
  • 9. Métodos de acesso  Acesso sequêncial  read next  write next  reset  Acesso direto  read n  write n  position to n  read next  write next
  • 11. Simulando acesso sequencial com arquivos de acesso direto
  • 12. Exemplo de arquivo de índice e arquivos relacionados
  • 13. Estrutura de disco  Discos podem ser subdivididos em partições  Discos ou partições podem ser protegidos de falhas por um RAID  Discos e partições podem ser utilizadas tanto em modo raw – sem um sistema de arquivos, quanto formatados com um sistema de arquivos  A entidade que contem um sistema de arquivos é conhecida como volume  Cada volume mantem informações sobre o sistema de arquivos em um diretório de dispositivos ou tabela de conteúdo de volumes  Assim como existem sistemas de arquivo de propósito geral, existem vários sistemas de arquivos de propósito específico, frequentemente convivendo em um mesmo sistema operacional ou computador
  • 14. Organização típica de um sistema de arquivos
  • 15. Operações em diretórios  Localizar um arquivo  Criar um arquivo  Remover um arquivo  Listar o conteúdo de um diretório  Renomear um arquivo  Percorrer o sistema de arquivos
  • 16. Diretório de nível único  Um único diretório para todos os usuários
  • 17.
  • 18. Estrutura de dois níveis  Um diretório separado para cada usuário
  • 20. Estrutura de grafo acíclico  Apresenta arquivos e diretórios compartilhados
  • 22. Montagem de sistemas de arquivos  Um sistema de arquivos precisa ser montado antes de ser acessado
  • 23. Compartilhamento de arquivos  É desejável poder compartilhar arquivos em sistemas com múltiplos usuários  Esse compartilhamento pode ser obtido por meio de um esquema de proteção  Em sistema distribuídos os arquivos podem ser compartilhados através de uma rede
  • 24. Compartilhamento de arquivos: múltiplos usuários  Os usuários possuem identificadores, permitindo que sejam definidas permissões de acesso por usuário  Identificadores de grupo permitem que sejam definidas permissões de acesso para grupos de usuários
  • 25. Compartilhamento de arquivos: sistemas de arquivos remotos  Permite acesso ao sistema de arquivos através da rede  Manualmente, através de programas como o FTP  Automaticamente e de forma transparente utilizando sistemas de arquivos distribuídos  O modelo cliente-servidor permite que clientes montem sistemas de arquivos remotos disponibilizados por servidores  Um servidor pode server múltiplos clientes  NFS é o protocolo cliente-servidor padrão do UNIX  CIFS é o protocolo padrão no Windows  Operações padrão do sistema de arquivos são mapeadas em chamadas remotas
  • 26. Compartilhamento de arquivos: modelo de falhas  O uso de sistemas de arquivos remotos implica em um novo modelo de falhas devido a falhas na rede e nos servidores  A recuperação de uma falha pode envolver a obtenção de informações de estado sobre todas as requisições remotas  Protocolos stateless como o NFS incluem em cada requisição toda a informação de estado, facilitando a recuperação
  • 27. Compartilhamento de arquivos: semântica de consistência  A semântica de consistência especifica como múltiplos usuários podem acessar simultaneamente um arquivo compartilhado  Bastante semelhante aos algoritmos de sincronização de processos  Geralmente menos complexo devido as latências de disco e de rede  O sistema de arquivo do Unix implementa a seguinte semântica:  Escreve imediatamente em um arquivo aberto visível por outros usuários  Ponteiro de arquivo compartilhado para permitir que múltiplos usuários possa ler e escrever de forma concorrente
  • 28. Proteção  O dono/criador do arquivo deve ser capaz de controlar:  o que pode ser feito  por quem  Tipos de acesso  Leitura  Escrita  Execução  Acréscimo  Remoção  Listagem
  • 29. Listas de acesso e de grupo  Modo de acesso: leitura, escrita e execução  Três classes de usuário RWX a) acesso de dono 7 ⇒ 1 1 1 RWX b) acesso de grupo 6 ⇒ 1 1 0 RWX c) acesso público 1 ⇒ 0 0 1  O gerente pode criar um grupo (nome único), digamos G, e adicionar usuários ao grupo.  Para um artigo ou diretório em particular (digamos game), definir uma forma de acesso apropriada. owner group public chmod 761 game Adicionar um artigo ao grupo chgrp G game