SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Relatório de auto-avaliação da quarta e quinta sessão

                                                 O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE:

                                                METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO

        Dar início ao processo de auto-avaliação da BE, foi, provavelmente a tarefa que mais inquietações nos
suscitou desde o início desta acção de formação. Desde logo pelo facto de nos ter sido pedido que se esta
operacionalização se integrasse no contexto real da nossa BE e pelo que tal obriga de (auto)reflexão e
questionamento1 e depois pelo nos ter dado uma noção do caminho que ainda há a percorrer.

        Questionamento é provavelmente aqui a palavra-chave – o processo de auto-avaliação coincide com
questões fulcrais relacionadas com a BE e com a própria escola/agrupamento. As questões que se nos colocam ao
planear a avaliação da BE - Porquê? O quê? Com quem? Quando? Como? – são idênticas às que devem reger a
própria estrutura educativa. Esta avaliação é tão importante para a biblioteca como para a escola, para a
comunidade educativa. Ou deve ser. Tal contexto todavia, na maioria das escolas, ainda não foi criado. A BE é
importante mas ainda não é entendida pelos agentes educativos como central na vida escolar.

         Resta, portanto, a meu ver, dar início a este processo de forma inversa. Ou seja ir de encontro ao que se
solicita no PE, no PCA e, definir percursos paralelos que, mais à frente, poderão modelar e contribuir para a
transformação. É sempre possível equacionar esse apoio, definindo actividades ou projectos concretos que podemos
acompanhar e partilhar com coordenadores curriculares, coordenadores de projectos, directores de turma. Torna-se
aqui imperativo enunciar alguns aspectos que condicionam e dificultam a implementação deste modelo: desde logo
a falta de tempo para consecução do processo, dada a sobrecarga de trabalho que a aplicação do modelo acarreta e,
embora, o workshop formativo ou a apresentação em conselho pedagógico seja, a meu ver, muito proveitoso,
continua a ser difícil garantir o envolvimento de todos os intervenientes, quer na aplicação dos inquéritos aos alunos
e/ou coordenadores de departamento na resposta aos inquéritos solicitados quer na participação activa em
determinadas areas.

        A elaboração do plano de avaliação, como documento, impõe, assim, uma reflexão sobre o forma como a
própria escola funciona e, ao fazer tomar consciência da importância da biblioteca, demonstra igualmente junto dos
professores, o contributo da BE para a aprendizagem e os resultados escolares, mostrando-lhes as suas
potencialidades e a forma como podem utilizá-la melhor nas suas actividades de planeamento das aulas e de ensino.
A auto-avaliação pode ajudar a encorajar uma melhor utilização da BE. A mais-valia deste documento é a de permitir
a melhoria contínua da acção e do impacto da biblioteca nas aprendizagens. A sua meta é, obviamente, a meta do
próprio sistema de ensino. Neste caso concreto, na elaboração do Plano de Avaliação da BE Elias Garcia partiu-se do
Plano de Acção definido para as BE do Agrupamento para o quadriénio de 2009-2013. As propostas enunciadas
resultam da análise e orientações dos documentos de referência do Agrupamento (Projecto Educativo, Projecto
Curricular, Plano Anual de Actividades e Regulamento Interno) e, claro, do modelo de auto-avaliação. Apresenta-se,
desta forma, uma forma de implementar o MAABE que propicie uma reflexão daquilo que se pretenda da BE, que
conduzirá inevitavelmente a uma BE que avalia as actividades realizadas, que consegue identificar os seus pontos
fortes e os seus pontos fracos para, assim, poder melhorar.



          23/11/2010 Alexandra Lopes



1
  Reflectir sobre as diferentes etapas do processo de auto-avaliação, desde a necessidade de enquadramento nas diversas estruturas educativas, elaboração do
diagnóstico para identificação do problema e definição dos objectos da avaliação, factores críticos, métodos e técnicas a utilizar, instrumentos identificados, e
numa fase posterior planear igualmente a recolha e tratamento dos dados, análise e interpretação da informação obtida, síntese. (cf texto da sessão quatro).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto  Avaliacao EscolaApresentacao Modelo Auto  Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
Cristina Felício
 
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno TavaresTrabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
gueste04715
 
Modelo Auto Av BE
Modelo Auto Av BEModelo Auto Av BE
Modelo Auto Av BE
lmac69
 
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Bibliotecajac
 
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico ZéModelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
mizedomingues
 
ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1
bonifvieira
 
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresModelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
mizedomingues
 
Sintese sessao 4
Sintese sessao 4Sintese sessao 4
Sintese sessao 4
Anaigreja
 
2 Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be 2
2 Modelo De  Auto AvaliaçãO Das  Be  22 Modelo De  Auto AvaliaçãO Das  Be  2
2 Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be 2
andretti26
 
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da BeTarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
becrepombais
 

Mais procurados (18)

Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto  Avaliacao EscolaApresentacao Modelo Auto  Avaliacao Escola
Apresentacao Modelo Auto Avaliacao Escola
 
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno TavaresTrabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
 
Análise crítica ao maabe
Análise crítica ao maabeAnálise crítica ao maabe
Análise crítica ao maabe
 
Modelo Auto Av BE
Modelo Auto Av BEModelo Auto Av BE
Modelo Auto Av BE
 
Paula sabino t1 1300595
Paula sabino t1 1300595Paula sabino t1 1300595
Paula sabino t1 1300595
 
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
 
Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
 
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
 
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico ZéModelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Modelo Aa Be Power Point
Modelo Aa Be   Power PointModelo Aa Be   Power Point
Modelo Aa Be Power Point
 
ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1
 
Sapiens - Feedback de Prática Docente com Google Forms
Sapiens - Feedback de Prática Docente com Google FormsSapiens - Feedback de Prática Docente com Google Forms
Sapiens - Feedback de Prática Docente com Google Forms
 
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresModelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Sintese sessao 4
Sintese sessao 4Sintese sessao 4
Sintese sessao 4
 
2 Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be 2
2 Modelo De  Auto AvaliaçãO Das  Be  22 Modelo De  Auto AvaliaçãO Das  Be  2
2 Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be 2
 
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da BeTarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
 
Maabe 4ªSessao
Maabe 4ªSessaoMaabe 4ªSessao
Maabe 4ªSessao
 

Destaque

XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
Paróquias de Santana
 
Correio uacury 09 2010
Correio uacury 09 2010Correio uacury 09 2010
Correio uacury 09 2010
Edson Mamprin
 
Ativ 3 analise-website_bernadete
Ativ 3 analise-website_bernadeteAtiv 3 analise-website_bernadete
Ativ 3 analise-website_bernadete
detemd
 
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino MédioCalendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
cacau flamengo
 
Homologação de diplomas
Homologação de diplomasHomologação de diplomas
Homologação de diplomas
juramentado05
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
joatha
 

Destaque (20)

CARMELO TERESIANO: Quinta Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti OCD
CARMELO TERESIANO: Quinta Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti OCDCARMELO TERESIANO: Quinta Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti OCD
CARMELO TERESIANO: Quinta Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti OCD
 
XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
XVI Semana Cultural da Ilha - 1 a 8 de Dezembro 2010
 
Correio uacury 09 2010
Correio uacury 09 2010Correio uacury 09 2010
Correio uacury 09 2010
 
Ativ 3 analise-website_bernadete
Ativ 3 analise-website_bernadeteAtiv 3 analise-website_bernadete
Ativ 3 analise-website_bernadete
 
Listados de grupos para trabajos practicos
Listados de grupos para trabajos practicosListados de grupos para trabajos practicos
Listados de grupos para trabajos practicos
 
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino MédioCalendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
 
Gastos públicos e privados na copa do mundo
Gastos públicos e privados na copa do mundoGastos públicos e privados na copa do mundo
Gastos públicos e privados na copa do mundo
 
CARMELO TERESIANO: Communicationes 289
CARMELO TERESIANO: Communicationes 289CARMELO TERESIANO: Communicationes 289
CARMELO TERESIANO: Communicationes 289
 
Avances Tecnologicos
Avances TecnologicosAvances Tecnologicos
Avances Tecnologicos
 
Castro nicolas
Castro nicolasCastro nicolas
Castro nicolas
 
Avisos e conselhos
Avisos e conselhosAvisos e conselhos
Avisos e conselhos
 
Guada m
Guada mGuada m
Guada m
 
Homologação de diplomas
Homologação de diplomasHomologação de diplomas
Homologação de diplomas
 
Poster física2010 (Vila Real)
Poster física2010 (Vila Real)Poster física2010 (Vila Real)
Poster física2010 (Vila Real)
 
Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)
 
Gli incentivi statali per la fatturazione elettronica tra privati
Gli incentivi statali per la fatturazione elettronica tra privatiGli incentivi statali per la fatturazione elettronica tra privati
Gli incentivi statali per la fatturazione elettronica tra privati
 
3 m
3 m3 m
3 m
 
Ficha Escola Música FRC
Ficha Escola Música FRCFicha Escola Música FRC
Ficha Escola Música FRC
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 

Semelhante a Autoavaliacao sessao 4_5_alexandra

Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandraRelatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
alexandranuneslopes
 
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandraRelatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
alexandranuneslopes
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
guest4889824
 
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
guest36ad53
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
biblioteclar
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
guest1d174ffe
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
anamariabpalma
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
guest7716cf
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
mariaemilianovais
 

Semelhante a Autoavaliacao sessao 4_5_alexandra (20)

Reflexão+final
Reflexão+finalReflexão+final
Reflexão+final
 
Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandraRelatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_3_alexandra
 
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandraRelatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
Relatorio de autoavaliacao_sessao_2_alexandra
 
Autoavaliacao sessao 7
Autoavaliacao sessao 7Autoavaliacao sessao 7
Autoavaliacao sessao 7
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Tarefa 4 Isabel
Tarefa 4 IsabelTarefa 4 Isabel
Tarefa 4 Isabel
 
ApresentaçãO Modelo Auto AvaliaçãO Raquel
ApresentaçãO Modelo Auto AvaliaçãO RaquelApresentaçãO Modelo Auto AvaliaçãO Raquel
ApresentaçãO Modelo Auto AvaliaçãO Raquel
 
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
O Modelo De Auto Avaliacao1 (reflexão)
 
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
3ª Sessão - Powerpoint para apresentação no C.P. da Escola/Agrupamento - o pa...
 
3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte
 
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 NovS2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
S2 T2 Analise Critica Ao Modelo De Autoavaliacao Eunice Pinho V1 10 Nov
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 

Mais de alexandranuneslopes

Mais de alexandranuneslopes (20)

Conto matilde rosa-araujo-misterios
Conto matilde rosa-araujo-misteriosConto matilde rosa-araujo-misterios
Conto matilde rosa-araujo-misterios
 
Omeninodoespelho
OmeninodoespelhoOmeninodoespelho
Omeninodoespelho
 
James e o pessego gigante
James e o pessego giganteJames e o pessego gigante
James e o pessego gigante
 
Filha dos mundos
Filha dos mundosFilha dos mundos
Filha dos mundos
 
Ai quiseste ir de ferias
Ai quiseste ir de feriasAi quiseste ir de ferias
Ai quiseste ir de ferias
 
Christmas cards 8_e
Christmas cards 8_eChristmas cards 8_e
Christmas cards 8_e
 
Christmas traditions 8_e
Christmas traditions 8_eChristmas traditions 8_e
Christmas traditions 8_e
 
Piratas e corsários
Piratas e corsáriosPiratas e corsários
Piratas e corsários
 
O barco de chocolate
O barco de chocolateO barco de chocolate
O barco de chocolate
 
Actividades aprendermais 1_periodo
Actividades aprendermais 1_periodoActividades aprendermais 1_periodo
Actividades aprendermais 1_periodo
 
Resumo datado do paa
Resumo datado do paaResumo datado do paa
Resumo datado do paa
 
Plano anual de actividades 2010 2011
Plano anual de actividades 2010 2011Plano anual de actividades 2010 2011
Plano anual de actividades 2010 2011
 
Tabela matriz sessao1_alexandra_lopes
Tabela matriz sessao1_alexandra_lopesTabela matriz sessao1_alexandra_lopes
Tabela matriz sessao1_alexandra_lopes
 
Manifestoportuguese brazil
Manifestoportuguese brazilManifestoportuguese brazil
Manifestoportuguese brazil
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
 
Comentario critico 7 sessao
Comentario critico 7 sessaoComentario critico 7 sessao
Comentario critico 7 sessao
 
Informeapeialfin
InformeapeialfinInformeapeialfin
Informeapeialfin
 
Comentario critico 7 sessao
Comentario critico 7 sessaoComentario critico 7 sessao
Comentario critico 7 sessao
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
 
Aee 08 09_quadro_referencia
Aee 08 09_quadro_referenciaAee 08 09_quadro_referencia
Aee 08 09_quadro_referencia
 

Autoavaliacao sessao 4_5_alexandra

  • 1. Relatório de auto-avaliação da quarta e quinta sessão O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO Dar início ao processo de auto-avaliação da BE, foi, provavelmente a tarefa que mais inquietações nos suscitou desde o início desta acção de formação. Desde logo pelo facto de nos ter sido pedido que se esta operacionalização se integrasse no contexto real da nossa BE e pelo que tal obriga de (auto)reflexão e questionamento1 e depois pelo nos ter dado uma noção do caminho que ainda há a percorrer. Questionamento é provavelmente aqui a palavra-chave – o processo de auto-avaliação coincide com questões fulcrais relacionadas com a BE e com a própria escola/agrupamento. As questões que se nos colocam ao planear a avaliação da BE - Porquê? O quê? Com quem? Quando? Como? – são idênticas às que devem reger a própria estrutura educativa. Esta avaliação é tão importante para a biblioteca como para a escola, para a comunidade educativa. Ou deve ser. Tal contexto todavia, na maioria das escolas, ainda não foi criado. A BE é importante mas ainda não é entendida pelos agentes educativos como central na vida escolar. Resta, portanto, a meu ver, dar início a este processo de forma inversa. Ou seja ir de encontro ao que se solicita no PE, no PCA e, definir percursos paralelos que, mais à frente, poderão modelar e contribuir para a transformação. É sempre possível equacionar esse apoio, definindo actividades ou projectos concretos que podemos acompanhar e partilhar com coordenadores curriculares, coordenadores de projectos, directores de turma. Torna-se aqui imperativo enunciar alguns aspectos que condicionam e dificultam a implementação deste modelo: desde logo a falta de tempo para consecução do processo, dada a sobrecarga de trabalho que a aplicação do modelo acarreta e, embora, o workshop formativo ou a apresentação em conselho pedagógico seja, a meu ver, muito proveitoso, continua a ser difícil garantir o envolvimento de todos os intervenientes, quer na aplicação dos inquéritos aos alunos e/ou coordenadores de departamento na resposta aos inquéritos solicitados quer na participação activa em determinadas areas. A elaboração do plano de avaliação, como documento, impõe, assim, uma reflexão sobre o forma como a própria escola funciona e, ao fazer tomar consciência da importância da biblioteca, demonstra igualmente junto dos professores, o contributo da BE para a aprendizagem e os resultados escolares, mostrando-lhes as suas potencialidades e a forma como podem utilizá-la melhor nas suas actividades de planeamento das aulas e de ensino. A auto-avaliação pode ajudar a encorajar uma melhor utilização da BE. A mais-valia deste documento é a de permitir a melhoria contínua da acção e do impacto da biblioteca nas aprendizagens. A sua meta é, obviamente, a meta do próprio sistema de ensino. Neste caso concreto, na elaboração do Plano de Avaliação da BE Elias Garcia partiu-se do Plano de Acção definido para as BE do Agrupamento para o quadriénio de 2009-2013. As propostas enunciadas resultam da análise e orientações dos documentos de referência do Agrupamento (Projecto Educativo, Projecto Curricular, Plano Anual de Actividades e Regulamento Interno) e, claro, do modelo de auto-avaliação. Apresenta-se, desta forma, uma forma de implementar o MAABE que propicie uma reflexão daquilo que se pretenda da BE, que conduzirá inevitavelmente a uma BE que avalia as actividades realizadas, que consegue identificar os seus pontos fortes e os seus pontos fracos para, assim, poder melhorar. 23/11/2010 Alexandra Lopes 1 Reflectir sobre as diferentes etapas do processo de auto-avaliação, desde a necessidade de enquadramento nas diversas estruturas educativas, elaboração do diagnóstico para identificação do problema e definição dos objectos da avaliação, factores críticos, métodos e técnicas a utilizar, instrumentos identificados, e numa fase posterior planear igualmente a recolha e tratamento dos dados, análise e interpretação da informação obtida, síntese. (cf texto da sessão quatro).